domingo, 25 de outubro de 2020

Silêncio

  ANO II - EDIÇÃO Nº 413
Tema das Imagens - Silêncio

 

Sangue de Fracos
Gabriela Mota

Morri em dia de festival
Fiz a cena em contraste com a realidade
Fiz julgamento de estereótipo e me entreguei a ele
Me escondi em visões de você
Vendi minha alma a espelhos quebrados
Deixei-me ser consumida por você
E esse foi meu pecado

Morri em dia de festival
Fiz fotografia da lua
Respirei homicídio
Senti os respingos de mentira
Os sons perdem-se no ar
Fiz-me em cacos

Morri em dia de festival
Ele disse-me que o mundo era fácil de quebrar
Então pequei com ele
Fiz-me chama de fogo ardente
Fui presa em olhares inocentes
Vaguei em mentes incoerentes
Perdi-me em vidas clementes

Morri em dia de festival
Encontrei teu jogo
Perdi por xeque-mate
Mas joguei até minhas últimas forças
Por que entreguei-me a promessas e encantos,
se o amor é uma falsa premissa?

Existe em sonhos
Em mentes ilusionistas
Em corações despedaçados

Entreguei almas em caixões de prata
Atirei por necessidade
Fiz de tua vida cortejo
Fiz de teus lábios desejo
Então brinquei de detetive
Vesti meu casaco e chapéu,
e fui para caça.

Morri em dia de festival

João Pessoa, 17/10/2020

Gabriela Mota. Nascida em João Pessoa, Paraíba. Nasceu em: 21/08/2005. Estuda na escola Nossa Senhora de Lourdes. Seu sonho é poder ajudar as pessoas. É apaixonada por livros, poesias e músicas.
Uma menina com jeito de escrever de gente grande, mas alma de poeta. Um sorriso encantador. Seja bem-vinda Gabriela!


Infinitas Horas de Embriagues
Gabriela Mota

As melodias mais silenciosas me trazem você

Os cantos mais belos lembra-me tua voz
A vida se concretiza com o teu olhar
O mundo para com o teu falar
O teu sorriso é a causa das minhas lágrimas
A minha dança é guiada pelas tuas ações
Os nossos corpos se conectam na sintonia das canções deprimentes
Nossa eletricidade transborda em taças sem valor

A tua alegria reforma meu dia
Embriago-me na tua poesia
Despeço-me de outras companhias
Alucino-me, prendo-me, afogo-me, afasto-me
Mas estar distante nunca fará com que eu esqueça de ti

Brinco com memórias
Delicio-me com teu sabor amargo
Ando de mãos dadas com a solidão
Enlouqueço por causa de ti
Morreria por ti, ou melhor, viveria por ti
Amarrei-me ao teu ser
E esqueci do meu "eu" falso
Esqueci que na verdade tu és doce
Doce e tão viciante 

Esqueci que não devo confiar em teus passos
Esqueci que teu sorriso é sinônimo de condenação
Esqueci que minhas lembranças são marco de dor
Esqueci de meu próprio reflexo, pois eu só enxergava o teu
Esqueci de meus princípios quando perdi-me em você
Esqueci que sou ingênua o suficiente para acreditar que sou forte
Esqueci que não poderia deixar cativar-me
Esqueci de voltar a superfície
Mas eu não devo culpar-me
Pois ora, o seu mar é sem saída

João Pessoa, 17/10/2020


Beijos ardentes em músicas tristes

Gabriela Mota

Era uma armadilha de encanto
Um poder atencioso
Um olhar devastador
Quando o luar beijou suas peles
Quando a chuva parou em sua eterna paciência,
O mundo foi emaranhado em nós hostis,
O vento cessou em simpatia
Eles se olharam em transcendência 

Os laços de suas almas foram como vidas
Perdidas e recuperadas em prudência
O desejo de seus corpos falaram mais alto
O esquentar das suas almas chamavam um ao outro
O esplendor em seus toques eram sutis como as sinfonias de Bach
Contemplaram o desejo do corpo e da alma 

Descansaram em meros pensamentos de longevidade
Mal sabiam que seria a última vez
Mas nunca esqueceram do que sentiram, do beijo ardente,
Dos sentimentos expressados por cada batida de seus corações
E em modo de despedida, fecharam os olhos e seguiram em frente,
Esperando que a próxima visita fosse feita com rapidez

Mas seus caminhos não foram feitos para se cruzarem novamente
Eram apenas almas perdidas em meio ao caos
E o destino enganou-se, pois o sentimento mais puro surgiu ali,
O amor

João Pessoa, 17/10/2020

Concatenar
Ingrid Pires Leite

Palavra que me traz à cabeça uma imagem.
Um quebra-cabeça, em que as peças incompletas são palavras.
Palavras incompletas em sentido.
Precisam encontrar outras palavras que se encaixem, formando um todo em sentido.
Não é possível tentar encaixar palavras incompatíveis.
Se não se completarem uma a outra, todo o sentido estará comprometido.
Muitas vezes, tentamos forçar um pouco para que se encaixem, mas assim não geram sentido, comprometendo toda a intenção de comunicar.
Concatenar pensamentos, ações e palavras... na busca do sentido.
Sentido de intenção, sentido de atitude, sentido de significado.
Concatenar vai além do texto. Produz naquele que lê, ouve ou sente, um ponto de exclamação, interrogação, reticências ou mesmo um ponto final.
Concatenar. Palavra estranha. Significado transcendente.
Mais do que sujeito - verbo - predicado, concatenar é juntar toda a bagunça do coração e dar sentido ao que a cabeça pensa em reproduzir. 



Não me chame
Ingrid Pires Leite

Sim, eu me doei, mas me dói.

Não, eu não fui o que se esperava sempre... mas confesso que ai vejo o charme de um romance.

Não me chame. Pois te ouvirei muito ainda... em esquinas, em músicas, no céu, e no mar.

Mas não me chame.

O tempo vai ser um amigo, vai fazer um feitiço: de fuga do pensamento!

E ai, tu não me chamaras mais, ou eu não te ouvirei (quase nunca). Que o tempo também lance o feitiço do sumiço da raiva... tão natural agora (até necessária). Mas depois, que se faça a mágica da permanência de boas memórias.

O punhal nas costas não se esquece, mas cicatriza. Por isso peço: não me chame, não se mostre.

Deixe-me ir! Deixe-me cicatrizar! Essa marca não vai sumir... e eu a olharei quando observar a mim mesma mais atentamente. Observarei, sentirei e ouvirei.

Sendo muito recente pra falar em aprendizado, apenas e mais uma vez eu te peço: não me chame.

O meu sumiço, com ajuda da mágica do tempo, será profilático e providencial: pra que sua voz fique cada vez mais longe.

Mas peço o favor, de quem um dia já te amou: ame o meu caminho e não me chame.” 


 COMENTÁRIO DE DOMINGO

 O silêncio que nos cura

Juan Arias

Neurocientistas, estudiosos das funções dos mecanismos cerebrais, estão descobrindo a dimensão terapêutica do silêncio. Dizem que, em contraposição ao ruído, o silêncio está se revelando um antídoto fundamental de prevenção, por exemplo, em distúrbios mentais como a depressão ou na doença de Alzheimer. E no bem-estar geral do organismo, a começar com um sono melhor e mais profundo.

E esses mesmos especialistas na dinâmica do cérebro e da memória alertam, por sua vez, para a falta de espaços de silêncio em nossa civilização do ruído extremo, à qual se acrescentou o “estrondo” [inútil e superficial] das redes sociais. O silêncio hoje se esconde, envergonhado, nos nichos dos que estão descobrindo as suas vantagens para o corpo e para a alma.

Se um dia o silêncio foi um luxo de poetas e místicos, hoje sua prática está se disseminando e é recomendada pelos médicos, na forma da meditação, exercícios de ioga ou fuga do barulho das grandes cidades para buscar, na nostalgia da cidadezinha perdida da infância, o silêncio da natureza [a base da nossa civilização é ARTIFICIAL, existe pouco espaço para àquilo que é fundamental em nossa existência: A NATUREZA].

Existem os silêncios da leitura e o barulho da ignorância. Grita-se para ocultar as razões que nos faltam. O silêncio é indecifrável, mas impõe respeito. Em toda a literatura o silêncio é tratado com distinção. O místico espanhol Juan de la Cruz fala da “música calada e a solidão sonora”. Hoje até mesmo a música se tornou apenas um ruído estridente e de péssimo mau gosto e a solidão infunde medo.

O místico islâmico sufista Rumi escreveu que o silêncio é “a linguagem do divino” para quem tem “ouvidos” para ouvir. E no livro de Jó se lê: “Guarda silêncio e te ensinarei a sabedoria “. O silêncio é o coração do fogo de onde nascem as palavras mais prenhes de vida. O ruído é uma sacola de cascas de nozes vazias.

As palavras, algo que os poetas conhecem muito bem, são engendradas mais em silêncio do que no barulho. Ainda escrito no ruído de nossa civilização, o silêncio precede a poesia e a fecunda. Algo como o silêncio imperceptível das mãos do torneiro moldando a lama para transformá-la em uma bela escultura.

O silêncio é o poema escrito na tela do infinito. A amizade e o perdão são um silêncio sonoro. A raiva e o ódio é o ruído da larva escura que cresce dentro de nós.

Há ruídos que são silêncios profundos, como o do vento batendo no rosto em meio às dunas do deserto, ou o das pedras arrastadas pela água limpa de um arroio da montanha. Ele é criado no silêncio da vida que germina e é destruído no estrondo das guerras.

O ruído nos leva a esquecer quem somos, e o silêncio nos revela. Tentamos mudar o mundo com ruídos e convulsões, mas só o salvaremos com a silenciosa entrega à vida.

Para concluir este artigo fui buscar um poema clássico sobre o silêncio. Escolhi um da coleção do grande escritor e poeta uruguaio Mario Benedetti. São apenas quatro versos e resumem a infinita literatura sobre o silêncio e suas belezas. Intitulado O Silêncio, sem adjetivos. Escreve Benedetti:

“Que esplêndida lagoa é o silêncio”

“Ali na margem um sino espera”

“Mas ninguém ousa afundar o remo”

“No espelho das águas quietas” (em tradução livre)

Felizes silêncios criativos de paz e diálogo, se Josué foi capaz um dia de parar o sol, como conta a lenda bíblica, que nós sejamos capazes também de deter as mãos suicidas daqueles que ainda continuam amando mais o estrondo da guerra do que o silêncio da Paz.

https://thoth3126.com.br/o-silencio-que-cura/

https://brasil.elpais.com/opiniao/2020-01-14/o-silencio-que-nos-cura.html

 

 Imagens: Pixabay

 

Mario Benedetti, o poeta uruguaio do compromisso e cronista dos sentimentos, morreu em Montevidéu aos 88 anos. Romancista, contista, ensaísta, dramaturgo e crítico, foi um resistente que viveu e lutou contra o exílio e a doença. Os seus livros de contos, novelas e poemas são uma referência para os leitores da América do Sul e da Europa, sobretudo Espanha. Benedetti foi o mais prolífico expoente da literatura uruguaia, com obras traduzidas em vários idiomas.

El silencio

Qué espléndida laguna es el silencio
allá en la orilla una campana espera
pero nadie se anima a hundir un remo
en el espejo de las aguas quietas


 

 

 

17 comentários:

  1. O Blog Maçayó, como sempre, respira muita poesia e traz para o nosso deleite, um novo destaque, uma mistura de genuínas artes, tanto poética quanto literária.
    Um domingo de fortes emoções com muita riqueza de expressão, em seus diferentes olhares. Uma página diversificada que, na verdade, é um grande encontro de jovens poetas, que suspiram jovialidade.
    Quero começar destacando que a página de hoje está brilhante, com a presença de belíssimos poemas, lindos textos, uma arte em grande estilo, em um cenário encantador. Assim, os poetas que desfilam, por aqui, mostram suas diferentes artes de maneira bem inspirada. Quero destacar as lindíssimas e várias temáticas de ilustrações que muito versejam, são poesias dentro de cada imagem sem nenhuma temática específica.
    Queremos apresentar uma nova poeta, a adorável Gabriela Mota, que veio ilustrar e somar por aqui, em nosso Blog, com seus lindos e criativos poemas. Ela é prima da nossa grande poeta e amiga Rita de Cássia que teve a honra de nos presentear com a alegria dela. Parabéns menina poeta Gabriela, pela sua belíssima arte poética! Seja muito bem-vinda!
    A grande poeta e querida prima Ingrid Pires chega emocionando mais uma vez, com seus belíssimos poemas e saudáveis reflexões, traz tanta leveza contida em seus versos que os poemas parecem que são alados. Parabéns Ingrid pelas belíssimas artes compartilhadas!
    O meu irmão, grande poeta Jorge Leite, encanta o domingo no Blog com sua arte final, e maravilhoso e pertinente comentário de domingo (O silêncio que nos cura). Parabéns, querido Jorge!
    Enfim, tudo muito lindo por aqui!
    Parabéns a todos que, hoje, desfilam. Um show de blog, e muita beleza no palco!👏👏👏👏👏
    Quero agradecer aos poetas, leitores e visitantes pelas interações e pelo carinho de sempre. Beijos no coração cada um ❤️💙.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas lindas palavras. Cada poeta que está aqui é incrível e transmite um mar de talento, agradeço muito por vocês terem enxergado beleza em minhas meras palavras. Poeta Jorge Leite com suas ilustrações incríveis!Muito obrigada pela oportunidade e espero que todos continuaremos transmitindo amor em forma de poesia.

      Excluir
    2. Poetisa e grande amiga Bete sou muito grata a você ao seu irmão poeta Jorge Leite, por este espaço tão rico, agradeço de coração pela aprovação dos poemas da minha prima Gabriela Mota que hoje faz uma revelação triunfante, espero que seja os primeiros degaus para o sucesso no âmbito literário. Eu e o poeta Emiliano de Melo já somamos nesta família do BLOG Maceyo, agora a Gabriela Mota, que Deus nos dê sempre inspirações para reachear com amor os corações de todos os leitores e poetas que fazem parte do Blog Macayo.

      Excluir
    3. Também gostaria de agradecer a Elisabete Leite por essa ótima oportunidade. Isso foi de grande felicidade pra mim que não consigo expressar, apenas gratidão!
      - Gabriela Mota

      Excluir
    4. Caramba!
      A cada edição do blog da poesia e do amor, surgem encantos que nos encaram.
      Jovens esbanjando o saber poético fizeram dessa edição uma das mais belas, meus olhos brilham com palavras belas bem colocadas como as folhas de uma árvore que é criação divina.
      Beijos!

      Excluir
    5. Muito obrigada, Poeta Emiliano! É de grande felicidade pra mim que tenhas gostado. Com certeza espero que a poesia nos leve além e que a cada dia nos surpreenda e nos encante.
      - Gabriela Mota

      Excluir
  2. Que domingo maravilhoso!Cheio de belíssimas poesias,onde a inspiração navega de mansinho no coração das poetisas Gabriela Mota que faz sua estréia trazendo para nós poetas e leitores uma visão do seu mundo interior já a Ingrid Leite, chama a nossa atenção em seus versos deixando notório a dor do amor, a certeza e a incerteza na qual gera dúvidas no amor vivido. Parabéns poetisas.
    Poeta Jorge Leite, sempre com as suas ilustrações perfeitas, encantadoras.
    Um abençoado domingo para todos nós, força, MUITA fé e coragem para que possamos enfrentar os desafios que a vida nos proporciona.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns ao blog pelas belíssimas poesias publicadas!!! E hoje em especial quero parabenizar a poetisa Gabriella Mota , minha sobrinha ,pelas suas lindas poesias . Elas são tão criativas, passa tanta sensibilidade e profundidade em cada palavra. Gabriella continue firme você é excelente nas poesias e textos que escreve , já tive o prazer de conhecê-los.. Sucesso Gabriela !! Que Deus te abençoe . Por fim ,quero parabenizar as lindas poesias publicaras neste domingo todas maravilhosas !!!! Beijos��������������

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, minha tia. Fico muito feliz que tenha gostado. Beijos❤❤

      Excluir
  4. Essa menina Gabriela Mota tem futuro, ainda trará muitos versos encantadores para nosso deleite. Chamou-me a atenção os títulos de suas poesias, parecem terem sidos escolhidos em velhos álbuns de Rock'n'roll. Uma alma antiga reportando tantas vidas já vividas refletidas na vida atual. Falar de Ingrid Pires Leite é reforçar o que já sabemos, sua competência com as palavras, os nós que ela dar e os desatam com maestria tudo feito com muita sabedoria. Um domingo feliz para todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por suas palavras, Jorge! Fico muito feliz que tenha gostado. Suas ilustrações são lindas e encantadoras. Espero continuar levando sentimentos em minhas poesias. Muito obrigada e tenha um ótimo domingo!
      - Gabriela Mota

      Excluir
    2. Ilustre poeta Jorge Leite muito obrigada pelo comentário, pela observação e pelo carinho.
      Um domingo de paz e muitas energias positivas.

      Excluir
  5. Hoje o blog está surpreendente! Sério!? A nossa nova poetisa tem apenas 15 aninhos? Estou maravilhada com as belíssimas poesias dessa jovem que, com certeza, tem o mundo literário a seus pés. E por que não dizer, em seu coração. Parabéns, poetisa Gabriela! Que seu futuro seja brilhante como suas poesias! Que seja bem-vinda!
    Ingrid Leite eu já conheço. Já conheço a alma poética dos Leite. Suas poesias me encantam e me emocionam igualmente.
    O blog está de parabéns como sempre, na escolha das ilustrações e nos comentários que lemos todos os domingos.
    Que Deus abençoe a todos e até breve.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Extamente,poetisa amiga Socorro Almeida a revelação da Gabriela Mota com apenas 15 aninhos uma flor desabrochando na poesia, foi encantadora. Obrigada pelas palavras em prol da sua poesia.
      Bjs querida Feliz domingo.

      Excluir
    2. Muito obrigada Socorro! Fico lisonjeada com suas palavras, espero cada vez mais melhorar em minhas poesias e entrar mais no mundo literário. Bjs.
      - Gabriela Mota

      Excluir
  6. Parabéns a todos envolvidos nesse belíssimo trabalho,compartilhando lindas poesias que emanam sentimentos sinceros. Parabenizo em especial a jovem poetisa Gabriella Mota que continuará brilhando com as graças do Pai!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Fico feliz que tenha gostado e se Deus quiser continuarei melhorando mais e mais!
      - Gabriela Mota

      Excluir