quarta-feira, 4 de abril de 2018

Erotismo - Um Valsar Sedutor





VALSAR SEDUTOR


                                Pedi, ao garçom, mais uma dose de Whisky              - Flor de Lis

Enervada e sozinha, naquela mesa de bar

Vejo-te sentado, tranquilo, à minha frente

Como num passe de mágica, estávamos a dançar

Envolve-me, totalmente, em teus braços...



Acaricia minha face, procura minha boca

Rodopiamos ao som de uma valsa vienense

O ritmo inebriante, não me deixa pensar

Embriago-me com outra dose Blue Label

Misturada com o picante sabor de teu suor...



Tua língua ardente, procura a minha boca

Um afogueado beijo, marca aquele encontro

Tuas mãos viajam pelas curvas de meu corpo

Entre afagos e beijos, nesse valsar sedutor

Sinto-me amada... inteiramente uma Mulher...



                                  Retribuo a todos os teus vulcânicos afagos               - Maciel Jr.

Gritas, suspiras ao toque das minhas mãos

Agora já não tenho controle dos meus atos

Deleito-me dos nossos tórridos momentos

São carícias, infinitas, de uma ardente paixão...



Nossos corpos já não respondem aos comandos

Assim, nosso ato de amor, logo, se consumou

Ah, fico inerte, preso em um ardente abraço!

Aos poucos, a música vai diminuindo seu som

Deixo-te, sozinha, devaneando este valsar sedutor.


Flor de Lis & Maciel Jr. (1/04/2018)


“O CHÃO É CAMA PARA O AMOR URGENTE”, DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (1902-1987)
O chão é cama para o amor urgente,
amor que não espera ir para a cama.
Sobre tapete ou duro piso, a gente
compõe de corpo e corpo a úmida trama.
 E para repousar do amor, vamos à cama.




" O amor é essencial;

 O sexo é só um acidente. 

Pode ser igual 

Ou diferente."


 

6 comentários:

  1. Uma página sensual, sem agredir o natural. Um dueto belíssimo e expressivo que retrata o erotismo não como mera fruição da sexualidade, ou como o gozo sexual propriamente dito, mas antes como a ânsia do absoluto, da fusão com o outro e com o universo. "Sabe-se que o erotismo está presente na literatura da antiguidade até nossos dias." Portanto, fazer arte é versejar de todo e qualquer estilo. A poetisa Flor de Lis é livre de corpo e mente, sendo assim trabalha os seus poemas com sensualidade e liberdade; já o poeta Maciel não fica atrás é sonhador e, gosta de inovar sua arte. Imagens e pesquisa pertinentes ao tema abordado. Parabéns pelo conjunto!

    ResponderExcluir
  2. Mais uma linda criação poética, um dueto lindíssimo da minha nobre amiga poetisa e meu amigo poeta. Gostei muito! o texto não é só um poema sensual é uma arte poética. Meus cumprimentos sinceros e parabéns. As imagens são expressivas. Deixo meu abraço com muita estima e profunda admiração. Show de página!

    ResponderExcluir
  3. Uma página notável, com poetas em dose dupla. Estou lisonjeado em tecer este dueto com minha amiga Flor de Lis, realmente não tecemos nossa arte com erotismo e sim, com sensualidade e emoção. Resta-me agradecer a Lis pela parceria, ao poeta Jorge por compartilhar e ilustrar e a todos pelos belos comentários. Parabéns pelo conjunto. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Um deslumbre de página... Estou lisonjeada pela parceria poética com meu grande amigo sonhador Maciel Jr.. Fizemos um dueto suave, com muito sentimento e emoção extraídos do âmago da alma. Não gosto de ser vulgar, gosto sim de ser livre e, tecer meus versos com sensualidade, desnudando meu lado de mulher. Gratidão sempre pelo carinho que o poeta Jorge tem com seus colaboradores e amigos. Obrigada por partilhar meu momento de arte poética e ilustrar com tanta sensibilidade e perfeição. Quero agradecer a todos pela leitura e belos comentários. Abraços

    ResponderExcluir
  5. Eita, página bonita com imagens belas e expressivas; tudo da melhor qualidade. Quero parabenizar aos amigos poetas pelo momento de arte. É importante que o blog partilhe outros estilos, eu particularmente náo conhecia o que era dueto. Agora sei que é um estilo inovador, onde dois poetas interagem na mesma poesia e com a nesma temática. Gistei do que li. Sempre aprendemos por aqui! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um Dueto, Duo (do latim duo, ae, o: 'dois, duas') que pode ser usado na música ou em outra arte. Na poesia, é o encontro de dois poetas apresentando, juntos, a menma tenática na mesma composiçáo poética. É por aí... depois Jorge se aprofunda neste assunto.

      Excluir