quarta-feira, 28 de março de 2018

E ... sobre o Sol...




E... sobre o Sol...

E eu aqui... olhando pelo semiaberto da janela a melancolia do céu... nem era normal, deixar aberta a janela durante a noite... há muitos insetos..., mas havia o calor...
Voltando à melancolia, eu diria que ela é culpa do dia... ou melhor: do Sol... e eis a explicação para o mau humor do céu, ao alvorecer... pois que, com absoluta razão, o céu não gosta do Sol... como assim??? Ora, o céu brinca, a noite toda, com as estrelas... quando não brinca, observa e ausculta as fofocas entre elas... sim!!! As estrelas preferem a noite, pois que são fofoqueiras... viajam bilhões de quilômetros para fuxicar sobre a vida de um astro... e como dizem mal dos cometas com seus rabos quentes... incandescentes... mente, a “ciência”, ao dizer que o Sol também é uma estrela...   
   
- Nunca!!! diriam elas... pois que as estrelas também não gostam do Sol... e na simples clareza da razão, inversa ou reversa, elas fogem para outras dimensões, quando, no atrever do dia, obrigatório, o Sol se impõe... mesmo sabendo que não é bem-vindo, nem pelo céu, nem pelas estrelas, nem pelo poeta... ah... mas que importa o poeta??? ora... as estrelas e o céu o amam... e, na reta curvilínea da razão direta, poeta e sol nunca combinam... poeta gosta de flores... e o Sol queimou a pétala da flor do maracujá... ah... sim... agora tem a ver a janela aberta... é que o poeta cultiva os maracujazeiros... pois que o Sol (ele de novo?) superaquecia as paredes do quarto... agora, com a camuflagem dos maracujazeiros, amenizou durante o dia... só durante o dia??? pois é... como é difícil se esquivar das malandragens do Sol... lembram que havia o calor??? pois bem... custou o poeta descobrir que o Sol estava se escondendo, não no pressuposto ‘horizonte’, mas sim embaixo de sua cama... apagadinho, camuflado em um sapato velho... ah... sim... explicado agora está o calor intenso na madrugada... e a madrugada também não gosta do Sol... e foi só o poeta deixar a janela aberta e ele ser desmascarado pelas estrelas... Fugiu... e agora está se escondendo no estreito beco entre o muro e a parede do quarto... superaquecendo o quarto... e não deixando o poeta dormir pela madrugada... e, então, na solidão deixada pelo fim da muvuca gerada pela claridade do Sol, o poeta escreve sobre  o amor, sobre as estrelas, sobre a Lua, sobre as flores... mas, por que então a flor do maracujazeiro se fecha à noite, só se abrindo quando é tocada pelos raios do Sol? E por que a Lua segue o Sol, roubando-lhe luminosidade, para que não fique sempre ‘nova’, ou seja: quase escura? É estranho... se todos não gostam do Sol... e se o Sol continua a lhes visitar, a lhes aquecer, a lhes manter a vida... haveria um porquê... e se fosse porque ele é um auxiliar de Deus??? Então seria assim?: Deus dá a vida e o Sol ajuda a mantê-la? Então cantemos, todos nós: poetas, estrelas, Lua, céu, flores... “Que viva o Sol... E que brilhe para sempre!!!”

Violeiro Mineiro Capiau



 http://www.artfile.ru/s.php?s=8

8 comentários:

  1. Um texto muito lindo, Violeiro Mineiro Capiau, profundo e mensagens contidas nas entrelinhas, que apresentam um teor cultural elevadíssimo, li e reli para alcançar o tema abordado. As belíssimas imagens ilustrativas também falam muito e, descrevem uma beleza literária enorme. Parabéns a ambos. Bravo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grato, querida poetisa, pelas gentis considerações!

      Excluir
  2. Lindo e expressivo texto amigo Violeiro, a temática é profunda e algumas mensagens ficam implícitas, se faz necessário um olhar além do visível. Imagens show! Parabéns a ambos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, amigo, pela leitura e considerações do meu humilde escrito de capiau! Abçs!

      Excluir
  3. Um texto com a assinatura do Violeiro Mineiro Capiau não poderia ser diferente, complexo e completo em si mesmo. Um diálogo entre seus pensamentos e seus sentimentos que nem sempre andam juntos mas viajam em harmonia. É bom ler seus trabalhos, faz a gente pensar, e hoje algo que faça a gente pensar é tão raro. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, nobre poeta, pela gentileza das postagens e generosos comentários! Meus escritosinhos, capiaus, até ganham vida pela beleza das páginas desse blog! Parabéns pelo blog e, eternamente grato pela divulgação de meus humildes escritos!

      Excluir
  4. Muito belo seu texto poeta Capiau, contém várias mensagens no decorrer do texto... é precisa uma leitura além do olhar. O poeta é profundo, mas émestre na arte de escrever. Muito te admiro! Imagens perfeitas, que simbolizam o tema. Parabéns a ambos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo poeta! É sempre uma honra ter os teus, generosos e gentis, comentários em meus escritosinhos de capiau... Nem mesmo me considero um "escritor", mas gosto de devanear sobre o que a vida me mostra! Abçs!

      Excluir