sábado, 24 de agosto de 2019

A Criança e o Boitatá

Ano II - Edição Nº 353 - Tema Infantil
Tema das Imagens - Folclore Brasileiro



CIRANDA DO FOLCLORE

Lá vem a Ciranda do nosso Folclore!
Trazendo Cultura e grande animação
Sorria, vibre, cante, dance, comemore
com personagens da nossa Tradição...

O Saci-Pererê pula com gorro vermelho
Lendário famoso do Folclore brasileiro
Ah, esconde até a comida dos coelhos!
Deixa também cavalo preso no atoleiro...

Cuca é bruxa com a cara assustadora
Corpo de jacaré e olhos esbugalhados
A visita da lendária nada é acolhedora
Os seus feitiços são feios e enrolados...

O Curupira é um protetor das matas,
Um moleque com cabelos vermelhos
Pés virados para trás, engana piratas
Ficar longe da mata: é meu conselho!

Boitatá também protege às florestas
É lenda contada em diversas regiões
Uma cobra de fogo que não faz festa
Incêndios no campo, ele faz proteção...

Festeja-se o Folclore em 22 de agosto
O Blog contempla o leitor com poesia
E também com um ritmo aqui exposto
A Ciranda é Tradição, Cultura e alegria.

Elisabete Leite – 22\08\2019

VIVA O FOLCLORE BRASILEIRO!

CANTINHO DA TIA BETA




Olá pessoal! Hoje vamos falar um pouco sobre o folclore brasileiro.  As Lendas Folclóricas representam o conjunto de estórias e contos narrados pelo povo que são transmitidas de geração em geração por meio da oralidade.
Conheça algumas das principais lendas e personagens do folclore brasileiro:



Lenda do Saci-pererê

Nome de origem tupi-guarani, o Saci-pererê é uma das lendas brasileiras mais conhecidas.
É representada por um menino negro que possui uma perna só. Além disso, fuma cachimbo e usa uma carapuça vermelha que lhe dá poderes mágicos.
Muito brincalhão e travesso, o Saci surge como um redemoinho e gosta de assustar pessoas. Embora o Saci-pererê seja o mais conhecido, existem três tipos de saci: O Pererê, o Trique e o Saçurá.

Lenda da Cuca

De origem portuguesa, a lenda da Cuca está associada muitas vezes com o “bicho papão”. Ela é uma personagem muito temida pelas crianças, representada por velha feia e malvada com cara de jacaré que raramente dorme.
Sua personagem está associada com o rapto de crianças desobedientes e que não querem dormir. Por isso, a tradicional cantiga de ninar crianças diz: “Nana neném que a Cuca vem pegar”.

Lenda do Curupira

Personagem travesso do folclore brasileiro, o Curupira é a representação de um menino com cabelos vermelhos e pés virados para trás. A origem do nome é tupi-guarani e significa "corpo de menino".
Protetor da fauna e da flora, o Curupira assobia e deixa pegadas com seus pés virados. O objetivo é enganar os exploradores e destruidores da natureza.

Lenda do Boitatá

O Boitatá é uma lenda folclórica conhecida em outras regiões do Brasil pelos nomes Baitatá, Biatatá, Bitatá e Batatão.
Na língua indígena Tupi-Guarani significa "cobra de fogo". Esse personagem folclórico é representado por uma grande serpente de fogo que protege os animais e as matas.
Originalmente foi encontrado num texto do século XVI do Jesuíta José de Anchieta. Sua narrativa sofreu muitas modificações ao longo do tempo, de modo que existem diversas versões conforme a região do país.

Lenda da Mula sem Cabeça

A mula sem cabeça é um monstro do folclore brasileiro que se manifesta quando uma mulher namora um padre. Por maldição ela é transformada em mula.
Esta personagem folclórica é representada, literalmente, por uma mula sem cabeça, que solta fogo pelo pescoço e assusta pessoas e animais. No entanto, há versões que variam de região para região do Brasil.

Lenda do Lobisomem

A lenda do Lobisomem tem origem europeia. Ela retrata um monstro violento com formas humanas e de lobo, que se alimenta de sangue.
Acredita-se que quando uma mulher tem sete filhas e o oitavo filho é homem, esse último provavelmente será um Lobisomem.
Em algumas versões, a lenda apresenta outras características, como a manifestação do Lobisomem em crianças não batizadas.
A transformação do homem em Lobisomem ocorre nas encruzilhadas em noites de lua cheia por volta da meia-noite. Ao amanhecer, ele torna-se novamente humano.
Espero que vocês tenham gostado da pesquisa, portanto o nosso folclore é riquíssimo em Cultura e Tradição. 

Até a próxima pessoal!

Nossas Pesquisas:
https://www.todamateria.com.br/lendas-do-folclore/


A criança e o Boitatá

          Zazulina, como a menina era chamada carinhosamente por seus pais, não dormiu bem. Abraçada com seu ursinho Papão, por várias vezes acordou durante a noite. Algo lhe incomodava, pegou no sono mais uma vez e foi acordada por sua Mãe que a chamava para ir à escola.

          - Zazulina, olha a hora, vá se arrumar, você já está atrasada...

          - Estou indo Mainha....

         Às pressas jogou Papão destro da mochila, desceu correndo a escada e em um gole só tomou seu café matinal, que era uma fruta, um copo de suco e um copo de leite. A mesa era farta, mas no seu corre-corre e sempre atrasada, engolia os alimentos, e sua Mãe reprimia com um largo e bondoso sorriso no rosto, parecia bronca de avó.

          No ônibus escolar a menina Zazulina ia lembrando aos poucos do sonho que tivera na noite anterior que a deixou assustada. Lembrou de uma cobra enorme com a cabeça pegando fogo. Sua cabeça parecia conter milhares de olhos que brilhavam no escuro do quarto. A lembrança era assustadora.

          No percurso para a escola, o ônibus passava por dentro de um bosque, resquício da Mata Atlântica, que Dr. Pafúncio, um rico industrial, queria transformar em um novo Shopping. Zazulina olhava para aquelas árvores frondosas lembrando que ali já existiu uma grande floresta. Olhando para as árvores, ela teve a impressão de ter visto um grande clarão, como se o bosque estivesse pegando fogo. Olhou com mais atenção e percebeu que o clarão mudava rapidamente de lugar, parecia que o fogo estava correndo. Zazulina ficou assustada, não falou para ninguém do que tinha visto.

           Na escola, a professora Bertha, ao término de sua aula, disse:

          - Crianças, para amanhã tragam-me uma redação opinando sobre o que é mais importante para a nossa comunidade, manter o Bosque Azul ou construir um novo Shopping em seu lugar? O bosque representa um pouco da Flora e da Fauna que já existiu em nossa cidade e um novo shopping representa novos empregos e mais recursos para a cidade, não esqueçam do trabalho. Peçam ajuda para seus pais e irmãos, é importante que a família participe das tarefas escolares.

          Fim de aula e Zazulina não entendia o que estava acontecendo. Após uma noite mal dormida agora sua professora pedia para ela escolher entre manter o bosque ou construir um shopping? E aquela cobra gigante de cabeça de fogo não saía de seu pensamento.

          Chegando em casa esperou seu pai chegar do trabalho, e nem bem ele sentou para tirar os sapatos, ela já o abraçava com mil perguntas.

          - Painho você já sonhou com uma cobra vermelha gigante que tem fogo na cabeça? Ela existe?
          Seu pai, percebendo a aflição de Zazulina, disse:

          - Vamos jantar, depois nós conversamos e você me conta tudo o que está acontecendo.

          - Mas Papai, eu queria saber...

          Seu Pai a interrompeu e falou carinhosamente.

         - Tudo tem seu tempo Zazulina, suas dúvidas podem esperar o jantar. Jantar em família é muito importante, é um momento mágico, é quando após um dia de trabalho e estudos nos sentamos para agradecer por tudo que conseguimos nesse dia.

          - Sua Mãe está nos aguardando, vamos jantar, depois conversamos.

          Zazulina jantou em companhia de seus pais e irmãos, conversaram, riram e ao término da refeição, correu para a sala, onde já se encontrava seu Pai e sentou-se ao seu lado.

          Ficou calada, respeitando o silêncio de seu Pai que folheava um jornal. Após alguns minutos em silêncio seu pai perguntou?

          - Zazulina, você já ouviu falar em “Boitatá”?

          - BoiiiTataaaa!!! Não painho. O que é Boiiiiitataaaa?

          - Quando eu era criança, meus pais me contaram que nas florestas existe uma grande cobra de fogo que protege as matas e florestas. Ela é muito antiga. Foi o padre jesuíta José de Anchieta, que primeiro a citou em um texto. Esse nome foi dado pelos índios Tupi-guarani e significa cobra de fogo.

          - Ela tem vários outros nomes, Baitatá, Biatatá, Baitatão, Fogo corredor e tantos outros.

          - Pai ela deve ser parente da Tataruna, lembra da história que lhe contei?

          - Lembro da Tataruna e da Borboleta. O Boitatá vive dentro dos rios e lagos e sai para assombrar as pessoas que fazem mal as matas e aos animais. Ela tem a capacidade de se transformar em um tronco de fogo e passa grande parte de seu tempo se rastejando pela floresta na escuridão da noite.

          - Painho, se ela vive na água o seu fogo não apaga?

          - Não, seu fogo é mágico, não queima as matas nem os animais que lá habitam. Por ser mágico também não apaga quando ela se encontra nos lagos ou nos rios das florestas.

          - Que legal, então se ela aparecer em meu sonho, ela também não me queima, não é painho?

          - Ela não faz mal as pessoas, ela quer nos alertar da necessidade de protegermos as matas, os bosques, as florestas e tudo que existe nelas.

           Zazulina deu um grande sorriso, quase esmagando o ursinho Papão, beijou seu Pai e foi para seu quarto. Fez suas tarefas, entre as quais a redação para Dona Bertha, e adormeceu.
Em seu sono, agora já calmo, foi novamente visitada pela cobra de fogo que chegou logo se apresentando:

          - Oi Zazulina, eu sou a Boitatá, meu fogo não lhe queima, quero só conversar e pedir ajuda.

          Zazulina e a cobra de fogo conversaram durante toda a noite.

          No caminho para a escola Zazulina relia seu trabalho. Quando entrou na sala entregou de imediato a redação para Dona Bertha. A professora leu todos os trabalhos e escolheu um para ler na sala. Chamou Zazulina para ler em voz alta para toda a classe, pois o trabalho escolhido foi o dela.

          Zazulina, em pé, leu sua redação que era um verdadeiro manifesto pela proteção do Bosque Azul. Falou da importância da Fauna e da Flora, falou que ali antes existia uma grande floresta conhecida como Mata Atlântica. No final lembrou que o Shopping poderia ser construído em um outro local.

          Durante sua leitura, Zazulina sentiu que estava sendo observada pela janela da sala. E pelo canto do olho teve a impressão de ter visto uma grande cobra de fogo que agora chorava de contentamento. Também percebeu um garoto de cabelo vermelho que estava acompanhando a Boitatá, e que em dado momento ela chamou o menino de “Curupira”.

          Bom, mais aí já é outra história.

Jorge Leite, Recife 24/03/2018


Vídeo

Turma do Folclore - Boitatá 





Vamos Colorir Nosso Folclore...



    
  O que a Caipora está fazendo sozinha no meio da mata? Ah!, ela está procurando os seus amigos para comemorar o "Dia do Folclore". Vamos ajudar a Caipora a encontrar e pintar o Saci, O Curupira, a Mula-Sem-Cabeça e o Boi-Bumbá.


16 comentários:

  1. Uma página de sábado infantil extremamente cultural e educativa. Rica por natureza, tanto em aspecto visual quanto em conteúdo. Hoje, o Blog Maçayó faz uma homenagem ao Folclore, sua cultura e tradição. Os nossos lendários desfilam por aqui apresentando suas diferentes características.
    Um Conto belíssimo e encantador do nosso querido poeta Jorge Leite, a engraçada personagem Zazulina emociona qualquer um. Adoráveis ilustrações que embelezam ainda mais à riquíssima temática de hoje.
    Amigos venham viajar conosco pela magia do Folclore Brasileiro nesse fantástico show de sábado!
    Parabéns para nós e aplaudos mil para o sucesso do Cantinho do Saber.
    Bom dia a todos e um forte abraço acolhedor no coração de cada um!
    Bravo, querido poeta Jorge Leite!
    Tudo perfeito!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: ... aplausos...
      👉Lindas atividades complementares para nossa criançada.❤❤❤

      Excluir
  2. Um magnífico momento aqui no Blog Maçayó. Onde a magia do Folclore Brasileiro faz festa por aqui. Um sensacional poema, a Ciranda dos Lendários, da nossa querida Elisabete Leite que sempre nos surpreende. E um conto lindo demais e bastante educativo, o poeta Jorge Leite, fortes emoções. Excelente pesquisa no Cantinho da Tia Beta que se vestiu a carater. As ilustrações belíssimas e coloridas estão dando um toque especial ao cenário. Maravilhosas atividas e um lindo vídeo. Tudo lindo!
    Parabéns para os poetas, os irmãos Leite. Bom dia e abraços! Show e show

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: ... do poeta Jorge Leite... atividades...

      Excluir
  3. Tia é Laurinha, sua aluna que ama as historinhas do blog. Gostei demais do dia do folclore. Gosto do conto do tio, do poema da tia, as fotos, o vídeo e as tarefinhas, de tudo. Mamãe tá aqui e me ajuda eu e manda lembrança. Saudades tia e beijos. Da Laura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Princesa Laurinha! Também gostei bastante da homenagem ao dia do foclore. E fico feliz pela presença de vocês e agradeça sua mãe por mim. Também sinto saudades! Beijos da sua sempre professora Tia Bete❤😘🤗❤

      Excluir
  4. Estou muito emocionada pela partilha, e passando para prestigiar os meus amigos os irmão Leite, pelo compartilhamento dessa brilhante página de hoje, onde a cultura e tradição são ricos temperos do nosso Folclore, e a ciranda veio abrindo alas para o grande desfile. Maravilha de poema Bete, você é mesmo um show, lindíssimas ilustrações e um conto belíssimo do nosso amigo poeta Jorge. Que enriqueceu bastante o cenário. Gosto demais da personagem Zazulina, pois ela e um encanto. Uma excelente pesquisa no Cantinho da Tia Beta. Tudo muito lindo por aqui, o vídeo é muito legal e as atividades interessantes para nossa criançada.
    Parabéns para os poetas e saudades de vocês. Boa tarde para todos!

    ResponderExcluir
  5. Fessora Bete é Laynne, sua eterna aluna que ama o blog e as historinhas. Gosto do poema e amei a historinha da Criança e o Boitatá. Vou fazer todas as tarefinhas e já escutei o vídeo. Fotos lindas do folclore. Hoje mamãe ajuda eu a comentar, ela gosta de tudo. Beijo tia e tio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, princesa Laynne! Estou muito feliz pela visita de vocês. Sempre bom saber que você e sua mãe gostam do Blog. Aproveito para enviar lembranças para todos. Agradeça sua mamãe pela ajuda. Saudades de todos! Beijos da sua sempre professora tia Bete.

      Excluir
    2. Beijos de coração❤❤😘😍🤗

      Excluir
  6. Uau, que linda página infantil, um momento educativo, onde a cultura está em foco. Que maravilhosa homenagem ao dia do Folclore Brasileiro. Um show de pura arte. Que belíssimo poema, uma ciranda de cores, Bete amiga você é o máximo. Excelente pesquisa e esse conto da Zazulina é encantador, o poeta Jorge sabe emocionar. Que orgulho são os irmãos Leite... Eita família de gente inteligente! Lindas imagens ilustrativas com nossos lendários. É sempre muito bom interagir por aqui. Parabéns aos poetas pelo brilho de hoje. Abraços...

    ResponderExcluir
  7. Fessorinha é Gugu, seu aluno que ama conto. E gostei demais do conto do tio e do poema da tia Bete. Já mabdei papai imprimir as tarefinhas e vou fazer todas. Achei lindo o video e tudo aqui no blog. Pai ajuda eu para não errar muito. Ele gosta do blog. Gosta das fotos. Amo o folclore. Beijos e saudade da tia. De Gustavo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, meu aluno Gugu! Fico muito feliz pela visita de vocês e por gostarem do conto do tio Jorge, que é mesmo lindo. Agradeça ao seu pai por mim e voltem sempre! Beijos e saudades❤🤗😆😍

      Excluir
  8. Mais um maravilhoso momento do nosso Blog Maçayó, cultura e tradição fazem parte desse grande encontro.
    Minha querida amiga Elisabete compartilha um belìssimo poema e o grande amigo peta Jorge comoartilha mais uma vez esse lindíssimo conto com uma mensagem mágica. Amei a pesquisa no cantinho da Tia Beta que completa o tema abordado. Lindas e coloridas ilustrações, muito bom o vídeo e ôtimas atividades complementares. Parabéns aos amigos poetas pelo show. Tudo perfeito no blog. Boa tarde e abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: ...poeta ... compartilha... ótimas.

      Excluir