sábado, 21 de abril de 2018

ERA UMA VEZ DE NOVO

                                                             ERA UMA VEZ DE NOVO


           Era uma vez uma linda Joaninha, que habitava em uma floresta muito distante, lá até os animais falavam... Ela vivia à procura de uma amiguinha, voando de galho em galho, a cantarolar sua suave musiquinha...

“Voo pra lá e voo pra cá...

Sou Joaninha e vivo a cantar

Quero encontrar uma amiguinha

Para comigo poder brincar,

                                                       Voo pra lá e voo pra cá...”

          A faceira Joaninha vestia um deslumbrante vestido vermelho, com bolinhas pretas, que realçavam de dia ou de noite, por baixo da sua roupagem se escondiam duas asinhas resistentes, prontas para alçarem voo. Pois sabe-se que (as joaninhas são insetos pequenos e coloridos, muito admirados por sua beleza e, em muitas culturas, símbolos de boa sorte e fartura). A bela Joaninha era forte e saudável, pois gostava de comer bastante: as moscas das frutas, os piolhos das folhas e outros tipos de insetos, pois ela queria ter muita força para voar, voar alto na companhia do vento. A Joaninha, diariamente, se banhava nas gotículas de água que se acumulavam em cima das folhas, pois era bastante vaidosa. Ela gostava de contemplar as abelhas sugando o néctar das flores, ao alvorecer. Às vezes ficava triste, pois não conseguia encontrar uma amiguinha para com ela poder brincar.

          Mas um dia, a Joaninha resolveu viajar e, procurar uma amiguinha em outros lugares distantes. Ela era muito persistente e, queria a todo custo encontrar uma amiguinha... Voou e voou, alçando voo muito alto, pois queria olhar o mundo de cima das nuvens. De repente avistou, de longe, um magnífico jardim, com diferentes espécies de flores: Rosas, Margaridas, Girassóis, Cravos e Jasmins, que davam um colorido especial ao cenário; no centro do jardim existia um pequeno lago, com uma fonte, onde lá habitavam diferentes tipos de peixinhos coloridos... Ah, era um local agradável e muito acolhedor! A esperta Joaninha logo pensou: “Vou passar alguns dias neste jardim e, quem sabe, aqui, eu encontre uma amiguinha para comigo brincar.” Voou até o jardim e logo, acomodou-se em cima, das pétalas, das Margaridas, ficando lá descansando da longa viagem. Foi despertada por um canto sofrido e estridente, que lhe doía até os tímpanos, sonolenta não conseguia identificar quem o cantava. Levantou-se e avistou de longe, um animalzinho em cima de um galho de roseira. E tranquilamente se aproximou e foi logo perguntando:

          - Olá, quem é você?

          - Sou uma Cigarra. O animalzinho responde, com precisão.

          A tagarela Joaninha não parava de falar:

          - Uau! Você sabe cantar dona Cigarra. Seu canto é belo, mas muito triste.

          - Não é triste, é minha natureza cantar assim. Respondeu-lhe a Cigarra.

          A Cigarra olhou a Joaninha de cima a baixo e, continuou falando:

          - Joaninha, o que você veio fazer tão longe de seu habitat natural?

          - Eu quero encontrar uma amiguinha, para comigo brincar. Disse-lhe a Joaninha entristecida.

          Ela continuou falando:

          - Eu tenho uma suave melodia; você pode cantar para todos ouvirem?

          - Posso sim!  Mas gostaria de passar-lhe uma mensagem: “Saiba que amiguinha não se acha, se conquista.” Disse-lhe a Cigarra, com ar de erudita.

          A joaninha ficou pensativa e, começou a cantar sua suave melodia para Cigarra ouvir:

“Voo pra lá e voo pra cá...

Sou Joaninha e vivo a cantar

Quero encontrar uma amiguinha

Para comigo poder brincar,

Voo pra lá e voo pra cá...”

          A Cigarra ficou fascinada com aquela bela e suave canção. Ela prometeu a Joaninha que iria cantar bem alto, para que todos pudessem ouvi-la. E assim fez, cantou e cantou, o mais alto que podia suportar, para que todos escutassem, em forma de versos cantados, o pedido de amizade da Joaninha, que ficou ali, bem quietinha, vendo-a cantar. Após algumas horas de cantoria, uma outra Joaninha que morava próximo dali, foi atraída pela música irresistível que a Cigarra cantava e, voo até aquele jardim para escutar, de perto, a mais admirável das canções, pois o som até parecia uma orquestra sinfônica. A Joaninha visitante, muito faceira, vestia um esplêndido vestido amarelo de bolinhas pretas, logo aproximou-se. Ela tinha um semblante plácido, pois estava inebriada pelo ritmo da música, nem viu que ali estava outra Joaninha. A cigarra percebendo que havia duas Joaninhas, imediatamente parou de cantar e, foi logo dizendo:

           - Uau, vocês são duas, se tornem amiguinhas!

          Ouvindo o que a Cigarra falava. As duas Joaninhas deram as mãos e voaram felizes a cantarolar.

“Voamos pra lá e voamos pra cá

Duas Joaninhas a cantarolar    

Agora já somos amiguinhas

 Estamos felizes e vamos brincar,

  Voamos pra lá e voamos pra cá...”

Era uma vez de novo...                                                                       

Elisabete Leite – 1/04/2018

(A produção foi realizada, em sala de aula, com os estudantes dos 3º,4º e 5º anos do Ensino Fundamental I)









 

10 comentários:

  1. Estou encantada com o deslumbre da página; muito colorido, harmonia e fantasia no ar. As imagens deram vida as personagens, pois o conto é realmente sublime. Toda página é pura magia. A última imagem apresenta um mensagem fantástica. Muito emocionada e feliz. Quero agradecer aos meus pequenos filhos e filhas de coraçáo. Parabéns pelo conjunto!

    ResponderExcluir
  2. Um belíssimo conto; o diferencial é a participação dos estudantes, em sala de aula, interagindo, opinando e contribuindo com à narrativa. As imagens foram escolhidas com perfeição. A construção final com o toque do poeta Jorge, fechou com chave de ouro a página do blog. Parabéns amiga Elisabete Leite. E ao blog aplausos. Abraços

    ResponderExcluir
  3. O conto é lindo e encantador, amiga poetisa Elisabete Leite. Nós sabemos da sua luta com os estudates para fazer este conto acontecer. E o sonho foi realizado. As imagens deram colorido e beleza. Um faz de conta que ganhou vida nesta página, só espero que as crianças tenham oportunidade de ver a obra final. Parabéns a todos. Sucesso em seu projeto. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Linda página, lindíssimo conto amiga poetisa Elisabete Leite, principalmente em saber que foi contruído com os alunos. Um mundo mágico de cores e fantasia. As imagens ilustrativas embelezam o tema. Parabéns pelo conjunto! Show

    ResponderExcluir
  5. Que lindo e encantador conto Bete. Eu que te acompanho nos projetos, fico radiante de felicidade pelo sucesso no resultado final. Seu sonho foi realizados; seus alunos interagiram e contribuiram para a magia acontecer. Lindas, coloridas e expressivas imagens adornam seu conto. As crianças agradecem. Parabéns a todos! Abraços

    ResponderExcluir
  6. Um mundo encantado de conto, magia, beleza e colorido. Amei a mensagem deixada pela amiga Elisabete Leite. As imagens deram vida as personagens. Parece que estamos lendo os contos encantadores dos irmáos Grimm. Sucesso no seu projeto! Parabéns a todos.

    ResponderExcluir
  7. Lindo conto que realça o valor da amizade e do compartilhamento de ideais... Parabéns às crianças, a poetisa Elizabete Leite e ao blog! V M Capiau...

    ResponderExcluir
  8. Um conto muito belo e encantador... a magia posou nesta página do blog, deu vida as personagens e asas à imaginação. Um construção de grande importância pedagógica para as crianças. Imagens expressivas que dão colorido e riqueza ao conto. Tudo mágico! Parabéns a todos que contribuíram para essa resultado final. Bom domingo!

    ResponderExcluir
  9. Quero agradecer a todos que carinhosamente leram e conentaram, é essencial pois os estudantes também agradecem. Vou mostrar aos alunos o resultado final com imagens e comentários. Como também os demais contos infantis compartilhados aqui. Sem palavras! Obrigada Jorge!

    ResponderExcluir
  10. Mais um sonho realizado, muito feliz e agradecida. O primeiro Conto publicado em uma coletânea "VIVENDO CRIANÇA II". Obrigada a todos! Beijos

    ResponderExcluir