terça-feira, 1 de outubro de 2019

Uma Quarta com "Os Irmãos Leite"

Ano II - Edição Nº 367 - Tema Livre
Tema das Imagens - Maceió Antigamente
Vista aérea do centro de Maceió


O Almoço

A crônica a seguir coloca-me a imaginar, uma situação hipotética e única, que comentários, deliciosos e sagazes, ocorreriam se mamãe colocássemos todos ao redor de uma mesa, servisse carapeta frita e ensopada (frita e ao molho de coco) e aguardasse, pacientemente, a conclusão do almoço e anotasse os comentários de cada um sobre o prato principal servido. É importante ressaltar que a reunião é hipotética, como foi frisado acima, mas muitas reuniões ocorreram em nossa juventude de forma similar. Talvez, com menos “pompa”. 

            Que comida maravilhosa, Toinho!! É de morder a língua. Hum!!!

            Quem faltou, se é que ocorreu, não sabe o que perdeu. Não sei se aguardo a sobremesa, doce ou um cafezinho, ou saio assim mesmo para conservar o gosto na boca! Não quero nem tomar água!

            E o Dr. Jorge expressa-se com a voz de professor complementando as palavras, da mais nova entre os irmãos, Betinha. E o suco de maracujá com teor adocicado e forte! Outra delícia peculiar de quem entende de transformar o sumo da fruta em suco. Almoço à altura de qualquer banquete de políticos. 

   O maracujá dá um sono preguiçoso e permite nos acalmar e deglutir de forma manhosa o manjar, como alimentação deliciosa e apetitosa. 

            Vocês notaram como caldo está espesso como se fosse acrescentado farinha para o engrossar. Será que foi assim mesmo? 

    Ela não pode responder, mas se assim pudesse teria dito com voz amorosa e firme, em um fio de doçura escorrendo cuidadosamente, não nada foi acrescentado ao leite de coco após ser liquefeito e coado em um pano de graduação fino. A especialidade é típica da família. Seu pai era um especialista graduado na ciência da topografia. 

            A Lucinha, por sua vez, anunciou que gosta mais do caldo de peixe com uma cerveja gelada e servida ao gelo. 

     Observem, cuidadosamente, o detalhe primoroso e típico de um conhecedor tanto de culinária como da arte de beber, cientificamente, uma cerveja. O malte, que é um produto da germinação de cevada, acrescenta à bebida um sabor peculiar, adocicado, únicos saboroso.

            Nisso eu concordo totalmente, complementa Jorge, por isso não esqueci de trazer esse complemento indispensável em um momento tão importante e inesquecível, uma reunião familiar, com a surpresa de um prato principal tão saudável, importante e representativo. 

     A ficção, como a poesia, permite construirmos encontros inusitados e nos proporciona sonhos desejados envolto em névoa de pureza e delicadeza. E ainda nos oferece imagens e pitadas do sabor típico e característico da peixada. Acredito que meus irmãos ao fecharem os olhos vêm água sair pelo canto da boca. Como se diz popularmente “é de dar água na boca.”

            A Fátima, com sua foi rouca, suave e paciente, lembra para todos que Ela sempre nos presenteou com culinárias deliciosas, como o seu bife na manteiga com verdura e especiarias. Porém, a qualidade do que nos foi oferecido é indiscutível e sempre foi, apesar de seu jeito preguiçoso, uma ótima cozinheira. Vocês são ótimos!!

            Quem faltava dizer algo, estava calada e absolvendo tudo com sabedoria (ouvir é a arte de aprender) e complementou com paciência. Ela era tão linda e só fazia o bem para todos nós e não seria diferente em um almoço tão importante.

    Todos aplaudiram! Viva! Hurra!

    Após este momento de euforia espontânea, cada um levantou-se e os presentes separaram-se em dois grupos distintos. Um se sentou, de forma reservada, e entabulou conversas sobre novos assuntos. O outro, formado por algumas mulheres, começou cuidadosamente a retirar os pratos da mesa de maneira metódica separando-os, cuidadosamente, naqueles que iram para a pia e outros, não usados que seriam guardados. Concluída a exaustiva tarefa, culminada pela limpeza de tudo, seria dada como encerrada a reunião. 

   Um vulto se dissolveu aos poucos, exalando perfume de rosas. Parece que todos ouviram algo, pois pararam calados e respeitosamente em silêncio. Ela, possivelmente, ao se ausentar, transferiu energia que transformada em palavras, por quem tem a propriedade de o fazer, seriam: “Estes são meus filhos como os criei e tão ansiosamente os deseja ver reunidos. Obrigado, meu Deus.”

  Todos congratularam-se fraternalmente e dirigiram-se para seus respectivos destinos.

Antonio JESSÉ Leite, Maceió - Setembro de 2019.

Rua do Comércio

NÃO ENVELHEÇA MEU IRMÃO

Não envelheça meu irmão.
Envelheça o corpo, mas não a alma.
Envelheça as mãos, os pés, mas não a mente.
Envelheça a coluna, mas não se envergue.
Envelheça a vida, mas não a semente.
Envelheça quase todo, menos seu coração.

Não envelheça meu irmão.
Amigos partem e envelhecem,
Mas suas lembranças não.
Os filhos crescem e partem,
Mas não parta o coração.
As brigas ficam para trás,
As ilusões até já se foram,
Essas não voltam mais.

Não envelheça meu irmão...
O melhor da vida são os sentimentos,
Laços de amor, o alimento do coração
Belas lembranças, grandes momentos
A nossa família, as doces recordações
Oásis para nossa alma, o nosso alento...

Não envelheça meu irmão...
Deixe a juventude fluir do seu interior,
Livre-se das tristezas que tiram a razão
A sua presença enche a família de Calor,
É a chama que aquece o nosso coração
Envelhecer não, queremos o seu Amor!

Jorge Leite & Elisabete Leite
(Um dueto em homenagem ao meu irmão Antônio JESSÉ Leite)
Liceu Alagoano - Grupo Escolar Fernandes Lima
CRIANÇA CIDADE – CIDADE CRIANÇA

Como posso te esquecer, ó minha terra!
Deslumbrante Maceió, com suas tradições
Laços de família, semente que lá se enterra
Bons frutos colhidos, guardados no coração
Alegria incontida que no peito se encerra.

Como posso esquecer o meu passado distante
Que foi, incólume, eternizado em minha memória
Uma vida mais que perfeita, em felicidade constante
Vivências diárias, que formaram a minha bela história
   Fatos e sonhos sentidos, vividos, de maneira marcante...

Como posso esquecer o banho de chuva no terreiro
Do feijão preto com charque e bife ao molho suculento
Da panela ao relento, que aparava a chuva de janeiro
Do bolo de milho, pamonha e pé de moleque puxento
  Adivinhações de junho, mostrando o futuro parceiro...

Como posso esquecer-me do sol, dos banhos de mar
Da compra, na praia, do gostoso algodão doce no palito
A Laranja Pera descascada e pronta para se saborear
Daquele pirulito enrolado como sobrinha, (meu favorito)
  Da piscina natural e do castelo de areia, à beira-mar...

Como posso esquecer-me de todas essas tradições
Dos jogos de vôlei e queimado, lá na minha escola
Das brincadeiras ingênuas, constantes diversões
Da correria de pega e congela, pela ladeira afora
Maceió, cidade querida, das grandes recordações.

Elisabete Leite – 28/12/2015
 
Academia Alagoana de Letras, também abrigou a Prefeitura Municipal


CHUVAS DE LEMBRANÇAS

A chuva cai, com intensidade lá fora
Ah, saudade da minha vida de outrora!
Do cheiro forte da terra molhada
Trazendo nostalgia... Devaneio calada
O tamborilar dos pingos da chuva no telhado
Uma sinfonia que traz lembranças do passado...
Da casinha no sítio, das frutas no pomar
Do aroma das flores, muito bom sonhar!
O gorjear das aves, anuncia o alvorecer do dia
O canto do galo... Tudo era motivo de alegria
Do caminho de pedra, até as plantas no quintal
Da correria e dos banhos de chuva... sensacional!
O aroma gostoso de café quente no fogão
O bolo de fubá cheirando na mesa... Que emoção!
Até as verduras, da horta, eram colhidas na hora
Saudade daquele tempo que já foi embora...
Momentos marcantes de uma história de vida
Lembranças da minha inesquecível terra querida
De quando criança... Tudo era apenas felicidade
Agora somente sinto, no peito, a dor da saudade
A chuva traz consigo o aroma, a brisa fria do vento
Reminiscências que não caíram no esquecimento...
E a chuva continue molhando o verde da Natureza
Para brotar o fruto, da semente, que se enterra
Fazendo-me recordar esses agradáveis momentos
Fluindo de dentro para fora, doces sentimentos.

Elisabete Leite – 16/04/2016
Faculdade de Medicina do Estado de Alagoas - UFAL

Almas Cozinheiras.

Véspera de São João, 23 de junho, anos 60. Na manhã daquele dia, em uma rua chamada Santa Fé, incrustada na Levada na pequena e agradável Maceió. Dona Lourinete, convocava as "almas cozinheiras", acorda seus seis filhos e começa a distribuir tarefas: “Jorge, Toinho, Socorrinho, Lucinha, Fátima, Betinha, vamos começar. Você vá pegar folhas de bananeira, você vá descascar os milhos, guarde as folhas mais verdes, vá ralar o milho, cuidado com as mãos, separe as espigas para assar ...”. Seu Jessé já tinha comprado duas mãos de milho no dia anterior.

Daquele momento em diante, não se parava mais. Dona Lourinete era o chef, era o mestre, era o regente, era o técnico de futebol; mostrava, fazia, mandava desfazer, repetia, brigava .... Não parava um minuto, nem nós.

No final da tarde, após um intenso e prolongado dia, todos estávamos cansados e felizes. Sobre a mesa vários pratos de canjica que Betinha não deixava embolar, uma especial para o Jorge; pamonhas que não abriam quando estavam sendo preparadas. Pé de moleques enrolados em folhas de bananeiras que Toinho ajudou a tirar do pé, e limpou.  Se Dona Lourinete era o mestre, Socorrinho era a contramestre, supervisionava tudo e fazia um pouco de tudo. Fátima e Lucinha faziam e ajudavam em tudo.

Após tanto trabalho, cada um pegava e dividia um grude para provar, uma delícia. O beiju para o café da noite, estava sequinho. O enorme caldeirão de milho verde ainda cozinhava no velho fogão. A mesa era complementada por bolo de milho e suspiros. E todos suspirávamos aliviados e felizes por ter dado conta do recado.

Todos os anos era a mesma festa, até que crescemos, saímos de casa, pois a vida assim nos obrigava, mas levamos na alma tais lembranças. Ontem passei o dia com Fátima e Betinha, na casa de Fátima, quando elas foram orientadas pelas “almas cozinheiras” e reproduziram aqueles momentos felizes de nossa infância e adolescência. Passaram o dia na cozinha, e no final da tarde a mesa estava repleta de travessas de canjica, bolo de milho, bolo de macaxeira, pamonhas e outras delícias.
                                                              
Jorge Leite. Recife, 24/06/2018
 
Praça dos Martírios durante a reforma de 1963

11 comentários:

  1. É com imensa satisfação e alegria que venho apresentar e compartilhar, aqui, em nosso Blog Maçayó, uma belíssima crônica do meu querido irmão Toinho (Antônio JESSÉ Leite) para o deleite de todos nós. Na verdade um grande encontro dos irmãos LEITE e as saudosas recordações da nossa terra natal, Maceió, e seus encantos. Tudo magnífico, um cenário emocionante, lindas construções poéticas e literárias. Como também um belíssimo texto do querido poeta e irmão Jorge Leite.
    As ilustrações estão sensacionais que me fazem até chorar de tanta emoção.
    A satisfação desse encontro é tão grande e relevante que não tenho palavras para descrevê-la. Sinto-me lisonjeada, emocionada e muito feliz pela partilha de hoje. Um verdadeiro show de união e prova de Amor entre os irmãos. Eu simplesmente uma gota de inspiração entre dois grandes sábios, dois oceanos de inspirações. Meus mestre na vida e na eternidade.
    Parabéns aos poetas que desfilam por aqui.
    Aplausos ao Blog pela iniciativa louvável.
    Abraços e bom dia a todos!

    ResponderExcluir
  2. A página hoje está simplesmente maravilhosa! Tipo fábula dos contos de fadas. CRIANÇA CIDADE, CIDADE CRIANÇA está perfeita, do jeitinho que eu gosto. Gostei demais da crônica de Antônio Jessé Leite, a crônica de Jorge Leite ...tudo perfeito.
    Parabéns aos grandes poetas deste blog que a todos inspiram com sua arte. Bjos para todos. E abençoada quarta-feira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh Socorro Almeida, querida amiga poetisa! Fiquei muito feliz pelo seu maravilhoso comentário. Quem sabe faz ao vivo. Obrigada pela atenção de sempre e sua verdadeira amizade.
      Um forte abraço❤🏵

      Excluir
  3. Venho ao Blog Maçayó para prestigiar nossos amigos, os irmãos LEITE, com suas artes poéticas e litetárias. Crônicas, textos, contos e poemas de grande valor literário. Belíssima crônica do Jessé Leite, belíssimos poemas da querida poetisa Elisabete Leite lindíssima recordação do poeta e amigo Jorge. Emocionantes imagens ilustrativas e tocantes lembranças dos irmãos, uma linda família.
    Parabéns para os poetas por essa magnífica quarta de sábios encontros.
    Abraços para vocês e gostei demais da iniciativa.
    Bravíssimo pelo show! Bom dia para todos!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia pessoal! Hoje o Blog está de parabéns. Antonio JESSÉ Leite compartilha uma crônica prá lá de maravilhosa, cheia de lembranças, na qual descreve um almoço em família como tantos que ocorreram em nossa infância e juventude. Além dos seis irmãos completavam a mesa o Sr. Jessé Horácio Leite e a "melhor cozinheira do mundo" Sra. Lourinete Gomes da Silva Leite.
    Antonio JESSÉ Leite é Engenheiro Civil, Professor Universitário e Mestre em Matemática. Grande conhecedor da MPB e colecionador da música clássica universal. Muito devemos a esse grande homem. Parabéns meu irmão.

    ResponderExcluir
  5. Sensacional pessoal! Uma Quarta com "Os Irmãos Leite" um grande encontro com fortes emoçőes. Um crômica linda e sentida do amigo Jessé Leite, belíssimos e saudosos poemas da amiga querida Elisabete Leite e esse tesouro do amigo poeta Jorge Leite. Aoreciei demais esse momento de arte apresentado pelos amigos. Todos os textos estão sentidos e com um boa dose de amor. Que família de gente inteligente. Só tem fera no assunto!
    Parabéns pela excelente partilha de hoje. Adoráveis ilustrações da cidade de Maceió localizado no estado de Alagoas. Que tivemos, eu e Lis, a honra de conhecer nessas férias.
    Aplausos ao Blog pelo sucesso. Show!
    Parabéns amigos, os LEITE em foco!
    Abraços e bom dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: ... apreciei... localizada no estado de Alagoas...

      Excluir
  6. Uau meus amigos, que maravilhosa quarta com os irmãos LEITE no Blog Maçayó! Lindas crônicas, belíssimos poemas, lindíssimo Conto, é sim um grande encontro de muita arte e fortes emoções. Uma quarta diferente, recordações saudosas da deslumbrante Maceió. Eu já conheço e acho uma cidade agradável e bastante acolhedora. As praias são lindas. As ilustrações de hoje em preto e branco deram vida a um passado inesquecível. Gostei de tudo, um show de talentos!
    Parabéns aos irmãos poetas por esse compartilhamento magnífico de hoje.
    Abraços e um excelente início de tarde para todo mundo. Aplausos pela iniciativa.

    ResponderExcluir
  7. Um brilhante encontro de irmãos na página de hoje no Blog Maçayó. Uma belíssima crônica do amigo Jessé Leite, lindos e sentidos poemas da nossa queridíssima amiga Elisabete Leite e outro texto belíssimo do querido amigo Jorge Leite. As ilustrações estão realmente impecáveis,o cenário em preto e branco demarcam lembranças do passado.
    Gosto demais desse poema de Bete CRIANCA CIDADE - CIDADE CRIANÇA lindooo demais.
    Gostei da iniciativa do encontro. Parabéns para todos os irmãos LEITE.
    Boa tarde e abraços!

    ResponderExcluir
  8. Achei maravilhosa a página de hoje gente, muita arte e muita gente talentosa! Gostei bastante da crônica do amigo Jessé Leite, mais um irmão sábio na família, um relato bem estruturado com saudosas recordações também gostei muito da reedição de Almas Cozinheiras do poeta Jorge. Já a seleção dos poemas da querida Bete... são poemas que fazem o coração chorar.
    As imagens ilustrativas como sempre lindas e expressivas. É sim um show de quarta! Parabéns para os irmãos que desfilam nesse encontro.
    Tudo muito lindo! Boa tarde e abraços.
    Bete parabéns pela sua família!

    ResponderExcluir
  9. É sempre bom interagir no Blog Maçayó, aprendemos de todas as maneiras. Hoje, realmente a página está bem estruturada, com um grande encontros de sábios irmãos. A crônica do amigo Jessé Leite é extremamente emocionante, deu para o leitor perceber como é importante exister amor entre familiares. Também amei os belíssimos poemas da querida poetisa Elisabete Leite e a reedição de Almas Cozinheiras do grande amigo Jorge Leite. Então tudo muito lindo, todo cenário em preto e branco, bastante original nas lembranças. Parabéns aos poetas pelo brilho das suas artes.
    Boa tarde para todos e abraços para amigos e leitores.

    ResponderExcluir