domingo, 13 de dezembro de 2020

Inspiração - Um Domingo com Elisabete Leite

 ANO II - EDIÇÃO Nº 420

Tema das Imagens - Inspiração


SEM INSPIRAÇÃO

Elisabete Leite

Hoje acordei sem inspiração
Meu dia amanheceu sem brilho
Os versos da poesia sem emoção
E as rimas sem nenhum estilo...

Um grito preso na garganta,
Sufocava a minha respiração
Lágrimas regavam as plantas
Para elas não perderem sua ação...

O arco-íris não mostrou suas cores
O sol nem resplandeceu no céu
No coração somente havia dores
Enquanto as rimas voavam ao léu.

Meu dia amanheceu só nostalgia
Como uma Primavera sem Flor,
Saudosos são os versos da poesia
Ah! Sentimento que o tempo levou.

VIVO SEM PRESSA
Elisabete Leite

A vida vai passando, bem depressa
O tempo não espera para acontecer
Não sei viver caminhando na pressa
Sou grata pela vida, faço por merecer...

O tempo passa em grande velocidade
Sonhos chegam, sem eu nem perceber
Trazem realizações, a plena felicidade
Vivo sorrindo, é um modo de agradecer...

Não fico sentada em cima do muro
Faço escolhas, tomo boas decisões
Oferto, sempre, sentimento fecundo
Os fortes abraços e aperto de mão...

Demoro nos carinhos, passo meu calor
O dia a dia já é áspero, sou bem suave!
Sobrevivo sim, em cada gesto de Amor
Sou leve como pluma e voo como ave.

VOCÊ DISTANTE
Elisabete Leite

O verão chega sem luminosidade!
Não vejo o sol que é fonte de calor
Sem sua presença, vivo na saudade
O tempo escurece sem o seu amor...

Sem você, o meu dia é só tristeza
O vazio toma conta da minh'alma
Minha poesia perde a sua beleza
Sua ausência rouba toda a calma...

Não posso viver com você distante!
Se você é a centelha que me alumia
Ainda sinto o seu carinho constante
Fico sem inspiração para tecer poesia...

Não sei, se tudo, é sonho ou realidade!
Penso que nossa história está esquecida
Ah! Como dói essa tal da saudade!
Amo você por toda a minha vida.

 DOCES SAUDADES
Elisabete Leite

Saudade dos tempos de outrora
Da minha tranquila casa no campo
Do balançar na rede da varanda
E do inebriante aroma de alecrim...

O café quente cheirando no fogão
O bolo de fubá na mesa do terraço
Da paixão que ficou pelo caminho
Do primeiro beijo e do forte abraço...

Saudade do banho de chuva no quintal
Da natureza que acenava para mim
Ah! O cheiro forte de terra molhada!
E o gorjeiar da passarada no jardim...

Morar no campo era viver cada segundo
Era aprender saudáveis lições, todo dia
Minha vida era uma aquarela de cores
Sim, lá a felicidade realmente existia.

NATUREZA É AMOR (Sondel)
Elisabete Leite

Ah! O melhor da vida é saber amar
Sentir a brisa suave acariciar a face
Contemplar o belo de uma noite de luar
Deslumbrar-se com estrelas e seus enlaces...

Com é bom sentir o sopro do vento!
O abraço acolhedor da Mãe Natureza
Olhando o sol nascer lá no horizonte
Sabendo que a vida é repleta de riqueza
E se o sol insistir em não aparecer
Deixe a luz da essência resplandecer
Olhe para o céu e agradeça por tanta beleza.

ESQUECI VOCÊ!
Elisabete Leite

Sim, já não sinto a sua presença!
Esqueci os nossos sentimentos,
Joguei fora os meus carinhos por ti
Rasguei o diário dos nossos momentos...
Ah, difícil colocar um ponto final!
Quando reticências persistem em continuar
Insistindo em nosso sonho de amor
Trazendo à tona os instantes de dor...
Não quero reviver tristezas e sofrimentos
Nem falar de solidão e melancolia
Sentimento sem amor é puro tormento
Prefiro continuar tecendo minhas poesias...
Quero riscar você da minha vida
Apagar de vez, você, da minha história
Melhor caminhar sem norte, perdida
Que deixar você ocupar a minha memória...
Você, por mim, somente tinha desprezo
Meu amor já não morava em seu coração
Relacionamento sem amor, eu não mereço
Vou ficar só, é minha escolha, e decisão!
Continuar com esse sentimento é tolice
Não irei preservar o que machuca e faz doer
Eu prefiro seguir um outro caminho,
Ser feliz, viver livre e parar de sofrer.
Pequenos Contos para Ler aos Domingos

O conto que postamos hoje, da poeta e contista Elisabete Leite, foi publicado na Revista Revista The Bard de dezembro. Junto ao conto publicamos a capa da revista e foto do conto publicado e o endereço eletrônico da mesma. Parabéns  Elisabete Leite por mais uma conquista no mundo literário.

MISTÉRIO NO HOTEL CENTRAL
Elisabete Leite

Alfredo acordou enauseado pelo cheiro forte de cerveja choca que vinha do bar daquele hotel xexelento. Ele fixou seu olhar em um ponto qualquer, e disse:
- Deus, que final de semana sinistro! 
O silêncio foi quebrado pela voz da arrumadeira dos quartos:
- Bom dia! Posso arrumar o quarto?
- Obrigado senhorita, mas eu quero ficar sozinho! Respondeu-lhe.
O vento soprou forte e trouxe consigo recordações dos momentos que antecederam à morte fatídica do amigo Miguel...
Alfredo foi retomando passo a passo, e lembrou que havia saído mais cedo do Banco para se encontrar com o amigo. Lá, Miguel fez um convite para eles e mais duas amigas passarem o final de semana naquele hotel...
Alfredo e Miguel marcaram o passeio para o dia seguinte... Os rapazes acordaram e foram apanhar Sandrinha e Amélia, que já esperavam por eles... A viagem foi longa até o Hotel Central. O local tinha aspecto desagradável, mas era rodeado pela natureza. Depois de acomodados em dois quartos, eles foram tomar cerveja no bar do hotel. Após muitas geladas, resolveram dormir. Alfredo saiu com Amélia e Miguel com Sandrinha... De repente, um grito rasgado e um tiro solto no ar. Alfredo tomou um susto, percebeu que Amélia não estava na cama, e saiu correndo até o quarto do amigo... Chegando lá, ele encontrou Miguel morto no chão. E observou que Sandrinha também não estava no quarto. O mistério era triplo! Pouco depois, um policial chegou e solicitou que Alfredo não se ausentasse do hotel até segunda ordem... Alfredo foi despertado das suas recordações, por um policial que explicou o que acontecera na noite anterior:
- Boa tarde, senhor Alfredo! Pela manhã, encontramos no matagal, os corpos de Sandra e Amélia, e do ex-namorado da vítima Sandra. Junto ao mesmo estava à arma dos crimes e do suposto suicídio dele. Vamos abrir inquérito para elucidar essa tragédia. Portanto, o senhor por hora, está dispensado. Alfredo retornou ao trabalho, e foi ao velório de Miguel. Os tempos passaram... Alfredo nunca se esqueceu da morte do amigo e das duas colegas, por questões de ciúmes... Ele só não conseguia entender o porquê da morte de Amélia. 
Mas isso, será outra história.





17 comentários:

  1. Hoje, a página de domingo, aqui em nosso Blog Maçayó está extremamente emocionante; eu estou chorando sem parar, comovida pela tamanha sensibilidade da partilha. Portanto, tentarei sintetizar o máximo possível meu comentário, porque deixarei para meus amigos poetas, familiares, e leitores registrarem as suas devidas apreciações sobre minha arte literária e poética. Convém salientar, que tudo compartilhado por aqui, sempre, respira muita poesia extraída do âmago da alma e do coração de cada poeta, e comigo não seria diferente, é importante afirmar que a grande maioria dos meus poemas nostálgicos são apenas devaneios poéticos, são voos sincronizados pela minha imaginação. Minhas rimas azuis que tanto gosto de tecer.
    Um domingo de fortes emoções com muita riqueza de expressão, em meus diferentes olhares, e excelentes mensagens para todos os apaixonados. Uma página diversificada com um pouco de tudo é muito mais.
    Em meu Conto compartilhado hoje, deixo o mistério no ar, que é a primeira parte de uma narrativa surpreendente, regada a muito suspense policial e muito mistério. Esse CONTO (MISTÉRIO NO HOTEL CENTRAL) foi compartilhado em uma revista sensacional, renomada e internacional chamada "Revista The Bard; que destaca diferentes temáticas, como: poesia, arte e música. Valorizando antigos e novos escritores, pérolas que pertencem ao mundo das artes.
    Quero comentar sobre o cenário encantador, que na verdade, são maravilhosas imagens poéticas, telas magníficas que ajudam a embelezar ainda mais o Blog de hoje, que são imagens inspiradoras que representam uma genuína arte.
    O meu irmão, grande poeta Jorge Leite, encanta o domingo no Blog com a sua deslumbrante arte final. Aproveito para salientar que ainda não parei de chorar pela gratidão que dedico ao meu querido irmão, também poeta, Jorge Leite por mais uma belíssima e significativa página do nosso Cantinho do Saber.
    Enfim, tudo muito lindo por aqui!
    Parabéns a todos pelo sucesso do Blog! Um show de leveza, muita sensibilidade e fortes emoções. Aplausos pela adorável partilha 👏👏👏👏👏
    Quero agradecer aos poetas, leitores e visitantes pelas constantes interações e pelo carinho de sempre. Beijos no coração de cada um ❤️💙. Um ótimo domingo a todos!
    Muita fé, esperança, paz e calma porque já é quase Natal.
    Hoje, compartilhei no instagram um novo conto de mistério, intitulado UM DOMINGO SANGRENTO, agradeço antecipadamente a presença de todos.🤗🤗🤗

    ResponderExcluir
  2. Emocionante essa sensibilidade! Lindos textos e imagens! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada prima querida, pela adorável interação e gentil comentário. Bom domingo, com muita inspiração. Beijinhos 😘❤️🌹

      Excluir
  3. Elisabete o seu choro conforta nossos corações que apaixonados por você e sua poesia saltitam em ver tão belas palavras.
    SEM INSPIRAÇÃO casou com um pensamento de outrora que poderá estar na próxima semana ao lados dos amigos e leitores do macayo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada poeta amigo Emiliano de Melo pela ilustre visita e gentil comentário, sempre bom receber reconhecimento dos amigos. Beijo em seu coração 😘❤️.

      Excluir
  4. Estou inebriada com a essência das poesias da minha Grande amiga poetisa Elisabete Leite, poesias essas, que foram extraídas do seu íntimo revelando o amor e suas formas de sentir, seja sem inspiração,sem pressa,na distância, na saudade, na própria natureza do amor, ou mesmo no esquecimento, tudo se faz presente, com sua inspiração, a Bete solta o verbo do amor em todos os tempos. Parabéns Bete, parabéns poeta Jorge Leite, o blog Macayo em uma grande harmonia com poesias e contos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga querida pelo carinho e verdadeira prova de amizade. Fico lisonjeada pela ilustre visita. Beijinhos em seu coração 😘❤️🌹

      Excluir
    2. De nada querida é um prazer comentar e fazer parte deste precioso blog Macayo. 😘😘😘😘😘

      Excluir
  5. Elisabete sempre nos emociona com sua forma simples, mas profunda, de escrever. É perfeita nas rimas, é perfeita nas prosas, e nos seus contos, os escritos são poéticos. As histórias que cria têm um sabor suave de mistério! É muito bom escrever contos desse gênero com a suavidade de suas palavras. O melhor é, quando deixa para o leitor, a liberdade de criar seu próprio final.
    Parabéns a você e ao Jorge pela escolha das ilustrações.
    Parabéns aos visitantes pela feliz oportunidade de apreciar tão lindos poemas!
    Até breve, se Deus quiser!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga querida e grande poeta pelo sábio e carinhoso comentário. Sou sua fã e você está sempre contribuindo com nosso Blog. Preciosos são os seus poemas.
      Beijinhos em seu coração 😘❤️🌹

      Excluir
  6. Estou ansiosa pela página do Natal. Já preparei um conto (inédito) para esse nosso encontro. Bjos

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia a grandiosidade da poetiza, como também não faço noção da profundidade que terá o desfeiuche desse poema. Que domingo tenebroso e que mistério trará o final dessa trama. É mesmo um saboroso trágico mistério que a sede de Belo antes do final nos deixa mesmo de boca seca. Elizabete não te conheço mas tenho a certeza que já nos encontramos em outros tempos. Minha admiração por te e pelo teu trabalho começa hoje porém parece ter muitos tempos existência. Ainda irei te conhecer pessoalmente de presença matéria. Um grande beijo com muita admiração respeito por te e por seu trabalho o qual vai além da imaginação. Aplausos e beijos.
    Baltar Filho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou lisonjeada pela sua ilustre visita e tão carinhoso comentário, fico muito feliz que tenha gostado do meu trabalho é gratificante ser reconhecida pelos leitores e amigos. Um excelente entardecer de domingo.
      Forte abraço! Seja bem-vindo!

      Excluir
  8. Elisabete sempre nos surpreendendo com seus poemas belos. Gostaria muito de saber que final você escolheu pra essa trama. Imagino que seja tão surpreendente quanto à beleza dos seus poemas.
    Muito legal tudo que vemos por aqui
    Parabéns ao blog Maçayó.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga obrigada pela ilustre visita e gentil comentário. Estou muito feliz pela presença e carinho de todos.
      Esse conto terá continuação essa é a primeira parte. Logo, iremos compartilhar a segunda parte e final. Beijos 😘❤️

      Excluir
  9. Fica difícil, para mim, comentar os trabalhos de Elisabete Leite já que ela me tem como um avaliador de seus trabalhos. Lembro, de um entardecer em Itamaracá, quando Betinha (é assim que a chamamos em família) mostrou um poema, sobre a ilha, que estava desenvolvendo e pediu minha opinião. Falei algumas coisas e a partir daí tenho acompanhado seu crescimento e amadurecimento como poeta e contista. Não acho que a influenciei, acho que apenas acompanhei seu desabrochar. Talvez tenha auxiliado a despertar o que já existia em sua alma, pois diferente de muitos poetas Betinha descreve sua alma em seu poetizar. Parabéns minha querida irmã. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querido irmão pelo carinho, pela oportunidade de conviver contigo, pelo nossos laços de família. Tu sabes que sou tua fã e sua atenção muito me alegra. Gratidão e boa noite!
      Beijos 😘❤️

      Excluir