domingo, 30 de dezembro de 2018

Último Domingo

Edição Nº 267 - Tema Fim de Ano (Renovação)
Tema das Imagens - Fogos de Artifício



RENOVAR PARA VIVER

O Ano Velho termina...
Deixando para trás lembranças
Mas, o Novo Ano se aproxima
Trazendo no bolso nova esperança,
Esperança em um novo amanhecer
Amanhecer que faz o sol surgir no horizonte
Tecendo palavras, rimando, fazendo Poesia...
Versejando versos, com sentimento e magia,
Remendando retalhos de vida para reviver
Viver nesse mundo, que não é fantasia
Em busca de um sentido para renascer,
Recomeçando com novas perspectivas,
Mudanças, planos, quebra de paradigma...
Estudando os novos projetos de vida
Repensando as derrotas e as vitórias
Ultrapassando limites, cruzando novas fronteiras
Para renovar as diversas fases da vida
Fases que eternizam uma história,
O Ano velho se finda...
Deixando a dor da saudade
Saudade dos momentos felizes, os de alegria,
Os instantes de glória, os de plena felicidade
Ah, no Novo Ano a felicidade seja bem-vinda!
Com sonhos que se concretizem, se tornem reais
Que o branco da Paz reina na Humanidade
A semente do Amor se multiplique pela terra,
E que a guerra não volte nunca mais.

Elisabete Leite - 26/12/2018

EU QUERO É VIVER

Hoje, não quero choro, nem lágrimas...
Quero momentos de pura emoção
Ficar tranquila, sorrindo do nada
Navegar, feliz, pelos Mares da vida
Respirar bem fundo, de satisfação...

Não quero falar de tristeza, nem de solidão
Vou velejar pelos quatro cantos do mundo
Pois, já tenho a certeza, que a felicidade,
Ocupa todo lado esquerdo do peito  
E mora bem no âmago do meu coração...

Não quero falar de pranto, nem de dor
Não vou mais chorar, nem perder o encanto
Quero inovar, virar-me pelo avesso
Aproveitar a magia da minh’alma
Escutar a voz que sai do meu interior
Jogar do lado de fora todo o meu medo...

Ah! Hoje não quero falar de nostalgia
Nem relembrar aquilo que já passou
Quero falar de mudança, de renovação
Vou enxugar meus rios de lágrimas
Aproveitar que o Sol brilha e faz Calor...

Hoje eu quero é Cantar, Dançar e Viver
Realizar meus Sonhos, falar de Amor
Tecer Poesias, viajar na imaginação
Compor meus versos, minhas rimas
Sair da minha concha, ser livre para voar,

Eu quero mesmo é banhar-me à beira-mar.

Elisabete Leite
 LEITURA COMPLEMENTAR
Primeira Leitura


Réveillon: conheça a origem das festas de Ano Novo

Conhecida pelo seu sentido de renovação e início, o Ano Novo é uma festa bastante popular em muitos lugares do mundo. Dependendo da crença, sua chegada pode assumir sentido religioso ou apenas festivo. É uma época em que as pessoas se enchem de esperança e acumulam objetivos para serem alcançados no decorrer do ano que se inicia. Porém, você já parou para pensar na origem dessa festa?

Indícios históricos apontam que as comemorações para a chegada do novo ano começaram em uma época anterior ao cristianismo, mais precisamente atribuída ao povo Mesopotâmico, por volta do ano 2.000 a.C.

Porém, essa não era uma exclusividade desse povo. Os mesmos indícios históricos apontam que a época também era comemorada com muita festa entre os gregos, fenícios, persas e assírios. Desde essa época, esses povos já tratavam a data como uma festa, ou melhor, como um festival, com a realização de rituais e celebrações.

Apesar de ser uma época bastante conhecida entre os povos, nem todas as culturas são regidas por um único calendário. Existem inúmeros calendários que permanecem em uso em certas regiões do planeta e que calculam a data do ano novo de forma diferente.

A comemoração ocidental tem origem num decreto do imperador romano Júlio César. No ano 46 a.C., o imperador fixou o primeiro dia de janeiro como o Dia do Ano Novo. Já entre os romanos a inspiração foi o deus dos portões, Jano. Foi só há pouco tempo que o dia 1º de janeiro voltou a ser o primeiro dia do ano na cultura ocidental. Até o ano de 1751, na Inglaterra e no País de Gales, o ano-novo começava em 25 de março.

A chegada do Ano Novo também é conhecida por Réveillon. A palavra é de origem francesas e assume o significado de “acordar” e “despertar do ano”. A palavra surgiu no século XVII e servia para identificar eventos populares entre a classe dos nobres franceses. Entre esses eventos, destaque para os jantares, que seguiam até depois da meia-noite, nas vésperas de datas importantes.

As comemorações do Ano Novo foram incorporadas ao calendário festivo brasileiro a partir de inspiração nos demais países de cultura ocidental, que tomam o 1º de janeiro como data correta. Isso só é possível porque o país também é regido pelo calendário romano, adotado no ano de 743 a.C., este, por sua vez, foi preservado pela Igreja Católica, baseado no calendário gregoriano do século XVI.

A corte de dom Pedro II, sediada no Rio de Janeiro, foi a grande responsável pela popularização das comemorações do Ano Novo no país. A partir de então, a festa também foi copiada pelas elites paulistas.


MOMENTO DE RENOVAÇÃO

Agora é hora de renovação... De Reflexão!
Pesar na Psicobalança, o certo e o errado
Excluir a semelhança, toda e qualquer ilusão
Puxar a Fé e Esperança, sempre para nosso lado...

É hora de agradecer, as dádivas recebidas
De aceitar a Verdade, como único caminho
Saber que o Conhecimento é a Luz da vida
Entender que aqui, nunca estamos sozinhos...

É hora de semear a Paz, em cada coração
Espalhar pelo mundo, os germens do Amor
Tratar todo semelhante, como nosso irmão...

Plantar sem esperar colher, ser um semeador
Minimizar os conflitos, viver em prol da União
Ser perfeito para ser eleito, pelo Deus Criador.

Elisabete Leite



Fim de Ano

Fim de ano, fim de festas.
É o ano velho que vai
É o ano novo que vem.
Velhos sonhos que se foram
Novos sonhos que virão;
Os velhos foram tão bons,
Os novos também serão.
Tudo depende apenas
Do que chamamos ilusão.

Ano novo, ano velho,
Para mim tudo igual.
Um contínuo passar de dias
Um contínuo passar de vidas.
E cada dia mais velho.
Esperanças que se foram
Esperanças que virão;
Alguns amores morreram
E outros renascerão.

Fim de ano, fim de festas,
Fim de encontros e desencontros.
Tudo passou por passar.
Alguns dias de alegria,
Outros nos fez chorar.
E como o dia e a noite,
Que se sucedem sem parar,
A dor e o amor andam juntos,
Sem nunca se encontrar.

Ano novo, ano velho,
Quantas lembranças ficaram,
Quantas hão de lembrar.
Quantas verdades foram ditas
Quantas incertezas no ar.
E o coração fala alto,
Fala porque quer falar
Sangra a dor da tristeza,
Sangra a alegria de amar.

Ano novo, ano velho,
Fico sentado pensando,
Em tudo que aconteceu
Em tudo que acontecerá.
A quem dedicar estes versos?
Aqueles que me amaram?
Aqueles que hão de amar?
Dedico à solidão
Companheira de bar em bar."

Jorge Leite


LEITURA COMPLEMENTAR
Segunda Leitura

Descubra porque nós fazemos tanta questão de preservar os rituais e símbolos associados ao Ano Novo

Fogos em Copacabana, lentilha na ceia, champanhe, flores no mar, pule com o pé direito, coma lentilhas, suba escadas, acenda as luzes, aumente o som, grite bem alto “feliz Ano Novo!” São muitos os rituais para a passagem de ano. Mas por que a gente repete esses gestos todos os anos? E, mais ainda, eles de fato servem para alguma coisa?

Estudiosos acham que sim, os rituais são importantes e têm sua função. Eles carregam o poder simbólico de abrir e fechar os ciclos e esse poder é enorme.

A cada ciclo que termina, as pessoas sentem necessidade de fazer um balanço de pontos positivos e negativos”, diz a psicóloga Jaqueline Meireles. E isso vale tanto para as crises, problemas e dificuldades do ciclo que termina quanto para os projetos e sonhos que ficaram estagnados e precisam ser atualizados para o novo tempo que começa.
 
Mas por que todo mundo precisa fazer o balanço ao mesmo tempo, numa data convencionada?
“Por causa da força simbólica. O mundo todo se mobiliza em função disso”, afirma a psicóloga. Esse gigantesco “mutirão de boas intenções” que se cria nesses momentos pode ser um belo empurrãozinho para incentivar o exame de consciência e abraçar o ano vindouro.

É claro que o ciclo pode começar na data de aniversário ou ser provocado por uma mudança de emprego, por exemplo, ou por qualquer outro momento, desde que seja significativo para a pessoa. “Muitos momentos na vida convocam mudanças. Porém, durante os ciclos que se fecham essa convocação tem peso especial, você é impulsionado pela massa”, afirma Jaqueline.

A passagem do tempo e os ciclos da Natureza impressionaram mesmo nossos mais antigos ancestrais. E os rituais de passagem têm servido desde sempre para pontuar esse ritmo repetitivo que os homens observavam em tudo à sua volta.

“Os rituais de passagem respondem à necessidades básicas arquetípicas”, diz Denise Ramos, professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e analista jungiana. “Rituais geram bem-estar. A marcação do tempo existe desde os primórdios da humanidade porque dá aos homens uma sensação de controle sobre o próprio destino”, afirma.

A analista acrescenta também um outro ingrediente fundamental para o bem-estar psíquico do ser humano: a necessidade de esperança. “O ano novo traz consigo a possibilidade de reorganizar a vida, consertar erros, fazer coisas diferentes, essa promessa do ‘novo’ é fundamental para o bem-estar e para a saúde mental.” Os rituais servem justamente para expressar essa tentativa de controlar o destino e dar corpo e voz à esperança.

“Não basta dizer que acabou um ano e começa outro, é preciso marcar, dar uma forma concreta à essa convicção. Em geral, os rituais ligados à água são muito fortes”, diz. Um exemplo são as oferendas para Iemanjá que povoam a costa brasileira na noite de Ano Novo. “São feitos por pessoa de todos os credos, porque a simbologia da água está ligada a renovação, à Grande-Mãe, portanto ao amor e à felicidade.”

Em francês, a palavra ‘réveillon’ remete a vigília, ao ato de estar acordado.

“Se você vai receber o novo, tem que estar acordado para recebê-lo quando chegar. Assim como precisa estar acordado para 'se livrar' do ano velho”, explica Denise. “É a chance de fazer um desejo, um voto.” E para ajudar a espantar o mal e atrair o bem, fogos de artifício! “O barulho tradicionalmente espanta os maus espíritos e os fogos colorindo o céu passam a ideia de comunicação com os deuses. As velas acesas pela casa também guardam esse sentido de ligação com o transcendental, são tradicionais veículos de elevação espiritual.”

O que se come também é extremamente importante: as comidas que atraem boa-sorte no Ano Novo representam fartura e prosperidade.

“O elemento simbólico que aparece sempre forma associações na nossa mente. Não comer aves que ciscam para trás é uma analogia que remete à ideia de não regredir na vida, assim como a lentilha, verde, remete a moedas, a dinheiro”, afirma a professora. Outro clássico é a romã, associada há séculos à fertilidade e à prosperidade, provavelmente em função das centenas de sementes rubras que compõe a polpa da fruta.

E os números? Por que ‘sete ondas’, sete sementes de romãs na carteira’, sete uvas’?

O número 7 é tradicionalmente associado à completude, ao final de um processo. Na Bíblia, esse significado do número é tão enfatizado que alguns pesquisadores acreditam que acaba sendo uma marca do trabalho divino. Daí sua identificação com a perfeição é um pulo. Além disso, Denise explica, o número 7 é composto pelos números 3 e 4 que também são numerais associados à boa sorte, representam padrões da Natureza, expressam fenômenos relacionados à passagem do tempo e à situação dos humanos no universo, como as 4 estações do ano e as 4 direções do vento, por exemplo.
“O 3 representa o triângulo é considerado símbolo da espiritualidade, a Santíssima Trindade, por exemplo, é composta por 3 pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo. Já o 4 é o número da solidez, totalidade, ancorado na Natureza: 4 são os lados do quadrado, 4 os elementos da matéria. A soma forja o número da totalidade: 7”

Ou seja: pode pular com fé as 7 ondas no mar, porque o número é mágico.

No fundo, o importante é o desejo de atrair bons votos para o ano que está chegando. “As adaptações são inúmeras, mas todas as culturas celebram essa passagem de um ano para outro, de um ciclo para outro e todas inventam suas formas próprias de desejar a todos um bom novo”, diz Denise.

















 





10 comentários:

  1. Hoje, é o último domingo de momentos poéticos aqui no Blog Maçayó, de 2018, porém muitos outros virão em 2019, com criatividade, inovação, versos rimados, sem rimas, coloridos, em preto ou em branco, pois tudo é Poesia que voam e fluem do âmago da alma, da nossa doce inspiração... da imaginação dos poetas que aqui compartilham. Uma página magnífica de final de ano, reflexiva e bem criativa. Lindos poemas e excelentes pesquisas. Ilustrações deslumbrantes. Parabéns a todos nós... aplausos para o Cantinho do Saber👏👏👏👏👏👏 FELIZ ANO NOVO! Abraços e bom domingo! Que venha 2019 com muita poesia, contos, crônicas e magia... obrigada meu Deus pela vida... show!!!

    ResponderExcluir
  2. Manífica página de domingo, com belíssimos poemas reflexivos, é o término do Ano Velho e o início do Ano Novo, que está quase chegando e que seja bem-vindo. Ilustrações lindíssimas, fogos que queimam pela felicidade de todos, excelentes pesquisas... um brinde pela PAZ amigos! Parabéns aos poetas e ao blog sucesso sempre. Abraços e FELIZ ANO NOVO a todos! Show de página!

    ResponderExcluir
  3. Pessoal! O poema "Fim de Ano" apresentou problema de visualização no celular, por causa da formatação. Problema já resolvido. Peço desculpas pelo inconveniente. Um abraço a todos e um Final de Ano com muita Paz e alegria, e que o ano de 2019 seja repleto de saúde, amor, felicidades e realizações.
    Um abraço a todos.

    ResponderExcluir
  4. Maravilha! Este ano foi legal. Conheci gente nova...novas amizades...Conheci o blog maçayo. Tudo perfeito.
    Com o ano novo uma nova esperança, novas aspirações e inspirações.
    Feliz 2019 para todos.

    ResponderExcluir
  5. Uma maravilhosa página de domingo, o final de ano chegou, o velho vai renascer de novo. Belíssimos poemas dos irmãos Leite e excelentes e reflexivas pesquisas. As imagens ilustrativas estão perfeitas e representam muito bem a temática de renovação, as queimas de fogos no romper do novo ano. Parabéns poetas pelas magníficas artes. Tudo é somente alegria nesse blog Maçayó... Espero que o Novo Ano traga PAZ para a humanidade e felicidade para todos nós! FELIZ 2019!!! Abraços e bom domingo! Saudades dos amigos e amigas...

    ResponderExcluir
  6. Sensacional página de final de ano. São grandes momentos, belíssimas construções poéticas, magníficas ilustrações e excelentes pesquisas. Tudo está perfeito por aqui no blog. É um domingo de muita emoção nesse grande encontro dos irmãos Leite. Parabéns aos poetas pela excelente partilha de domingo. Aplausos e abraços... FELIZ ANO NOVO, que ele venha com muito Amor!

    ResponderExcluir
  7. Belos momentos de inspiração, de lindas poesias, de ensinamentos... Que venham mais. Estou de olho. Adoro esse blog!

    ResponderExcluir
  8. Volto em Janeiro pra meu Recife. Novas poesias neste blog pra nos alegrar.
    Um feliz ano novo para todos os poetas, poetisas e amigos.
    Parabéns pela página linda de hoje!

    ResponderExcluir
  9. Venho aqui prestigiar os meus amigos poetas Elisabete Leite e Jorge Leite, com esse espetáculo de página de domingo, que são belíssimos e reflexivos poemas e excelentes pesquisas, muita criatividade e inovação em versos magistrais. As imagens ilustrativas, como sempre, estão dando um show à parte. Muito estilo desses irmãos Leite. Parabéns amigos poetas por mais esse sensacional acervo poético. FELIZ ANO NOVO, com Amor, Paz e União. Realizações mestres! Beijos e saudades... bom final de domingo. Bravíssimo blog!!!

    ResponderExcluir
  10. Belíssima página de final de ano, lindos e expressivos poemas doa irmãos LEITE, excelentes pesquisas, muita sensibilidade e harmonia de expressão, em um domingo de muita construção poética. As ilustrações estão magníficas, muita magia na queima tradicional de fogos. Parabéns queridos amigos poetas Elisabete Leite e Jorge Leite. Parabéns pela lindíssima partilha. Feliz Ano Novo a todos! Abraços e realizações sempre! Salve 2019

    ResponderExcluir