sábado, 16 de junho de 2018

Freud Explica ... nos Anos 90


JORGE LEITE




Freud Explica
Enquanto Freud explica.

Enquanto Freud explica
Eu me estico na preguiça,
Com meus medos, meus temores,
Com meus erros e meus amores.
Eu só quero é viver.
Tomar minha cerveja,
Ficar maluco-beleza,
Beber do teu amor,
E nele sobreviver.

Enquanto Freud explica
Raul Seixas me indica
O caminho a percorrer.
É pegar O Trem das Sete,
É Tentar outra Vez,
Feito Metamorfose Ambulante,
É correr a todo instante,
É viver cada momento,
Num Sapato 36.

Enquanto Freud explica
A Mosca Cai na Minha Sopa,
Eu não tenho o que comer.
De repente eu me lembro
Do Cazuza e do Caetano,
“London, London” quanto engano,
Não quero entrar pelo cano,
Lanço-me ao abandono
Do teu corpo no meu sono.

Enquanto Freud explica
Eu me estico na preguiça.
E meu gibi eu vou lê.

Jorge S. Leite
Recife, 19-04-91
Ao som das músicas de Raul Seixas
E muitas e muitas Cervejas
para tentar emendar uma alma
que jamais terá conserto.







 NOTAS DE RODAPÉ
   Anos 90

Anos difíceis, ainda em São Paulo, com um pé em Pernambuco. Decisões, indecisões, tinha que assentar os pés em algum lugar que não fosse a alma, pois esta estava em frangalhos. Alguns meses antes tinha me separado de minha companheira mãe de minhas filhas, tinha separado minhas filhas. Família não é para se separar, e para estar junto, sempre. A vida nos apronta peças diariamente, algumas nem percebemos, outras nos transformam por inteiro. Transformar algo é mudar, é modelar, e nessas mudanças tantas coisas ocorrem, tantas coisas correm.

Anos antes surge uma Deusa, surge uma Musa de olhos de cor de esmeraldas. Um amor impossível, pois não era fadado para estarmos juntos, nesse momento. Possivelmente uma dobra do tempo nos colocou em um momento que não era esperado, eu tinha meu caminho a seguir, ela tinha seu caminho a seguir. Segui meu caminho, seguiu seu caminho. Destino.

Noite antes de voltar para Recife, pelo telefone, minha filha chorava e implorava “não vá pai, fique com a gente”. Mas outra filha já estava no Recife, “Pai, quando você vem, não tá bom aqui sem você.” Partido parti, pedaços de minha alma ficaram, outros tantos se foram, e inteiro jamais fiquei.

Três filhas, duas ficaram em São Paulo, hoje já donas de suas vidas. Outra filha veio para Recife. Ficou pouco tempo, retornou para São Paulo – Florianópolis e o Mundo. Hoje na Indonésia. Continuei no Recife, tinha um caminho a seguir, nem sei mais qual. A vida nos prega peças sempre.

E foi nessa época movimentadíssima que fiz a poesia acima. Se cada poesia nossa, se cada conto nosso tem uma história; essa é a história de “Freud Explica”.

Jorge Leite
Recife, 16/06/2018.




Serigrafia de Fábio Marinho




12 comentários:

  1. Sensacional este seu momento de arte. É fantástico seu poema, o jogo de palavras, as mensagens contidas nas entrelinhas dos versos. Muita emoção e sentimento. Muita poesia dentro da poesia. O texto nas Nota de Rodapé é belíssimo e emocionante, eu que acompanhei sua trajetória de São Paulo a Recife fico comovida com suas palavras. Realmente é um luxo de página. Estou encantada aqui pela arte final. Muito bom ler-te. As ilustrações deram um colorido especial e não deixaram a página nostálgica. Aplausos mil! O blog faz a diferença! Bravo

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Betinha, fico feliz com tantos elogios. As ilustrações fiz em sua homenagem, você que gosta de descrever o colorido da vida, em sua paleta não existem cores cinzas nem frias, somente cores alegres e quentes tal qual seu coração. Sua aura é linda. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Um poema magnífico do nobre amigo poeta Jorge Leite, que brinca com as palavras e tece grandes mensagens em versos reflexivos. Belíssimo e emocionante o texto contido na Nota de Rodapé. As imagens tem um colorido especial, deixando suave a temática que nos emocionam. Uma história grandiosa de vida, passada nos anos 90... anos coloridos! Nem sempre. Parabéns poeta! Um verdadeiro show de página. Aplausos pela arte final!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem sempre, mesmo, amigo Maciel. Mas a vida é assim, nela cabem todas as cores, todos os sabores e todas as dores. Se assim não fosse, que graça teria? Um abraço.

      Excluir
  4. É maravilhoso este seu poema, um versejar diferente, criativo bem ao seu gosto amigo poeta Jorge Leite. É preciso ter muita coragem para tomar determinados momentos decisivos. Uma história de vida emocionante envolvendo filhas. Mas nada acontece por acaso! Realmente as imagens ilustrativas tem a face interior de Bete. Mas combinou direitinhos com os Doces Bárbaros, Rita Lee e o filme Aquárius... entre tantos outros! Parabéns por tudo lindo! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Geovanna, é bom recordar as lições da vida, sempre aprendemos um pouco mais. Beijos.

      Excluir
  5. Realmente é um poema, lindo, criativo e muito reflexivo, faz um jogo de palavras com as músicas de Raul Seixas deixando mensagens no ar. Esta, poeta Jorge Leite, seu texto presente na nota de rodapé transporta-nos aos anos 90, é para se emocionar, arrebenta o coração de qualquer país. Sem dúvida nenhuma, as ilustrações são a essência de Bete. Tudo show! Parabéns amigo poeta Jorge Leite. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo: de qualquer pai. Aplausos!

      Excluir
    2. Não sei como te agradecer meu amigo Paulo. Seus comentários são bálsamos para as feridas d'alma, é um oásis para qualquer viajante do tempo. Muito obrigado por sua amizade e por tanto carinho. Um grande abraço.

      Excluir
  6. Passado rapidinho aqui para prestigiar meu amigo poeta Jorge Leite que sempre nos deleitando com incríveis poemas, este não é diferente. É um poetizar lindo, criativo e bem reflexivo, onde o poeta vai tecendo versos magistrais com música de Raul Seixas bem ao estilo dele. O texto e emocionante e impecável, suas histórias de vida. Parabéns. Gostei das imagens coloridas, tanto quanto as páginas deste blog. Feliz domingo a todos e saudades!

    ResponderExcluir
  7. Como sempre um lindo poema, bem criativo e tecido com muito sentimento, um jogo de palavras em cima das músicas, ficou perfeito. Um texto emotivo e de grande valor reflexivo. O amigo poeta Jorge Leite está realmente de parabéns. Amei o zelo e colorido da página. E saiba que tudo na vida tem um propósito. Bravíssimo! Bom domingo e abraços em cada um!

    ResponderExcluir
  8. Obrigado à Flor de Lis e a Karen por seus brilhantantes comentários. A presença de vocês tem dado um brilho maior ao blog. Beijos.

    ResponderExcluir