domingo, 30 de maio de 2021

O Menino Que Queria Voar

 EDIÇÃO Nº 445
 

 CANTINHO DA TIA BETA
 
  ADÃO, O MENINO QUE QUERIA VOAR

Adão era um garoto como outro qualquer, nas suas horas vagas, vivia brincando com os coleguinhas na rua e, gostava de jogar bola, de competir no vídeo game, de andar de bicicleta, que era o seu hobby preferido, e de correr ladeira abaixo. O garoto era proveniente de uma família muito humilde, ele morava com os pais no Alto da Luz, em um subúrbio afastado da cidade, seus pais eram Catadores de Lixo, de onde eles tiravam o dinheiro para o sustento da família. Adão tinha um irmãozinho de três anos, o caçulinha do doce lar...
E mal amanhecia Adão já estava de pé, pois seus pais saiam muito cedo para labuta diária e, ele precisava cuidar do irmão menor, o dócil Carlinhos, ainda muito pequenino que até chupava chupeta. O garoto dava banho, alimentava o irmão e levava-o para Creche. Adão, depois dessa exaustiva rotina, ia para à escola, na saída da mesma, ela apanhava o irmão na Creche e seguiam subindo e descendo ladeira, às vezes com Carlinhos no colo, até chegarem em casa... Já em casa, ele começava tudo de novo; dava banho no irmão e almoçavam juntos, depois ficava esperando os amigos para as brincadeiras vespertinas, enquanto Carlinhos dormia. Adão vivia aprontando com seus animais de estimação, ele puxava o rabo do gato Mimi, escondia a comida do cachorro Totó, balançava a gaiola do periquito Arnaldo e, ficava lá dizendo: - Ainda vou te soltar, pois você precisa voar e voar à procura de um ninho! Ele ficava lá olhando para a beleza do passarinho e, nem via o tempo passar. À noitinha, era hora de seus pais voltarem da lida diária, para o garoto poder respirar melhor e realizar as tarefas escolares. Quando seus pais chegavam sempre traziam algo novo; um carrinho para Carlinhos ou outros brinquedos interessantes para Adão, tudo achado no lixão. Seu pai carinhosamente lavava e pintava os achados, deixando-os novinhos, especialmente para os filhos. Adão aos onze anos de idade tinha um sonho, ele queria voar para poder conhecer outros lugares, cruzar novos horizontes e ultrapassar seus limites...
Um certo dia, Adão amanheceu diferente, sentia dores pelo corpo todo, um mal-estar constante, uma pontada na cabeça e febre. Sua mãe vendo o estado do filho falou para o marido que iria ficar em casa. Ela entrou no quarto de Adão e ficou conversando com ele:
- Meu querido filho, o que você tem?
- Não sei mamãe! Estou me sentindo estranho. Eu posso não ir à escola hoje? Perguntou-lhe o garoto.
- Sim querido, você pode ficar descansando, que hoje não vou trabalhar e cuidarei de Carlinhos. Respondeu-lhe sua mãe.
Assim, ele ficou bem quietinho descansando... De repente, ele sentiu como se alguém estivesse olhando para ele, pois Adão já não sabia se era sonho, sintomas da febre ou se tudo era real. Logo, o silêncio foi quebrado por uma voz suave que dizia:
- Menino Adão, você está me vendo? Eu sou o Arcanjo Rafael e vamos voar juntos.
- Eu posso vê-lo, senhor Arcanjo! O que é um Arcanjo? Ah, é verdade que vamos voar?! Perguntou-lhe o garoto.
- Sou Arcanjo da saúde e da cura. Adão, “Arcanjo significa, Anjo Principal, isto é, o mais importante e está na hierarquia divina acima dos Anjos...” Claro que vamos voar, eu quero que você conheça um lugar bonito. Respondeu-lhe o Arcanjo.
- Oba, o meu sonho será realizado, mesmo doente eu vou voar! Disse-lhe o garoto chorando de felicidade.
- Não se preocupe Adão! Segure minha mão com força, feche os seus olhos, que já vamos alçar voo. Disse-lhe o Arcanjo.
Assim, Adão segurou bem firme uma das mãos do Arcanjo Rafael, fechou os seus olhinhos e sentiu a brisa fria beijar-lhe o rosto. Logo, o Arcanjo mandou Adão reabrir os olhos, foi quando ele percebeu que estava voando. O garoto ficou fascinado com a beleza do cenário, ele já não sabia para onde olhar primeiro, pois lá do alto Adão podia contemplar as ondas espumantes que quebravam à beira-mar, podia se balançar nas nuvens, rodopiar e girar no ar, ele podia até voar com um bando de Andorinhas que passeavam voando pelo azul do céu, dando um espetáculo à parte. Porém, o que deixou Abel bem triste, foi quando ele viu crianças abandonadas que dormiam pelos bancos das praças, com frio, com fome e com sede. O Arcanjo percebeu que o garoto estava chorando e perguntou-lhe:
- Por que choras, pequena criança?
- Eu choro com pena das crianças que estão sozinhas, sem família, sem carinho, sem comida, sem escola, sem casa e sem nada. Respondeu-lhe Adão.
- Poupe suas lágrimas, Anjo Menino, porque muito ainda você tem para chorar. Disse-lhe o Arcanjo.Poucos minutos depois, eles chegaram ao local pretendido, um lugar nunca visto antes pelo garoto, o cenário era deslumbrante, com muita relva verde e o colorido das flores, que deixavam o ambiente tranquilo, parecia até um Paraíso. E logo, Adão perguntou:
- Senhor Arcanjo, onde estamos? Tudo aqui parece tão perfeito!
- Adão, análise o que é perfeição para você! Diga-me o que você não pode ver aqui? Perguntou-lhe o Arcanjo.
- Senhor Arcanjo, eu não vejo meus pais, meu irmão, meus amigos, meus brinquedos achados no lixão, minha cama, minha casa, minha escola, não vejo meus animais e nem àqueles que amo. Sabe o que vejo: Minha família chorando por mim. Respondeu-lhe Adão.
- Então, para que voar, Adão! Se tudo que você precisa, você já tem! Saiba que estarei sempre te protegendo. Disse-lhe o Arcanjo.
Como em um passe de mágica, tudo desapareceu e Adão escutou a voz suave da sua mãe:
- Você se sente melhor, meu filho amado? Você estava falando sozinho?
- Oh mamãe querida, estou me sentindo muito melhor! Acho que estava sonhando. Respondeu-lhe o garoto.
Adão se levantou da cama, parou em frente a gaiola, abriu a portinha da mesma e deixou o periquito Arnaldo voar à procura de um ninho...
Os tempos passaram e Adão tornou-se um rapaz inteligente, responsável e honesto, foi trabalhar para o seu sustento e da sua família, ele não queria mais que os seus pais trabalhassem no lixão, pois ele queria que seu irmão terminasse os estudos. Desde aquele dia Adão sempre pede proteção, para ele e para sua família, ao Arcanjo Rafael.
E vocês acreditam em anjos?!

Elisabete Leite
 
 MENINO DO SINAL
De: Pedro Passamani

Faz caretas, malabarismos,
Saltita, faz mil piruetas.
Esse é o seu ardil e sofismo,
Para ganhar algumas gorjetas.
Menino do meio da rua.
Da prole é o caçula,
Tenta a mãe ajudar.
Sorri para um, outro adula.
Tomou a obrigação como sua.
No meio dos carros
Sempre a se arriscar.
Destino incerto, vive sozinho,
tentando a vida ganhar.
Acanhado estende a mão,
e pede uns trocadinhos,
Jogam moeda sem lhe enxergar.
Durante o sono, viaja é feliz.
Sai do submundo, ri um pouquinho.
Espanta a angústia e diz:
Errei tanto, ou o mundo é mesquinho?
É domingo de brisa e sol.
Meninos vão ao estádio,
Com seus pais.
Para ele, não tem futebol.
Domingo no sinal,
Pode ganhar mais.
Ganhar a vida no sinal.
Para o menino é uma festa.
Quer ser honrado, não um marginal.
vai aproveitando do sinal,
Somente o que presta.
Não se importa com o desdém
Está trabalhando,
Trabalho não e humilhação.
Não brincou, amadureceu cedo.
É verdade. menino do sinal,
É desgoverno, é omissão,
Da desumana autoridade.
 
  LEITURA DE DOMINGO
 

IBGE: Brasil tem 4,6% das crianças e adolescentes em trabalho infantil

Dados divulgados são referentes ao ano de 2019

Publicado em 17/12/2020 - 10:11 Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Em 2019, o país tinha 38,3 milhões de pessoas com idade entre 5 e 17 anos, das quais 1,8 milhão estavam em situação de trabalho infantil. Houve redução de 16,8% no contingente de crianças e adolescentes em trabalho infantil frente a 2016, quando havia 2,1 milhões de crianças nessa situação. Proporcionalmente, o Brasil tinha 5,3% de suas crianças e adolescentes em trabalho infantil em 2016, percentual que caiu para 4,6% em 2019. 

Os dados constam da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua - Trabalho das Crianças e Adolescentes divulgados hoje (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No ano passado, havia 706 mil crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos de idade ocupadas nas piores formas de trabalho infantil. Em 2016, esse contingente era de 933 mil. Percentualmente, 45,9% das crianças que trabalhavam estavam ocupadas em atividades perigosas em 2019. Em 2016, esse percentual era de 51,2%. Qualquer forma de trabalho é proibida no país para quem tem até 13 anos.

De acordo com a Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil, a operação de tratores e máquinas agrícolas, o beneficiamento do fumo, do sisal e da cana-de-açúcar, a extração e corte de madeira, o trabalho em pedreiras, a produção de carvão vegetal, a construção civil, a coleta, seleção e beneficiamento de lixo, o comércio ambulante, o trabalho doméstico e o transporte de cargas são algumas das atividades elencadas.

Segundo a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Maria Lúcia Vieira, a diminuição do trabalho infantil pode ser explicada, em parte, pelos programas de transferência de renda que tinham como objetivo evitar a evasão escolar.

Entre as crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil, 66,4% eram homens e 66,1% eram pretos ou pardos, proporção superior à dos pretos ou pardos no grupo etário dos 5 aos 17 anos de idade (60,8%).

Na população de 5 a 17 anos de idade, 96,6% estavam na escola, mas entre as crianças e adolescentes em trabalho infantil, essa estimativa cai para 86,1%.

Entre as pessoas em situação de trabalho infantil, 53,7% estavam no grupo de 16 e 17 anos de idade; 25% no grupo de 14 e 15 anos e 21,3% no de 5 a 13 anos de idade.

Os grupamentos da agricultura e do comércio e reparação reuniam, respectivamente, 24,2% e 27,4% dessas crianças e adolescentes. Somadas, essas duas atividades reuniam mais da metade (51,6%) da população em situação de trabalho infantil.

O rendimento médio real das pessoas de 5 a 17 anos em situação de trabalho infantil que realizavam atividade econômica foi estimado em R$ 503. Já o rendimento médio da população de cor branca era de R$ 559 enquanto de cor preta ou parda é R$ 467.

Trabalho Infantil no Brasil
 
  LENDÁRIO PAI FRANCISCO
 
Pai Francisco entrou na roda, avante!
É inesquecível, não sai da memória, marcante!
Tão profundo que nos faz voltar no tempo, emocionante!
O menino entrava na roda tocando o seu violão, deslumbrante!
Do outro lado entrava o delegado e o conduzia para prisão, confusão!
Organizava-se uma grande roda, dava-se início a performance, uma perfeição!
Todos empolgados seguiam uma hilária melodia com palmas, vibração!
"Quando ele vem se requebrando, parece um boneco se desmanchando, uma atração!
A gurizada cantava e chorava, a brincadeira parecia ser verdadeira, empolgação!
"Quando ele vem todo desentoado parece um boneco desengonçado, animado!
A representação chegava ao final, abraçavam-se, os olhos lacrimejavam, já com saudades, realizados!
Pai Francisco é um sonho de infância maravilhoso, um conto infantil fabuloso, muito engraçado!

              Baltazar Filho
      12 de outubro de 2012
 
 POETA GERALDINHO

Em um dia sombrio, um amigo partiu, parecia um sonho.
Deixou no coração dos seus amigos, um temporal de saudades
Registrando na história de nossa terra, a partida de um imortal.
O poeta viveu carnaval, dançou frevo, no palco encenou.
Nos livros compôs versos e melodias
Escreveu contos e poesias, com maestria o seu legado consagrou
No caminho da inteligência semeou a sua semente
Marcando eternamente o seu talento de ator
Precocemente foi-se deixando o universo chorando de saudades
Partiu um poeta-ator, foi contracenar no cenário eterno, no palco da eternidade.

              Baltazar Filho
        25 de agosto de 1982
 
 

 ENCONTRO DE POETAS
 
 AQUELE TEU AMOR JOVEM

Tudo que eu poderia
Dizer sobre você
São sentimentos intensos demais
Para serem descritos

São rimas irregulares
Em versos tortos
São lágrimas erradas
Em paixões crescentes.

É você, e é muito maior que a gente.

Gabriela Mota
João Pessoa PB.
 
  REFÉM

Mais uma noite de lua,
Não posso sair.
Sou refém de um mal constante
Que rasga minha pele como navalha afiada
E me queima os olhos como ácido puro.

Mais uma noite de lua,
Não posso sair.
De braços e pernas atados
Sigo minha sina amarga
De tanto pecado já confessado
Não posso mais fugir.

Mais uma noite de lua,
Não posso sair.
Sou refém de uma culpa passada,
De maldição herdada
Que poderia ser evitada
Se tivesse fincado uma bala de prata
Em meu coração sombrio.

Mais uma noite de lua,
Não posso sair.
Sou um caçador sedento,
Refém da licantropia,
Que toma minha consciência e suga minha alma,
Que me faz solitário e me priva o amor.
Sou homem, sou lobo!?
Sou lobo, sou homem!?
Já não sei mais quem sou!

Carlos Gutemberg Jr.
25/05/2021

  SER ESCRITOR

Ser escritor é tecer sonhos, com arte
Transformando-os em realidade viva
É enxergar sentimentos em toda parte
Voar alto pela sua imaginação criativa...

É aquele que faz sorrir e também chorar
Que pode despertar as nossas emoções
Retira d'alma o genuíno sentido de amar
Leva o leitor a deleita-se de toda sensação...

O escritor escreve com leveza e liberdade
Mensagens que fluem de dentro do coração
Encanta a todos com a sua sensibilidade...

Brinca com palavras faz fluir à sua inspiração
Transmitido-nos carisma, paz e suavidade
Pelos escritores, eu tenho grande admiração.

Elisabete Leite
 
  A ESPERAR...

Aqui estou contando as horas
Os segundos e minutos pra lhe ver
Pra beijar a sua boca e sentir
O meu corpo latejando de prazer.

Sua ausência fixada em minha mente
Me enlouquecendo de desejos
Faz um vazio tão plangente
Este vazio de você!...
 
Essa ânsia por lhe ver
Essa saudade de doer
Que quando pulsa no meu peito
Se transforma em agonia
Meu amor, onde está você?

Rita de Cássia Soares
Pirpirituba 27/04/2021
 

LUA

Coisa engraçada!...
Dias atrás Júpiter corria como louco
Totalmente alucinado, procurando por ela
Ontem observei que apenas Júpiter
Se apresentou para nós
Sua encantada não se encontrava
Neste lindo cenário chamado de céu!
Perguntei ao sol onde estava a lua
Que hoje não apareceu? Ele respondeu:
- "Tenha calma! As mulheres são assim mesmo!
Elas demoram pra se arrumar
Mais tarde ela surgirá entre o céu e a terra!"
Entretanto, o tempo estava nublado
Talvez ela não queira molhar
O seu vestido brilhante
Mas pode ter certeza que ela surgirá
Quando o céu estiver bem varrido
Com seu salão livre
À espera de uma linda moça
Símbolo do AMOR, a LUA!

Emiliano de Melo
Guarabira,15/07/2019 

 
 
Todas as Imagens foram editadas com o software Picosmos Tools
 

 
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 

domingo, 23 de maio de 2021

Feliz Aniversário, Elisabete

  EDIÇÃO Nº 444
 

 CANTINHO DA TIA BETA
 
ELISABETE!

Amiga, obra primorosa da natureza.
Falo inspirado em um ser grandioso de infinita beleza.
Ela é uma amiga fiel, que nos transmite, lealdade, segurança, certeza.
Ela é mesmo pura verdade extraída das melódicas proezas.
Uma Poeta ímpar, exímia contista, merecedora de todos os confetes.
Seu sobre nome é Leite, realeza!
Seu nome é de nobreza, Elisabete!

                Baltazar Filho
          17 de maio de 2021

Poeta Colibri

Tu és mensageira dos deuses,
Herói que salva a humanidade
Da fome de amor.
Rainha dos jardins encantados
Que celebra a paz
De flor em flor.
Alma dos guerreiros mortos
Que voltam em forma de beija-flor

Tua força quando invocada
Cura os males do amor.
Tu és pensamento positivo,
Alegria de viver,
Usa as dores sentidas
As mais doloridas
Para mostrar que a vida
É viver, é viver.

Quando pequena não querias crescer
Continuar menina para nunca sofrer
Mas a dor nos ensina
Que não adianta correr
Que mesmo sofrendo podemos aprender
E ensinar que com amor
Vale a pena viver.

Betinha irmã, poeta e amiga
Escreves com alma de colibri.

Feliz Aniversário, Betinha!

Jorge Leite, Madalena - 18/05/2021


Parabéns Elisabete!

Hoje é o dia da sua felicidade
Do encanto da prosa e da poesia
Pois é o seu aniversário de verdade
E não aquela mera fantasia

Vamos cantar e alegar o seu dia
Deixe a  emoção com a gente
Permita a você muita alegria
E mostre seu sorriso contente

Você é o verso e o ritmo do coração
O conto do trama e da emoção
E por todos nós és muito amada

Parabéns, paz saúde e felicidade
Que Deus ilumine nossa amizade
E que sua vida seja iluminada.

Dueto: Rita de Cássia Soares
Emiliano de Melo
19/05/2021

Escrevo

Para que serve um caderno novinho em folha?
Serve para ser riscado da forma que o seu dono quiser,
Não faço risco nem rabisco, escrevo.
Ao lado de uma  poetisa
Fico sem palavras, Elisabete;
Uma poesia não é construída sem inspiração,
Buscar caminhos para alcançar a poesia não é fácil.
Onde está a sensibilidade que a poesia requer?
Como não sou poeta escrevo.
Um lápis entre os dedos faz surgir pensamentos:
Não sei se subo ou desço,
Não sei criar um soneto
Não sei criar um quarteto,
Não sei criar um terceto
Não sei se a tinta é branca,
Não sei se a tinta é preto
Se não subo e não desço,
Não sei criar um soneto
Escrevi, escrevo, escrevo.

Em homenagem à poetisa Elisabete Leite pela passagem do seu aniversário.

Emiliano de Melo
19/05/2021
 

 LEITURA DE DOMINGO
 
UM PRESENTE ESPECIAL
.
            Era início da Primavera, a estação das flores, o clima estava agradável e as árvores pareciam sorrir de tanta felicidade pela nova floração. A campainha da escola tocou duas vezes anunciando o término do primeiro turno; o jovem Augusto fechou o livro que estivera lendo e foi se preparar para sua aula de natação, pois que o garoto amava praticar todo tipo de esportes, em especial a natação. O jovem ficava horas na piscina da escola exercitando os músculos, ele se justificava dizendo que precisava nadar bastante porque costumava ter cãibras nas pernas.
         
Augusto Alencar era um garoto considerado bonito, ele tinha olhos castanhos, cabelos com nuances da cor de mel, porte mediano e pele tão escura que parecia até uma jabuticaba madura; chamava atenção das pessoas quando passava, porém tinha uma particularidade nele, um semblante cálido, sua tranquilidade era de impressionar qualquer um. Garoto inteligente que apreciava a Fauna e a Flora em todos os detalhes; a natureza era a sua principal paixão. Ele não passava por uma árvore sem procurar sentir todas as sensações possíveis e impossíveis nela, usava frequentemente os cinco sentidos existentes e tantos outros imaginários, era como se fosse um poeta. Certo dia, ele saiu mais tarde da sua costumeira natação, e já era quase noite quando deixou o rol da piscina. Sentiu um calafrio de medo, quando olhou o longo corredor vazio, preenchido apenas pela sua própria sombra. De repente, ele começou a ouvir um choro baixinho e depois soluços contínuos; suas pernas começaram a tremer, olhou para um lado e para o outro e não viu ninguém; nenhuma viva alma. Resolveu apressar os passos e deixou o local com o coração em disparada, saltitava tanto que parecia até que queria sair pela boca. Augusto se dirigiu ao segurança da escola, e disse-lhe:
         - Senhor, eu ouvi um choro penoso lá no corredor.
          O homem não o levou muito a sério, e respondeu-lhe:
          - Jovem, não tem mais ninguém no prédio. Vá para casa!
          Nesse clima de mistério, Augusto vai para casa aéreo; como era sensitivo, sabia que o choro tinha sido real.
           No outro dia, Augusto percorreu todos os cômodos da escola e nada encontrou, foi na direção e registrou o ocorrido. Porém, no quadro de avisos um folheto com a foto de uma criança chamou a sua atenção, o conteúdo dizia: "Criança de apenas três anos encontra-se desaparecida". O rapaz dobrou o folheto, o colocou no bolso do blusão e ficou no rol da piscina esperando a noite chegar. O anoitecer desceu rápido, quando o prédio estava completamente vazio e silencioso, ele foi para o corredor

procurar desvendar o mistério da noite anterior. Logo depois, Augusto começou a escutar um choro de criança, ele foi apalpando as paredes ao longo de toda extensão do corredor, procurando sentir de qual local vinha o som; em uma determinada parte da parede ele sentiu a vibração do choro em seus dedos, gritou bem alto pelo segurança, que veio ao seu encontro. Logo, eles descobriram o local misterioso, um banheiro desativado dentro da biblioteca, e lá estava uma criança assustada, que não parava de choramingar. Augusto colocou a criancinha nos braços e a levou ao posto policial mais próximo da escola. No folheto tinha o telefone da mãe da criança que foi localizada em seguida... Augusto estava quase dormindo, na cadeira do posto, quando o silêncio foi quebrado pela mãe do inocente:
          - Boa noite! Como posso agradecer--lhe? Meu filho estava desaparecido há quase dois dias. Não sei como chegou à escola, provavelmente seguiu alguém, e com medo se escondeu!
           Augusto abriu um largo sorriso, e respondeu-lhe:
           - A senhora não precisa agradecer, o presente especial para mim, foi encontrar o seu filho sã e salvo. Agradeça a Deus! Que eu também irei agradecer pelo milagroso presente.
          O jovem Augusto saiu todo satisfeito, tocando as folhagens das plantas, sentindo o odor da natureza, suas diferentes sensações e cores.
          Os anos passaram depressa, a história teve um final feliz.
          A Natureza é sábia e a perseverança é um Dom Divino!
.          
Elisabete Leite
 
 
PRIMAVERE-SE

Primavere-se e deixe su'alma florir!
Libere o sensível aroma de jasmim
Que a Primavera também sabe sorrir
E as cores irão dar vida ao seu Jardim...

Permita o seu coração transbordar
Com o melhor sentimento, o Amor!
Que a Primavera também sabe amar
No momento do desabrochar da flor...

Primavere-se e deixe a vida florescer
Seja luz e ilumine o lado negro do dia
Que a Primavera também sabe viver...

Solte a voz e cante uma doce melodia
Deixe a sua essência resplandecer
Olhe para o cenário e enxergue poesia.

Elisabete  Leite 
 
 ENCONTRO DE POETAS
 
TEU SORRISO
Pedro Passamani

Esse teu belo sorriso
Em mim reacende quimeras
E desejos de um paraíso,
Que há muito se foi, já era.
Rejuvenesce-me o teu sorriso,
Com um vicejar primaveril,
Se você sorri nada mais preciso,
Torno-me alegre, forte e viril.
Teu sorriso é o desabrochar
De lindas flores na primavera.
Esse sorriso me faz sonhar,
E voltar a ser tudo que era.
Teu sorriso sempre ao dispor,
Sorriso inocente que acalma,
Com alegria, perpetuando o amor,
E balsamizando corpo e alma.
É esse teu sorriso, lenitivo na dor,
Para o sofrimento amenizar
É carinho, ternura e calor,
É o sentido pleno do amar.
Sorriso inocente de encantar
É safado, por vezes abrasador,
Delicado e displicente no cativar,
No querer é sempre provocador.
Teu sorriso é afago, é abraço,
É insidioso, discreto e bonito,
É tentador sem causar embaraço,
É sonhar com prazer infinito.
Esse teu sorriso me faz tremer,
Escraviza-me, causa dependência.
É vício que independe do meu querer,
Você sorrindo sem clemência.
Teu sorriso é alvorada no coração.
Me desperta, estimula e revigora,
Atiçando desejo, libido e paixão,
Fazendo querer-te ontem, hoje, agora...
 
TEU BEIJO
Pedro Passamani

Teu beijo, proposta atrevida,
Ainda menina sapeca
Foi o melhor da minha vida,
Proposta traquina, moleca,
Virou agonia e tormento,
Uma desenfreada descida
De raios do firmamento
Tudo confuso, luz dividida.
Tudo era apenas dúvida,
Total desalinho de pensamento.
Na mente só tua boca atrevida,
Da minha lama o único alimento.
Tua meninice mexe comigo,
Sinto teu beijo de puro mel,
Sei se é bênção ou castigo,
Se meu inferno ou meu céu.
Se te vejo, te escuto,
Sinto o ardor crepitar,
Não quero perder um minuto,
Escraviza-me o teu beijar.
Teu implorar é muito gostoso,
Tortura-me esse teu beijo
Tu és um dengo carinhoso,
Que me incendeia o desejo.
Perdi a maturidade e o brio,
Não disfarço nem faço segredo.
Sou um irresponsável vadio,
Perder teu beijo é meu único medo.
 
TEU ANIVERSÁRIO
Pedro Passamani

É teu aniversário,
Quero e vou te abraçar,
De carinhos vou fazer um rosário
Junto a meu peito, vou te gestar.
Neste dia meu colo é teu endereço
É um abrigo, que não vais recusar.
Meus braços, em forma de berço,
Com ternura irão te embalar...
Teu coração, faminto de amor,
Em meus lábios busca alimento,
Em beijos cheios de ardor,
Que eternizam o nosso momento.
Sem ver o tempo passar.
Trocaremos fluidos de ternura,
Além de felicidades quero te desejar,
Sucesso em toda a realização futura
Cavo no tempo estrelas e luz
Para presenteá-la com graça,
Compromisso que me impus,
E nada impede que assim o faça.
Sem pacotes coloridos,
Que somente os olhos seduz
Faço-te um presente atrevido
Dou-te  a pureza do cristal que não reluz.
Dou-te a magnitude de minha alma,
Na simplicidade do meu amor,
Ofereço-te, harmonia e calma,
Aconchego e todo o meu calor.
Quero-te, sempre resplandecente,
Com aroma sem igual.
Quero-te em essência, eternamente,
Até o dia do juízo e tal.
É teu dia, e que seja abençoado
junto aos que muito te amam
Esse dia deve ser comemorado
Por Deus, faz lindo o dia a ti dedicado...
 

 PRATA NORDESTINA

Aplausos para todos os artistas Nordestinos.
Que reverenciam os seus diversificados estilos com sapiência
Seletos talentos de alta potência em suas obras-primas
Cavalheiros e damas talentosos, sábios em suas inspirações.
Poetas que adornam o celeiro literário brasileiro e alegóricas tradições
Prata fina, ouro nobre conservadores de cavernas esculturais
Divulgadores de versos reais e enredos da ficção.
Ao brilho dos olhos, olheiros protetores de reservas naturais.
Apaixonados pela arte e amantes da nossa própria composição.

              Baltazar Filho
         29 de abril de 2019

FENÔMENOS NATURAIS

Luz que ilumina a vida
Vida iluminada pela luz
Luz divina conduz a vida
Vida conduzida na divina luz

Estrelas clareiam o hemisfério
Hemisfério clareia a Santa Cruz
Estrelas realuzem os seus mistérios
Hemisfério irradiado por raio de luz

Magnetismo das estrelas aviva o espaço sideral
Cruzeiro do Sul, formato de estrelas, fenômeno especial.
As nuvens tem um magnetismo que provoca o relâmpago e o temporal
O trovão é um fenômeno de causa e efeito sobrenatural.

                 Baltazar Filho
           10 de Maio de 2021

FELIZ ANIVERSÁRIO!

Feliz aniversário ao mais próximo
Feliz aniversário ao mais distante
Felicidades para quem está triste
Um sorriso alegre ao mais fascinante

Parabéns ao verdadeiro amigo
Aquele que é fiel e te estende a mão
Que nas horas difíceis está contigo
Aconselhando-te sem fazer sermão

Sinceridade abre a porta de um tesouro
Para a busca de um cristal dos mais possantes
Um amigo leal vale mas que ouro
É mais valioso que um diamante.

                  Baltazar Filho
        12 de outubro de 2019



CANTINHO DO CORDEL

PROBLEMAS DE FAMÍLIA:

Deus une homem e mulher
Pra família começar
Depois lhes concede filhos
Pra tudo se completar
Ainda dar Sabedoria
Pra viverem em harmonia
Num âmbito familiar.

A família gera o lar
Pra viver com retidão
Na presença de Deus Pai
De quem tem como missão
Se espelhar em Jesus
Ser na terra: sal e Luz
Rumo à santificação.

De evitar contradição
Transtorno, adversidade
Desavenças, mexericos,
Desconforto, insanidade
E a falta de amor no lar
Que em primeiro lugar
Só causa barbaridades.

Manter com serenidade
As regras do bem viver
Os desvios cometidos
Procurar reconhecer
Sem Deus para abençoar
Morar juntos não é lar
É forma de conviver.

O casal deve entender
Que o lar não é uma arena
Brigas, desentendimentos
Fazem da vida um dilema
Que sacrifício e tormento
A bem de um soerguimento
Rumo a Cristo vale a pena.

Diversos são os problemas
Que uma família tem
Vindos do Meio Social
Pela fraqueza de alguém
Que por inabilidade,
Descrença, imaturidade
Faz tudo que não convém.

Marido e mulher porém
Cometem seus cambalachos
Jogam a culpa um no outro
Dizendo: não sou capacho
Brigam por coisas banais
Num tal: “direitos iguais”
E: não vou ficar por baixo.

O homem diz: eu sou macho!
Aqui quem manda sou eu
Você está enganado!
A mulher já respondeu
O casal se angustia
Vive em frequente agonia
Porque não procura a Deus.

Falta trabalho ou perdeu
Não tem Base Financeira
Imposição e machismo
Não vão além de asneiras
Ciúmes, desconfianças...
E não foge da lembrança
O jogo e a bebedeira.

O homem se desespera
Sem ter onde trabalhar
Falta comida pros filhos
Não sabe como arrumar
Para esquecer a desgraça
Enche a cara de cachaça
Aumenta mais o azar.

Valdemar Guedes
Poeta Cordelista
Guarabira-Pb.