quarta-feira, 9 de maio de 2018

Nunca Escrevi Nada Para Você


Socorro Paiva


NUNCA ESCREVI NADA PARA VOCÊ
 (A história nunca contada de ELOINA LEITE DE PAIVA, que cedo partiu em decorrência de AVC provocado por um acidente doméstico e eu estava longe do Recife)

Corpo miúdo, cabelos lisos, pele de flor.

Olhos tão claros a expressar

o que os lábios não sabem impor.

Que dura lida menina ser.

Quantas renúncias lhe fez passar,

só pelo anseio de aprender.

Com seu diploma rumo ao sertão

 o seu saber foi partilhar.

Como bagagem, só um coração.

No dia a dia a ensinar a tabuada e o ABC,

juízos livres muitos formou,

pra vida inteira com o seu saber.

Feijão novinho, leve e trigueiro

pra tantos filhos saborear.

E as sobremesas?  que gostosura!

Seu jeito simples de nos amar.

Sempre na missa, pra que Senhor?

Se em sua vida não há pecar!

Reza por mim, reza por dez, reza por mil,

Para com isso, menino! Que desgraceira!

Vou dar palmadas de chineladas.

Volta pra reza e fala com Deus.

Vê a TV, dá um cochilo, vai na vizinha

dar boa noite e sonhar com os seus.
Sem o marido pra dividir

sonho e prazer, dor e penar,

seguiu o rumo que é o seu destino,

pelos esportes se apaixonar.

Em certa tarde, era um domingo,

de perto foi linda a sorrir,

ver o seu time jogar no campo.

Isso era todo o seu divertir.

Sem mais emprego pra labutar,

Sem mais crianças para lhe afligir,

politizou seus interesses, líder virou,

direitos iguais foi defender com seu vigor.
E assim ficava noites e dias dando doçura

pra quem viesse, sem contar tempo, tagarelar.

Livre e faceira se remexia, ora aqui, ora acolá.

A casa cheia deixou tombado o significado do nome LAR.

Essas lembranças que agora traço

Muito custou-me, sei o porquê?

Como um relâmpago, sem mal visível e nada sentir,

você se foi para as estrelas sem que eu pudesse me despedir.

Estupefata, é claro fiquei, não consegui lhe perdoar.

Dentro do peito só a saudade, do que findou sem acabar.

Estou feliz, porque supero, posso explicar, o meu sofrer

de nunca ter escrito nada pra você.


Socorro Paiva
07/5/2018
 

14 comentários:

  1. Muito emocionada com este deslumbre de página, um poema belíssimo da querida prima e poetisa Socorro Paiva, muito sentimento e Amor extraídos do interior da alma. Choro recordando o rosto cálido da minha tia Eloina, sempre amável com todos. Saudades dos lindos momentos na companhia dela... O blog está com um visual fascinante, a cara da riqueza! Fotos lindas da querida titia que adornam e embelezam ainda mais o momento poético. Parabéns querida poetisa e aplausos para o blog. Saudades eternas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e eu também chorei com o seu comentário. I love you, Baby!

      Excluir
  2. Eu conheci dona Eloina. Ela era assim mesmo como Socorrinho descreveu. Era uma mulher guerreira. Socorro Paiva está de parabéns pelo belíssimo poema.

    ResponderExcluir
  3. Muito belo e sentido seu poema portisa Socorro Paiva, lembranças e saudades eternas daquela que tanto ama. Versos saudosos tecidos com maestria. Uma admirável homenagem. O blog está um luxo com seu novo visual. Em momento de eternas saudades. Parabéns a todos! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: poetisa... parabenizo ao poeta Jorge Leite pela criatividade na hora de ilustrar o blog. Abraços

      Excluir
    2. Muito obrigada, amigo

      Excluir
  4. Parabéns, Socorro Paiva, pelas doces lembranças compartilhadas e pelo texto tão fluido e belo! Enfim, o texto que demorou a ser escrito finalmente surgiu de uma maneira encantadora, repleto de revelações que despertam em seu eventual leitor admiração e respeito pela figura de sua mãe. Valeu ter esperado um momento de mais serenidade para escrevê-lo, após a maturação da ideia e do espírito. Bravo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada< José Valdeck, fico feliz com suas palavras tão delicadas e generosas.

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Socorro, não conhecia este seu lado poético, mas tive muito prazer em conhecer. Você descreve a sua mãe de uma maneira que nos dá pena de não a termos conhecido, ela era exatamente tudo aquilo que admiramos nas pessoas:garra, amor e simplicidade. Fico feliz por conhecer a sua heroína e uma pessoa assim tão bela, com certeza Deus a tem ao seu lado. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo, Janete, você teria gostado muito dela, tenho certeza, e ela de você, pois adorava as minhas gargalhadas, então adoraria as suas também.

      Excluir
  7. Posso cansar mas, nunca irei parar de falar, minha querida irmã Socorro é sempre brilhante nos seu sentimentos expresso nas poesias, com uma linguagem fácil de se entender esse grande amor e orgulho da sua família. Tudo que escreveu e encantou, posso confirmar essa verdadeira descrição da nossa AMADA, QUERIDA MÃE ELOINA. Como sinto saudades dessa LINDA mulher única na qual em toda minha vida, nunca encontrei igual.
    Emocionante e real essa história. Se é de admirar, pasmem mas, é real.
    Agamenon Leite de Paiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, meu irmão, estamos solidários nessa saudade.

      Excluir