sexta-feira, 2 de março de 2018

Um Novo Conto de Elisabete Leite




    UM GRITO NO AR: SONHO OU REALIDADE???



          Anoiteceu completamente, os crepúsculos, no horizonte, já haviam desaparecidos, davam passagem ao luar prateado, às nuvens que bailavam no céu e às estrelas que cintilavam, deslumbrantes. O silêncio predominava nos corredores sombrios do Hospital da Luz, localizado na Vila dos Milagres... De repente, gritos estridentes quebram aquele sepulcral silêncio: Socorro... Socorro! Sérgio Rodrigo, que dormia profundamente, acorda assustado pelos gritos que vinham do corredor. Ele, menino de dez anos de idade, está, então, internado com suspeita de Leucemia Mieloide Aguda (tipo de câncer do sangue e da medula óssea em que há excesso de glóbulos brancos imaturos).

          O garoto naquela noite, estava sem acompanhante, pois que sua mãe precisara sair mais cedo para resolver questões de cunho pessoal. Serginho, como era conhecido carinhosamente pelas enfermeiras, começou a suar frio. A palidez de seu rosto se confundia com o branco da parede do quarto. sentiu falta de ar, sintomas da maléfica doença. Confuso, não sabia se ficava parado, ou se corria à procura de ajuda. Menino bonito, de cabelos louros encaracolados e olhos de tom verde claro e brilhantes, que mais pareciam duas pedras de esmeraldas... Ele que já era magro, e agora acometido pela terrível doença, ainda mais franzino estava... Sentou-se na cama para não cair, pois que seus músculos estavam quase que paralisados pelo longo período que passara em uma só posição; mesmo assim resolveu se levantar e procurar a sala de enfermagem, que ficava no mesmo andar de seu quarto. Queria saber o motivo daquele grito estarrecedor, que o deixara assustado... Sentiu um calafrio de medo, quando olhou o longo corredor, preenchido apenas por sombras e penumbras... “Será que os gritos são de um fantasma?”, pensou ele... Já ia voltar para quarto, quando ouviu novamente um grito no ar: Por favor, socorro! Apavorado, o garoto parou... suas pernas tremiam, dificultando ainda mais a sua, sofrida, locomoção. Então sentiu um toque em seu ombro, de uma mão gélida, que causou arrepio até em sua alma, seguido de uma voz aguda e sofrida que dizia-lhe:


 
          - Você pode me ajudar? Meu nome é Clara, estou gritando há duas horas e ninguém aparece.

          Serginho olhou fixamente nos olhos azuis da menina, que ainda era mais pálida que ele, e respondeu-lhe:

          - Clara, como posso ajudá-la? Estou aqui precisando de ajuda... morrendo de medo. Que susto você me deu!

          A menina continuou:

          - Sabia que a Morte veio, hoje, me visitar, e me pediu para doar minha vida à primeira pessoa que encontrasse. Mesmo não entendo o porquê de precisar doar minha vida a alguém, quero doá-la a você.

          Ao ouvir aquilo... o garoto desmaiou no corredor frio daquele Hospital. Quando acordou estava em seu quarto, como se nada houvesse acontecido. Havia amanhecido, a troca de turno já tinha sido realizada, e as visitas dos médicos recomeçaram. Sua mãe, portadora de grande Fé, entrou no quarto radiante de alegria, pois que soubera da súbita melhora do garoto. Ele jamais descobriu se foi sonho ou realidade, o encontro daquela noite. Procurou saber onde estava Clara, mas ninguém a conhecia e nem sabia informar.

          Serginho realizou novos exames e, milagrosamente, o câncer continuava a regredir, até que, em poucos meses, estava totalmente curado.

          Hoje, Sérgio Rodrigo é um médico renomado, o melhor Oncologista do Hospital da Luz... passa a maior parte do tempo atendendo crianças, trabalhando naquilo que mais gosta de fazer: salvar vidas. Ele jamais se esqueceu do grito no ar... e do rosto meigo da menina Clara.

          Sonho ou Realidade? Acredite quem tem Fé...

          Elisabete Leite – 23/02/2018


Médicos sem Fronteiras


9 comentários:

  1. Estou extremamente emocionada...Senti medo quando escrevi o Conto e relendo agora, senti medo novamente. Gosto muito de aprender e ensinar através dos contos. É importante na narrativa passar mensagens para as crianças. Despertar nelas sentimentos adormecidos. Belíssima ficou a página, imagens que expressam muito bem a temática. Trabalhar o tema "milagre" requer muita Fé. Obrigada querido poeta Jorge por compartilhar. Muito feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiz este conto em homenagem, a todos os médicos, que se dedicam a salvar vidas. Em especial, Jorge Leite e Socorro Leite. Parabéns

      Excluir
  2. Belíssimo Conto, com uma mensagem edificante. Também fiquei com medo, ao fazer a leitura, quando chego no hospital, sinto até arrepios. Imagino, ouvindo gritos. Viajei na temática, seus contos prendem o leitor do início ao fim. Amei as imagens. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Beautiful tale, feeling and emotion in an amazing story. Congratulations!

    ResponderExcluir
  4. Que maravilha de Conto! Puramente emicionante, um toque de mistério de magia no ar. O leitor se surpreende com o final e viaja em barco com muitas emoçóes. Encantado com sua narrativa. Imagens que emocionam tanto quanto o texto. Show de página!

    ResponderExcluir
  5. Venho reverenciar e parabenizar, essa mulher incrível, forte e poderosa, que sabe emocionar. Elisabete Leite, me emocionei, viajei e senti medo na leitura de teu conto. Achei sensacional, e com um desfecho monumental. Aplausos e para ti... que és mulher! Feliz 8 de março! Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Achei o Conto fantástico, muito mistério, com um final feliz. Fiquei preso na narrativa do início ao fim. Personagens versátis. Só resta-me aplaudir. Imagens significativas! Parabéns amiga poetisa. Parabéns blog!

    ResponderExcluir
  7. Lindo, muito lindo seu Conto Bete, trabalhar com eles em sala de aula, será muito emocionante. Amei viajar nessa temática, mistério no ar. Parabéns amiga... As imagens ficaram show! Maravilhoso blog!

    ResponderExcluir
  8. Obrigada a todos meus amigos e amigas pelas leituras e carinhosos comentários. Voltem sempre! Abraços...

    ResponderExcluir