terça-feira, 3 de abril de 2018

Poesia, Coisas de Poeta



Gosto de publicar minhas poesias ao lado das poesias de Elisabete Leite. Não para competir, mas para complementar e mostrar dois escritos de maneiras adversas. Elisabete Leite é uma poetisa clássica, competente, maravilhosa que sempre traz uma mensagem de alegria, de felicidade, demonstrando que as adversidades podem ser superadas com fé e alegria.
Minhas poesias são tortas como a vida, livres como gostaríamos de ser, imperfeitas na perfeição da vida, cruas. São cuspidas por sentimentos que brigam dentro de mim.
Elisabete não critica, mostra sempre o seu lado alegre, contente, realizada em si. É uma sonhadora, e seus poemas são perfeitos.
Eu, nas minhas tentativas de poetizar, escorrego, sou arrisco, não triste, mas também não sou alegre.
Hoje publico o lindo poema “Poesia” de Elizabete Leite. Republico uma das minhas poesias que eu mais gosto “Coisas de Poeta” Elisabete descreve com muita competência o que é a “Poesia” para o poeta; eu tento descrever o poeta, seus sentimentos em “Coisas de Poeta”.
Não comparem, apenas curtam.


POESIA

Quem é você?
Sou música suave para seus ouvidos
História contada, em versos, na hora
Relatados eternos dos tempos vividos
Sentimentos vindos de dentro pra fora.

Quem é você?
Sou palavras que fluem do âmago d’alma
 Fazem chorar e sorrir com muita emoção
O antídoto que cura as chagas, com calma
Levando o sangue a pulsar forte no coração.

Quem é você?
Sou vida criada e recriada, com perfeição
Composições em versos livres e/ou de rima
Gênero textual reconstruído, com intenção
Que transmite sentimento, uma obra-prima.

Quem é você?
Sou inspiração, um verdadeiro dom divino,
Concebido a poetas e escritores da arte real
Fazendo homenagens ao amor, paixão, violino...
Verdades escritas e criadas por um ser genial.

Quem é você?
Sou dádiva de Deus trazida, com grandeza
A pureza da criança e belo da flor que arrepia
Uma melodia escrita e cantada com beleza
Sou emoção, sou sentimento, sou POESIA.


Elisabete Leite

Coisas de Poeta

Hoje li minhas poesias
E por estranha ironia
Fiquei triste.
Deu vontade de chorar,
Chorei.
Sem lágrimas pelo rosto,
Com lágrimas no coração,
Aqui sentado, pensando,
Em vão. 


Hoje reli minhas poesias
Fiquei triste.
Não pelas poesias
Pois são meras palavras,
São símbolos no papel,
Não dizem nada,
Nada traduzem.
São meras palavras,
São palavras, palavras. 


Hoje reli minhas poesias,
Fiquei triste.
Pelos sonhos que elas contêm,
Pelas ilusões que são criadas,
Por nada, por nada.
Mas o poeta tem que falar de amor,
Para poder rimar com dor.
Mas falar é só falar,
Não é receber nem dar.
Falar é só falar. 


O poeta tem que ser triste
Para poder rimar com dor,
Mesmo sem rima.
Dor que vem do amor,
Amor engavetado em folhas de papel,
Amor simbolizado
Em palavras sem “sentidos”
Insensíveis, frias,
Por mais quente que representem
Pois são palavras faladas ou escritas
São palavras sem vida. 


O poeta estar triste,
Relendo suas poesias,
Vivendo suas ironias.
Fazendo rimas.
Para poder se consolar,
Poder desabafar,
Ou quem sabe abafar,
Aquilo que não tem coragem
De gritar. 


O poeta tenta fazer da vida
Uma poesia.
Mas a vida não tem “rimas”,
Tem caminhos e descaminhos.
A vida não tem “estrofes”,
Tem decisões e indecisões.
A vida não tem “quadras”,
Tem vida para ser vivida
Nos caminhos ou descaminhos,
Nas decisões ou indecisões,
Tem vida pra ser vivida. 


O poeta reler suas poesias,
Sentado em harmonia
Com tudo que o cerca.
Ele não estar só.
Ele tem suas poesias.
O poeta é poeta,
E isso basta,
E isso é vida...
De poeta. 

Jorge Leite



https://pixabay.com/pt/editors_choice/


9 comentários:

  1. Belíssimos poemas que falam sobre o tema Poesia, de diferentes olhares, mas com a mesma grandiosidade. Eu particularmente gosto de todos os estilos, sou apaixonada pelo que escrevo e pelo que leio. Jorge, adoro seu estilo de escrever, livre e solto... Adimiro-te como pessoa e como poeta. A página ficou sensacional, a grandeza das imagens sintetizam os dois estilos. Deslumbrada aqui e lisonjeada pelas suas palavras direcionadas a minha maneira de escrever. Tu és meu poeta favorito, um grande parceiro na alegria e na dor. Aplausos!

    ResponderExcluir
  2. Lindos poemas que retratam a temática Poesia. Gosto muito dos dois estilos. Da impressionante alegria da amiga poetisa Bete e o estilo e os versos livres do poeta Jorge. Muito bom diversificar temáticas e estilos. Por isso, estou sempre aprendendo por aqui. Deslumbrantes imagens. Adorei o novo visual do blog. Parabéns a ambos!

    ResponderExcluir
  3. Hoje a página mostra dois lados adversos, mas genuínos sobre o tema "Poesia", dois magníficos momentos de arte poética, por um lado o poema da competente Elisabete Leite, com seus versos rimados de mestra, do outro o grande poeta Jorge Leite, que tece suas poesias de maneira livre, com um criticidade peculiar. Quem gosta de poesias gosta de todos os estilos, eu sou sonhador e admirador das rimas, como também dos versos livres, mas aqui neste blog, estamos sempre aprendendo. Encantadoras imagens adornam esta página. Parabéns a ambos. Belíssima homenagem a todos nós. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Uma belíssima página, dois poemas diferentes em estilos, mas grandiosos na forma de escrever. Acho que ser poeta é estar só consigo mesmo... Admiro os diferentes estilos e temáticas. Escrever é arte, é dar asas e voar. Os dois poemas foram tecidos com maestria. Tudo perfeito. Parabéns a ambos!

    ResponderExcluir
  5. Um deslumbre de página! Dois lindos poemas, estilos diferentes, mas apresentam a mesma grandiosidade. Muita inspiração e sentimento nos versos tecidos. Portanto são Poesias. As imagens foram escolhidas por quem conhece muito bem à temática. Um verdadeiro deleite ler os irmãos Elisabete Leite e Jorge Leite. Parabéns a ambos!

    ResponderExcluir
  6. Applause... excellent poems! Very good blog.

    ResponderExcluir
  7. Ficou uma págima lindíssima, os dois poemas possuem sentimento, mensagens e harmonia. O olhar sonhador da amiga poetisa Elisabete Leite deixa seus versos encantadores, a liberdade expressa nos versos do poeta Jorge Leite transmite grandiosidade ao poema, portanto um complementa o outro. Parabéns a ambos! Imagens belas e expressivas. Abraços

    ResponderExcluir
  8. Obrigada amigos e amigas pelas leitura e gentis comentários. Agradeço o carinho de todos. Abraços poéticos!

    ResponderExcluir
  9. Achei interessante o confronto dos irmãos poetas. Todas duas poesias lindas, porém, Jorge, ouso lhe dizer que a poesia é a vida em letras e as nossas grandes ou pequenas dores, nossos amores correspondidos ou apenas imaginados, as alegrias por nada, as tristezas por tudo que nos incomoda, o ar, o sol e água que nos inebria, nada mais são do que a poesia.

    ResponderExcluir