domingo, 1 de dezembro de 2019

Almanaque de Domingo - Recordando Poesias

Ano II - Edição 386 - Recordando Poesias
Tema das Imagens - Solidão


CREPÚSCULOS DO AVESSO

Ah, o entardecer foi se despedindo!
Surgem crepúsculos no horizonte
E o brilho do sol, logo, foi sumindo
Aves partem por trás dos montes...

Vão em busca do ninho acolhedor,
O cenário faz fluir minha inspiração
Viajo nesse momento de esplendor
Reflito, dando asas à imaginação...

Pelo avesso, vejo a minha essência
Minha luz, a beleza do meu interior
Analiso acertos, reviso a consciência...

Tentando consertar o meu exterior,
Erros que fazem parte da vivência
Lições de uma vida de muito amor.

Elisabete Leite

 QUEM ME DERA

Quem me dera ser um mágico...
Colorir o negro da vida, o trágico
e do Bem fazer auspiciosa elegia
Trocar as tristezas pelas alegrias...

Brotar nos corações, muito Amor
Fazer as pessoas verem a verdade
Colocar a Paz, entre a Humanidade
Dissipar com as guerras, esse terror...

Trocar as lágrimas pelos sorrisos
Ah, descer os Céus, se for preciso!
Plantar a semente da Humanidade
Que brota dos galhos da Reciprocidade...

Quem me dera poder a vida mudar
E o avesso do hoje poder enxergar
Reconstruir cada chão novamente
Na cova, plantar uma nova semente...

De maneira simples, sem vaidade
Semeando o Amor em cada coração
Com justiça, união e honestidade
Espalhando bondade, sendo irmão.

Elisabete Leite
POR QUE CHORAS NUVEM?

Pelas lágrimas causadas pela dor,
Sofrimentos contidos no coração
Tristezas, desilusões pelo desamor
Uma vida inteira de muita solidão...

Pelas crianças, sem lar e comida
Pela injustiça da classe dominante
Por toda ausência de Paz na vida,
Pela família fragmentada e distante

Choro pela mentira, falta da verdade
Pela ausência da Fé, Amor e União
Pessoas que clamam por Liberdade

A permanente luta do povo cidadão
Na falta de igualdade e Fraternidade
Sofremos nesse mundo de imperfeição.

Elisabete Leite
MEU AMOR É ASSIM

Meu amor por você...
É o magnífico esvoaçar da borboleta
Que alça voo, livre, pairando sobre a flor
Um amor simplório, com graça e leveza
Que irradia sentimento de Paz e fervor...

Meu amor por você...
É o deslumbrante canto de um Rouxinol
Que gorjeia sua, eterna, canção no jardim
Um amor que contamina, até a minh’alma
Meu pássaro preferido que canta pra mim...

Meu amor por você...
É o belo valsar do Beija-flor sobre a rosa
Á procura da seiva, o doce néctar da flor
Amor que passa sintonia, acolhida e calma
Que me fascina, com todo seu esplendor...

Meu amor por você...
É o resplandecer do Arco-íris no horizonte
Que mescla, com vários tons, meu coração
Amor que deixa minha vida bem colorida
Fazendo-me sentir diferentes sensações...

Meu amor por você...
É a encantadora poesia por mim inspirada
São versos e rimas com aroma de Alecrim
Amor que é tecido no lado esquerdo do peito
Um amor assim: Livre, leve, solto e sem fim..

Elisabete Leite.
Esmeraldas

Quando vejo os teus olhos
Verde cor de esmeraldas
Meu coração se acelera
Perco a voz, faço uma trela
Fico sem fala ou tagarela
Corpo todo arrepiado
Meus cabelos eriçados,
Diante de mim a certeza
De amar tanta beleza.

Por mais que queira mostrar
Sensualidade no ar
experiência de vida,
Certezas no caminhar.
Atrás dos verdes olhos enxergo
Uma timidez de criança.
Uma incerteza de vida,
Algumas poucas lembranças,
Mas nunca perco a esperança.

És pura, és bela menina
És candura que ilumina
As tristes trevas noturnas
Das minhas noites dormidas
Sozinho no meu despertar.
Ao acordar do cansaço
Tua lembrança me embala.
Me levas feito uma bala
Em teus braços quero estar.

Sabe querida criança
Comigo ficam as lembranças
Dos momentos que passamos
Tão bons, não posso negar.
Farei o possível/impossível
Para estar sempre viva
A centelha que acendeste
E no meu peito fez brotar
A semente de amar.

Quando pensava estar morto,
Vejo-me todo disposto
A começar outra vida,
Sozinho até que consigo
Seguir no meu caminhar.
Mas teus olhos de esmeraldas,
Faz-me um dia pensar
Que se sozinho eu ficar
Incompleto vou estar.

Querida fada amiga
Que me deu outra vida
Teus lábios quero beijar,
Teu corpo quero abraçar
Agradecer aos Deuses
Por nossos destinos cruzar
Também poder implorar
Que junto com teus momentos
Eu sempre possa estar.

Doçura da minha vida
Em amargas estradas corridas
Contigo quero ficar
Para que possamos seguir
Naquilo que escolhemos
E as amarguras da vida
Em mel poder transformar
E o amor que te ilumina
Passará a nos guiar

Jorge da Silva leite
São Paulo/Recife, 1991/2018
Estação de Trem

Estação de trem,
Uns partem, outros vêm.
Mais quem?

Corpos esquartejados,
Suados, malcheirosos,
Um pouco de perfume francês
Comprado nas calçadas e
Galerias da Prestes Maia.
Alguns olham para o céu,
Outros olham para o chão.
As pálpebras cansadas tentam fechar.
Os olhos embaçados querem chorar.
Lágrimas não têm
Na estação de trem,
Uns partem outros vêm.

Corpos feios, moídos, perdidos.
Sonham com um colchão,
Um caixote, um caixão.
Sonham com um amor que não vem.
Sonham com a alegria,
E só tristeza eles têm.

A moça bonita, tão feia...
Seus cabelos grudados
Não valem um vintém.
Seu corpo suado só feridas contém.
Feridas que sangram,
Que queimam, que marcam,
Que lembram que um dia
Pensou que seria
Uma esposa somente,
Contente em seu lar.
E um amante impotente,
Nem isso terá.

O menino pivete
Esperando dar o bote,
Que sorte, ninguém percebeu.
Seus olhos brilharam,
Seu corpo dançou,
Quando a mão traiçoeira
Uma corrente levou.

A menina criança,
Com seu dente de leite,
Entrega seu corpo,
Sua alma, sua fé,
Ao deleite de homens,
Em troca do nada,
Do pão que o diabo,
Um dia amassou.

O velho encurvado,
Sentado, coitado,
Espera também.
Sua boca sem dente,
Espera contente,
Espera à sorte,
No vagão do trem.

E lá na estação,
Na estação de trem,
É a vida que parte,
É a morte que vem.

Jorge Leite




 

10 comentários:

  1. Uau, um verdadeiro espetáculo de recordações poéticas! É isso aí amigos, um Almanaque de Domingo para se emocionar, poesias que encantam; na verdade são gritos de diferentes sentimentos e intensidades. Alguns dos meus poemas foram reeditados especialmente para o Blog Maçayó. As poesias do querido poeta Jorge Leite estão magníficas e complementam o sentido do meu grito poético. Gente, que show, estou muito emocionada. Já é dezembro e o Cantinho do Saber renasce com esse novo amanhecer. As belíssimas imagens ilustrativas foram muito bem escolhidas. Eu particularmente acho relevante para minha construção poética quando compartilhamos juntos, os irmãos LEITE. Obrigada querido irmão por esse brilhante momento. Sua arte poética são obras de arte.
    Parabéns para nós e abraços para todo mundo. Um bom domingo!
    Bravíssimo!!!

    ResponderExcluir
  2. É gratificante participar de momentos poéticos como esse no Blog Maçayó. Luz, câmara, ação e muita beleza no ar. Magníficos poemas dos irmãos LEITE, não irei me posicionar, pois cada poema tem seu próprio brilho e gradiosidade. Um grande encontro poético. Elisabete Leite e Jorge Leite juntos ou separados dão um show com certeza. E esse momento de hoje é um desfile de obras genuínas de arte. Um almanaque de recordações e fortes emoções. Belíssimas ilustrações, que por sinal, de muito bom gosto. Parabéns para meus queridos amigos Jorge e Bete. Aplausos para vocês!
    Abraços e bom domingo! Tudo lindo!

    ResponderExcluir
  3. Estou passndo para restigiar meus queridos amigos Elisabete Leite e Jorge Leite. Maciel tem toda razão, o Almanaque de Domingo está brilhante, belíssimos recheado com poemas que embelezam toda página. Não posso me posicionar, posso dizer que todas as poesias, aqui, compartilhadas são essências poéticas. A arte circulando em grande estilo, os irmãos Leite sabem fazer sucesso no show que apresentam.
    É simplesmente emocionante um momento como esse. As ilustrações completam os temas abordados pelos autores. Puro luxo nesse grande desfile.
    Parabéns Jorge e Bete pelo show de partilha.
    Bom dia para todos e saudades. Chegou o último mês do ano, dezembro de esperança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: ...passando... prestigiar... belíssimos momentos recheados com poemas...

      Excluir
  4. Eita pessoal, o Almanaque de Domingo, hoje, veio com tudo! Belíssimas poesias que encantam nós leitores, e os poetas Jorge e Elisabete, os irmãos leite, deixam suas marcas registradas... com rimas ou sem rimas os poemas adornam a página no Blog Maçayo, nesse grandioso momento. Leveza e sensibilidade nos poemas de Bete, e veracidade e sentimentalismos nos poemas de Jorge, em um grande encontro de arte poética. As imagens ilustrativas, como sempre, estão maravilhosas, são poesias que embelezam lindas poesias. Um sensacional encontro de dois irmãos que se completam. Parabéns amigos pela maravilhosa página de domingo.
    Abraços e aproveitem porque já é dezembro.

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde, amigos e leitores! Um deslumbre de Almanaque de Domingo com os irmãos LEITE. Belíssimas poesias desfilam neste grande encontro. Bete e Jorge abriram os corações e soltaram seus gritos reflexivos. Cada um tem sua particularidade e timbre de voz. É mesmo de emocionar, em um choro sufocado de lamento pelas verdades aqui compartilhadas. É muito agradável, em pleno domingo, viajar com os poetas presentes pelos versos de elite. Eu sou muito suspeita para comentar os poemas, sou muito fã dos dois, esses fãs de carteirinhas e tudo mais. Portanto, vou me limitar dizendo que a página de hoje é um show de espetáculo. Queridos amigos muito emocionada quero parabenizá-los pelo momento magnífico do Blog Maçayó, grandes recordações... Lindíssimas ilustrações. Vamos aplaudir que é melhor.
    Abraços e feliz início dezembro!

    ResponderExcluir
  6. Chegando a tempo de comentar, interagir e contemplar a magnitude do Almanaque de Domingo de hoje em nosso Blog Maçayó. Um grandioso encontro da arte poética, com os amigos Elisabete Leite e Jorge Leite, a poesia clássica se misturando com a poesia moderna em um belíssimo momento, todos os poemas estão lindos com suas particularidade, isso e o diferencial no Blog, nossos poetas fazem bonito ao vivo. Estou encantada com tanta riqueza de inspiração. Elisabete Leite e Jorge Leite sempre me emocionam. As ilustrações estão notáveise completam os temas dos poemas.
    Parabéns para vocês poetas pela belíssima partilha.
    Abraços e bom final de tarde!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: ... particularidades... ... notáveis e completam...

      Excluir
  7. Esperei a turminha do barulho sair para fazer uma leitura especial no Almanaque de Domingo, li e reli todo conteúdo. E sinceramente acho que a página de hoje é uma das mais lindas já publicadas, no Cantinho do Saber, até agora. Vale a pena salientar que estou falando em arte poética, a sintonia dos irmãos LEITE é total. Discordo de Karen quando fala do clássico e moderno, não vejo por esse ângulo, respeito demais a sua opinião amiga, porém o que vejo é a total harmonia de ideias e ideais (as duas palavras agora são grafadas sem acento) entre os poetas. Todos os poemas compartilhados são sensacionas, são belíssimas recordações e gritos reflexivos em versos poéticos. Um encontro de gigantes. Os queridos amigos Elisabete Leite e Jorge Leite estão de parabéns. Cheguei a me emocionar com o que foi partilhado. Adoráveis ilustrações.
    Um lindo anoitecer para todos e abraços.

    ResponderExcluir
  8. Todos os poemas são maravilhosos, vindos de duas almas poéticas de grande valor. Sou fã ardorosa das poesias de Bete.
    Adorei os versos realísticos do poema ESTAÇÃO DE TREM do poeta Jorge Leite. Uma dupla sensacional.
    Parabéns aos dois

    ResponderExcluir