domingo, 27 de maio de 2018

NO CONVENTO... MADRE JACINTA


ELISABETE LEITE


                                                   
 NO CONVENTO

          Maria Clara tinha certeza da decisão que iria tomar; queria ser uma Freira Carmelita, para esquecer a dor da perda de seu eterno amor... Não fazia muito tempo que seu noivo, Luiz Miguel, havia morrido vítima de acidente, ao atravessar a única rua de acesso ao pequeno sítio, onde ele residia com os pais, foi atropelado por um caminhão desgovernado e, morreu na mesma hora...
Madre Jacinta Leite - Tia Júlia
          Alguns meses se passaram, mas a dor da perda, ainda, continua presente... Hoje é o grande dia de Maria Clara realizar seu sonho, deixar para trás, tudo e todos, para seguir um novo caminho. A sua nova vida está apenas começando.  Os transmites para ela se tornar uma noviça e logo depois uma freira é demorado. Ela precisa passar por um processo seletivo, que requer o compromisso de servir a Deus e tomar vários votos. “Sabe-se que uma irmã religiosa faz apenas votos temporários que são renovados a cada ano até o ofício final, que são os votos permanentes à Igreja, um período compreendido entre 5 a 9 anos (dependendo da organização)”. Sendo assim, enquanto ela espera a consolidação dos votos, solicita permissão às autoridades competentes, para ser voluntária em atividades de Serviços Gerais, limpeza e conservação dos ambientes e cômodos, do antigo Convento, Coração de Maria, afastado da pequena cidade, praticamente isolado do mundo, lá só existe o silêncio dos muros e as orações. A garota é muito religiosa, sempre participa da missa, aos domingos, na pequena Capela próximo a sua casa; ela acredita que não terá dificuldade em se adaptar ao novo ambiente... Já era noite, quando o carro da Prefeitura para em frente ao Convento, um antigo casarão de pedra. O coração da garota, Maria Clara, dispara, um frêmito percorre todo corpo, quase não consegue conter a ansiedade da descoberta; olha para o céu, vê as estrelas se entreolharem a sorrir, o luar acariciando as nuvens e, agradece a Deus por haver chegado sã e salva... Ela toca suavemente a campainha e, segundos depois, surge uma jovem de semblante gentil. Maria Clara vai, logo, se apresentando:
          - Bom dia! Sou Maria Clara, a nova voluntária de Serviços Gerais.
          - Bom dia, jovem! Eu sou a irmã Lúcia, me acompanhe, por favor! Diz a garota que a recepcionou...
          Maria Clara nem olha para trás, pois tem certeza que permanecerá ali, até os últimos dias de sua vida. Elas seguem por um corredor comprido, que parece triste e sem vida, em direção aos dormitórios. Logo, a irmã Lúcia diz:
          - Aqui é seu quarto, descanse um pouco, você fez uma longa viagem, depois venho buscá-la, para conhecer a Madre Superiora.
Missal
          Maria Clara entra no quarto e, observa todos os detalhes: paredes tristes e frias, três camas forradas com lençóis brancos, uma pequena escrivaninha junto à terceira cama e uma cômoda com três gavetas; tudo muito limpo, sem poeira e nem teia de aranha. Muito cansada ela deita na primeira cama e, logo, adormece. Escuta alguém a chamando: “Clarinha, Clarinha, me ajude, por favor!” A garota desperta muito assustada, abre a porta, nem uma viva alma do lado de fora. E pensa: “Meu Deus, apenas uma pessoa me chamava assim, Luiz Miguel. Por que ele está me pedindo ajuda.” Logo, ela escuta duas batidas, bem leves na porta; abre suavemente, é a irmã Lúcia que veio chamá-la. Que vai logo dizendo:
          - Maria Clara a Madre Superiora está te esperando. Naquele momento, chovia bastante, só se ouvia o tamborilar dos pingos d’água nas vidraças das janelas e o gorjear dos pássaros em busca de abrigo. A garota entra na sala e, fica ali quedada, o silêncio é quebrado pelo vozeirão de Madre Thereza.
          - Minha filha, sente-se aqui perto de mim!
          Maria Clara se aproxima da Madre e senta-se; ela tem as mãos trêmulas pelo frio da noite e pelo medo do novo.
           A Madre Thereza diz suavemente:
          - Querida, você tem certeza desta sua decisão, quer ser mesmo voluntária neste Convento? Permanecer aqui trabalhando, até os seus votos saírem?
          - Sim, tenho convicção Madre Thereza! Responde-lhe baixinho.
          A Madre Superiora continua falando:
         - Estarei aqui para o que precisar, se mudar de ideia, me procure. Eu terei o maior prazer em te ajudar. Disse-lhe a Madre.
          Ao sair da sala, a irmã Lúcia já a esperava. Assim, ela foi conduzida à cozinha... Maria Clara entra no ambiente, sabendo que precisa deixar o sofrimento do lado de fora, pois, suas lágrimas já secaram de tanto ela chorar; nada se compara ao sofrimento de uma perda, o vazio deixado pela dor da saudade e as chagas que sangram em seu coração. Ao entrar ela vê uma jovem sentada em um banco de madeira próximo ao armário de mantimentos e outra preparando algo no fogão.
Dedicatória no Missal
          - Olá, sou Fátima e àquela e Rute. Disse-lhe a jovem que estava sentada:
          Maria Clara olha para a pia, cheia de pratos para lavar e, eleva o olhar para o alto, para contemplar o Luar, que está todo especial, ele resplandece por entre a fresta da janelinha, um esplendor prateado que ilumina seu rosto cálido. Logo pensa: “É uma pena que a plateia esteja toda dormindo, ou ausente deste momento de grandiosidade da Lua.” Rápido volta o olhar para Fátima e, vai logo dizendo:
          - Sou Maria Clara, muito prazer!
          - Somos suas companheiras de quarto, o prazer é todo nosso. Disse-lhe Rute.
          A euforia é quebrada, por uma voz grave e irritante; é a irmã Vitória, responsável pela limpeza do Convento. Ela foi logo dizendo:
          Maria Clara, vá arrumar a cozinha, quero tudo limpo e o piso brilhando. A garota foi notável nas tarefas executadas...
          ... Já era madrugada, quando Maria Clara consegue dormir; o cansaço e a emoção do primeiro dia ali, dificultaram o sono da garota. Mais uma vez Maria Clara escuta alguém a chamando, insistentemente: “Clarinha, Clarinha, preciso de você!” A garota para e fixa seu olhar no teto, pintado de azul celeste pois, parece até que o céu se abriu; assim, um momento de serenidade toma conta daquele ambiente e, entre as luzes que cintilam, aparece o rosto suave de Luiz Miguel sorrindo. Logo, ele falou:
          - Clarinha, eu preciso de você! Pare de sofrer por mim; siga seu caminho, que eu estou em Paz; faça deste Convento sua nova morada; desprenda-me de seu plano físico. Eu agora sou Luz e vou te iluminar pelo resto da vida. Eu te amo muito!
           As luzes se apagaram e, o rosto do rapaz desaparece para sempre...
           A garota desperta, olha para as amigas, de quarto, que continuam dormindo tranquilas. Ela agora tem certeza, que Luiz Miguel veio visitá-la, que não foi um sonho, foi tudo real. Sabe que precisa tocar sua vida, deixar seu falecido noivo no passado, eternizá-lo em sua memória, ela quer somente servir a Deus. Fecha seus olhos, vira para o outro lado e, assim adormece serena. Agora, já é dia, o Sol ao nascer dá seu espetáculo e, ela precisa se levantar para assisti-lo... Todos as manhãs, Maria Clara executa suas tarefas com perfeição, deixa tudo limpinho e iluminado, desde a sua chegada ao Convento que os ambientes e cômodos parecem agradecer por estarem limpos, cheirosos e brilhantes...
          Os tempos passaram, tudo transcorre na mais perfeita harmonia... Um certo dia Maria Clara recebe a notícia que seus votos de noviça tinham sido autorizados e, que ela iria permanecer naquele mesmo Convento, administrando a limpeza e conservação dos ambientes e auxiliando as novas voluntárias de Serviços Gerais.
          Maria Clara foi determinada e perseverante, conseguindo realizar com precisão o sonho que escolhera. Nunca esqueceu Luiz Miguel, mas hoje seu amor por ele é diferente, é um sentimento fraternal e sublime. São tantas histórias assim...
          Não deixe seus sonhos guardados, procure realizá-los, colocando-os em prática!

Elisabete Leite – 18/05/2018
(Dedico à minha querida tia Júlia (Madre Jacinta), In Memoriam)

NOTA DE RODAPÉ


... continuação do artigo anterior sobre Pedras & Astrologia

Toda a matéria, toda a luz, o pensamento e os sentimentos são no fundo manifestações da energia primordial e amorosa do Universo. Nós trocamos esta energia constantemente com as pessoas que convivemos, com o alimento que comemos e com tudo, tudo mesmo ao nosso redor.

Propriedades das pedras de acordo com a cor:
  • Vermelho – ágata vermelha, granada, rubi
    Excitante, estimulante e intensificadora dos sentimentos. Combate qualquer doença que inibe os movimentos. Relacionado com a energia sexual, ajuda a resolver problemas de impotência, frigidez e esterilidade.
  • Laranja – âmbar, quartzo fumê, topázio
    Também é estimulante e ativa, contendo energia reprodutora e intelectual. Alivia desânimo, alergias emocionais, repressão, timidez, digestão e estimula a tireoide.
  • Amarelo – citrino, topázio, jacinto
    Cor do intelecto e da inteligência e age diretamente no equilíbrio mental. Usada no tratamento de doenças mentais, traz autoconfiança, combate a depressão, melhora o sistema linfático, energiza o fígado, vesícula biliar, olhos e ouvidos.
  • Verde – esmeralda, jade, turmalina
    É a cor da intuição e da sabedoria. Simboliza a natureza e a harmonia. Equilibra a mente e o corpo. Ajuda na regeneração celular, cura feridas, cortes, cicatrizes e infecções.
  • Azul – safira, água-marinha, ágata azul
    Cor refrescante e tranquilizadora aliviando a excitação. Ajuda a dormir, alivia a depressão e combate à febre, infecções, irritação e queimaduras.
  • Anil – lápis-lazúli, azurita, safira
    Cor tranquilizante e pacificadora, estimula o lado criativo e intuitivo do cérebro. Ajuda no tratamento de neuroses, nas alterações emocional ou mental. Atua como sedativo e ajuda a reduzir hemorragias internas e externas, assim como no nos poderes da intuição.
  • Violeta ou púrpura – ametista, fluorita
    Protege e regenera. É a cor da criatividade, da inspiração e da espiritualidade. Promove a cura através da música, da cor, do movimento e do som. Eficaz para tratar resfriados e insônia.
  • Preta – turmalina negra, ônix, obsidiana
    Protege contra as energias negativas. Combate as angústias, medos, bloqueios, inveja, ciúmes e ressentimentos. Melhora os transtornos do fígado. 



 A Pedra de Cada Signo

http://www.cafecomastrologia.com.br/



14 comentários:

  1. Muita emoção para um dia só! Este conto tem história. Era um sonho meu ser freira; sonho que não foi realizado. Mas, hoje, ele vai ficar eternizado neste blog, ele ganha vida e se torna real. Quero presentea-lo à minha tia, Madre Jacinta... Uma página linda, do jeito que queria, meu querido Jorge foi preciso. Somente me resta agradecer. Gratidão sempre querido irmão. As imagens me deixam emocionada. Também gostei de saber, quais as pedras do meu signo, gêmeos. Beijos e bom domingo a todos.

    ResponderExcluir
  2. Fiquei na cola do poeta, Jorge Leite, queria ser o primeiro a comentar seu conto. Nós sabemos o quanto foi difícil para você, colocar para fora, está temática e, procurar eternizar sua personagem, que hoje, ganha vida nesta história emocionante. Parabéns minha amiga poetisa, Elisabete Leite, pela coragem e pela pessoa que tu és. Belíssima página. Imagens que comprovam o Amor e admiração pela tia. Uma relíquia este missal... informações precisas nas Notas de Rodapé. Tudo lindo!

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo e emocionante seu conto amiga querida, Elisabete Leite. Uma história comovente que prende o leitor do início ao fim. Imagens que muito falam, só em olhar para o rosto sublime da Madre Jacinta, logo se desvenda o que é servir a Deus. Nós conhecemos os seus esforços. Parabéns pelo conto. Gosto das Notas informativas de Rodapé. Bravo!

    ResponderExcluir
  4. Difícil não se emocionar com esta história comovente. Um belíssimo conto, quanta inspiração e sensibilidade, tem minha amiga poetisa, Elisabete Leite. Já perdi a conta dos contos publicados por ela que me fizeram chorar. Está explicado de onde vem sua bondade e seu carisma, do seu segmento religioso. Estou muito orgulhosa de interagir neste blog. As imagens falam sozinhas ... você guardou tanto tempo este Missal, do ano de 1966, meu Deus! Isto é história! Aplausos. Parabéns pelas Notas informativas de Rodapé. Bom domingo a todos!

    ResponderExcluir
  5. Quando eu leio uma história qualquer, entro nela com os olhos de um crítico. Volto a ler pra entender bem toda a história. Depois de ler e reler observei atentamente a beleza dessa narrativa no ponto de vista gramático. As palavras escolhidas, sinais de pontuação nos diálogos, a emoção que trasmite a história de amor vivido pela jovem Maria Clara. Tudo perfeito! Um conto tirado da vida real e digno dessa homenagem. Parabens, Betinha. Sua tia há de estar emocionada lá do céu e nós aqui também. Bjos, minha querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero agradecer a todos os amigos e amigas e família que carinhosamente deixaram seus gentis comentários, com prova de genuína amizade. Estou lisonjeada e muito feliz! Obrigada: Maciel, Geovanna, Betania, Socorro Almeida, Paulo, querida Lucinha e meu querido Jorge Leite e todos os demais. Beijos na alma de cada um...

      Excluir
  6. Minha amiga, estou aqui sem palavras para descrever o seu novo momento. Agora tu és também escritora. Eu faço das palavras de Betania as minhas. Já perdi a conta dos momentos emocionantes lendo os seus contos. Lindíssimo e envolvente conto! As imagens falam sozinhas. Gostei das Notas informativas. Parabéns pelo sucesso! Forte abraço

    ResponderExcluir
  7. Beta querida,você nem imagina a felicidade a qual me encontro,por você ter dedicado essa fabulosa poesia,a criatura mais pura e singela,que Deus colocou em meu caminho.São tantas recordaçoes,esse espaço ainda é pequeno.Lembro de um livro sobre aves diversas,muitas em extinção, o qual ela mim presenteou,esse livrinho da primeira comunhão,desse mesmo que você postou,o meu continha"Lucia aceite esta simples lembrança de sua tia que não lhe esquece.Madre Jacinta.O.S.F.Olinda 1966.Amei tudo,o espaço é pequeno ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida irma, muito feliz pelo seu comentário. Nossa tia Júlia era um exemplo de Fé e muito Amor. Obrigada pela sua presença aqui neste cantinho do saber. Beijos

      Excluir
  8. Um belíssimo conto, que narra uma história emocionante e que prende o leitor do início ao fim. Fiquei encantada com sua maneira de contar este supreendente momento de arte literária. Um sonho que poderia ter sido real. Amei as imagens que parecem falar. Excelentes notas informativas. Abraços a todis. Parabéns poetisa!

    ResponderExcluir
  9. Passando para registrar meu comentário, prestigiar o belíssimo conto da minha amiga Elisabete Leite, uma história quase real, um sonho perdido no tempo, mas lembranças eternizadas neste momento. Bete passa por um momento novo na vida dela. O conto é todo emocionante do início ao fim, os recursos utilizados pela contista dispensam comentários. Parabéns amiga! Gosto da iniciativa das Notas informativas de Rodapé. Imagens tocantes e emocionantes. Caríssimos, estou acompanhando todos os acontecimentos no Brasil. Portanto, muita calma neste momento. Poeta Jorge Leite, registrei neu comentário na sua linda página. Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  10. Muito bom. Essa vocação contida explica a generosidade que abunda na nossa escritora Betinha. Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Um conto maravilhoso, repleto de concessão e amor. Escrito com tanta alma, que arrebata a gente. Deus conserve esse teu espírito inventivo!
    E este artigo sobre as pedras ficou formidável!
    Parabéns, meus queridos, O talento de vocês é indiscutível!
    Maeli Honorato.

    ResponderExcluir
  12. Lisonjeada e muito feliz! Obrigada a todos pelo carinho ao comentarem. Beijos

    ResponderExcluir