domingo, 15 de novembro de 2020

Contos que Encantam

 ANO II - EDIÇÃO Nº 416

Tema das Imagens - Fantasia 


A MENINA E O POETA COLOBRI
Elisabete Leite

Mês de janeiro, momento de descanso, e Emília veio passar o período das férias com sua avó, nas montanhas, em uma casa cercada por um belo jardim, e pássaros que viviam por lá.
 
Emília acordava ao alvorecer, quando o sol ainda se despedia da lua; abria a pequena janela do quarto, para poder escutar o gorjear da passarada no Jardim... 

Em certa manhã, Emília ouviu uma melodia suave que parecia até o som de um violino. Logo, ela avistou um belo Colibri, que pairava no ar de flor em flor. De repente, ele posou na janela e ficou lá cantando para a menina que olhava para ele encantada, pois o pássaro procurava se comunicar com ela: 

- Ei, psiu! Eu posso mudar de forma, linda menina. Disse-lhe o Colibri, batendo as suas asinhas. 

- Uau, bela ave, você pode falar comigo! Disse-lhe Emília. 

- Você sabe, que eu posso me transformar em um herói, e salvar todo mundo da fome. Disse-lhe 

- Poxa, que linda ação! Por favor, continue gorjeando para mim, pois quero ouvir sua suave canção! Emília falou-lhe. 

Assim, o Colibri pôs-se a cantar uma doce canção: 

"Estou aqui de passagem,
Venho cantar essa canção
É meu canto de coragem
O som migra ao coração"

Emília permaneceu de olhos fechados, mas quando abriu os seus olhinhos, o pássaro não estava mais na janela. A menina ficou muito triste, parou de sorrir. Mas, a tristeza logo passou, a menina viu um belo guerreiro perto dela. Que lhe disse:

- Não fique triste menina linda, eu sou o guerreiro colibri e preciso continuar voando, germinando a semente do Amor por aí. Vou recitar uma quadra, para você nunca mais se esquecer de mim. E pôs-se a declamar:

"Andando pelo jardim do coração

Encontrei vários grãos de valor

Plantei e reguei o mais belo grão

Dele brotou a Árvore do Amor"

- Uau, que bela é a sua poesia! Você é poeta! Disse-lhe Emília.

- Preciso me despedir, feche os olhos, e acredite em mim. Falou-lhe.

Assim, Emília fechou os olhos e quando os abriu, viu o Colibri pairando de flor em flor, e saiu voando.

Sempre Emília recebia a visita da ave, que cantava para ela dormir.


NATAL É DOAÇÃO
Elisabete Leite

Era véspera de Natal, e a noite descia deslumbrante, um prateado luar apontava por entre os coqueiros, iluminando a exuberante colônia de pescadores: Noite Feliz. Um local aconchegante, com casinhas em cores diversificadas, uma enorme Árvore de Natal na entrada, com vários enfeites coloridos, luzes brilhantes, e um vasto oceano.

Por lá a pesca era o único meio de sobrevivência.

Davi, era um menino de bom coração, que acreditava na magia do Natal, suas luzes, suas cores, e também em Papai Noel. Ele estava confiante que iria ganhar um presente, mas sabia das dificuldades que a colônia estava enfrentando naquele ano, porém sua Fé era maior que as suas incertezas... Em passos lentos, ele se dirigiu ao quarto da casa, pegou sua meia pendurada no alto da janela, e tirou de dentro dela uma cartinha que dizia: “Querido Papai Noel, eu quero ganhar uma bicicleta azul, mas pode ser um outro brinquedo, se o senhor não puder comprar.”

Davi abriu suavemente a janela da casa, olhou para o céu, e falou: “Natal é Fé, Esperança e Amor.” De repente, avistou um senhor desconhecido se aproximando, que lhe disse:

- Ei menino, você quer essa bicicleta de presente?! Eu estou de viagem e ela não cabe em minha bagagem. Agora, ela é sua! Feliz Natal, meu jovem!

Davi viu a bicicleta azul, olhou para o céu, agradeceu a Deus, e logo depois respondeu ao senhor desconhecido:

Gratidão, Senhor! A minha Fé fez o impossível acontecer. Feliz Natal!

O senhor olhou para o garoto, abriu um largo sorriso, e se despediu.

Que o Ser Humano seja um Papai Noel todos os dias! E Que a Fé torne tudo possível. 

O topógrafo que não dormia
(ou: A vida a cada instante nos prega peças)
Jorge Leite

parte II

Fico hoje a pensar
Será que o topógrafo
Hoje dorme!

Faz tempo que ele partiu
Cansou de esperar
Cansou de acreditar
Que um dia acreditaríamos
Que o topógrafo não dormia.

Se perguntava com frequência
Virava de um lado para o outro
Nem um cochilo tirava
Nem sua alma dormia.
Ficava muito cansado
Rezava aos berros dia a dia,
Por achar que a gritaria
Quem sabe Jesus ouviria!

Sendo escutado pensava
Poderia ocorrer um milagre,
Se pão Ele multiplicou,
Se o amor Ele pregou,
No domingo descansou,
Lázaro ressuscitou,
Sobre as águas andou
Água em vinho transformou,
E meu sono não chegou.

Onde quer que ele esteja
Talvez muito cansado,
Quem sabe desanimado
Já não reza como antes
Nem cola as páginas da Bíblia
Não sei se para esconder
Ou por não acreditar
Naquilo que está escrito
Ou está fora do lugar,

Mas o topógrafo um dia dormiu.
Era um domingo à tarde,
Falou com todos os filhos,
Com outros parentes também.
Sentiu o sono chegar
A alma se elevar
Em direção aos Céus.
De braços abertos encontrou
Jesus sorrindo para ele
Seus olhos cheios de lágrimas
Foi aí que percebeu
Que Ele o escutou
Mais um milagre realizou
E o sono eterno chegou.

Madalena, 14 de novembro de 2020

O MILAGRE DE NATAL
Elisabete Leite

Todo dia era sempre a mesma coisa na casa da menina Maria, o sol nascia radiante, e trazia com ele o brilho caloroso do verão, mas a jovenzinha tinha esperança que sendo época natalina tudo pudesse ser diferente, pois ela queria ganhar um lindo presente especial, mas o presente nunca vinha do céu... Nascida e criada no campo, filha de lavradores, o único divertimento da menina era uma boneca de pano, que sua avó Zezinha costurava todo ano; ela só ia trocando as roupinhas, para que sua netinha não ficasse sem presente. Toda véspera de Natal sua avó fazia-lhe a mesma pergunta:

- Maria, hoje é véspera de Natal, vamos trocar as roupinhas da sua boneca. Qual será a cor desse ano?

A garotinha abria um lindo sorriso e respondia:

- Vovó, nesse ano, pode ser da cor azul do céu.

As duas foram para a mesa de costurar, e sua avó pegou um pedaço de pano azul, agulha, linha e costurou uma nova roupinha. A garotinha ficou feliz da vida. Ela colocou sua boneca perto da Árvore Pet de Natal. Os olhos da pequena Maria brilhavam de tanta alegria, com esperança, que fosse diferente esse seu Natal.

O sol se escondeu e deu passagem ao prateado da lua, que com seu brilho iluminou aquele local. De repente, o som de um helicóptero quebrou o silêncio. Maria correu para a única janela da casa, e viu quando do céu caiu um presente. A menina soltou, com cuidado, o laço que envolvia o embrulho e pensou: "É uma boneca que não é de pano, caiu do céu, será por engano!".

Porém, um pequeno bilhete preso na roupa da nova boneca dizia:

“Para quem tem Fé e Esperança, vai essa simples lembrança, de alguém especial, que não pode mudar o mundo, mas pode transformar um Natal.”

A linda Maria guardou o bilhete, pegou a nova boneca e a colocou junto da sua boneca de pano, e disse-lhe:

- Dorinha, você ganhou uma nova amiguinha, para brincar no Natal.

Maria correu para festejar com os vizinhos que sorriam com muitos presentinhos que desciam do céu; belas bonecas e lindos carrinhos alegravam as meninas e meninos. Foi um coração bondoso que transformou o Natal...

Vamos ser construtores de alegria, fazendo uma criança sorrir todo dia.

Agora, vamos parar para refletir!


A GAROTA E O MAR
Elisabete Leite

Aninha desperta com o aroma da maresia. Ela passa férias com sua avó, em uma praia deserta... A menina observa os mínimos detalhes da casa, pois para ela tudo é novidade. Depois se levanta e sai para caminhar, tira as sandálias, e deixa marcas na areia da praia. De repente, a temperatura caí bruscamente, olha para trás, e vê duas pegadas a mais, além das dela. Logo, escuta uma voz e vê um garoto, que diz:

- Olá, meu nome é Davi e o seu?

- Que susto! Sou Aninha! Disse-lhe.

A palidez do garoto é notória, seu semblante é calmo. A menina acha tudo aquilo estranho, mas fica ouvindo o garoto falar:

- Aninha, vamos passear? Preciso voltar a sorrir!

- Vamos sim, Davi! Mas, diga-me: Você mora por aqui? Pergunta-lhe:

- Moro naquele farol! Diz Davi.

Os dois de mãos dadas vão apanhando as conchinhas multicoloridas; eles correm felizes, se deitam na areia, e fazem castelinhos... Já é quase noite quando Davi diz que precisa ir embora. Ele a beija no rosto, e ela retribui com um abraço, e fala:

- Até amanhã, Davi!

- Não existe amanhã! Reponde-lhe.

A garota entra em casa gritando:

- Eu encontrei um amigo na praia!

- Calma Aninha! Aqui não mora ninguém. Disse-lhe sua avó.

A garota continua falando:

- Mas vovó, foi tão real! Ele segurou minha mão, brincamos juntos. Ele mora no farol!

- Aninha deixe de sonhar acordada!

A avó da garota prometeu que, no outro dia, a levaria pra conhecer o farol... Logo cedo, elas foram ao passeio. O local era abandonado, a escada de ferro, sem uso. Pelo caminho, sua avó vai narrando uma história triste que aconteceu naquele lugar, quando ela tinha dez anos de idade... Seus melhores amigos Rosa e Davi, estavam passando um final de semana com ela, e aconteceu um trágico acidente. Ela conta que sua amiga, acidentalmente, caiu no mar e que Davi pulou para salvá-la, mas eles desapareceram, seus corpos nunca foram encontrados. O local ficou interditado! Aninha comovida, pede para voltar pra casa. Elas já iam saindo, quando viu, na parede suja de lodo, uma mensagem: “Aninha, sou feliz, já posso descansar”. A garota diz:

- Vovó, foi um sonho! Amo o mar!

Sonho ou realidade?! São vidas que se entrelaçam no tempo. 


Sem Poesia
Jorge Leite

"Nada será como antes" 
A vida não tem solução
Por mais que eu queira 
Não entendo nada.
O que tentei reter
Fugiu entre suspiros
Fugiu na contramão
Simplesmente se foi
Morreu de antemão.

Pensava ser feliz, quisera.
Tinha um sorriso no rosto
O suor escorria entre as mãos 
Nada enxergava, estava feliz.
Nossos corpos bailavam
Em ritmos quentes
Afagos e beijos sem tédio
Sem pausa nos amávamos
Tudo pura ilusão.

Sussurravas meu nome
Acompanhados de ais,
Abraços quentes demais
Pensei ouvir mais uma vez
Prestei atenção
Trocastes meu nome
Numa explosão sensual
Tenso fiquei, esperei
Errastes mais uma vez.

Madalena 14 de novembro de 2020

OBS: A primeira parte do poema "O Topógrafo que não dormia" foi publicado no Blog no dia 12 de agosto de 2018. Link abaixo.


Imagens: Pixabay


8 comentários:

  1. Hoje, a página de domingo, aqui em nosso Blog Maçayó está extremamente emocionante, é de fazer qualquer um chorar e de sangrar de tanta emoção. Portanto, tentarei sintetizar o máximo possível meu comentário, porque deixarei para meus amigos poetas, familiares, e leitores registrarem as suas devidas apreciações sobre minha arte literária, como também a arte poética do meu acompanhante de página, o grande poeta Jorge Leite. Convém salientar, que tudo compartilhado por aqui, sempre, respira muita poesia extraída do âmago da alma e do coração.
    Um domingo de fortes emoções com muita riqueza de expressão, em seus diferentes olhares, e excelentes mensagens para todas as idades. Uma página diversificada com um pouco de tudo é muito mais. Em meus Contos compartilhados, deixo a emoção aflorar. Sigo viajando e tecendo palavras e frases que se transformam em historinhas encantadas e tocantes, até mesmo mensagens de natal. Dei uma nova roupagem a vários contos já publicados aqui no Blog, e sigo dando asas à minha imaginação; as temáticas são diversas e passam lições edificantes ao longo de cada narrativa.
    Quero destacar sobre o cenário encantador, que na verdade, são maravilhosas imagens poéticas que ajudam a embelezar ainda mais o Blog de hoje.
    O meu irmão, grande poeta Jorge Leite, encanta o domingo no Blog com sua deslumbrante arte final, trazendo para nosso deleite seus lindíssimos e emocionantes poemas. Aproveito para salientar que ainda não parei de chorar com o poema em homenagem ao meu pai amado, O TOPÓGRAFO QUE NÃO DORMIA. Parabéns, querido Jorge! E gratidão por desfilar junto comigo, me presenteando com sua obra-prima 🤗🤗.
    Enfim, tudo muito lindo por aqui!
    Parabéns a todos pelo sucesso do Blog! Um show de leveza e muita sensibilidade e fortes emoções. Aplausos pela adorável partilha 👏👏👏👏👏
    Quero agradecer aos poetas, leitores e visitantes pelas constantes interações e pelo carinho de sempre.
    Beijos no coração cada um ❤️💙. Um ótimo domingo a todos!
    Muita sapiência e calma na hora de votar!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, amigos poetas e leitores o blog vem mostrando todo brilho dos contos da nossa poetisa Elisabete Leite e o poeta Jorge Leite trás a sensibilidade na poesia tocando nossa alma e nosso coração. Parabéns por encher de alegria o nosso domingo. As ilustrações ficaram perfeitas. ❤❤❤❤👏👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida poeta, e parceira em nosso projeto de Antologia. Gratidão pelo carinho de sempre e adorável comentário.
      Beijinhos em seu coração ❤️.
      Bom domingo, com poesia!

      Excluir
  3. Bom dia para todos! Estou aqui emocionada em haver recebido o link do Blog de hoje. Sou Dona Ana, a mãe de Laurinha. Hoje, venho em nome das crianças deixar meu comentário. Os contos da tia Bete são encantados e ajudaram muito Laurinha e outras crianças a se interessar por leitura. Todos os contos e poemas ficaram lindos.
    Obrigada Bete e obrigada Jorge pelo blog.
    Saudades e abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Dona Ana pela leitura e gentil comentário. Estamos muito felizes pela sua companhia. Um beijo para as crianças e outra da você.
      Um ótimo domingo! Saudades

      Excluir
  4. Os contos de Elisabete eu já conheço. Já tive o prazer de ler e acompanhar sua trajetória. O poema de Jorge, publicado em 2018, também já conhecia, e lendo novamente, pude sentir uma emoção bem mais forte. É simplesmente divino. O poema SEM POESIA não "fugiu entre os suspiros" nem "fugiu na contramão ", porque nada de Jorge me passa despercebido, seus versos livres encantam qualquer poeta.
    O blog está de parabéns mais uma vez.
    Aproveito a oportunidade para comunicar a todos os amigos poetas e todos os visitantes deste blog, que Elisabete e eu, Rita de Cássia e Emiliano de Melo, estaremos publicando uma Antologia, chamada SONHOS DE POETAS. É uma honra fazer parte de uma obra poética desse nível, ao lado desses maravilhosos poetas, cujo trabalho vocês já vivenciaram por aqui.
    Abraços e até breve, se Deus quiser!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga pela ilustre visita e gentil comentário é agora parceira nesse lindo projeto de Antologia Poética. Parabéns e gratidão sempre. Bom dia!
      Um beijo em seu coração ❤️.

      Excluir