domingo, 1 de abril de 2018

Dois Momentos, Um só sentimento: Solidão





Desabafo.
(ou “Um Grito Do Meu Vazio Interior)

Hoje vou me embriagar,
Me embriagar na saudade,
Na dor, sentimentos não demonstrados,
E já se faz tarde para demonstrar.
Me embriagar na tristeza,
No amor não dado nem revelado
Guardado, não sei para que, nem porquê.
A vida é uma merda.
Que se fodam todos,
Pois estou com raiva.
Pelo menos a raiva é minha
Ninguém pode tomar,
Que venha mais raiva
Pois ela se torna eu.
Que venha mais dor, mais sofrimento
Pois são verdadeiros, não interesseiros.
A dor é pura, o sofrimento também.
A alegria não é nossa, pertence a alguém,
Sofremos por nós, não por ninguém.
A dor é minha, a alegria não sei.
Falta rima, e quem se importa,
A vida é uma merda
Que se fodam todos,
Estou só em minha solidão.

Jorge Leite em 31 de março de 2018

 

Na cidade, centenas de pessoas
Passam em minha frente.
Procuro um rosto amigo,
Um rosto conhecido
Só vejo espelho, dor, solidão.

Olho para os lados,
Procuro alguém;
Todos estão apressados,
Não prestam atenção.
Não escutam,
Seguem sem direção.

Apresso os passos,
Apressam os passos.
Isolo-me, isolam-me.
Estou só na multidão

Volto, revolto.
Faço o percurso que já fiz
Tantas vezes, que não levam
A lugar nenhum.
E ao chegar, lá já estava,
Já me encontrava,
Só.

Jorge Leite  


 https://pixabay.com/
 
 


6 comentários:

  1. Um belíssimo momento de arte poética. A nostalgia parou no ar... Seu grito, antes preso, ecoou, e agora está sozinho para compor. Seus lindos versos definem a raiva e a dor por se sentir só no vasto mundo. Uma página belíssima de um médico que, agora, é também um poeta. Estou aqui só, vamos brindar juntos? Parabéns e aplausos pela coragem de soltar seu grito. Bravo!

    ResponderExcluir
  2. Excelente poetizar amigo Jorge, versos profuntos e melancólicos, mas de uma maestria ímpar. A dor fez ressoar seu grito, extraído de dentro da sua alma. Sua poesia é um rebento que foi parido das tuas entranhas. Tu és um grande poeta. Imagens pertinentes ao tema. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Eita poeta, muito lindos os dois momentos de solidão! Belos poemas que são tecidos na sua dor, de se sentir só, entre tantos e tantas. Mas quero te fazer um pedido, em nome do blog: Queremos te ver sorrir novamente, escrever seus poemas, ilustrar o blog, com alegria e satisfação, nada de solidão. Parabéns pela linda página.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karen, solidão são momentos, são instantes, faz parte da vida. A maior parte do tempo estou bem, em alguns momentos a solidão quer aprontar mas é barrada de imediato por mensagens como a sua e de todos que tem me acompanhado nesse blog. Continuarei a ilustrar os trabalhos de Elisabete, Flor de Luz, Socorro Paiva, Mineiro Violeiro Capiau, Maciel Jr e todos que usarem esse blog para mostrar seu trabalho. Pena eu não poder ilustrar suas mensagens, seria um grande prazer. Obrigado Karen.

      Excluir
  4. Enquanto a dor ecoa, o Amor ressoa... Embora nos sintamos... não somos ilhas... somos filhos e filhas... queiramos ou não queiramos... de uma única mãe e pai... por isso cada "ai"... exposto ao Universo... se torna uma rima, um verso... de uma única poesia... que o Autor, com maestria... nos deixou como Verdade... a Poesia: Humanidade!

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito da partilha, os poemas expressam raiva, melancolia, mas acima de tudo muita maestria poética... lindos e expressivos. Imagens belas e pertinentes ao tema. Parabéns poeta Jorge! Tudo show! Abraços

    ResponderExcluir