terça-feira, 10 de abril de 2018

Floresta Encantada

 



FLORESTA ENCANTADA
                                                                                                                        Elisabete Leite

          Era uma manhã de outono. A estação em que o vento sopra, com mais intensidade, fazendo com que, na floresta, as folhas das árvores bailem no ar; quando estas mudam o seu verde, ficando amareladas, até que caem, a secarem, para dar lugar às novas, em constante e quase infinita, renovação...
          Nesta floresta, a paz é uma constante; e a bicharada descansa, sobre a relva, aproveitando a magia das noites de luar. Dizem que Fadas e Elphos habitam neste lugar, que é de um encantamento único, mágico (Sabe-se que as Fadas são os seres mágicos, femininos, porquanto delicados; e os Elphos são, como se, as mesmas criaturas, pelo lado masculino), e há, também, os Duendes, mais levadinhos, mas só em brincadeiras sem maldade. Os animais, habitantes daqui, são unidos... compartilhando as tarefas diárias, em uma comunidade organizada, onde todos vivem em total harmonia. O ambiente é pacífico e bastante acolhedor, não existe diferença entre grandes e pequenos, pois que todos convivem, em igualdade, na solidariedade, estando o Amor, em cada coração... e é este o maior encantamento deste lugar, que o diferencia dos demais.
          Um certo dia... um forasteiro, Guaxinim, que estava, de passagem, por aquelas bandas, à procura de seu filhote desaparecido, resolveu pedir abrigo naquela floresta. Ele precisava descansar, pois fazia tempo que não dormia; estava muito preocupado, sabia que seu filhote se encontrava, com fome, frio e sozinho. Logo, ficou pensativo, pois desconhecia a quem devia procurar por lá... foi quando avistou de longe, um velho coelho que cochilava debaixo de uma árvore frondosa: um Jacarandá-da-Bahia. Ele aproveitava seu sono à sombra daquela espécie centenária, pois a mesma pode viver até 500 anos ou mais. O coelho, tinha um semblante tranquilo, parecia até sorrir, pois sonhava que estava se refrescando em uma enorme cachoeira, onde a água caia devagar, formando cristais coloridos, como se fosse um arco-íris, cintilando no céu, com suas diferentes cores: violeta, anil, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho. O Guaxinim se aproximou do Coelho e, foi logo gritando:
          - Ei Coelho, acorde!
          O Coelho, apavorado pelo susto que levou e ainda atordoado pelo sono, falou, compassadamente:
          - O senhor não tem educação, eu estava dormindo profundamente e, sonhava que me banhava em uma bela cachoeira, ouvindo o tamborilar dos pingos d’água nas pedras que ficam à margem... com o susto, eu quase me afoguei!
          O Guaxinim nem prestava atenção no que o Coelho dizia; continuava gritando desesperadamente, sem parar:
          - Preciso de abrigo, para pernoitar aqui. Com quem devo falar para pedir autorização?
    

      - Primeiramente, bom dia amigo! A floresta não é propriedade de ninguém, pertence à Mãe Natureza. Aqui todos podem autorizar, não existe um único governante, pois somos uma comunidade unida e organizada, onde todos somam e se ajudam. Disse-lhe o coelho.
          - Esquisito! Na floresta onde habito, com minha família, não é assim. Lá existe um único governante, o senhor Leão, os demais moradores são súditos e, precisam trabalhar para pagar a estadia. Respondeu-lhe o Guaxinim, meio chateado com a situação formada.
          Naquele momento o velho Coelho, até chorava, suas lágrimas emaranhavam sua visão, dificultando-o de olhar firmemente para o amigo à frente.
          - Por que choras Coelho? Perguntou-lhe o Guaxinim.
          - Eu choro de tristeza, tenho pena dos animais habitantes da floresta onde o senhor mora. Respondendo-lhe o Coelho.
          O experiente Coelho, continuava falando suavemente. Ele tinha o semblante acometido pelo sentimento de pena. Emitia palavras suaves, uma lição de vida para o Guaxinim.
          - Amigo Guaxinim, aqui na terra somos todos iguais, perante nosso Deus, sem distinção de raça ou cor. É assim que funciona aqui na floresta, “um local de amigos para amigos”. E perguntou ao Guaxinim:
          - Afinal, o que o trazes aqui?
          - Preciso descansar, estou sem conseguir dormir a vários dias. Viajo à procura de meu filhotinho. Ele sumiu a semana passada, quando vinha da escola. Estou muito preocupado e preciso de ajuda para encontra-lo. Disse-lhe o Guaxinim. 
          - Mas isso não é problema. O senhor pode ficar, aqui, pelo tempo que precisar: Eu te darei abrigo, comida e uma cama confortável para descansar. Ao amanhecer, iremos, juntos, procurar seu rebento... te ajudarei no que for preciso. Tenho muita Fé, em nosso Deus, que está nos mais alto dos Céus. Vamos encontrar seu filhotinho, pois Deus tarda, mas não falta. Iremos encontrá-lo mais cedo ou mais tarde. Seu rebento pode ter se distraído, se encantado com as fadas e elfos que habitam por aqui. Esta floresta é pura magia! Disse-lhe o experiente Coelho.


        E assim aconteceu: O Guaxinim foi acolhido, bem alimentado e dormiu profundamente, estava realmente muito cansado... o sol nem havia resplandecido no horizonte, quando os dois amigos saíram. Eles adentraram pela parte mais densa da floresta, à procura do filhote de Guaxinim. Vasculhavam os quatro cantos daquele lugar, até mesmo aonde o Coelho nunca havia pisado. Perguntavam a quem encontravam se haviam visto um filhote de Guaxinim passar por ali. Eles andavam rápidos e assim, foram soltando pedrinhas pelos caminhos, para demarcar o local de volta para casa.
          Já cansados de tanto procurar, sem sucesso algum, resolveram parar para descansar um pouco, pretendiam recuperar as forças e, continuarem a jornada após o descanso. Assim, o Coelho aproveitou o silêncio que predominava... só se ouvia o gorjear das aves, em revoada, em busca de abrigo. Logo pôs-se a pensar: “Meu Deus ajude o filhotinho de Guaxinim, proteja-o de todos os males, conduzindo-o a um local seguro.” E quedou-se por minutos. Olhou em volta e viu o pai Guaxinim dormindo ao seu lado e, também, foi ficando sonolento. De repente, abriu-se, a sua frente, a visão de um portal, que dava passagem a um novo caminho, ele ficou deslumbrado com à cena, como em um passe de mágica, viu uma ponte suspensa no ar, era adornada por flores de diversos tipos e cores: rosas, madressilvas, margaridas e jasmins. Por entre ramos e flores, avistou uma luz incandescente, que ilumina o centro de um belo jardim. Aproximou-se, notou que eram fadinhas que cintilavam sem parar... viu que no centro do jardim estava o filhotinho de Guaxinim dormindo tranquilamente, os pontinhos de luz que iluminavam o lugar, pareciam luzes coloridas em período natalino. O sábio Coelho parou e agradeceu a Deus: Obrigado Senhor! Assim, tomou o filhotinho em seus braços, levando-o, em segurança, para o pai Guaxinim... Subitamente, o portal se fechou e, as luzes se apagaram. Ele despertou e viu o filhotinho em seus braços e viu, que seu amigo Guaxinim estava no mesmo lugar. Assim, disse-lhe suavemente:
          - Amigo, acorde por favor! Seu filhotinho está comigo, sã e salvo.
          - Um milagre aconteceu! Venha filho querido, vamos para casa, que hoje temos muito para agradecer a Deus e ao senhor Coelho, pela sua infinita benevolência. Disse-lhe o Guaxinim sorrindo.
          Assim, pai e filhote, voltaram agradecidos e felizes para casa. Chegando em casa, o pai Guaxinim contou o que acontecera e, que havia pernoitado em uma floresta diferente, encantada, onde todos viviam em total comunhão... logo, os habitantes passaram a conviver em plena união, do mesmo modo da floresta, onde o sábio Coelho morava. Respeitavam-se entre si... e foram felizes para sempre, pois os ensinamentos do mestre Coelho serviram como lição a todos.
          Até hoje, o velho coelho sempre conta, aos pequeninos habitantes da Floresta Mágica, a história daquela noite de outono... ele agora tem uma certeza: A floresta é realmente encantada, e ali, tudo podia acontecer... sua Fé foi mais forte que as adversidades.
          São lições diárias da Escola da Vida!

Elisabete Leite – 19/03/2018

http://cozinhandoashistorias.blogspot.com.br/2015/03/era-uma-vez-uma-floresta.html

14 comentários:

  1. Fiquei encantado com a página atual. Ilustrar os contos de Elisabete Leite são fáceis, muita cor, alegria, paz e amor pelos seres viventes. E ilustrar um conto belíssimo como "Floresta Encantada" encheu-me de alegria, o resultado dessa alegria é a perfeita harmonia entre o texto mágico e as ilustrações. Até parece que todas as entidades que habitam essa Floresta Mágica vieram contribuir para o resultado final da postagem; simplesmente lindo. Não gosto de comentar meus trabalhos, mas esse em particular adorei, um casamento perfeito, se e que existe, entre o conto e as imagens. Parabéns Betinha.

    ResponderExcluir
  2. Emocionada aqui, impossível conter as lágrimas. O resultado final da postagem ficou sensacional... Um casamento perfeito, o conto é mágico e a mágia mistura-se com a fantasia. As imagens ilustrativas passam um colorido e harmonia ao tema abirdadi; até parece um orquestra executando a mais bela melodia. Estou simplesmente deslumbrada com o toque de mestre do Jorge. De todos os contos que já escrevi este é o meu preferido. Jorge, obrigada por compartilhar, grata pelo seu lindo e construtivo comentário. Parabéns pelo conjunto!

    ResponderExcluir
  3. Que maravilha de página amigos, um verdadeiro deleite literário. Um encanto de conto, com a magia das imagens ilustrativas, ficou um conto de fadas. Poetas, este blog é também mágico, ele enche nossa alma de pureza e arte. Quero parabenizar os dois pelo conjunto. É fantástico! Aplausos e aplausos de Pé. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karen, obrigada amiga querida, pelo belo comentário. Tu observaste que o personagem Coelho utilizou na fala dele o termo em destaque no blog "um local de amigos para amigos", eu coloquei de propósito para homenagear o blog e Jorge. Um forte abraço!

      Excluir
    2. Observei sim amiga, já li e reli várias vezes. Parabéns!

      Excluir
  4. Espetacular ficou a página, muita doçura e encantamento fazem parte deste momento de arte literária. O conto da amiga Elisabete Leite é belíssimo e as imagens de Jorge Leite são encantadoras. Realmente é um conto de fadas, mensagens edificantes... Estou aqui achando tudo um deslumbre. É um perfeito casamento a arte final das ilustrações com a temática em tela. Parabéns a ambos, os irmãos "LEITE" são um verdadeiro sucesso. Sr. Jessé e Dona Lourinete brilham orgulhosos no Céu.

    ResponderExcluir
  5. Sem dúvida nenhuma,é uma página fantástica, muita magia e fantasia tomam conta do blog. Como é bom ser criança! Um conto encantador, que traz mensagens edificantes. As ilustrações dão asas à nossa imaginação e vida aos personagens. Concordo, um casamento perfeito de tema com imagens. Parabéns amiga por mais um brilhante conto. Aplausos pelo conjunto. Tudo show! Um abração a todos!

    ResponderExcluir
  6. Oh, que lindo! Um mundo de fantasia na página do blog. Mostrei ao meu sobrinho a página do blog e li o conto para ele. Sorridente, ele falou que a história e gravuras estava um sonho. As imagens fortalecem a temática. Li também os contos infantis do poeta Jorge. Realmente contos de fadas. Obrigada amigos. Parabéns a ambos! Abraços

    ResponderExcluir
  7. Totalmente maravilhosa ficou a página do blog. Parece mais um conto de fadas, colorido e magia, que fascinam o leitor tanto a criança quanto o adulto. As imagens adornam esse mundo da fantasia. Melhor leitura para um dia de chuva. Já li e relí as diferentes páginas do blog. Parabéns Jorge pelas imagens ilustrativas e aplausos Elisabete pela grandiosidade das mensagens abordadas no seu lindíssimo conto. Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  8. Uma belíssima página, um mundo mágico estacionou por aqui. Um conto lindo demais, que passa mensagem edificante... as imagens ilustrativas embelezam o cenário. Dando vida as personagens. Estou fascinada pelo ambiente de fantasia. Parabéns por mais um brilhante conto amiga Elisabete Leite. Parabéns poeta Jorge Leite pelo conjunto! Show demais! Abraços...

    ResponderExcluir
  9. Um conto cheio de fantasia e pedagogia bem ao jeito dos que nossas mães nos contavam. Parabéns amiga.bj José Bagulho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lisonjeada nobre amigo poeta José Bagulho, pela sua ilustre visita e gentil comentário. Estou agradecida pelo seu apreço. Um forte abraço!

      Excluir
  10. Cara Elisabete:
    Beleza de conto e beleza de imagens, que ilustram lindamente a rica história. Parabéns e sucesso infinito na sua vida, minha amiga querida. Beijos!

    Lígia Beltrão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada nobre amiga querida Lígia Beltráo, feliz pela sua ilustre visita e carinhoso comentário. Receber um elogio da competente Escritora e uma honra. Beijos

      Excluir