quarta-feira, 13 de junho de 2018

Eu Sou A Essência


Socorro Almeida



EU SOU A ESSÊNCIA

Eu sou do tempo das serestas, às sacadas
Do luar o raio que te iluminava
Quando em sua ausência não se via
A luz dos meus olhos que te cobiçava

Eu sou a negra noite em nostalgia
O amanhecer em colchas de chenil(le)
O anjo bom ou mau que te protegia
Dos motéis e daquele gozo vil

Eu sou a estrada que rejeitaste
A ternura que não mais te acalma
O sonho bom que em teu leito
Ansiava por dormir a tua alma

Eu sou o que quiseres que eu seja
A vida, a morte, ou a cruel escória
Por tudo o que fui ou deixei de ser
Para não mais te ver na minha história!

Socorro Almeida
Recife, 06/06/2018
  NÃO TE EXISTO MAIS

Neste quarto sombrio me amofino e me recluso
Às duras penas te envolvo em minhas ilusões
Vou mascarando a dor num sorriso tão puro
Tanto quanto foi o amor de nossos corações

Não há tempo que passe nem remédio que cure
Meu peito sangra e o remédio se invalida
A saudade sufoca e a alma se cansa
Em admitir que o amor morreu em vida

Faz mal tentar reviver se a mim não retornas
Nem me reporto a ti se não te existo mais
Se não há cama que nos acolha e nos envolva

E aquela varanda, aquele quarto, aquela sala
Se eles sentiram o peso dos teus passos
Se amofinam comigo e minha voz se cala

Socorro Almeida
09/06/2018



NOTAS DE RODAPÉ
 

Essência
À simplicidade da definição de essência não corresponde uma similar unanimidade nas maneiras de interpretar o conceito, que é dos mais debatidos em filosofia.
O termo essência designa o ser, a consistência ou qüididade de um ente, considerado independentemente da sua existência. Dizer o que é uma coisa é declarar a sua essência.
Na filosofia grega até Platão, a essência - eidos - tem a conotação peculiar daquilo que, numa coisa, é permanente e central, em oposição ao transitório e acidental. Para Platão, a verdadeira realidade está na essência, na forma pura da coisa, subtraída à tela aparente da existência. Com Aristóteles, essência designa apenas a definição de uma substância, que é, esta sim, a realidade verdadeira: o real existe apenas sob a forma das substâncias individuais, ou entes singulares: este homem, este cavalo, estes cosmos, este Deus. As espécies - coleções de substâncias que têm logicamente a mesma essência - não são irreais, mas constituem uma forma deficiente, ou derivada, de realidade, a "substância segunda".
A reflexão sobre a essência constitui um tema importante da filosofia medieval, na medida em que o uso aristotélico do termo colidia com o conceito cristão de Deus: como Ser absoluto e eterno, Deus só pode ser concebido como existente; logo, sua essência não pode ser pensada independentemente da sua existência. O termo essência, portanto, não significava a mesma coisa quando aplicado às criaturas e a Deus.
Mais tarde, Spinoza radicalizou essa linha de considerações, chegando a consequências metafísicas que a filosofia cristã viria a rejeitar. Definindo essência como aquilo que é concebido em si e por si independentemente de tudo o mais, e que, portanto, existe necessariamente, Spinoza concluía que só Deus é verdadeiramente essência, e, portanto, o único Ser realmente existente.
Com Hegel, essência (Wesen) adquire o sentido de uma determinada "fase" no processo de constituição do absoluto. Este aparece primeiro como ser, logo em seguida como "verdade do ser", ou essência, e finalmente como unidade do ser e de sua manifestação: a verdadeira essência é aquilo que se patenteia na plenitude. Para Edmund Husserl e a escola fenomenológica em geral, essência é uma qüididade "irreal", porém "verdadeira", que só pode ser concebida mediante uma renúncia provisória à indagação sobre a sua existência e uma penetração no reino das puras idealidades lógicas.










7 comentários:

  1. Uau, que linda e expressiva página, dois poemas lindos, ambos extraídos do interior, muito sentimento tecido em versos de elite. O soneto tem harmonia e belas rimas. As imagens ilustrativas estao impecáveis falam como poesia. As Notas de Rodapé tem muitas aprendizagens e complementa o tema abordado. O interior do nosso Ser está sendo definido corretamente. Somos Luz! Parabéns a ambos pela arte final. Boa tarde!

    ResponderExcluir
  2. Dois lindos poemas da amiga poetisa Socorro Almeida, muito sentimento e nostalgia em versos tecidos da alma. "No âmbito da filosofia a essência do ser humano resume-se na capacidade de questionar, no modo de buscar o equilíbrio, no modo de pensar..." Para mim a essência é o nosso SER, o interior, o que se encontra no âmago de alguém ou de algum. Lindas imagens que falam tanto quanto os versos. A nota de rodapé é perfeita nas colocações. Parabéns a ambos. Abraços

    ResponderExcluir
  3. Dois excelentes poemas da amiga poetisa Socorro Almeida, que falam de muito sentimento de maneira sofrida, triste e nostalgica, bem ao estilo da poetisa. As imagens ilustrativas sao expressivas e deslumbrantes. A iniciativa e perfeita das notas de rotapé. Tudo lindo! Parabéns a ambos poetisa e poeta Jorge Leite. Boa noite a todos!

    ResponderExcluir
  4. Meus amigos poetas, nossa essência está na amizade que nos une, nesse cantinho de interação que nos dá a oportunidade de mostrar nossos versos, em poemas, contos ou sonetos. Cada um com sua característica... o amor em verso e prosa. Obrigada pelo carinho. E como sempre as ilustrações são um show à parte. Bjos e até breve.

    ResponderExcluir
  5. Belíssimos poemas da nossa amiga poetisa Socorre Almeida; ela que escreve com a alma, versos extraídos do âmago, sensibilidade à flor da pele, com um toque de nostalgia. As imagens ficaram lindas e expressivas, deu um colorido especial a página. Excelentes informações nas notas de rodapé. Parabéns aos poetas. Abraços

    ResponderExcluir
  6. Lindos seus poemas amiga poetisa Socorro Almeida, os sentimentos fluindo e os versos sendo construídos com harmonia. As imagens ilustrativas deram um toque especial ao tema. As notas informativas de rodapé contém grandes ensinamentos. Uma maravilha de página! Parabéns pelo conjunto! Bravo poetas.

    ResponderExcluir
  7. Passando para prestigiar a amiga poetisa Socorro Almeida, que compartilha dois lindos poemas, tecendo poesia com arte, monstrando-se essência no Ser e ter. As ilustrações são fascinantes que contém poesias dentro das imagens. Concordo com as notas de rodapé que completam a temática abordada. Somos todos a essência nos sentimentos de gentileza e gratidão. Parabéns a ambos os poetas. Aplausos para a arte final do amigo querido e poeta Jorge Leite. Saudades...

    ResponderExcluir