terça-feira, 24 de julho de 2018

Socorro Almeida

Arte de Mônica Rohan


MINHA AMIGA

Não ouso falar de nós assim facilmente
Os tempos que vivemos ficaram para trás
E desde então tanta dor já percorremos
Deixa ficar por lá pra não sofrermos mais

Vamos falar de um lar onde não existia amargura
Só alegrias, sorrisos fartos e gargalhadas
Uma casa sem jardim onde éramos as flores
Cujos perfumes que nos ares exalavam
Vinham da imagem e CÂNDIDA criatura
Que nos observava e afugentava nossas dores

Ali era o meu refúgio, como era o teu também
As alegres canções que cantávamos ao vento
Quando não eram interrompidas pelo trem
Embalavam nossas vozes no prazer do momento

Quem disse que para nós existe dificuldade
Se nem o tempo pôde apagar tamanha pureza?
Não há nada, ninguém, que destrua essa amizade
Regada à sombra de madeiras de lei
Que mantêm sem doer essa saudade!

Socorro Almeida
Recife, 17/07/2018
Arte de Mônica Rohan
NOSSA INSENSATEZ

As estrelas  causam impactos em seus encontros.
Assim somos nós na delícia de nosso amor
Flutuando em espaços perdidos e sem rumo
Sem noção do êxtase seguindo-se de dor

Sabendo das consequências, aceitamos a ilusão
Tu com tua juventude, eu com o peso dos anos
Somos nós inconsequentes, desumanos
Por nos rendermos às fraquezas do coração?

Na loucura deliciosa de nossa insensatez
E conscientes das lágrimas que virão
Abraçamos a causa com toda lucidez
De que tudo que vivermos nada será em vão

Socorro Almeida
Recife, 17/07/2018
EU TE FALEI...

Não te falei de orgulho como pecado
Saiba que isso em nós pode ser comum
Orgulhosos mas em espaço bem dosado
Amando-nos, bem antes de qualquer um

Falei de gestos e sorriso indecifrável
De como traças teus objetivos e ideais
Da força do teu caráter tão invejável
Da nitidez do teu rosto que não vejo mais

Falei da altivez de tua personalidade
Dos encantos que teimas em esconder
Das memórias que me adormeceste
Da dor que me causaste sem doer

Falei dos caminhos que me negaste
Das estradas que eu ousei percorrer
Onde parei sem ter mais o que fazer
Lamentando o vazio que me deixaste!

Socorro Almeida
Recife, 17/07/2018




Nota de Rodapé


Amar demais não é amor
“Sin ti no soy nada” [sem você não sou nada] é uma conhecida canção da banda espanhola Amaral. Também seria um título adequado para um livro que falasse sobre uma das maneiras mais destrutivas de se relacionar com o parceiro: a codependência emocional. Uma forma de se entregar ao outro que, no “imaginário romântico”, é entendida como o amor mais grandioso. Tão grandioso que pressupõe autoimolação.
Uma pessoa codependente se envolve em um tipo de sentimento emocional que não corresponde ao amor, apesar de parecer que sim. Trata-se de um sentimento enorme e incontrolável, que não nasce de um afeto ou desejo sadios por alguém, mas de uma carência dolorosa: “Necessito que você necessite de mim”, como resume a psicóloga Cayetana Egusquiza.
A especialista em terapia familiar sistêmica destaca como um dos traços fundamentais dessas pessoas seu “afã por salvar, esquecendo-se de si mesmas e antepondo as necessidades e problemas do outro aos próprios”. Os codependentes vivem uma vida que não é deles, sacrificando suas necessidades e desejos, e isso lhes provoca um sofrimento e um estado de ansiedade que transtorna suas rotinas.
Costumam chegar à consulta com problemas de sono, ansiedade, dificuldade de concentração, alterações alimentares. Anulados como indivíduos com necessidades e desejos pessoais, tornam-se obsessivos. E acabam desenvolvendo condutas de controle em relação a quem desejam manter-se ligados emocionalmente.
É difícil para essas pessoas colocar limites, mesmo que o cônjuge a prejudique. É a mãe do jogador compulsivo que paga as dívidas de jogo do filho, ou a pessoa que volta várias vezes com um parceiro conjugal que a submete a contínuas humilhações para alimentar seu ego. Essa eterna recaída no abuso, uma tendência evidentemente prejudicial, tem um porquê:
O codependente tenta se sentir necessário e útil, e isso é mais fácil de conseguir ao lado de alguém com problemas; esse tipo de personalidade tem dificuldade de se afastar de uma relação problemática porque, mesmo que machuque, ativa sua função de salvador”, explica Egusquiza.
A simbiose é perfeita: um codependente e alguém com problemas ou transtornos psicológicos são duas peças de um quebra-cabeças que se encaixam perfeitamente. Em vez de se beneficiar da união, ambos alimentam suas disfunções. “O codependente é uma figura fundamental para alimentar a conduta problemática de seu protegido”, ilustra a psicóloga. “Longe de ajudar —como é sua intenção—, mantém o problema ativo.”

No caso da mãe que paga as dívidas do filho, ela acredita que está ajudando quando na verdade está favorecendo que o filho não assuma as consequências e a responsabilidade pelos seus atos e, portanto, não enfrente o problema. Ele precisa dela para que se encarregue material e emocionalmente de sua vida; ela necessita que ele continue necessitando… Um enredo perverso.
No tratamento de pacientes com adições (vícios), os psicólogos costumam atender seu entorno afetivo mais próximo para detectar relações com pessoas codependentes que entorpeçam, sem ter consciência, a cura. Em alguns casos de maus-tratos repetidos no casal, sejam físicos, sejam psicológicos, também pode ocorrer essa situação de codependência da vítima, quando esta é incapaz de cortar o vínculo.
Mas, além desses casos graves, há muitas formas de permanecer envolvido em relações abusivas por medo do abandono. É o que a psicológica Silvia Congost chama de “enganche tóxico”. Ou seja, acreditar que não se pode viver sem a outra pessoa. Para a especialista, a codependência pressupõe “a incapacidade de romper uma relação quando se sabe que é necessário fazer isso” porque lhe provoca mais sofrimento do que bem-estar.
Cayetana Egusquiza afirma que qualquer pessoa, em algum momento da vida, pode cair em um episódio de dependência leve, mas diz que há um fator de risco em pessoas cuja infância se desenvolveu em uma família com “padrões disfuncionais: vícios, transtornos psicológicos, abusos ou negligência emocional… Ou pais que não puderam prestar a atenção adequada por alguma circunstância”.
A saída passa por enfrentar o problema. “Deixar de racionalizar e de justificar; é preciso entender de onde vem e o que mantém ativa essa necessidade de ser necessitado e concentrar-se no autocuidado”, explica Egusquiza. É importante ter claro que eliminar condutas de codependência não significa abandonar o outro, muito pelo contrário. Implica saber impor distância, de forma que cada um comece a cuidar do que é seu.
Que se torne responsável pelos próprios atos e suas consequências. Para desativar a codependência não é imprescindível, portanto, romper a relação: basta manter o foco em si mesmo. “Não se deve querer mudar o outro, mas modificar nossa forma de nos comunicar e de agir com ele; assim a relação mudará”, assegura Egusquiza. Até que ponto, se verá. Mas que seja um lugar melhor, sem dúvida.


 Posted by Thoth3126 on 17/07/2018









10 comentários:

  1. Sensacional momento de arte, um deslumbre de página! Lindos poemas, da nossa amiga poetisa Socorro Almeida, muito romantismo no ar. Magníficas imagens ilustrativas, um cenário de genuínas obras de arte, as telas que ilustram a pagina, como se fosse uma Galeria, Jorge como sempre se superou. O conteúdo da nota informativa de rodapé é rico e essencial a nível de conhecimento, um tema bastante atual e adequado para todas as idades. Estou aqui encantada com a arte final. Show! Parabéns aos poetas... Forte abraço!

    ResponderExcluir
  2. Este primeiro poema eu fiz para uma amiga de infância, que me pediu pra que eu fizesse uma música lembrando nossa juventude. Mas a música não saiu. Esse poema, então, é dedicado a essa amiga a quem devoto o maior carinho e amizade sincera. Ela se chama Ana Arcelina de Brito Lira Valença. Agradeço o espaço pra essa homenagem singela, aproveitando o MÊS DO AMIGO, e que dedico aos amigos de todos os amigos.
    Meu forte abraço a quem faz esse blog e todas as suas maravilhas, através do qual nos deliciamos. Bjos. Até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei a Nota de Rodapé. A narrativa sobre "Amar demais não é amor" me dá essa certeza que de fato não é, pois amar além dos limites faz a mãe prejudicar o futuro filho. Tenho esse exemplo na família. Causas e efeitos. Parabéns ao Jorge Leite por mais esse ensinamento.

      Excluir
  3. Excelentes e expressivos poemas, muito romantismo na medida certa, bem ao estilo da nossa amiga poetisa Socorro Almeida. Um luxo de página, com imagens ilustrativas de grande qualidade, obras de arte, o poeta Jorge Leite foi exímio nas escolhas. A nota de rodapé apresenta contúdo informativo perfeito, importante no contexto educativo. Parabéns aos poetas pela página maravilhosa. Uma arte final digna de aplausos... Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  4. Uma página maravilhosa, com lindos e românticos poemas da amiga poetisa Socorro Almeida, ilustrações que são obras de arte e completam a temática dos poemas. A nota de rodapé está impecável, informativa, inovadora, um conteúdo bem importante, pois a prisão de um sentimento doente é pior que escravidão. Parabéns aos poetas pelo conjunto. Tudo muito lindo! Abraços e boa noite!

    ResponderExcluir
  5. Uau! Muito belos e recheados de romantismos os versos notáveis da amiga poetisa Socorro Almeida. Lindos poemas tecidos com sentimentos que foram extraídos da alma da poetisa. Eita! As imagens ilustrativas, com sempre embelezam ainda mais a página, o amigo poeta Jorge Leite sabe valorizar e enriquecer o cenário. Já as notas de rodapé informam sobre um conteúdo atual, pois amar sem controle é também escravizar, é um sentimento doentio. Parabéns aos poetas e aplausos pela arte final. Show de página! Abraços

    ResponderExcluir
  6. Tudo na página está perfeito, a arte sendo trabalhada como poesia. Lindos poemas com versos repletos de muito romantismo e nostalgia da amiga poetisa Socorro Almeida. As imagens ilustrativas sao obras de arte, que somente o poeta amigo Jorge Leite tem a sensibilidade de saber escolher. A nota de rodapé é outra excelente iniciativa, com assuntos do grande interesse do público, nosso assíduo leitor, pois amar sem liberdade é viver em grades. Parabéns a poetisa e ao poeta/ilustrador. Um show! Abraços a todos...

    ResponderExcluir
  7. Mais uma vez Socorro Almeida nos surpreende com suas poesias mágicas, vindas do fundo da alma. Ela é assim. Ela tem esse poder de se apaixonar pela alma das pessoas, e transmitir através de versos muito bem elaboradas nas rimas.
    As ilustrações e o tema escolhido são de muito bom gosto.
    Parabéns a ela e aos que fazem esse blig

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo falha de digitação: "versos muito bem elaborados..."

      Excluir