domingo, 7 de abril de 2019

Uma Prisão Chamada Sistema

Ano II - Edição Nº303 - Tema Adulto
Tema das Imagens -Flor de Cerejeira


Uma Prisão Chamada Sistema

Há tempos que algo vem me incomodando, não sei se é porque tenho mais tempo para pensar (o que é perigoso) ou se passo mais tempo comigo. Parece que me falta algo. Chico Xavier disse uma vez que precisamos ter um objetivo para ficarmos presos à Terra. Dinheiro ele tinha o suficiente para viver, casa já tinha uma, não saberia o que fazer com outra; precisava de seus gatos e seus gatos precisavam de seus cuidados, e se não tivesse seus gatos não teria motivo algum para continuar vivendo.
Mas não quero motivos para viver. Quero voar como os pássaros voam nos contos da Elisabete, voar alto, livre, sem amarras. Voar em um crescimento contínuo, célere, sem máscaras. Será possível? Ou é mais uma ilusão.
Parece que faltam motivos para as pessoas continuarem vivendo. Muitas pessoas conseguem alcançar um crescimento ímpar. Estudam, vão para uma faculdade, escolhem uma profissão, serão médicos, engenheiros, professores, dentistas, advogados etc. Casam-se, tem filhos, netos. Compram uma casa na praia, tem dois carros, moto, iphone; escolhem ser da direita ou da esquerda, comunista, socialista, adventista, católicos e até espíritas. Porém são mais um na manada. Seguem o que escolheram para eles, criam uma ilusão que foram eles quem escolheram, acham que vivem felizes.
As pessoas felizes vivem de acordo com o sistema e se você não discordar do sistema o sistema não lhe incomoda, cria uma ilusão de livre arbítrio. Tudo o que você faz é sua escolha. Pura ilusão. Tudo o que você faz é o que o sistema permite. E o sistema permite que você tenha uma família. Seu objetivo de vida é formar uma família. Nascemos em uma família, crescemos em uma família e formamos outra família dentro dessa família. Aí pensamos que nos libertamos; puro engano, apenas aumentamos a manada.
Namoramos, noivamos, casamo-nos, temos filhos. Passamos a realizar os sonhos da família, os sonhos dos filhos, o sonho de nossos pais, o sonho da esposa. Meus pais querem que eu seja médico. Serei médico. Meu filho quer uma moto, vou trabalhar mais para lhe dar uma moto. Minha filha quer conhecer a Europa, mais trabalho. Minha esposa quer uma casa de praia, mais trabalho. E meus sonhos quem os realizará senão eu. Um dos meus sonhos é cuidar das minhas plantas, não preciso trabalhar tanto para cuidar de minhas plantas. Diminuo o trabalho e a renda familiar cai. E plano de Saúde? E o seguro de vida? E o seguro do automóvel? Ou realizo meus sonhos ou volto a trabalhar mais, e mais, e mais. Você tem que seguir a manada, não pode parar, pensar muito menos. A manada é cruel ou você a segue ou é atropelado por ela.
Mas por que eu estou a reclamar? Pertenço a manada. Tenho uma família, uma casa, carros, moto, casa de praia. O que desejaria mais? Pois é; é perigoso pensar. Cresci de tamanho, cresci financeiramente, meus bens cresceram, minha família cresceu, até minha próstata cresceu. Tudo permitido (conquistado com meu esforço). Mas eu continuo me sentindo pequeno, preso, cheios de amarras. Sinto falta de algo, sinto um vazio que esses crescimentos não preencheram, muito pelo contrário, me tornaram mais vazio.
Chego a uma conclusão: estou me tornando um ser sem alma. Ter alma é querer ascender, voar, crescer (não esse crescimento permitido), cortar as amarras, se desprender, se desapegar. Simplesmente Ser. Já fomos seres altruístas, hoje somos seres egoístas, só pensamos em nós mesmos (família, País, partido político, clube de futebol, Igreja, etc.). Será que ainda terei tempo? Será que conseguirei superar as dificuldades que passarei a enfrentar por tentar deixar a manada? Será que tudo isso é um sonho que o sistema me permite ter? Vou pensar e pensar é perigoso. Ou será que simplesmente estou ficando velho.

Jorge Leite, 06/04/2019.





“E assim os inimigos do homem (e da mulher em EVOLUÇÃO) serão os seus familiares”. – Mateus 10:36
“Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim”.  –  Mateus 10:37
“E (Cristo em) Jesus, respondendo, disse: Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho”, –  Marcos 10:29
“E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou terras, por amor de meu nome, receberá cem vezes tanto, e herdará a vida eterna”.  –  Mateus 19:29







17 comentários:

  1. Uma maravilhosa página de domingo compartilhada em nosso Blog Maçayó, que traz o grande poeta Jorge Leite com sua Crônica magnífica e uma temática reflexiva, relevante para esse domingo cinzento de muitas chuvas, com conteúdo também presente nas entrelinhas das palavras. Amei de verdade, meu querido irmão é um notável especialista em textos que nos fazem pensar. Belíssimas ilustrações, que perfumam e embelezam o nosso jardim de arte poética e literária, o Cantinho do Saber. Parabéns Jorge por esse domingo de muito conteúdo e riqueza em prosa. Bravíssimo pelo show! Forte abraço.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Betinha pelas amáveis palavras, como disse Socorro Leite, em seu comentário no Facebook, lavei a alma. Beijos
    (ouvindo BB King e Eric Clapton, (só falta a cerveja).

    ResponderExcluir
  3. Não, amigo, você não está ficando velho, mas a idade nos permite refletir, e nessa reflexão estão a necessidade de cuidar de nossas coisas, e "essas coisas" são a nossa alma, nossa casa, nossos filhos, até as nossas plantas. Porque nosso jardim particular abrange todo o nosso coração, e às vezes deixamos de cuidar de "nossas coisas" em razão da felicidade de quem amamos. O importante é que tentamos. Se tivemos êxito ou não, o importante é que TENTAMOS!
    Parabéns pela reflexão de hoje. Muito oportuno! Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maravilhosas palavras Socorro Almeida, agradeço de coração. Suas palavras são bálsamos para minha alma. Beijos.

      Excluir
  4. Pois é amigo Jorge, uma lavagem em nossa alma é sempre muito importante! Belíssima página reflexiva de domingo. Pois estamos sempre cuidando de alguma coisa e esquecendo da gente, assim a alma vai acumulando muito das outras pessoas, convém limpar e arrumar quando possível e cumprir as nossas demandas. Relevante crônica e momento em prosa. Parabéns pelo texto e pelas lindíssimas ilustrações. É sempre bom ler-te poeta! É a reflexão dos nosso dia a dia! Abraços e excelente semana! Uma página aromatizada e bem suave. Amei...

    ResponderExcluir
  5. Magnífica página, com fortes palavras e grandes emoções, lindíssimo texto... Pensar não é perigoso amigo Jorge, pois o perigoso mesmo e cair na mesmice, não procurar mudar, viver em função de outros e esquecer o que somos, o que precisamos para construir a nossa felicidade. Importantíssimo essa arrumação essa limpeza na sua alma. Também gostei bastante da página de hoje. Parabéns e boa tarde a todos! Show...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Maciel, você resumiu com perfeição meu pensamento, Uma vez perguntaram-me quem era meu médico,e respondi "eu", Se eu não saber me curar como vou curar alguém? Se eu não for feliz como vou fazer alguém feliz. Obrigado Maciel, você é o "Cara".

      Excluir
  6. Bom dia amigo poeta Jorge Leite! Hoje o seu coração chorou e lavou suavimente o seu interior. Precisas e reflexivas palavras, em um crônica belíssima. Na verdade, bem oportuna para esse domingo de chuva e sol. Lindas ilustrações. Parabéns por mais essa maravilhosa página compartilhada aqui no Blog Macayó. Abraços a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido Paulo, sempre fico a aguardar seu comentário. Palavras precisas no momento certo. Você tem razão, a água com que lavamos a alma chama-se "lágrimas. Florbela Espanca resume muito bem esse sentimento: "E as lágrimas que choro, branca e calma,
      Ninguém as vê brotar dentro da alma!
      Ninguém as vê cair dentro de mim!"
      Um grande abraço.

      Excluir
  7. Obrigado Flor de Lis, sábias palavras. Se faz necessário, de vez em quando lavarmos a alma, como se lava uma roupa, para tirarmos o acúmulo de coisa que ficam grudadas. Não é fácil, é doloroso até, precisamos aprender a nos desapegar do excesso. Um grande e afetuoso abraço.

    ResponderExcluir
  8. Obs: estou tentando responder aos comentários individualmente mas tem saido como novo comentário. Peço desculpas pelo inconveniente.

    ResponderExcluir
  9. O domingo, aqui, no blog Maçayó sempre é emocionante e prazeroso, principalmente a nível de Crônica e reflexão. Belíssimo texto amigo poeta Jorge Leite, meu querido Paulo se posicionou muito bem, assim como os demais comentaristas. Lavar a alma se faz preciso, principalmente, com nossas lágrimas, chorando muito, eliminando o excesso, mas sem fazer ninguém chorar. Prefeita reflexão! Tudo lindo por aqui! As ilustrações estão impecáveis e bastante cheirosas, importante para aromatizar o jardim da alma. Parabéns pela iniciativa de páginas mais compactas com a finalidade de facilitar a leitura. Abraços e boa tarde!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Geovanna. Um domingo iluminado por comentários tão precisos e completos em si mesmo. Sempre é bom lhe ouvir, agradeço pelo carinho demonstrado por todo esse tempo que você tem nos acompanhado. Mais uma vez meu muito obrigado.

      Excluir
  10. Excelente página de domingo, recheada de muitas reflexões com uma maravilhosa crônica do amigo poeta Jorge Leite, uma temática emocionante onde as palavras parecem chorar com seu momento de prosa. É importante olhar para dentro de si mesmo Jorge. Parabéns pelas suas palavras e as lindas ilustrações. Uma boa tarde e abraços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Karen obrigado pelas palavras carinhosas. Esse mergulho em nós mesmo é muito importante. Não podemos esquecer que todas nossas ações, sejam elas boas ou não refletem em nossa alma e se faz necessário uma
      arrumação de casa de tempo em tempo. Muito Obrigado, abraços.

      Excluir
  11. Adorável e reflexiva página de domingo com o amigo poeta Jorge Leite e sua belíssima crônica, um grito de alerta ao sistema que influencia o cotidiano de vida. Acho de grande relevância esses momentos de interiorização, de questionamentos pessoais. As ilustrações estão deslumbrantes, as flores sempre serão apropriadas para essas temáticas reflexivas, pois deixam o ambiente suave. Também amei a página de hoje no blog, o Cantinho do Saber. O poeta Jorge sabe nos emocionar. Bravo... Parabéns e abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha amiga Karen, tenho mais que agradecer sua presença "adorável e reflexiva" com seus comentários. Você que tem frequentado nosso Blog desde o início é mola propulsora desse nosso projeto de publicar o que pensamos e o que gostamos de fazer. Tenha um bom final de domingo e receba um forte e carinhoso abraço.

      Excluir