quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Violeiro Mineiro Capiau

Ano II - Edição Nº 362 - Capiau
Tema das Imagens - Verde (Sugestão de Elisabete Leite)



CARTA AOS AMIGOS

O cálice nosso de cada dia ninguém bebe pelos outros, a não ser Aquele que o bebeu por todos nós.
Nossos erros e falhas enchem a taça, a cicuta vem de nossas próprias ações. Só O que está no mais Alto dos Céus pode julgar, pois Seu julgamento é justo e perfeito; quanto a nós, temos que acatar o que nos chega, pois que tudo vem pela permissão do Deus Uno.
Daqui, deste mundo inferior, é impossível até de se imaginar o que acontece lá em cima. O tempo é curto, portanto, cada um que passar pelas adversidades será por que assim se tem a oportunidade de ressarcir, mais rapidamente, os erros do passado; essa é a Lei: pela dor ou pelo Amor! Porquanto, só o Amor pode nos redimir, mas não o “amor emoção”, e sim o Amor Ação.
Não deixemos que o mal nos vença, pois que a Justiça a nós chegará, pelas vias que o Philo de Deus nos legou, mas é necessário a Prudência, pois que o mal nos espreita de perto.
Amemos! Amemos até as nossas dores, pois se elas nos são permitidas há um propósito Evolucional em meio à elas que, talvez, ainda não possamos entender.



A VELHA DA ESTRADA


À beira de uma estrada de terra, em uma casinha bem modesta, vivia uma velha, viúva e sem filhos. Havia enviuvado há muitos anos, quando seu esposo foi vítima de um tumor maligno. Sua casa era bem pequena, composta de uma pequena sala, um quarto pequeno, uma varandinha e a cozinha “de lenha”. A velhinha humilde vivia entre seus afazeres domésticos e suas orações, às quais era fidelíssima, pois que era sua maior alegria esses momentos de conversação com Deus.
A estrada era longa, ligando a cidade de Passatempo até as nascentes do rio Pará*, e como a região era povoada de pessoas mais simples, sem muito recurso financeiro, era comum viajarem a pé ou em cavalos, ou mesmo alguns a cavalo e outros juntos a pé; e em pela virada da tarde de um dia de Setembro, de sol forte e poeira, estando à velhinha à janela, viu que se aproximava uma dessas famílias humildes, já com ares de cansados pela longa viagem. O pai da família se achegou à porta dizendo:
- Boa tarde, senhora! A senhora poderia nos dar um pouco de água?
- Boa tarde, meu sinhô! Vamos entrando, descansem um pouco enquanto busco a água para vocês.
- Saímos cedo de casa, só trazendo alguns biscoitos, mas temos pressa, temos que chegar à cidade ainda hoje, pois amanhã cedo vamos levar as crianças ao médico.
- Bom... então vou lhes servir o que sobrou do almoço, creio que dará para, pelo menos, despistar a fome de vocês.
A velha pegou os pratos de louça e se dispôs a colocar um pouco para cada um, pois que suas panelas eram pequenas; mas uma agradável surpresa a aguardava: a cada prato que colocava a quantidade de comida, nas panelinhas, não diminuía. Assim, aquela família comeu até se fartar e a quantidade de comida nas panelinhas não diminuiu. Quando se foram, com muitos “Deus lhe pague”, a velhinha se pôs a orar e agradecer à Deus por aquele milagre.
A partir daquele dia a velhinha sempre ficava na janela e, fossem poucos ou fossem muitos, todos os que passavam por aquela estrada eram convidados a se servirem de sua comida... E dizem que nunca faltou comida a alguém, nem as panelas esvaziavam...


VIOLEIRO MINEIRO CAPIAU  

*Baseado em relatos das pessoas da região.

Curiosidade:
Conta-se, também, por lá, que o nome da cidade vem da época colonial, quando uma comitiva passava por ali e depararam com duas velhas fiando, então perguntaram:
- O que vocês estão fazendo?
- Passando o tempo – responderam elas.
Há controvérsias sobre essa origem do nome, mas lá existe um monumento às duas velhinhas fiandeiras...




SEGUNDO O QUINTO DE MATEUS

Bem-aventurados os humildes
nos modos, mente e coração
Bem-aventurados os que perdoam
pois sempre terão o Meu perdão

Bem-aventurados os que, hoje, choram
por que, por Mim, serão consolados
Bem-aventurados os que Justiça imploram
por Minha Justiça serão alcançados

Bem-aventurados os pacíficos e mansos
e os que buscam a pureza do coração
Em Meu regaço terão seu descanso
e o Jardim das Delícias possuirão

Bem-aventurados os misericordiosos
pois Minha misericórdia alcançarão
E mais bem-aventurados os temerosos
que só à minha Lei prestam servidão

Bem-aventurados os que são caluniados
por andarem pelos Meus Caminhos
estes, no Éden, estarão glorificados
por que nunca caminharam sozinhos

Bem-aventurados, vós, os perseguidos
os que bebem, por Mim, amargo fel
em Minha morada serão acolhidos
pois lhes darei a chave do Reino dos Céus

Vós sois o sal, que tempera a Terra
mas se o sal, em vós, perder o sabor
toda sua serventia ali se encerra
nem para adubo terá algum valor

Vós sois a luz, neste mundo sombrio
vós sois a cidade edificada no monte
resta-vos manter aceso o pavio
que clareie de horizonte a horizonte

Procurais andar no reto caminho
as Minhas Leis sejam vossos trilhos
pois se conhece a ave pelo seu ninho
e o Pai se identifica pelos Seus filhos

A Nova Lei não suprime a antiga
mas sim a ratifica com novos teores
o que veio dos Prophetas, acate, siga
e te atentes à Mensagem e seus Valores

Pois que Deus, sempre, Sua Lei dita
em cada ocasião, conforme é preciso
mas nem um jota nem um til dela omita
outrossim, perderá sua vaga no Paraíso

Se da justiça vosso senso e percepção
não forem maiores que dos “doutores” aos réus
e daqueles que, dela, fazem falsa divulgação
não estarás apto para o Reino dos Céus

“Não matarás” não resume o crime todo
também desejar, ou dizer, coisa ruim
te mancha a alma e, no corpo, cria lodo
e teu peso aumentará, quando estiver no fim

Por isso tira dos olhos essas vendas
que te impedem de se reconciliar
Resolve, com teu irmão, suas contendas
antes dele, à justiça, te entregar

Desejo às coisas alheias é pecado sério
e pra não recebas o castigo que mereças
Com nenhuma mulher cometa adultério
e nem mesmo para ela volva a cabeça

Teus membros, do corpo, são instrumentos
porém o corpo é, do espírito, ferramenta
e é melhor que os perca, em dado momento
do que tua conjuntura permanecer em tormenta

Se rejeitas a tua amada amante
por um motivo fútil ou banal
expõe ela a uma vida errante
e tu também estarás exposto ao mal

Não profiras incertos e falsos juramentos
O que for sim diga sim, se for não diga não
Pois que te regem sérios Mandamentos
Deus não ouve palavras, e sim o coração

Não pense em vingança, dizendo o bordão:
“um olho por um olho, um dente por um dente”
O mal não é só culpa de sua produção
mas também de quem espalha suas sementes

“Amarás o teu próximo como a ti mesmo”
mas nunca odeie aquele que te faz um mal
pois que, neste mundo, andamos a esmo
e a dor só nos vem se procedemos igual

Violeiro Mineiro Capiau


SEGUNDO O SEXTO E SÉTIMO DE MATEUS

Que tua esmola não seja
pública, visível, alardeante...
Que sua mão direita não veja
a esquerda em ato humilhante
Qual “deus” ouviria a tua oração
se gritas em “templos”, esquinas e praças?
Se o Deus Uno pode ouvir teu coração
o falar repetido teria qual graça?

Entrou em jejum? A ninguém o diga
Jejum de palavras, melhor que de comida
Beatitude falsa é motivo de intriga
Língua quieta é santa, solta é maldita

Nada, que público, para os Céus tem valor
se há humilhados, é por que há algoz
Faça, no oculto, os teus atos de amor
pois o Reino de Deus está dentro de vós

Quantas coisas já guardastes
e a traça, ou ferrugem, estragou
Quantos daquilo que amastes
o tempo, ou o vento, levou?

A lâmpada do corpo é o olho
o corpo, da alma, é espelho
A mira sou eu que escolho
as consequências são louros ou relhos

Não podeis servir a dois senhores
a um amarás e ao outro odiarás
Duas medidas são dois dissabores
atirar com dois arcos, não conseguirás

Olhai, lá no céu, as aves
que não semeiam nem estocam
e vede o quanto é suave
o destino que as enfocam

Olhai, no mar, quantos peixes
nadando, tranquilos, abastecidos
Por que ainda há quem queixe
por algum “bem” que foi perdido?

Olhai, nos campos, os lírios
que não trabalham nem fiam
E sinta como estão em delírios
os que, na vaidade, se enfiam.

Quantas vezes te enfeitastes
perdendo seu tempo, em vão
e acaso, um só dia, ficastes
mais garboso que o rei Salomão?

Por que tanto te preocupas
com o porvir, com o futuro?
Do amanhã Deus se ocupa
procura, hoje, um rumo seguro
Por que tanta ansiedade
para que tanto esforço e treino
Se em Deus está a Verdade
E a Paz só há em Seu Reino?

Não julgueis e não sereis julgados
não meçais, pra não seres medidos
a cada boi um tamanho de arado
a cada jumento o peso merecido

Aos porcos, pérolas, jogastes
o bom, pelo ruim permutaram
aos maus beneficiastes
e contra ti se voltaram

Um cisco tem teu irmão, nos olhos
e tu te fazes de herói, para tirar
sem notares quantos abrolhos
e gravetos te impedem piscar

Pedi, mas só no lugar certo
Buscai, onde o Bom podes achar
Batei, e vos será aberto
Fazei o Bem, e o Bem lhe voltará

Quem daria uma pedra quente
ao filho que lhe pede pão
ou uma venenosa serpente
a quem ligado ao seu coração?

Entrai pela estreita porta
bem larga é a da perdição
pois que o espaço não importa 
o que importa é a direção

Guardai-vos dos lobos vorazes
que vêm disfarçados de ovelhas
pois chegar a Deus só são capazes
os que ascendem à Sua Centelha

Árvore boa dá bons frutos
árvore ruim dá fruto mau
conhece bem seus produtos
quem bem discerne, em seu aval

Quem grita muito por um nome
gritará sempre em vão
Grito, pelo ar, soa e some
amigo se liga pelo coração

Constrói, sobre rochas, com pedra
Edifica com zelo e prudência
Castelo de areia não medra
vai com as ondas, sem resistência
Não tente torcer a fraca cana
nem quebres o caniço rachado
Quem arvora, sobre a lei, se engana
no fim vê que estava errado

Enfim, faça sempre autocrítica
pra não entrar em hipocrisia
mantendo sua alma mística
com corpo e mente em harmonia

Espera, em Deus, o seu dia
com Fé e sem ansiedade
De onde outra força viria
se só nEle está a Verdade?

Não discurse sobre o que não dominas
nem sobre o que tomas por verdade
pois que a Boa Doutrina ensina
que só em Deus teremos Autoridade

Quem se arvora em discursos inflamados
ausentes de prudência e de humildade
é como sepulcros recém caiado:
podridão por dentro, por fora vaidade

Violeiro Mineiro Capiau



     SEGUNDO O OITAVO E O NONO DE MATEUS

Eis que descestes do Alto, da Montanha
e te seguiram, buscando milagres e curas
mas nada guardaram em suas entranhas
pois que estavam cheios de manchas obscuras

Pediam, uns com a força das palavras
Outros com humildade e sentimento
A todos Tu atendia, confortava
às vezes, até, sem o merecimento

Eram mentes cheias de remendos e falhas
ou, até, exsudadas de falsas doutrinações
que vinham buscar, do tesouro, as migalhas
sem atinarem que o “ouro” eram Teus sermões

Do que adianta ser um “comandante”
e ter muitos a sempre te obedecer
se quando eles, ou tu, agonizante
não saber, ou não ter, o que fazer?

Dispor-me a seguir-te para onde fores
de que adiantaria, se estais muito Além?
Se moras nas aves, nos campos, nas flores
fazei sua morada em minh’alma também

Que os mortos enterrem seu morto
Sigamos a Vida, pra onde nos (E)leva
A morte, pros Vivos, é seguro porto
Pros mortos é negra, é fogo e é treva

À tua presença todo mau se assusta
e foge praquilo que a ele condiz
De Tua Centelha que a(s)cende, robusta
uma simples migalha: eu sempre feliz

O que vos parece mais fácil de dizer:
“estás perdoado” ou “levanta-te e anda”
se pra trilhar o Caminho é preciso ter
uma alma pura, conforme a Lei manda?

Se fosse pra Deus representante mandar
um que só pudesse assistir aos puros
certamente que a Terra não seria o lugar
se o Cosmo é quintal, aqui é o monturo

Jejum é um rito que se faz a sós
e só serve àquele que tem impureza
Já pensaram se Deus jejuasse de nós?
Desapareceríamos, com toda a certeza!

Rasgar um pedaço de uma roupa nova
Pra, em uma velha, colocar como remendo
É como se dispor a correr em uma prova
E igual, quando derrotado, continuar correndo

O vinho novo requer um novo recipiente
Se o vinho velho é bom, deixe onde está
Nunca os misturando, prove o mais recente
Aquele que mais agrada, escolherá tomar

Abra sua mente para o novo que surge
E, com os Altos Céus, faça uma “nova aliança”
A vida passa depressa, o tempo ruge e urge
Receba, a Nova Mensagem, como uma criança

Quão bom é o toque, das Boas Energias
Até na última borda, ainda traz melhorias
Viver, no Philo do Homem é infinita alegria
Estar a Ele ligado: é a conclusão da Utopia

Quem nos dera milhares de Operários
advindos do Alto, a nos trazer Verdades
Somos essa “messe” sem ano, sem horários
como uma eira, em campo de infertilidade

Violeiro Mineiro Capiau


SEGUNDO O DÉCIMO DE MATEUS

Eram doze... treze? talvez... se inclusa a Magdalena
Cada um valia mil... ou, talvez... mais de um milhão
Desdobraram-se tantas vezes, que contar não vale a pena
Talvez... ninguém mais viu, tão importante Missão

Nada levaram na bagagem, a não ser a alma em Deus
Nem ouro, nem dois bastões, nem sandália de reserva
Só do Amor a amostragem, para nobres e plebeus
Tesouro nos corações, que a Mensagem preserva

Vagaram como cordeiros, entre lobos e leões
Prudentes como serpentes, como O Mestre ensinou
Sempre humildes e ordeiros, chegaram aos corações
Daquela, escolhida, gente que, algures, se desviou

Sempre unidos pela Fé, mantiveram a coragem
enfrentando tribunais, de homens sem piedade
Descendentes de Noé, de Abraão tinham linhagem
bem acima dos “normais”, se doaram por Caridade

De graça davam, a Graça que, de graça, receberam
Foram a lugares ermos, buscando ovelhas perdidas
Por desertos andavam, mas nunca se perderam
Curando os enfermos, os mortos chamando à Vida

Enfrentaram adversidades, até mesmo dos irmãos
dos pais, mães, filhos... de próximos e estrangeiros
De cidade em cidade; aos sofredores deram a mão
mantendo o estribilho: Paz e Amor, o tempo inteiro

Belo exemplo nos legaram, de coragem e persistência
de Amor pela Boa Causa, de humildade e servidão
A Boa Nova espalharam, que mudava as consciências
com a Sabedoria inclusa, na mente e no coração

Quando levados a tribunais, por defenderem a Mim
No que falar não penseis, perante os doutores da lei
Por que não sereis vós que falais, mas será sim
O Espírito de vosso Pai, Aquele que vos conectei

Irmão se levantará contra irmão, filho contra seu pai
Pai contra seu próprio filho, amigo contra o amigo
Mas só terá a Salvação, nesta meta perseverai
Aquele que mesmo no exílio, permanecer Comigo

 Ao discípulo não compete, ser maior do que seu mestre
Nem mesmo ao empregado, ser maior que seu patrão
Pois o primeiro só repete, necessita que se adestre
A bem ver ser tratado, como igual ou como irmão

Se chamam por nome feio, a quem é dono e patrão
Como aos outros chamariam, que lhe são subalternos?
Se o Philo do Homem veio, a nos trazer a Salvação
Como chamados seriam, os que vivem seus “infernos”?

Nada há de ocultado, que não venha a ser revelado
Nada há de secreto, que não se venha a conhecer
O que, de Mim, é escutado, proclame sobre os telhados
Por que todos os meus decretos, são para o mundo saber

Por uma moedinha qualquer, não se vendem passarinhos?
Mas nenhum por terra tombará, sem que vosso Pai permita
Onde um de vós estiver, nunca será deixado sozinho
Sempre um de Nós estará, nisso pense, ore, reflita

Dai testemunho de Mim, perante os da sua geração
E Eu, por vós testemunharei, lá nos mais Altos Céus
E o Pai lhes dirá: sim! estarão em Meu Coração
Pois que a vós compartilharei, todo o Amor de Deus

Quem vos recebe, a Mim recebe, e Àquele que Me enviou
Quem recebe um profeta, como Profeta em qualidades
Feliz será quem percebe, que o Amor a Si o chamou
Estará na Estrada correta, que conduz à Felicidade

Violeiro Mineiro Capiau



SEGUNDO O DÉCIMO PRIMEIRO DE MATEUS

Sois vós aquele que a de vir, ou devemos outro esperar?
Ide e contai ao Iluminado: os cegos voltam a enxergar
Dos mudos a voz a sair, os coxos andam sem tropeçar
O Evangelho é anunciado, e os pobres surdos vêm escutar

Que fostes ver no deserto? Um caniço sendo agitado?
Ou um homem bem vestido, trajando roupas reais?
Mas lá, por certo, isso não pode ser encontrado
Um Profeta, de Luz vestido? Sim, e ainda muito mais!

A quem ei de comparar, essa perversa geração
À meninos sentados na praça, que gritam aos colegas:
“Não se puseram a chorar, com nossa fúnebre canção
Nem mesmo acharam graça, se tocamos o que vos alegra”?

 
Pai, pai de todos os pequeninos, para sempre será bendito
A humildade para vós é grandeza, e a soberba tu repelis
Aos pobres pertencem o teu Ensino, e o negas aos eruditos
Os “entendidos” estão na pobreza, e o simples muito feliz

Ninguém conhece o Pai, a não ser seu Filho amado
Ninguém ao Filho conhece, a não ser o próprio Pai
Onde o Pai está o Filho vai, e por este é revelado
À quem precisa ou merece, o Filho, ao Pai, atrai

Vinde a Mim, com humildade, vós que sofreis por este mundo
Vinde a Mim com mansidão, vós que pesado fardo carregais
Eu sou o Caminho, a Verdade, plantada em solo fecundo
E para me ter no coração: sempre vigiai, orai, perseverai...

Violeiro Mineiro Capiau


SOBRE O DÉCIMO SEGUNDO DE MATEUS

O que significaria o Shabat, se quando, nele, estais
nenhuma obra encontrar, pela qual tu meditais?
O que para ti é maior, o Shabat ou quem o creou?
Para adoração e louvor, sem o que o Amor gerou?

O que te parece melhor, fazer o Bem ou a Oração?
Se só declamas, “de cor”, qual será tua intenção?
Se não interrompes a oração, para um irmão socorrer
em seu tempo de aflição, a quem irás recorrer?

Eis o meu servo dileto, a quem Eu mesmo escolhi
Meu bem-amado e completo, o próprio Amor em si
Perfeito em suas atitudes, esplêndido no seu agir
Repleto de Virtudes, no ontem, no hoje, no porvir...

Ninguém o ouvirá nas praças, nem com outros disputará
Suas Graças, sempre de graça, a quem merecer dará
Não quebrará o caniço, já rachado de antemão
Não provocará rebuliço, para chamar à atenção

Pode um reino subsistir, dividido contra si mesmo?
Ou tenderá a ruir, em seu designo a esmo?
O que é Bom de Deus provém, o mal vem do outro lado
Se Sabedoria contém, por quem pode ser contestado?

Toda palavra soa, se de bom ou de ruim
Se contém coisa boa, boa será até o fim
Mas se é má, então, o mal estará em quem
já é mau de coração, e o ruim lhe convém

 
Essa geração perversa, que entre trevas tateia
Sobre um sinal versa, mas Jonas dentro da baleia
Por três noites e três dias, não lhes serviu de alerta
Que em tudo Deus vigia, o mundo lhe é porta aberta

A rainha do Sul virá, e os ninivitas também
E estes irão julgar, pois não ouviram a quem
É bem maior do que Jonas, Sábio mais que Salomão
E o Amor pôs à tona, acessível a qualquer coração

Quando um espírito impuro, de um homem deixa os ares
Anda perdido no escuro, vagando em áridos lugares
Mas quando volta e encontra, a casa limpa e arrumada
Toma outros iguais, sem conta, e a condição é piorada

Meus parentes são aqueles, que por Mim são peregrinos
Reconhecidos são eles, como se pobres meninos
Minha “mãe” é quem me ouve, meu irmão, o que me segue
Não pelo que me louve, mas ao Meu Caminho se entregue

Violeiro Mineiro Capiau


SEGUNDO O DÉCIMO TERCEIRO DE MATEUS

Saiu o Bom Semeador, com a Semente selecionada
Com o vento a desfavor, algumas caíram na estrada
Como o solo era duro, vieram aves e as cataram
Destruindo o seu futuro, em esterco as transformaram

Outras caíram em pedreiras, e logo depois brotaram
Mas as raízes primeiras, ao fundo não penetraram
E, ao sol do meio dia, as folhas, fracas, murcharam
Como firmeza não havia, uma a uma elas secaram

Outra parte foi lançada, entre espinheiros caiu
Nasceu, mais foi sufocada, e nenhuma mais se viu
Outra parte das sementes, caíram em solo fecundo
E foram assim, crescentes, a fecundarem o mundo

Uma deu cem, outra trinta, outra deu até sessenta
Inda foram mais além, pois onde, até hoje, assenta
Seus frutos puros e sãos, ainda se multiplicam
No solo do coração, se enraízam e ficam

Donde veio o joio, que no trigo apareceu?
Donde vem o seu apoio, por onde se perdeu?
Do maligno ele surgiu, mas o trigo também cresceu
Em meio ao mau resistiu, e o Pai de família colheu


Primeiro, a praga, arrancando, e em feixes atada
Do campo foi lhe tirando, para longe ser queimada
E o trigo produzido, foi recolhido ao Celeiro
Nada dele foi perdido, no Reino está por inteiro

No Reino um campo havia, de terras boas, cultiváveis
Mas tinha pouca valia, pois os seus donos, instáveis
Compravam e depois vendiam, sem nada nele plantar
Só o lucro pretendiam, sem precisar trabalhar

Mas esse campo, um dia, por um pobre foi comprado
Que, no lugar, pretendia exercer seu trabalho honrado
E assim se preparou, tomando de bois e arado
E no terreno que arou, grande tesouro foi encontrado

O Reino é pérola que esplende; joia rara e preciosa
Pela qual o fiel tudo vende, e compra essa mais valiosa
O Reino é uma rede de lanço, que pega o bom e o ruim
Os bons terão bom descanso, os maus terão triste fim

Sejais como o homem prudente, que na Verdade se espelha
E tira do tesouro da mente, as coisas novas e velhas
Não pode o médico curar, os que são da próprio meio
Nem um Profeta salvar, além daqueles a quem veio

Nem só de pão vive o homem, a sapiência exemplifica
Pela avareza se consome, o que não soma ou multiplica
As Virtudes e o Amor, nasceram pra serem partilhados
Assim tudo perde o valor, se no egoísmo for guardado

Violeiro Mineiro Capiau

 
Pixabay - Verde




13 comentários:

  1. Um momento de muita fé, reflexão, Amor e maestria em nosso Blog Maçayó. Estou muito emocionada quase sem condições de comentar a página de hoje, do nosso querido amigo Violeiro Mineiro Capiau, ele que está precisando de muitas orações. Tudo sublime, lindo, suave e Divino... O Evangelho em versos está magnífico, é digno do mestre poeta.
    Belíssimas ilustrações como tudo na página de hoje. Quero parabenizar ao querido Capiau e dizer-lhe que nós estamos torcendo pela sua rápida recuperação. Fique em Deus amigo.
    Parabéns para o Poeta Jorge Leite pela arte final.
    Boa tarde a todos! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostaria de fazer um pedido aos amigos e leitores que entrem e se possível comentem a página de hoje como se fosse um grande círculo de oração.
      Obrigada pela compreensão e forte abraço.
      Breve recuperação amigo Zé.
      Saudações poéticas!

      Excluir
  2. Uma página muito sábia que transborda e transmite muita fé. Reflexão e conhecimento prévio da temática emociona qualquer um, do grande ao pequeno leitor, com lições contidas nas entrelinhas de cada verso tecido. O poeta e grande amigo Violeiro é um mensageiro da Luz do Bem, seu legado jaá está escrito nas estrelas. Nossa amiga fez um pedido e vamos interceder pela recuperação do Violeiro, um mestre em passar ensinamentos. Belo e reflexivo conto e o Evangelho de Matheus em versos. Tudo perfeito no blog Maçayó!
    Também estou emocionado, porém em nossas vidas quem manda é o Senhor.
    Poeta do Bem que sua recuperação seja mais rápida possível.
    Parabéns aos poetas pela partilha edificante e pelas belíssimas ilustrações. Gostaria de informar que o Evagelho é longo e verdadeiro. Voltarei sempre para concluir minha leitura.
    Agora em monento de oração! Boa tarde e abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: ... já... em momento de oração...

      Excluir
  3. Boa tarde a todas! Eu estou passando para prestigiar o nosso amigo poeta Violeiro Mineiro Capiau que hoje compartilha um angelical momento de Fé e reflexão aqui no Blog Maçayó. Já estamos sabendo que ele se encontra precisando de muita oração. Sua página está Divina e iluminada pela Luz do Amor, estamos contigo poeta. Belíssimo conto e é notável o Evangelho segundo Matheus em versos. Obra de um mestre construtor do conhecimento. Lindas estāo as imgens ilustrativas, é a marca genuína do Capiau que e um defensor da natureza, pois o poeta Jorge soube escolher muito bem.
    Estamos em orações! Parabéns aos poetas e breve recuperação amigo poeta. Forte
    Abraço para todos vocês!

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo momento aqui no blog Maçayó, muita Fé e reflexão na medida certa. Somente um sábio como o amigo poeta Violeiro Mineiro Capiau para compartilhar "O Evangelho segundo Matheus" em versos tocantes e verdadeiros. Estamos em oração, zelando e intercedendo pela sua recuperação poeta do Bem.
    Lindíssimo conto e adoráveis ilustrações, é a natureza que agradece.
    Quero parabenizar aos poetas pelas excelentes partilhas.
    Capiau amigo que sua recuperação seja rápida, que muito em breve você possa estar presente para compartilhar momentos marcantes.
    Aplausos e abraços para todo mundo!
    Boa tarde!

    ResponderExcluir
  5. Como não chorar! Se estamos todos muito emocionados. O Violeiro Mineiro Capiau é um admirável poeta. Passa mensagem em tudo que escreve. Como já foi dito ele é um mensageiro da Paz, Luz e Amor. Estamos em oração pela sua breve recuperação. Um belíssimo Conto, haja coração para segurar tenta emoção. Que maravilhoso ler o Evangelho Segundo Matheus em versos de elite. É sim uma página Divinal!
    Lindíssimas ilustrações do verde da esperança. A recuperação breve do amigo e seu retorno imediato ao blog Maçayó.
    Parabéns aos poetas e vamos continuar orando. Abraços... Boa tarde!

    ResponderExcluir
  6. A página de hoje está sem dúvida muito linda. Diferente e emocionante. Ela, não só nos permite interagir, como junto com o poeta fazermos uma reflexão sobre a amizade e sobre o amor. Violeiro Capiau soube, como ninguém, exteriorizar versículos da Bíblia que, ao misturar com seus versos, elevou nossa emoção ao âmbito divino.
    Parabéns ao blog por mais essa aquisição maravilhosa, pelas belas ilustrações, e aproveito a oportunidade para desejar ao poeta total recuperação, se Deus quiser.!

    ResponderExcluir
  7. E estamos todos em oração por sua saúde!!!

    ResponderExcluir
  8. Concordo plenamente com a poetisa Socorro Almeida, o blog Maçayó é pura reflexão. Um momento emocionante de Fé e Amor, muitos sentimentos se fazem presentes e estamos em oração pela saúde do amigo poeta. Muito lindo e emocionante O Evangelho Segundo Matheus, versos de muita Suavidade, onde se apresentam grandes lições. Belíssimo Conto e magníficas ilustrações. Amei cada pedacinho da maravilhosa partilha de hoje. Parabéns poetas por esse lindo e edificante momento.
    Poeta Violeiro que Deus te conceda saúde e muita Paz.
    Aplausos para o Blog. Abraços para todos. Boa tarde!

    ResponderExcluir
  9. Eu tive oportunidade de conhecer alguns poemas desse maravilhoso poeta e escritor. Aqui ele se superou, sem dúvida alguma. Quando Socorro Almeida me disse que ele está doente, eu me proponho a juntar-me a todos nessa oração por sua saúde. Que Deus lhe permita superar, com êxito, essa enfermidade, para que volte ao convívio de todos vocês vê, principalmente, da família.
    Força e fé, Violeiro!!

    ResponderExcluir
  10. Estou aqui amigo Violeiro torcendo pela sua saúde, em oração com os demais, para sua recuperação o mais breve possível. Gostei demais da página de hoje, tantas mensagens construtivas, como também reflexivas. Belíssimo conto e versos sobre nosso Evangelho.
    Gostei também das ilustrações, vamos continuar orando, pois Deus está no comando de tudo. Se Deus permitir ele está conosco em breve e Deus há de permitir. Fé e o verde da esperança.
    Parabéns aos poetas pela linda página e abraços. Boa noite para todos!

    ResponderExcluir
  11. SIGA EM PAZ AMIGO VIOLEIRO MINEIRO CAPIAU, seu legado já se encontra eternizado no Blog Maçayó.
    Até um dia!

    ResponderExcluir