domingo, 29 de julho de 2018

Elisabete Leite... Conto e Poesia

                      
 MISTÉRIO A 100 KM

          Acabei de brigar com mamãe, peguei a moto e sai pilotando por esse mundo de Deus, sem destino. A temperatura está bastante fria, muita neblina, poucas estrelas no céu e a lua nem havia aparecido. A moto corre a uma velocidade constante de mais de 100 Km. Eu sendo aventureiro por natureza, adoro desafios, ultrapassar meus limites, quebrar regras; assim, me divirto andando na corda bamba. A cerração dificulta minha visão, mas eu sou acostumado a pilotar na calada da noite...
          Morávamos, eu e mamãe, em um pequeno sítio distante do Vilarejo, que papai tinha recebido de herança na morte do meu avô. Papai havia falecido há dois anos atrás de um ataque fulminante do miocárdio e nós permanecemos na propriedade. Depois da morte súbita de papai, minha mãe sempre vive brigando comigo, pois eu fiquei com a moto que era dele e, mamãe não admite que eu saia à noite, isso era o principal motivo das desavenças. Conflitos que me tiram do sério.
          A chuva começa a cair, para mim é mais um desafio. A moto quase derrapa em uma curva acentuada em “S” à esquerda. De longe avisto uma jovem pedindo carona. Fico pensando: “Meu Deus, uma jovem sozinha nessa estrada deserta, isso é sinistro.” Eu diminuo a velocidade e paro no encostamento depois dela, olho pelo retrovisor e, a vejo caminhando em minha direção. Ela fica parada bem na minha frente, fico assustado com a palidez da garota, ela é muito bonita, mas o ambiente como todo, é tenebroso.
          - Boa noite, minha jovem! O que você faz nessa estrada deserta tão tarde? Qual o seu nome? Para onde quer carona? Pergunto-lhe, com um certo ar de medo.
          - Meu nome é Cecília Simplesmente. Preciso chegar a um certo lugar. Você pode ajudar? Responde-me a garota.
          - Muito prazer! Meu nome é Waldemar e, eu posso te dar uma carona até o Vilarejo. Falei bem calmamente.
          A garota sobe na moto, sem querer toca levemente em meu braço e eu quase desmaio, a mão da garota está gélida, talvez seja pelo frio da noite, mas tudo é muito pavoroso. Subitamente a jovem pede para eu parar, dizendo que precisa descer. Paro um pouco mais à frente e, olho para trás, nenhum sinal da garota no banco carona da moto. Fico amedrontado, um frêmito percorre todo meu corpo. Não vejo nada além de neblina e os pingos da chuva que molham meu rosto. Ligo a moto e saio dali em alta velocidade. Paro no único Posto de Gasolina antes de chegar ao Vilarejo. E pergunto ao frentista, que por sinal é um amigo da escola:
          - Pedro, boa noite! Você viu alguma jovem passar por aqui?
          - Waldemar, o que você faz aqui? Brother, não passou nem uma viva alma. Já estamos fechando. Mas, rumores dizem que uma jovem loira anda assustando os caminhoneiros, ela pede carona e desaparece. Disse-me Pedro.
          - My Brother, passei por um momento aterrorizante! My God, what fear... Dei uma carona para uma loira que desapareceu do nada. E você me conta isso, muito mistério! Voltarei para casa já está ficando tarde. Eu te vejo na escola amanhã!
          Volto para casa morrendo de medo, não quero encontrar àquela garota, pelo menos agora. Já são 22h00 horas quando vou dormir, minha cabeça está a mil, fico me perguntando: “Quem será a jovem da carona? Como ela sumiu sem avisar?” “a girl terror?” Bem cansado vou tentar dormir...
          Acordo cedo, o sol já resplandecia no horizonte, não vou à escola. Vou ao Vilarejo procurar explicações para o mistério da noite anterior. Vasculho tudo pelos arredores, porém não consigo nenhuma informação, sobre a tal moça misteriosa. Só me resta uma maneira de entender. Vou voltar pela mesma estrada à noite, para tentar encontrar Cecília... à noitinha volto para casa pela mesmo local, quero desvendar o mistério a 100 Km. Passo pelo Posto de Gasolina, mas Pedro não está trabalhando, vou seguindo em frente. Logo, a chuva começa a cair e a neblina toma conta da estrada, nem estrelas, nem luar para iluminar meu caminho. A moto quase derrapa em uma curva acentuada em “S” à direita. Meu coração fica congelado, quando avisto a mesma jovem pedindo carona. Chego bem junto dela e vou logo falando:
          - Cecília, tudo bem com você? Você desapareceu o que houve?
          - Não busque explicações para o que não é explicável, apenas faça o que vou te mandar! Procure esse endereço, lá você vai encontrar um diário, siga as instruções. Só assim terei Paz! Ela diz e sobe na moto.
          A uma determinada altura da estrada, ela pede para descer e desaparece sem deixar rastro. Eu fico ali pensativo: “Que endereço, se ela não me entregou nada!” Volto para estaca zero... Quase não dormi, fico parado olhando para a imensidão do tempo, sem entender nada do que aconteceu. Levanto-me e vejo um papel bem embrulhado em cima da escrivaninha. Abro e vejo que é um endereço: no Km 14, na Alameda das Flores, Quadra 22 - Lote 10. Resolvo falar com Pedro, pois ele trabalha no Posto e de certeza conhece todos os lugares. Vou voando mais rápido que posso...
         - Bom dia, Brother! Tudo bem? Você sabe onde fica esse endereço? Pergunto-lhe depressa.
          -  O que você vai fazer ai, Brother? Você sabe o que é isso? O único local que fica no Km 14 é o cemitério mais antigo dessa região. Pedro falou e saiu em seguida. Fico perplexo com o que ele fala, pego um mapa e vou procurar o Km 14. Consigo chegar ao tal endereço, é realmente um cemitério antigo e bem pequeno, cada espaço é demarcado com nomes de ruas, os túmulos são miniaturas de casarões, tudo é impressionante. Saio procurando um a um, nas lápides dos túmulos possuem mensagens de despedidas e saudades, consigo chegar ao local desejado: Alameda das Flores, Quadra 22 – Lote 10, não dá para acreditar no que vejo, minhas pernas tremem: “CECÍLIA SIMPLESMENTE - *28-10-1971 +29-10-1991 – “AQUI JAZ UM ANJO”. Procuro algo que me traga um norte. Abro uma janelinha de grade, lá tem uma foto, era a mesma garota que me pediu carona, também tem uma chave presa a um pequeno chaveiro, com o nome “banco” e um diário. Por horas fico ali lendo o diário da garota, que fala da vida reversada dela e na última página têm instruções, para quem o encontrar: “Por favor, procure realizar o desejo de um anjo!” Logo depois vou ao Banco do Vilarejo e pergunto ao gerente se ele conheceu uma cliente de nome Cecília Simplesmente, o gerente responde que sim, que existe uma conta em nome dela, com um valor altíssimo, que o Banco não conhece nenhum parentesco da mesma e ninguém sabe quem abriu a conta. Eu pedi autorização para abrir o cofre pessoal dela, pois estava com a chave, o gerente me acompanhou. Lá tinha uma carta nominal que dizia: “Tudo que tenho em conta, deve ser doado ao Orfanato Menino Jesus.” Perto da carta estava uma procuração assinada por Cecília Simplesmente. Certifiquei-me se o gerente iria cumprir o que estava sendo solicitado na correspondência. Depois do caso resolvido, deixei o banco... Ufa, missão cumprida!
          Continuei pilotando sempre à noite, pela mesma estrada deserta, porém nunca mais vi Cecília, voltei ao cemitério diversas vezes e, não encontrei o túmulo da mesma.
          Os tempos passaram...  De volta à rotina da vida...
          Ué, anjos existem?!

Elisabete Leite – 17/07/2018




Notas de Rodapé

QUEM SOU EU?

Quem sou eu?
Sou água que corre pelos rios
Riacho que deságua no oceano
Sol que alumia os dias e aquece do frio
Lua que ilumina a escuridão da noite
Ponto qualquer que preenche um vazio...

Quem sou eu?
Estrelas que formam uma constelação
Os planetas que habitam o Universo
Todo esplendor de cada nova estação
Rosas belas que perfumam os jardins
O imenso amor sentido bem no coração...

Quem sou eu?
O libertar do oxigênio ao meio ambiente,
Que provoca a renovação do ar puro
O alimento com o seu essencial nutriente
Toda espécie de animal no espaço terrestre
Nascer de uma vida que nos deixa contente...

Quem sou eu?
Uma extensão de água salgada, o mar
O aroma da chuva quando molha a terra,
Quando produz o alimento para o nosso lar
O nascer e pôr do sol na linha do horizonte
Grandiosidade de um sentimento que é amar...

Quem sou eu?
Aquela que tudo brota e produz com riqueza
Uma Mãe que cuida dos filhos, sem distinção
Sou área livre e habitável, repleta de beleza,
Que doa o alimento para ser posto na mesa
O verde das matas, me chamo Mãe Natureza.

Elisabete Leite

15 comentários:

  1. Muitas emoções, grandes sentimentos e muito choro... Realizada, agradecida, lisonjeada e imensamente feliz por mais um Conto publicado, neste cantinho do saber, nosso blog... Anjos existem? Para mim, sim: os alados e os de carne e ossos. Este Conto foi um pedido de um ex-aluno, que tive a satisfação de ensinar, ele já concluiu o Ensino Médio e é frentista de um Posto de Gasolina. Já o Poema compartilhado, eu gosto muito. Como sempre as ilustrações estão dando um espetáculo. Minha foto é o motivo de tanto choro. Obrigada Jorge por tudo! Parabéns pela arte final. Abraços e bom domingo a todos.

    ResponderExcluir
  2. História linda a de Cecíilia. Também acredito em anjo. Creio também que Cecília ainda vagava, a espera de alguém que a ajudasse a completar sua missão na terra. Só então se transformaria num ser de luz, um anjo!
    Mais uma história emocionante com final feliz. E eu feliz também por esse privilégio em desfrutar desse momento. Parabéns, Bete, minha poetisa predileta!
    Seu poema QUEM SOU EU é um show!!
    Amei as fotos. Tudo lindo!!

    ResponderExcluir
  3. Espetacular seu Conto, uma história comovente, com clímax supreendente e final feliz. Cecília era um anjo de luz que precisava de Paz e encontrou outro anjo vivo, Waldemar. O Conto apresenta uma linguagem moderna, universal no contexto dos adolescentes. Tenho orgulho da minha amiga autora desta espetacular momento de arte, Elisabete Leite. As lindas imagens completam o cenário. Ja a nota de rodapé traz um magnífico poema sobre a Natureza. Tudo perfeito! Parabéns aos poetas e aplausos. Abraços a todos...

    ResponderExcluir
  4. Pedrinho do Posto29 de julho de 2018 16:12

    Meu nome é Pedro Severino, ex-aluno da professora bete, gosto ler literatura e pedi para ela escrever uma história bem diferente com a minha linguagem. Sou conhecido como o brother biu. Sempre estou lendo o que ela escreve. Para mim um fato lindo. Obrigado e parabéns! Uma história que só acredita quem viu de perto. Tchau my friend

    ResponderExcluir
  5. Sensacional construção literária, um conto envolvente, misterioso, com um final inesperado. Um cenário de filme de suspense, com uma grande lição de vida. A amiga poetisa para mim já é uma escritora completa, consegue abordar diferentes temáticas, com uma linguagem apropriada a toda faixa etária. Cada domingo são novas emoções. Fico esperando os diferentes temas. A nota de rodapé está magnífica, este seu poema e um verdadeiro show amiga. As imagens ilustrativas bem adequadas aos conteúdos abordados. Fiquei emocionada com o comentário do Brother Biu. Parabéns a todos que ajudaram com o sucesso da arte final. Aplausos para minha amiga Elisabete Leite. Abraços

    ResponderExcluir
  6. Querida Beta, achei tão interessante e ao mesmo tempo, quase real, não pelo aparecimento da garota, mas sim o desfecho:ao assistir a missa dominical,o sermão do reverendo, foi sobre doação,Cecília procurou entre tantos,até encontrar alguém digno, que entregasse a chave, a qual conteria, toda sua doação,ao referido orfanato. Parabéns,e parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida irmã, Lucinha, pelo seu belíssimo comentário. Isso mesmo, a temática traz uma mensagem de doação. Beijos

      Excluir
  7. Eita, que maravilha de Conto! Estou aqui sem palavras, emocionado, encantado com mais uma belíssima narração: suspense, emoções, mensagem, mistério, com um final inesperado. A amiga contista e poetisa Elisabete Leite sabe nos envolver do início ao fim, nasce para mim uma escritora talentosa e completa... A nota de rodapé é um espetacular, um poema bem tecido, com o tema natureza. As ilustrações são um show de criatividade do amigo poeta Jorge Leite. Parabéns aos poetas pela excelente partilha. Abraços e feliz anoitecer a todos!

    ResponderExcluir
  8. Obrigada querido aluno Pedro Severino pela sua presença e gentil comentário. Aos amigos e amigas: Socorro Almeida, Maciel, Geovanna e Paulo minha eterna gratidão pelo carinho de vocês, presenças e comentários. Beijos no coração de cada um. Um noite iluminada a todos.

    ResponderExcluir
  9. Tão bom quanto ver você progredindo paulatinamente na produção dos seus contos é continuar se deleitando com a leitura dos seus melódicos poemas, preciosa amiga escritora Elisabete Leite! Tudo lindo: dos escritos às ilustrações, e considerando os comentários bacanas dos demais amigos. Parabéns, Poetisa/Contista! Bravo!

    ResponderExcluir
  10. Excelente Conto, muito suspense, mistério, emoções, sentimentos e uma mensagem tocante, tudo junto em uma mesma narrativa. A amiga Elisabete Leite sabe nos emocionar, toca em cheio nossa alma. Seus Contos São histórias que acima de tudo nos fazem refletir. O poema presente na nota de rodapé é belíssimo e as ilustrações estão impecáveis. Amei a foto da minha querida amiga, uma grande mulher e escritora. Parabéns aos poetas e aplausos mil pelo blog! Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  11. Que maravilha amiga poetisa Elisabete Leite, por mais um Conto no blog! Tudo lindo nesta narrativa emocionante, de muito suspense, mistério, boa mensagem, emoções, ação e outros temperos que tornam sua obra genuína. Eu fico orgulhoso em saber que contribui com o projeto Conto Escolar, onde tudo começou. O pontapé inicial para sua descoberta como escritora, este blog é seu mentor, o poeta Jorge Leite, continuaram acreditando nesta poetisa, agora, considerada uma escritora completa. Que venham novos projetos, seu livro solo, um Romance, onde você possa mostrar todo o seu talento. Parabéns grande escritora e parabéns amigo poeta. Tudo lindo nesta página Conto, Poema e ilustrações. Um linda foto sua com a natureza. Beijos amigos e boa semana a todos!

    ResponderExcluir
  12. Bom dia a todos e saudades! Querida amiga Elisabete Leite, venho aqui te prestigiar, te parabenizar por mais um Conto belíssimo e recheado, de condimentos que o deixa completo: emoções, sentimentos, suspense, mistério e mensagem de Luz. A personagem Cecília era um anjo de Luz que precisava seguir seu novo caminho e deixar o plano carnal, encontrou outro anjo neste plano terreno que juntos cumpriram uma grande missão, fazer o Bem, trazendo benefícios para muitas crianças carentes. Anjos existem muitos! A cada novo novas histórias a certeza que você, querida poetisa, é uma grande escritora. Seu poema sobre a natureza é magnífico. O amigo e preciso poeta Jorge Leite mostra-nos um anjo de carne e osso, compartilhando a foto da linda Bete. Aplausos aos poetas! Parabéns ao blog por esse achado! Sem mais palavras, lágrimas se misturam ao meu sorriso. Beijos de Luz...

    ResponderExcluir
  13. Bete, que excelente conto e poema! Fico encantada com a sua desenvoltura nos escritos. Para mim não interessa, se existe crescimento como escritora, o que realmente importa é que você sempre foi e continua sendo uma magnífica escritora. Escreve com a alma, tão lindamente que fica difícil olhar-te de outra maneira. Suas mensagens me encantam e são edificantes no contexto de cada temática. Tudo muito lindo nesta página. Ao poeta amigo Jorge Leite meus sinceros agradecimentos por partilhar tanta arte e pela iniciativa do blog. Parabéns aos poetas e abraços! Amanhã começa tudo de novo. Valeu pelas férias...

    ResponderExcluir