sábado, 19 de outubro de 2019

Violeiro Mineiro Capiau

Ano II - Edição Nº 373
Tema das Imagens - Violeiro Mineiro Capiau


  CONSTRUTOR DE SONHO
          
 Era uma manhã primaveril, o sol já havia resplandecido no horizonte e, através dele, se iluminavam as brancas nuvens que bailavam na abóbada celeste. Diferentes espécies de flores coloriam o quintal da casa do garoto, conhecido, pelos seus próximos, como “Capiauzinho”; naquela pequena cidade interiorana, de Minas Gerais...
          A casa do Capiauzinho, garoto, então, com seus dez anos de idade, se destacava, não pelo luxo, nem pela ostentação, das demais. Tinha janelas e portas protegidas e camufladas por parreirais de uva e maracujá, pois que, aquele menino, desde pequenino, possuía o instinto de semeador e de cuidador da Natureza... Diziam, sobre ele, que falava com as plantas e os animais...  e que interagia, como se amigos ou irmãos, com os diversos pássaros que visitavam seu quintal; provia-lhes comida e cuidados, pois que, ao seu derredor, não havia mais que fazendas de eucalipto e braquiária. A rotina do, esperto, Capiauzinho, que já era um garoto sabido, desde muito pequeno, era sempre a mesma: acordava ao alvorecer, quando o sol inda brincava com a aurora, atrás do mato, e começava, assim como todo bom garoto criado na zona rural de Minas, as suas “obrigações”: levava milho e lavagem aos porcos; jogava milho e canjiquinha para as galinhas e pintinhos; varria os terreiros; buscava água para o pote e filtro... à tarde, tomava seu banho no poço do regato que havia na divisa do sítio, de onde podia contemplar o esvoaçar das borboletas sobre as flores e escutar o gorjear das aves que passavam buscando os campos de alimentação. O menino ficava, horas, sentindo a brisa fresca acariciar seu rosto, sempre com o olhar fixo no céu; longe do tempo e do espaço, a pensar no futuro... O Capiauzinho tinha um sonho, que esperava concretizá-lo quando crescesse: Ele queria ser Escritor, para poder passar mensagens de sentimento de Amor ao próximo e, como propósito, ele almejava que todos vivessem em total comunhão...

           Enquanto menino, teve pouca oportunidade de frequentar a escola, onde já entrou sabendo quase tudo que continha o currículo escolar da época; mas, apesar disso, sabia bem mais coisas que o normal para a sua idade. Ele dizia aprender com a vida, pois passava horas e horas lendo livros de sabedoria milenar, Mahatma Gandhi, era seu preferido. Gostava também de ler pensamentos e mensagens edificantes. Em suas horas de folga, aproveitava, na íntegra, o que a natureza sabiamente oferecia; a grandiosidade de todo espaço verdejante da Flora e toda riqueza da Fauna, ofertadas de graça... O garoto vivia na simplicidade, vestia-se sem ostentação; amava calçar uma chinela de dedo, ou mesmo, ficar com os pés no chão, sentindo a terra. Enquanto as outras crianças viviam empinando pipas ou jogando bola de gude, ele se sentava no chão ou ficava recolhido, sozinho, sob a copa das frondosas árvores, lendo os livros que tanto apreciava; da tardinha até o início da noite era hora de debulhar milho, catar feijão e outras tarefas que se faz dentro de casa ou à beira da porta; e ouvir seu pai tocar, na viola ou violão, as canções simples, que o velho mesmo, ou algum amigo, havia composto; e como o velho tinha paciência de ensinar o filho a afinação e as notas simples que tirava daqueles instrumentos...
          Um certo dia, o garoto Joãozinho, que morava próximo à casa do Capiauzinho, ficou muito machucado, pois que veio a cair de um Jatobazeiro (uma das árvores mais frondosas do Cerrado), quando tentava resgatar sua pipa, entre os galhos... A mãe do Capiauzinho, sabendo que o filho era diferenciado, pois que, sempre, buscava a Sabedoria e a Fé; pediu-lhe que fosse à casa de Joãozinho, como se a visitá-lo, para lhe dar algum alento; pois que situação era grave: o garoto estava com graves sintomas de febre, quase à convulsão, todas as tardes.. Dona Maria, a mãe do Capiauzinho, encontrou-o sentado, em uma pedra, no quintal. Ela aproximou-se do filho e disse:
          - Capiauzinho, meu filho, eu quero que você vá à casa de Joãozinho para animá-lo um pouco, ele está acometido por uma febre estranha e não pode sair de casa. Estamos preocupados, pois pode ser que ele não resista.
           Capiauzinho, mesmo não entendendo direito o porquê do pedido da sua mãe, pois que não sabia como dar ânimo ao colega, acreditou que aquilo poderia ser um aviso dos Céus. Falou consigo mesmo: “Meu Deus, se a mim foi atribuído esta missão, devo acatar a ordem, de mamãe, sem questionar. Somente peço-Lhe orientação para obter êxito”. E respondeu:
           - Sim, mãe, irei visitá-lo agora mesmo.
        
   E, imediatamente, saiu em direção à casa do Joãozinho. Chegando lá, encontrou um clima de tristeza e amargura, que se notava no semblante de todos...  E, antes de ser notado pela família, se ajoelhou à um canto da varanda, onde entrou m Estado de Oração, pedindo aos Céus que interviessem, reestabelecendo a saúde ao seu amiguinho querido... Sentiu um leve tremor percorrer toda a sua pele, e uma Luz, como se a revestir todo o seu corpo; e as suas mãos aquecidas, como se segurasse uma lâmpada acesa entre elas... E nesse estado, radiante, adentrou a casa, sem nem mesmo se dar à praxe de cumprimentar os donos. Chegando ao quarto, notou que Joãozinho ardia em febre, inconsciente e delirante, pela infecção dos ferimentos que a queda lhe imputara. Aproximou-se do garoto tocando-lhe a testa, com suas mãozinhas, ainda aquecidas, permanecendo, assim, por alguns segundos... logo depois deixou o recinto, cabisbaixo... recolheu-se cedo ao seu quarto, se sentindo muito cansado, como se algo houvesse sugado suas energias e, caiu em sono profundo. Foi despertado por vozes que vinham do corredor. Levantou-se e olhou pelas frestas da porta de seu quarto; sua visão dava diretamente no comprido corredor. Viu que sua mãe gesticulava com alguém... não podia acreditar no que estava vendo, era o Joãozinho; logo pensou: “Será que ainda estou sonhando!”. Já ia sair do quarto, quando sua mãe entrou.
          - Meu filho, quero contar-lhe uma boa nova... Joãozinho está curado. Ele esteve aqui, agora mesmo; trazendo uma vasilha de doce de pequi, pois disse que sonhou contigo, onde os dois, juntos, brincavam entre pequizeiros iluminados, e que você passava uma luz muito bela, de suas mãos para a cabeça dele. Disse-lhe sua mãe.
          - Obrigado mãe, foi um milagre dos Céus! Disse-lhe o filho.
          Anos se passaram... o garoto Capiau cresceu, ele tornou-se poeta e escritor, têm vários livros editados. Ele construiu seu sonho: passa mensagens edificantes de Amor, em versos rimados e fidedignas palavras, para àqueles que acreditam na Verdade.
          Que o Amor habite em nossos corações e a Fé continue realizando milagres...
Elisabete Leite – 22/03/2018
(com participação especial de Violeiro Mineiro Capiau)

NOTA

No dia 09 de Outubro de 2019, partiu para sua nova morada nosso amigo, escritor, poeta, cronista, pesquisador, compositor e cantor Violeiro Mineiro Capiau. Todos nós que fazemos parte do Blog Maçayó estamos tristes por sua partida, mas sabemos que sua essência continua viva e nos acompanhará sempre.
Hoje publicamos uma página simples, uma homenagem da poeta e contista Elisabete Leite a esse grande ser iluminado. Sua Luz era tão intensa que o ofuscava. Voltaremos na próxima semana com a página de sábado tradicional com Tia Beta, as atividades, poesias e conto. Peço a compreensão dos amigos.

 
Essa flor de cacto brotou ontem em meu jardim. Vou nomeá-la "Essência do Capiau" e a mesma passa a assumir o posto de "Mascote do Blog Maçayó"" para que o mesmo permaneça entre nós. Valeu Capiau!.







12 comentários:

  1. Falar do Violeiro é falar do Amor, da Paz, das Virtudes e da Amizade sincera. Aqui deixamos nossa homenagem a esse Ser Iluminado "Violeiro Mineiro Capiau", este conto fiz para homenajear meu amigo Zé em vida, a narrativa é como eu conseguia vê-lo.
    Siga em Paz amigo Zé, pois a sua essência está eternizada.
    Obrigada a todos pela compreensão e carinho.
    Abraços...
    O Blog e todos os seus colaboradores e leitores estão de Luto.
    Bom dia a todos!

    ResponderExcluir
  2. Uma página de sábado linda e muito emocionante. Este Conto é a essência do Capiau. Adeus amigo do Bem!
    Forte abraço para os amigos e leitores.

    ResponderExcluir
  3. Sou Ana, mãe de Laurinha e tia de Gugu e Laynne e entrei no Blog hoje para comentar pelas crianças e homenagear o escritor VIOLEIRO MINEIRO CAPIAU em sua última despedida. As crianças mandam dizer que tudo está emocionante. E mandam beijos para Tia Bete. Siga em Paz escritor Violeiro.
    Abraços
    Ana Silva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ana pelo carinho de sempre. Fale para as crianças que sábado teremos um novo Conto intantil. Saudade de você.
      Beijos da sempre professora❤❤❤🏵🏵🏵

      Excluir
  4. Emocionado e muito triste venho me despedir do amigo Violeiro, nosso amigo iluminado. Sua missão aqui na terra terminou, mas agora você está em outra dimensão trabalhando em prol do Bem.
    Siga em Paz!
    Abraços para todos!

    ResponderExcluir
  5. Venho aqui prestigiar a essa linda homenagem ao nosso amigo Violeiro Mineiro Capiau. Que apenas subiu mais um degrau.
    Siga em Paz amigo nessa nova escalada!
    Abraços para todos!

    ResponderExcluir
  6. Estamos triste por uma perda enorme, porém sabemos que o amigo Violeiro Mineiro Capiau, foi trilhar novos caminhos. MISSÃO CUMPRIDA CAPIAU! Amei a sua flor da Essência poeta Jorge. Linda e emocionante página. Uma merecida homenagem para alguém que já iluminou tanta gente!
    Abraços para leitores e amigos...

    ResponderExcluir
  7. Linda e muito emocionante homenagem ao grande mestre Violeiro Mineiro Capiau que foi iluminar outras estradas. Sentiremos sua falta amigo do Bem.
    Siga na Paz de Deus!
    Abraços iluminados...

    ResponderExcluir
  8. Venho agradecer e prestar homenagem ao amigo querido Violeiro Mineiro Capiau, que mudou-se para outra outro lugar que precisava dele. Sua missão foi transferida. Que ele siga em Paz! Sentiremos falta da sua centelha, mas sua essência ficará para sempre.
    Abraços...

    ResponderExcluir
  9. Violeiro Capiau, que sua alma descanse em paz! Nós, os poetas, agradecemos sua passagem entre nós, que tanto nos emocionou com sua obra de arte, seus poemas, deixando sua história eternizada aqui e em nossos corações.
    Valeu!

    ResponderExcluir
  10. Meu amado amigo Violeiro emana Luz ao meu redor, penso nele, oro por ele, desejo alegrias de volta á sua Morada Astral.
    Esteja aonde estiver, estamos juntos amigo Mineiro Capiau!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela sua ilustre visita e gentil comentário, Jeanette Borba, dirigido ao nosso querido amigo Violeiro Mineiro Capiau. Seja bem-vinda querida amiga e volte sempre! Beijos de amizade...

      Excluir