domingo, 23 de dezembro de 2018

É NATAL

Edição N° 264 - Tema Natal
Tema das Imagens: Símbolos de Natal


É Natal! De novo...!

Nem cheguei a pagar minhas dívidas de 2016 e o Natal já está em minha porta, compre, compre, compre, dê presentes, dê presentes, dê presentes...Assim não dá! Natal deveria ser igual a década, ocorrer de 10 em 10 anos. Talvez o tempo fosse suficiente para pagar as dívidas do Natal anterior; e perder uns quilinhos adquiridos no último Natal. Natal todo ano não dá.

Natal não é comemoração da Natividade, é comemoração para o comércio, cartões de crédito, financeiras, bancos etc. Quem disse que temos de chegar no jantar de Natal, quando reunimos a família, única reunião anual, de carro novo? Ainda nem tirei os plásticos que recobrem os bancos do carro antigo, que “comprei” no Natal que passou e já tenho que sentar em plásticos novos? Nem pensar! Assim não dá!

Aquela velha calça desbotada que gosto tanto, por que não posso usar? E minhas alpargatas? Não é justo. Dizem que Natal é renovação, mas é necessário trocar toda a sala? Incluindo fogão, geladeira, TV comprada para ver a copa e tantas outras tranqueiras? Acho que não.

Angelus Silesius um dia, há muito tempo, profetizou: “Ainda que Cristo nascesse mil vezes em Belém, se não nascer dentro de ti, tua alma ficará perdida. Em vão olharás a Cruz do Gólgota, a menos que dentro de ti, ela seja novamente erguida.” É lamentável tentarmos preencher o vazio existente em nossos corações, com bens matérias. Esse vazio jamais será preenchido com esses bens  que precisam ser renovados todos os anos, esse vazio precisa ser iluminado pelo nosso Sol interno, que todo ano inicia a sua jornada na noite de Natal em busca de sua iluminação espiritual.
Não nos custa relembrar que o próprio aperfeiçoamento não é nosso único objetivo, Cristo, que comemoramos seu nascimento no Natal, disse: “Aquele que quiser ser o maior entre vós, seja o servo de Todos”. É só olhar em volta e perceber o sofrimento e aflição que nos cercam. Mesmo entre nossos conhecidos, para não somente falar de desconhecidos, há muitos corações solitários e vazios, corações que se revestem de roupas novas, mas continuam vazios. Jamais preencheremos esses corações com presentes da Natura, Boticário, Apple e tantos outros. Podemos começar a preencher com compreensão, atenção, carinho, humildade, solidariedade e tantos presentes que não fazemos uso e que não se compra em lojas.

Natal é a procura da Iluminação interior, e a Luz de Cristo renasce todos os anos no Natal. Temos todos os anos, na noite de 24 para 25 de dezembro a oportunidade de iniciar nossa caminhada em direção ao nosso Cristo interior, apenas precisamos nos presentear com esse sentimento de que “O Cristo nasceu!” e Ele precisa nascer dentro de nós. 
   
UM FELIZ NATAL PARA TODOS.

Jorge Leite, Timbaúba 22 de dezembro de 2018.


LEITURA COMPLEMENTAR 

 Angelus Silesius

Angelus Silesius (Wrocław, 25 de dezembro de 1624 – Wrocław, 9 de julho de 1677), nascido Johann Scheffler e também conhecido como Johann Angelus Silesius, foi um padre e médico católico alemão, conhecido como poeta místico e religioso.

Nascido e criado no luteranismo, adotou o nome Angelus (latim para "anjo" ou "mensageiro celestial") e o epíteto Silesius ("Silesiano") quanto da sua conversão ao catolicismo em 1653. Durante o tempo que estudou nos Países Baixos, Silesius começou a ler as obras dos místicos medievais e se familiarizou com as do místico alemão Jakob Böhme por influência de um amigo de Böhme, Abraham von Franckenberg. As crenças místicas de Silesius provocaram tensão entre ele e as autoridades luteranas no que resultou na sua conversão ao catolicismo. Silesius entrou então para a Ordem dos Frades Menores e foi ordenado sacerdote em 1661. Dez anos depois, em 1671, transferiu-se para uma casa jesuíta onde permaneceu durante o resto de sua vida.

Um entusiasta conversor e sacerdote, Silesius trabalhou para convencer os protestantes alemães na Silésia a retornarem à Igreja Católica Romana.Compôs 55 folhetos e panfletos condenando o protestantismo, vários deles foram publicados em dois volumes in-fólio intitulados Ecclesiologia (traduzido para "As Palavras da Igreja"). Atualmente ele é lembrado principalmente por sua poesia religiosa e, em particular, por duas obras poéticas ambas publicadas em 1657: Heilige Seelenlust (literalmente, "Os Desejos Sagrados da Alma"), uma coleção de mais de 200 textos de hinos religiosos que foram usados por católicos e protestantes; e Der Cherubinischer Wandersmann ("O Peregrino Querubínico"), uma coleção de 1.676 poemas curtos, na maior parte versos alexandrinos. Sua poesia explora temas de misticismo, quietismo e panteísmo dentro de um contexto católico ortodoxo.






Os símbolos do Natal
Dom Romualdo Matias Kujawski
Bispo Diocesano de Porto Nacional (TO)

“O Verbo se fez carne e habitou entre nós” … (Jo 1,14) 

Para nós, o Tempo do Advento é muito importante, pois através do convite de São João Batista, somos convidados a nos converter e preparar os caminhos do Senhor: “Uma voz clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, aplainai suas veredas. João Batista apareceu no deserto e pregava um batismo de conversão para a remissão dos pecados.” (Mc 1, 3-4).

Já nesse Tempo Litúrgico, nossa Igreja Católica nos convida a refletir sobre nós mesmos e nos mostra que o Menino que nasceu na pobre gruta de Belém de Judá é Aquele que definitivamente iluminou nosso caminho. O nascimento de Jesus então se tornou o início de um novo tempo.
São Francisco, que resolveu meditar este acontecimento com intensa afetividade, ao usar a manjedoura e formar o presépio pela primeira vez, nos ajudou a imaginar o que de fato aconteceu naquela noite.

Ao aproximar-se do Natal, a maioria destes símbolos pode ser encontrada por toda a parte: nas praças, nas ruas, nas iluminações dos prédios. Assim, nos alegram os cantos natalinos, as árvores de Natal, a estrela e principalmente o presépio, com as pessoas ao seu redor.
Faço uma pergunta para uma breve reflexão: “Estes símbolos causam dentro de nós um aprofundado pensamento religioso?”

A impressão que temos é que, em nossos dias, os símbolos religiosos do Natal tomaram uma dimensão comercial muito forte, perdendo a sua essência, que deveria nos remeter ao nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. O problema é mais grave ainda, pois retrata a tendência de a Sociedade viver intensamente seu caráter consumista, deixando Deus de lado.

O que devemos fazer para celebrar dignamente o Natal?

Comecemos a partir de nossas famílias, os pais explicando aos filhos que Jesus é a imagem mais importante no presépio e quem são outras pessoas ali presentes. Ao lado do presépio, vale a pena colocar a Bíblia, a fonte escrita da nossa fé, explicando também às crianças que o presente de Natal é por causa do nascimento do Menino Jesus e não de Papai Noel. Na noite de Natal, as famílias devem reservar o tempo para ir à Igreja e celebrar a festa do Natal do Senhor.

Somente a ceia tradicional não é o suficiente!  Não podemos seguir a atitude de frieza do povo de Belém de Judá, expressa no Prólogo do Evangelho de João: “Chegou para os seus e os seus não O acolheram.” (Jo 1,11)

Precisamos ter a coragem e sensibilidade de manter os corações abertos para acolher o Menino Deus no Natal. Como gesto concreto, talvez fosse interessante exercer a caridade, ajudando algum irmão necessitado. Este seria nosso presente para o Menino Jesus!

A vida é efêmera e passa muito rápido! Não podemos deixar nos perder nesse mundo, com as coisas que passam. Precisamos deixar que nossos olhos permaneçam fixos em Jesus, nosso Senhor, abraçando assim as coisas que não passam. O tempo que nós temos para sermos melhores, corretos, justos é o presente, o hoje. O ontem já se foi e somos incapazes de voltar no tempo, seja para corrigir algum erro ou para reviver alguma situação de alegria. O amanhã pertence a Deus e não temos nenhuma garantia de que o teremos. Recordo as palavras de São Paulo: “Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salvação. Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação.” (II Cor. 6,2)

 Desejo a cada um de vocês um Feliz e Santo Natal. Pela intercessão e proteção de Nossa Senhora das Mercês, que o Ano de 2019 seja um ano cheio de paz, saúde e graça!

Gloria in excelsis Deo!!!





Entenda o significado dos símbolos típicos do Natal

Presépio
A palavra vem do hebraico e significa manjedoura, estábulo. Desde o final do século II, já havia representações do presépio. Inicialmente foram pintados nas catacumbas de Roma. O presépio é o único símbolo natalino baseado puramente nos Evangelhos. De tradição cristã, ele é a reprodução do cenário onde Jesus Cristo nasceu. Manjedoura, animais, pastores, os três reis magos, Maria e José acolhem o bebê numa cabana de madeira, em Belém. O hábito de montar presépios surgiu na Itália, onde o artesanato, simbolizando a vinda do filho de Maria ao mundo, caiu no gosto popular.

Estrela de Natal
A estrela tem 4 pontas e 1 cauda luminosa. As 4 pontas representam as 4 direções da terra: Norte, Sul, Leste e Oeste, de onde vêm os homens para adorar a grande luz que é o Filho de Deus, além de lembrar que Ele veio para todos. Presente na história bíblica, a estrela guiou os três reis magos até o local do nascimento de Jesus. Usada como enfeite, em especial no topo da árvore de Natal, simboliza o filho de Deus, que é a estrela-guia, o caminho e o sentido da humanidade. Também são lembradas na árvore de Natal as outras estrelas que estavam no céu, na noite em que Jesus nasceu.

Pinheiro de Natal
 Tradição nascida em tempos medievais, de fundo cristão, que reúne dois símbolos religiosos: a luz e a vida. Os pinheiros são as únicas árvores que mantêm suas folhas mesmo no inverno. Vivo e verde o ano inteiro, representa no Natal a esperança, a alegria e a mudança. Quanto ao costume de colocar os presentes natalinos embaixo da árvore enfeitada, foi no palácio da Rainha Elizabeth I, em ocasião natalina, que tudo começou. Sem poder receber pessoalmente todos os presentes que lhe eram entregues, a inglesa pediu para que fossem depositados embaixo de uma grande árvore de seu jardim. A atual árvore de Natal aparece na Alsácia no século XVI e no século seguinte se espalha o hábito de iluminá-la com velas. Em 1912, Boston, nos Estados Unidos, inaugura uma árvore iluminada numa das praças centrais da cidade, e isto se espalha por todo o planeta, inclusive em países não-cristãos.

Coroa de Avento
A Coroa de Avento consiste em um círculo envolto em ramos verdes que sustenta quatro velas, que podem ser vermelhas ou multicoloridas. Nas quatro semanas que precedem o Natal, o objeto fica exposto nas igrejas católicas em pontos de destaque. Em conjunto, simbolizam a espera pela vinda do Senhor, sendo que os ramos são a eternidade de Deus e cada vela é um voto específico para os fiéis, enquanto sua luz é a afirmação de que o Evangelho brilha na vida de quem serve a Cristo.
 
Guirlanda
Para decorar as ruas da Inglaterra, eram usadas flores da espécie sempre-vivas, que receberam significado maior na Alemanha, quando passaram a ser arrumadas em círculo para simbolizar o amor sem fim de Deus. Quando presente, a fita vermelha decorando as folhas verdes de pinheiro representa a proteção divina, tornando o enfeite ideal para ser pendurado nas portas dos lares.

Postal de Natal
O pintor inglês John Callcott Horsley foi responsável pelo primeiro postal de Natal da história. A pedido de Sir Henry Cole, que tinha o hábito de mandar cartas para seus familiares e amigos na época natalina, John produziu cartões com a mesma mensagem, que foram enviados aos próximos do cliente por estar ocupado demais para escrever. Hoje, a troca de postais é uma forma de confraternização natalina bastante usada no mundo.

Bolas de Natal
As coloridas bolas de Natal, colocadas nas pontas dos galhos dos pinheiros ou árvores artificiais, representam os frutos da vida humana e seus desejos, tais como amor, esperança, perdão e alegria. De formas e tamanhos diferentes, os enfeites também representam os gestos concretos de amor entre irmãos da Terra.

Sinos Natalinos
O instrumento de anunciação das festas populares era principalmente usado no Natal, onde ganhou a adaptação simbólica de que seu badalar informa o nascimento de Jesus Cristo. Presente nas decorações natalinas como enfeite de porta ou para pendurar na árvore de Natal, o objeto ainda é protagonista de algumas cantigas, como "Bate o Sino". As renas carregam sinos de anúncio e de convocação. Os sinos simbolizam o respeito ao chamado divino e evoca, quando preso em torres, tudo o que está suspenso entre o céu e a terra e, portanto, são o ponto de comunicação entre ambos.

Ceia de Natal
Com o intuito de unir as pessoas para festejar a vinda de Cristo ao mundo, a fartura da ceia é uma alusão à fome que as sociedades antigas passavam. Para simbolizar o corpo do filho de Deus, a carne (peru, ganso ou peixe) é posta na mesa. "Amai-vos uns aos outros" é o principal lema da ceia de Natal, onde também não podem faltar bolos e frutas para o agrado das famílias.

Cantigas de Natal
Traduzindo em palavras e acordes a magia do Natal, as canções ou cantigas natalinas fazem parte de antigas tradições que foram difundidas entre países cristãos. O sentido das cantaroladas, muitas vezes acompanhadas de instrumentos, é reforçar os valores cristãos, com muita alegria e amor ao próximo. Uma das músicas mais conhecidas no mundo é "Noite Feliz".

Papai Noel
O Papai Noel é retratado como um velhinho gordo, com barbas e cabelos brancos, roupa vermelha e branca e, nas costas, um saco de presentes. Sua figura baseia-se em São Nicolau Taumaturgo, bispo de Mira. São Nicolau é um santo popular e padroeiro da Noruega, da Rússia e da Grécia. Acredita-se que viveu na Turquia, na cidade de Mira, no século IV, onde saía com um saco cheio de ouro e lançava moedas pelas chaminés das casas das pessoas necessitadas. São Nicolau, chamado Santa Klaus, bispo de Myra, na Lícia antiga, sudoeste da Ásia Menor, da atual Turquia. Durante o século IV, este homem de fé marcante foi transformado legendariamente neste Papai universal e proveniente que oferece às crianças presentes, brinquedos e carinhos da terceira idade. O atual Papai Noel, de roupa vermelha e saco às costas, nasce nos Estados Unidos na metade do século XIX, como um São Nicolau transmudado em gnomo ou duende e, logo em seguida foi transformado em um simpático velhinho. Ele é introduzido na Europa depois da Primeira Guerra Mundial e se impõe pouco a pouco pela pressão comercial e daqueles que querem festejar o Natal sem referências religiosas.

Reis Magos
OS TRÊS REIS MAGOS: O Evangelho de Mateus é o único a relatar a vinda dos sábios do Oriente. No século V, Orígenes e São Leão Magno propõem chamá-los de reis-magos. No século VII eles ganham nomes populares: Baltazar (deformação de Baal-Shur-Usur-Baal, que protege a vida do rei), Belquior e Gaspar. Eles trazem ouro, incenso e mirra para o menino Rei, Deus e Salvador. No século XV, lhes são atribuídas etnias: Belquior (ou Melchior) passa a ser da raça branca; Gaspar, amarelo e Baltazar, negro, para simbolizar o conjunto da humanidade que vê e conhece o Salvador.

Velas
Acender velas nos remete à festa judaica de Chanuká, que celebra a retomada da cidade de Jerusalém pelos irmãos Macabeus das mãos dos gregos. Na chama da vela estão presentes todas as forças da natureza. Vela acesa é símbolo de individuação e de nossos anos vividos. Tantas velas, tantos anos. E um sopro pode apagá-las para que de novo possamos reacendê-las no ano vindouro. Para os cristãos, as velas simbolizam a fé e o amor consumido em favor da causa do Reino de Deus. Velas são como vidas entregues para viver.

Animais
BOI e JUMENTO: Esta representação que nos chega dos escritos apócrifos (obra cuja autenticidade não foi provada), é uma linda lenda dos primeiros tempos do cristianismo. Nenhum dos textos do Evangelho fala da presença destes animais. Seria uma reminiscência do texto do profeta Habacuc, que diz que “o Messias se manifestará entre os animais”. Belo texto do século VI, conhecido como o Evangelho do pseudo-Mateus, faz a descrição da cena com o boi e o jumento. Este Evangelho apócrifo teve grande impacto no imaginário popular. Estes animais representam o calor da criação que quer ver vivo tudo o que nasce e deve viver.

Anjos
Os anjos cantores anunciam uma boa notícia: “Glória no mais alto dos céus e paz na terra aos homens de boa vontade”. Anjos, ou seja, mensageiros, surgem nos céus para confirmar o nascimento do Filho de Deus. Os anjos na tradição cristã natalina são representados com traços infantis, como sinal de inocência e de pureza.

Neve
 O toque mágico do Natal vem com a brancura e o frio da neve no hemisfério norte que exigem das pessoas que se guardem das ruas e convivam mais dentro das casas.

 


VÍDEO - Eu Navegarei







14 comentários:

  1. Uma maravilhosa página de domingo, que muito ensina e faz refletir, bem ao estilo do nosso querido poeta e mentor Jorge Leite. Tudo aqui, hoje, compartilhado está emocionante, que na verdade é uma belíssima homenagem ao Natal. Um Natal de Amor, de Paz, de União... com a Luz divina do nosso Deus que abençoa seus filhos diariamente. Espírito, espírito que enche nossos corações de dessa Luz. A Crônica está perfeitamente redigida, as magníficas ilustrações e pesquisas definem o Natal. Parabéns ao Blog por essa fantástica partilha natalina. Cheguei a chorar com o vídeo do início ao fim. Um FELIZ NATAL a todos e que Jesus Cristo nasça em nossos corações. Desejo que o Cantinho do Saber continue compartilhando sempre em muitos e muitos Natais. Bom domingo e aplausos querido irmão e poeta Jorge Leite por esse momento de Amor e Paz. Beijos... te amo!

    ResponderExcluir
  2. Eita pessoal, que página belíssima e reflexiva sobre o Natal e não poderia ser diferente, pois amanhã comemoramos o nascimento de Jesus e devemos fazê-lo renascer também em nossos corações. Tudo no blog está perfeito da Crônica, do amigo poeta Jorge, como tudo compartilhado nessa magnífica homenagem. Sim, já é Natal e vamos festejar a Luz divina. Emocionante o vídeo e excelentes as pesquisas... parabéns ao poeta pela arte final e ilustrações. Um Feliz e abençoado Natal a todos! Abraços e bom domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amigo Paulo, pela suas interações, leituras e gentis comentários, você sempre disponível por aqui no blog. Sua constante presença contribuindo com os seus comentários de mestre e profissionalismo. Forte abraço e Feliz Natal! Aproveite as férias. Obrigada de coração...👏👏👏👏👏parabéns pela presença!

      Excluir
  3. Belíssima página sobre o Natal e seu verdadeiro significado. A crônica do nosso amigo poeta Jorge Leite está maravilhosa e bastante reflexiva, pois o Natal é muito mais que os nossos olhos podem ver, pois precisamos olhar com o coração. Tudo lindo nessa homenagem sobre o Natal, os irmãos Leite são assim, eles sabem nos emocionar. Fastásticas ilustrações, um show de Luzes... a Luz do Amor! Amigos, que o Natal seja um momento de reflexão e que a semente da união floresça sobre tudo e principalmente sobre as diferenças. Feliz Natal a todos! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga Geovanna, sempre conosco que chova ou faça sol, seu abrigo, seu acolhimente é uma constante em nosso Cantinho do Saber... tenho maior orgulho de ser sua amiga. Obrigada peles seus belíssimos comentários, você é uma amiga que jamais esqueço. Felicidades sempre para você e Paulo. FELIZ NATAL e boas férias. Parabéns pela presença👏👏👏👏👏👏👏 e muito obrigada de coração!

      Excluir
  4. Está linda a página de Natal. Não me surpreende. Eu sabia que seria assim. Cheia de informações sobre o bom velhinho e sobre o espírito de Natal. Quando crianças acreditamos na existência física do Papai Noel. Mas quando crescemos passamos a entender o verdadeiro significado do Natal na figura simbólica do Papai Noel. Natal é amor, é fraternidade, é doação, e respeito aos menos favorecidos. É mais que isso...É família em toda sua essência. É Jesus no coração!
    Feliz Natal e que o bom velhinho traga a paz, saúde, realizações e muitas alegrias para todos nós!
    Abraços afetuosos a todos do grupo e suas famílias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Socorro Almeida, amiga querida, quero agradecer-lhe pelas leituras, presenca constante e gentis comentários, sem você o blog parece triste, mas com a sua presença ele se enche de alegria. Obrigada de coração e muito obrigada pela presenca👏👏👏👏👏👏👏parabéns. Feliz Natal para você e família!

      Excluir
  5. Boa noite a todos! Não podia deixar de comentar, pois o Natal é momento de união e precisamos estar juntos em todos os momentos do blog. É sim meus amigos, uma belíssima página de Natal, com muitas informações e uma maravilhosa crônica reflexiva, sobre o sentido do Natal. Tudo por aqui é um show, ilustrações, pesquisas e ensinamentos de toda natureza. Muito bom o início de Natal. Parabéns por mais um divina página, foram tantas ao decorrer de dezembro, estou emanado pela Luz divina. Um FELIZ NATAL com Amor e muita Paz no mundo. Saudades e beijos a todos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maciel, querido e estimado amigo, somente tenho que agradecer-lhe pela constante presença em nosso Blog Maçayó, você que compartilha todas as páginas junto comigo, monitora quem comentou ou não e fica lembrando aqueles que esqueceram. Tu és um vitorioso, pois Papai do Ceú não te esqueceu. Obrigada pela presença constante, de todo coração. Parabéns por ser esse excelente poeta👏👏👏👏👏 FELIZ NATAL a você e a sua amada. Saudades

      Excluir
  6. Passando rápido para prestigiar e comentar a página de domingo, que faz uma belíssima homenagem ao Natal e seu significado. Mais uma vez o querido poeta Jorge Leite é perfeito na temática da sua reflexiva crônica e real sentido do Natal. Um verdadeiro show de página, belas ilustrações e pesquisas. Amei tudo por aqui no Blog. Parabéns poetas e um FELIZ NATAL a todos desse magnífico recanto. Saudades e beijos show e show...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lis, queridíssima amiga, quero também te agradecer pelas constsntes visitas e gentis comentários, você que é sempre tão carinhosa conosco. Obrigada de coração, sei da distância, mas sempre presente a qualwuer hora. Parabéns👏👏👏👏👏 pela acolhida. Sou orgulhosa de ter uma amiga como você. Felicidades ao casal de amigos e FELIZ NATAL! Obrigadaaaa

      Excluir
    2. Corrigindo:...constantes, qualquer...

      Excluir
  7. Mais uma linda página do blog que fala sobre o Natal. Encontro-me no interior e a conexão está muito difícil. Mas quero dizer que tudo no blog está perfeito. A crônica do poeta Jorge e bela e bastante reflexiva, pois mostra o verdadeiro sentido do Natal. As ilustrações e pesquisas maravilhosas como sempre. Parabéns por mais ima excelente página. Boa noite a todos e um Feliz Natal! Abraços

    ResponderExcluir
  8. Todo final de ano é assim. É uma mistura de tristeza, saudade, por alguns que amamos estarem distante de nós, ou estarmos distante deles. Por um motivo ou outro...o que nos alegra é a certeza de estarmos juntos no dia do nascimento do menino Jesus, comemorando mais uma vez seu renascimento em nossos corações. Oportunidade de sentir que o amor não morre, que está presente em cada um de nós, quando nos abraçamos cheios de esperança por dias melhores e, na certeza que eles virão, deixo o meu abraço cheio de alegria, a todos os amigos desse Cantinho do Saber.
    Feliz Natal!

    ResponderExcluir