domingo, 10 de junho de 2018

UM ENCONTRO DE AMOR



ELISABETE  LEITE


UM ENCONTRO DE AMOR        

          É uma manhã de Outono... com ventos que sopram em várias direções. As folhas amareladas voam até caírem ao chão. O gorjear dos pássaros junta-se ao tamborilar dos pingos d’água que descendo do céu cinzento, despertam a Flora e a Fauna... raios argênteos iluminam o horizonte de um canto a outro... São as trovoadas que riscam o céu.
          Olívia, acabara de acordar, está soltando suspiros de felicidade, porque hoje é um dia muito especial; ela tem um encontro importante, com seu grande amor. A garota, na flor da juventude, em seus dezoito anos de idade, tem pele morena clara, cabelos longos e olhos verdes, que parecem até duas esmeraldas, sempre foi considerada a mais bela da sua rua. Ela abre a janela para contemplar o esvoaçar das borboletas no jardim, mas percebe que o tempo está chuvoso e, fecha-a novamente. Volta-se em direção a sua escrivaninha, com o olhar fixo em um Porta Retrato, onde está a foto de um belo jovem e, por ele autografado, com letras bem desenhadas, próximo ao rosto dele, “Com amor Eduardo Jorge”. Olívia escuta o tic tac do relógio e, logo pensa: “Meu Deus, estou atrasada! O navio de Jorge já deve estar atracando no Cais do Porto. Eu preciso correr contra o tempo.” Veste-se apressadamente e, sai correndo em disparada até o portão, para não perder o ônibus que passa, naquele exato momento...
          Já passava do meio dia quando a garota chega ao Cais; a chuva, ainda, continua forte e, se mistura aos cabelos encaracolados da bela jovem; obrigando a se proteger debaixo da marquise de um velho armazém abandonado. Fixou seu olhar em algum ponto da imensidão e, avistou de longe um enorme navio atracado no local de embarque e desembarque de cargas e passageiros. A jovem aproxima-se e percebe um clima pesado, como se um mar, de águas turvas, houvesse passado por ali, deixando apenas holocausto. Vários marinheiros de semblantes tristes circulavam, calados. Ela imediatamente parou em frente à entrada e, pergunta a um jovem marinheiro:
        - Moço, o que aconteceu por aqui?
          - Senhorita, bom dia! Um jovem aspirante da Marinha acaba de falecer, vítima de um ataque cardíaco. Diz o marinheiro, com muita tristeza no olhar.
          Olívia continua as indagações:
          - Desculpe-me a intromissão! Por acaso, o senhor sabe o nome do aspirante que morreu?
          - Sim dona moça, o nome dele era Eduardo Jorge! Responde-lhe o rapaz.
          A garota quedou-se, paralisada, deixando o local cabisbaixa, aos prantos. Sentia um frêmito congelar todo seu corpo, as pernas sem força para sustentá-la, lágrimas dificultam a sua visão. Ela procura chão e não acha. O encontro com Eduardo Jorge era motivo de muitas alegrias, mas agora ele está morto e, nunca mais ela terá a chance de vê-lo novamente, o grande amor dela já não fazia parte deste mundo. Os suspiros de felicidade, se transformam em momentos de dor. De repente sente uma mão pesada sobre seu ombro e, o silêncio é quebrado por uma voz suave que diz:
          - Meu amor, por que você não me esperou? E por que você está chorando? 
          Olívia não consegue acreditar no que estava ouvindo, esta voz é inesquecível, só pode ser do grande amor da vida dela. A garota olha bem nos olhos azuis de Eduardo Jorge e se atira em seus braços, buscando conforto. Ele a envolve em um longo abraço, enxuga, com beijos, as lágrimas que escorrem pelo rosto aflito da jovem, procurando tocar seus lábios nos dela e, beijam-se apaixonadamente. Olívia respira forte e pergunta:
          - Jorge, alguém falou que você havia morrido. Explique-me, por favor!
          - Meu amor, foi uma confusão; tinha outro aspirante com o meu mesmo nome, apenas o sobrenome era diferente. Foi terrível o acontecido, mas eu estou aqui, para nosso encontro de amor. Eduardo Jorge reponde-lhe.
         - Perdão, minha vida, mas eu estou muito feliz em te ver bem! Diz a garota e se joga mais uma vez nos braços do amado.
         - Eduardo Jorge continua sorridente e falando:
         - Meu amor, eu tenho um presente para você.
        O rapaz coloca a mão no bolso direito da calça e, tira uma caixinha bem embrulhada com um laço de fita vermelho, entregando-a ao seu amor, Olívia. A jovem não consegue conter-se de tanta emoção, com as mãos trêmulas vai abrindo o embrulho, feito com muito zelo e, para sua surpresa é um par de alianças. Ele aproveita e faz o pedido:
          - Quer se casar comigo, meu amor?
         - Sim, eu te amo! Diz a garota toda envaidecida.
          Eles se abraçam e se beijam perdidamente, selando assim o compromisso.
          Os tempos se passaram... Eles se casaram, tiveram filhos e viveram felizes em plena harmonia. O encontro no Cais foi, sim, motivo de grande alegria!
          São tantas histórias assim...
Elisabete Leite – 28/05/2018
(Feliz dia dos namorados a todos!)


NOTAS DE RODAPÉ


 Santo Antônio de Lisboa, ou Santo Antônio de Pádua, nasceu no dia 15 de agosto de 1191, com o nome de Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo, em Lisboa, Portugal.
Este é considerado um dos santos mais populares entre os brasileiros e portugueses. No Brasil, Santo Antônio é conhecido por ser o "Santo Casamenteiro", sendo que o Dia dos Namorados é comemorado no dia 12 de junho no Brasil por ser a véspera do Dia de Santo Antônio.
 O Dia de Santo Antônio é comemorado a 13 de junho por ser a data de sua morte. Santo Antônio morreu em Pádua, na Itália, no dia 13 de junho do ano de 1231.
Santo Antônio foi inicialmente um frade agostiniano e foi um grande estudioso e pregador. Mais tarde entrou para a Ordem de São Francisco de Assis (Franciscana), em 1220.
Em 1220, Santo Antônio tornou-se franciscano. Faleceu no dia 13 de junho de 1231, na cidade de Pádua, devido a uma doença inesperada, aos 36 anos de idade. Em 30 de maio de 1232 foi canonizado por Gregório IX.
 

Oração a Santo Antônio
 Existem muitas orações a Santo Antônio, a maior parte delas ligadas ao fato de Santo Antônio ser conhecido como o "Santo Casamenteiro".

"Meu grande amigo Santo Antônio,
tu que és o protetor dos namorados,
olha para mim, para a minha vida,
para os meus anseios.
Defende-me dos perigos,
afasta de mim os fracassos,
as desilusões, os desencantos.
Faz que eu seja realista,
confiante, digna(a) e alegre.
Que eu encontre um(a) namorado(a)
que me agrade, seja trabalhador,
virtuoso e responsável.
Que eu saiba caminhar para o futuro
e para a vida a dois
com as disposições de quem recebeu de Deus
uma vocação sagrada e um dever social.
Que meu namoro seja feliz
e meu amor sem medidas.
Que todos os namorados
busquem a mútua compreensão,
a comunhão de vida
e o crescimento na fé.
Assim seja".

 
https://www.calendarr.com/brasil/dia-de-santo-antonio/

  
 


14 comentários:

  1. Muito emocionada, lisonjeada, agradecida e feliz por mais um conto publicado, este faz uma homenagem ao dia dos namorados. Belíssima e expressiva página. As imagens singelas enfeitam este momento de arte literária... As Notas de Rodapé faz uma homenagem ao Santo casamenteiro, SANTO ANTONIO. Quero agradecer ao querido poeta Jorge Leite pelo sempre carinho na hora de fazer arte final! O resultado é este... Um sonho, um deslumbre de partilha. Bom domingo a todos! FELIZ DIA DOS NAMORADOS! SALVE SANTO ANTONIO! SHOW

    ResponderExcluir
  2. Um conto bem construído, emocionante, lindíssimo e com um final inesperado. O clímax envolve o leitor do início ao fim. Adequado para todas as idades. São textos assim que enriquecem o blog. As imagens escolhidas pelo amigo poeta Jorge Leite são dóceis e belas, são bastante adequadas ao tema abordado. As Notas de Rodapé trazem informações pertinentes ao período do dia dos namorados, fazendo uma linda homenagem ao santo casamenteiro o nosso, Santo Antônio. Muito aprendizado. Minha amiga Bete é muito bom ler-te. Uma maravilha de arte final! Parabéns a ambos e feliz domingo a todos!

    ResponderExcluir
  3. Ah, que lindo e emocionante conto! Bem atual, um tema muito apropriado ao dia dos namorados. Estou aqui encantada, fico esperando o domingo para ler as belíssimas histórias da amiga poetisa Elisabete Leite. As imagens são meigas, singelas e sensíveis, assim como a escritora, bem pertinentes ao conto. O poeta Jorge Leite é perfeito. As notas de rodapé nos ensinam. Já fiz muitas adivinhações na véspera de Santo Antônio, a da aliança era a minha preferida. Bastante Cultura e Tradição neste blog. Parabéns a ambos e um excelente domingo a todos! Amei!

    ResponderExcluir
  4. Que bacana se deleitar com a leitura de mais um texto em prosa da poetisa Elisabete Leite, que nos surpreende ao revelar essa sua competência, também, nesse gênero literário. Um texto pertinente ao momento que se avizinha (Dia dos Namorados), lembrando que o Amor (romântico) é algo atemporal, coisa que move o mundo e justifica a existência. Parabéns, poetisa/contista! Parabéns poeta e arte-finalista Jorge Leite! E Viva o Amor!

    ResponderExcluir
  5. Sem dúvida nenhuma, os contos da amiga poetisa, Elisabete Leite, sempre nos surpreende, tanto na temática quanto na arte literária. Um conto emocionante e bem apropriado ao dia dos namorados que se aproxima. As belas imagens ilustrativas complementam o conteúdo do conto. Excelente Nota Informativa de Rodapés. Parabéns para ambos! Tudo lindo! Bom domingo a todos e um feliz diavdos namorados. Abraços

    ResponderExcluir
  6. Um lindíssimo conto da minha amiga poetisa Elisabete Leite, emocionante e com um final surpreendente, um enredo pertinente ao período do dia dos namorados. As imagens ilustrativas acompanham o tom singelo deste conto recheado de romantismo e sentimentalismo. Eu também acompanho as festividades dos santos juninos. Muito se aprende com as notas informativas de rodapé. Tudo lindo e expressivo nas páginas do blog. Parabéns a todos e ótimo domingo! Aplausos amiga!

    ResponderExcluir
  7. Beta, muito lindo esse conto, uma bela história de amor,o bom,é que o término foi só felicidade,o amor é lindo, em todas às idades. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Que lindo e sublime conto, uma história emocionante de amor verdadeiro, desses de cinema, com final feliz e tudo mais. Que deslumbre de imagens ilustrativas, que simbolizam muito bem o tema abordado pela amiga poetisa Elisabete Leite. As notas informativas de rodapé faz uma homenagem ao nosso Santo Antonio. Parabéns poetas pela arte final. Tudo do jeito que gosto! Aplausos pelo sucesso do blog. Boa noite a todos!

    ResponderExcluir
  9. Passando para prestigiar o conto lindíssimo da minha querida amiga Elisabete Leite; uma história emocionante de amor puro e verdadeiro. Muito sentimento envolvido... singelas imagens que o poeta amigo, Jorge Leite, escolheu. Já fiz muitas bricadeiras nas festas juninas: Pulei fogueira, dancei forró, dancei quadrilha, pois valorizo a nossa cultura e tradiçao. Viva as Festas Juninas! Parabéns a ambos! Saudades...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo: muitas brincadeiras e adivinhações... Bom demais sonhar com as coisas simples da vida!

      Excluir
  10. Eu gostaria de agradecer a todos, que aqui deixaram registrados seus gentis comentários, como prova de amizade. E ao querido Jorge, meu muito obrigada❤por compartilhar meus contos com tanto carinho. Um feliz início de semana a todos... um beijo em cada um.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns, Betinha, por mais um conto leve e bonito como é bem do seu estilo, estórias simples e tocantes.

    ResponderExcluir
  12. Desculpe por só agora passar por aqui. Eatava doente.
    Os contos da Bete são maravilhosos. Eu admiro sua maneira se escrever, que nos emociona, que toca na almacda gente. Parabéns, Bete. Também ao Jorge pelas ilustrações e as notas de rodapé. Show!!!

    ResponderExcluir
  13. Belíssimo conto, uma história de amor muito emocionante e com final feliz, um romance de novela... lágrimas, beijos, abraços e carinho na medida certa. Outro conto da grande amiga Elisabete Leite que me deixa emocionado. Lindas imagens e excelente página! Parabéns a todos!

    ResponderExcluir