domingo, 18 de julho de 2021

Almanaque de Domingo

 EDIÇÃO Nº 452
 
  ANTES DO FUNERAL

          Albertina, entregue aos seus devaneios, olhava atônita a chuva pela vidraça turva da janela, que caia tempestuosamente e molhava o piso ocre da varanda. O dia estava pardacento, os ventos sobravam em todas as direções e, ela precisava ser forte, principalmente naquele momento, em que estava acometida pela dor da sua perda. A morte trágica e repentina de Alfredo Salazar estava deixando-a enlouquecida...
    
Logo ela iria para o funeral do amado esposo e começou a lembrar-se da noite anterior a sua morte. Alfredo estava diferente, entrou na sala de jantar cambaleando, falando alto como se estivesse discutindo com alguém, mas entrou surpreendentemente sozinho. Albertina que era casada há muito tempo com Alfredo jamais tinha o visto assim. Ela levantou seus olhos desanimados diante à cena, falou calmamente com o marido:
           - Querido Alfredo, venha tomar um pouco de chá comigo, é que estou sentindo você tão distante, como se estivesse ausente dos nossos momentos de amor. Sinto-me tão sozinha!
          - Querida Albertina, temos problemas financeiros, a nossa papelaria não está crescendo como eu pensava, com a nossa casa hipotecada é natural que eu esteja preocupado. Respondeu-lhe rápido, pois tinha um olhar perdido na imensidão do tempo.
          - Meu amado, vamos resgatar o seguro que você pagou durante tanto tempo. É para isso que serve querido! Disse-lhe Albertina.
          - Meu bem, o seguro que paguei foi de “vida” garante a proteção dos beneficiários aos herdeiros, em caso de meu falecimento, mas ainda estou vivo e quero continuar assim. Respondeu-lhe Alfredo e saiu imediatamente da sala.
          Albertina permaneceu tomando seu chá, ela estava temerosa pelos acontecimentos, mas precisava descansar, após o chá subiu, lentamente, as escadas em direção aos seus aposentos, foi quando entrou no quarto do casal que se deparou com a pior cena de toda a sua vida. Encontrou Alfredo baleado, caído no chão do quarto, completamente inerte, parecia morto e tinha um revólver em sua mão direita, o sangue escorria, ainda da cor de rubi, pela boca, nariz e ouvidos, seus olhos estavam esbugalhados, como houvesse levado um susto ou se surpreendido com alguma coisa. O cenário era de filme de terror, pois tinha sangue espalhado em várias direções.  Alfredo ainda chegou a ser socorrido, mas a residência do casal ficava muito afastada da cidade, dificultando o trajeto até o hospital e, o mesmo não resistiu ao ferimento da bala que perfurou o seu crânio e veio a falecer horas depois. Albertina chorou desesperadamente tudo que foi possível, que já não tinha mais lágrimas para derramar. Não conseguia entender o que tinha acontecido naquela fatídica noite, ninguém da casa escutou nenhum tiro, nem ela e nem os outros empregados que lá estavam e assim, todos foram interrogados. A causa da morte ficou notificada como suicídio, mas Miguel, o único irmão do falecido ficou desconfiado do resultado da perícia, pois Alfredo era canhoto e a arma que provocou a morte dele estava em sua mão direita. Porém a dor era tanta que Albertina já não raciocinava com precisão. O casal não tinha filhos e  ela precisava resolver tudo sozinha.
          Na manhã posterior à morte de Alfredo, antes do funeral, seria realizada a reconstituição da cena, muita dor para àquela mulher, tão sofrida, que soltava suspiros de tristeza pelos quatro cantos da casa. A chuva continuava a cair abundantemente, o som do tamborilar dos pingos da água nas vidraças despertava Albertina dos seus devaneios. Logo, o silêncio foi quebrado pela voz grave do mordomo que anunciava a chegada de Miguel e da polícia técnica.
          - Dona Albertina, o senhor Miguel já chegou e deseja vê-la.
          - Pode mandar entrar, por favor! Respondeu-lhe quase chorando.
          Todos aqueles acontecimentos causavam muita dor e sofrimento para Albertina, que se sentia usurpada, uma invasão de privacidade em sua vida. De repente, várias pessoas ocuparam os diferentes cômodos da sua residência, como também fazendo perguntas impróprias para ela, com teor maléfico. O pior momento daquela situação foi quando um policial perguntou para ela se o falecido era canhoto. A pergunta foi a gota d’água para Albertina que ficou tonta, não controlou o stress, e caiu desmaiada no chão da sala. Despertou já em seus aposentos, poucos minutos depois, ainda atordoada pelo enxame de perguntas mal intencionadas. Mais uma vez o silêncio foi quebrado, agora, pela voz firme do jovem Miguel.
          - Albertina, já está quase na hora do funeral. Estou aqui para acompanhá-la! Estão use preto para representar a sua dor!
         - Miguel, não seja tão sarcástico! Eu gostava de seu irmão e ele era muito importante para mim. Você melhor de que ninguém sabia que ele estava endividado e não suportava mais a pressão dos sócios.
          - Aplausos querida Albertina! Você sabe muito bem representar, é uma verdadeira artista, pois dormia comigo, quando o meu irmão viajava a trabalho, dizia me amar em nossas noites de luxúria, no aquecido do nosso ninho de amor, pois é à cama a nossa testemunha ocular, desse crime sórdido que você arquitetou.
          - Basta Miguel! Eu vou receber o seguro, vender alguns objetos e vamos embora daqui. Você sabe que te amo muito!
          - Albertina, tudo bem, eu vou retirar à queixa, para não ser preciso fazer a reconstituição da cena que foi adiada, hoje, por causa do seu suposto desmaio. Agora fique bonita que estarei te aguardando no carro.
          Miguel se afastou e seguiu em direção ao carro, procurava não ouvir os berros de Albertina que fingia chorar... O funeral transcorreu com muita comoção, pois lágrimas que escorriam dos olhos da viúva negra se misturavam com a chuva que insistia em não parar de cair, parecia até que era o choro do falecido.
      
Após o sepultamento, os policiais invadiram o cemitério, o delegado se aproximou da viúva e do irmão do falecido e disse-lhes:
         - Dona Albertina e Senhor Miguel, vocês estão presos pelo assassinato do senhor Alfredo Salazar. Vocês podem me acompanhar, por favor! O mordomo da casa procurou a nossa delegacia e mostrou um vídeo importantíssimo para elucidação do crime, onde à senhora atirava em seu falecido esposo na presença do senhor Miguel que foi o seu cúmplice na realização desse maquiavélico crime.
          Os tempos passaram... Albertina e Miguel foram julgados e culpados pelo assassinato e continuam presos respondendo pelo crime.

Elisabete Leite
 
 SORRISOS SEM RISOS

Foram tantos outonos matinais
Ah, tantas tardes sem o sol se pôr!
Muitos fevereiros sem carnavais,
Doces primaveras, sonhos de amor...

Tantos risos estampados no rosto
Carinhos, beijos e fortes emoções
O entardecer, as manias, os gostos
Uma saudade contida no coração...

Foram tantos invernos de solidão
E lágrimas que insistiam em cair
Um sol brilhante, porém sem verão...

Tantos lábios que não sabiam sorrir
Amor que sobreviveu por estações
E morreu na Primavera sem florir.

Elisabete Leite
 

POETRIX
Poema composto de título e uma estrofe de 03 versos (terceto), mas não confundir com o terceto, pois poetrix não é uma só frase dividida em 03 versos.
É variação do hai-kai (milenar japonês), mas de origem brasileira, criado pelo Poeta baiano Goulart Gomes.

FRANCISCANO
Dando recebemos,
consolamos ouvindo,
renascemos assis...tidos.

ALÍSIOS
E... ventos constantes
Amenizam a canícula,
Privilégio nordestino.

FAMÍLIA
Ancestrais ligações,
reencontros necessários,
resgates obrigatórios.

PROVAS
Resgate... ando,
Sigo vivendo,
Meu rumo... rezando

Rubens Barros de Azevedo
 
 Biografia
 
Rubens Barros de Azevedo, nasceu no Rio de Janeiro/RJ em 18/09/1937. Nos seus 82 anos é uma associação de disciplina e bom humor, dedicação e desprendimento, voluntário nato, esforço personificado em função de viver bem e melhor. Mentor e coordenador de eventos do Sarau Lítero Musical do Conselho Regional de Odontologia do RN - conhecido como Sarauterapia, desde 2004.
Preside a Sociedade Brasileira de Dentistas Escritores – SBDE. É membro permanente da comissão de organização do Congresso Sul Mineiro de Odontologia – COSMO, que se realiza há mais de 50 anos,
na cidade de Caxambu/MG. Titular da Academia Norte-Rio-Grandense de Odontologia. Graduado Cirurgião Dentista pela Universidade Federal Fluminense/1967, e nos seus mais de 40 anos de atuação clínica, oito foram exercidos em Portugal. Professor da Faculdade de Odontologia de Nova Friburgo, onde coordenou o Ensino e a Pesquisa.
Foi Presidente da Associação Brasileira de Fissuras Labiais e Palatinas/RN por 10 anos; hoje é Secretário da Associação de Pais e Amigos de Fissurados – APAFIS/RN. A sua forma de encarar as ações voluntárias como missão de vida, tem lhe rendido inúmeros títulos e homenagens, tais como: Homenagem por colaboração científica da Fundação de Ensino Superior e Centro de Ciências da Saúde Olinda/PE/1998; Honra ao Mérito e Troféu por relevantes serviços prestados à Odontologia Brasileira a Academia Tiradentes de Odontologia/2004 e ao Conselho Regional de Odontologia/RN/2005; Comenda Profª Lucy Dalva Lopes Mauro/2007; Honorário da Academia Caxambuense de Letras/MG; Homenagem da Câmara de Vila do Bispo/Algarve/Portugal. Já publicou 21 obras, entre as quais o livro Viver Melhor: É Possível? - 4ª edição. Nesta Coletânea se lança com nova proposta literária, e revela suas habilidades poéticas e cronicista. 


 ENCONTRO DE POETAS
  Eu sou assim...

Diariamente, me visto de Felicidade,
E me maqueio de Alegria...
Para ir "tocando" a vida sorridente,
Relevando as dores do dia a dia...

Brinco, sempre, com o que me faz sofrer,
Pois assim, minimizo a minha dor...
Uso isso, como escudo no coração,
Cansado, com o peso de tanto Amor...

Por isso, consigo sobreviver,
Me reinventando, todo dia, ao  acordar...
Minha Luz me suprindo de paz e Amor,
Reabastecendo, meu poder de Amar...

E assim, vou vivendo o meu viver,
Com a Poesia, como bálsamo, pra acalmar,
Meu Coração, já  cansado de sofrer,
Porém Feliz, de tanto se doar...

                 ❤️Tásia Maria
 
 DEVANEIOS NA PRAIA

Fui na praia e, observando o vai e vem das ondas, reencontrei nesses raros instantes da vida, uma calma íntima, um verdadeiro sentido de paz.
Meus próprios desenganos ou tristezas se afogaram em suas profundezas.
Observei um ponto distante, longínquo e fiquei pensando em  "VOCÊ ".
Seu vulto refletido nas águas verdes do Mar, vaguea disforme com as  ondulações frenéticas que a brisa marítima agita.
Volto a realidade .
De repente tenho a impressão de que a inquietude  das ondas, são mãos que me acenam trazendo- me lembranças singelas de você.
Por sobre as águas, como por encanto vislumbrei seu sorriso e escutei no sussurro do vento, sua voz envolvente a dizer-me:
__Como vai você ?
Estonteante e incontrolavelme ansiosa, voltei a ficar triste com o monótono soluçar das ondas que também choravam comigo.
 
Marizete Santos.
 

 
 CONSTRUINDO RIMAS

Escrevi um poema em tom de brincadeira
Um amigo boçal se atreveu a fazer
Arriscou-se nas rimas com boas maneiras
Mesmo sem rimas se arriscou a escrever.

Ficou divertido, quase uma obra-prima
Pareceu ser talentoso e ter potencial
Versos criativos, com estilo e rimas
Uma raridade poética, com primor especial.

Uma particularidade com humor e sabedoria
Acreditava-se ter carisma e talento nato
Construiu versos com estilo e categoria
Não é que o desajeitado escreveu exato
Foi como pousar certo para tirar retrato.

               Baltazar Filho
        07 de julho de 2021
 
Ver com coração
Vejo sem olhar seus olhos.
Vejo sem estar perto,
Vejo mesmo quando não estás,
Vejo-a todo o tempo.
Um verdadeiro  amor, nem sempre precisa estar junto fisicamente.
Mentes que amam estão sempre conectadas, mesmo na distância, por motivos necessários, viverão essa emoção sem se ver ou se tocar.
Viver, sem estar próximo do ser amado e senti-lo com tanta intensidade, é simplesmente Amar.

Sol&Lua.     
 Pirpirituba, 04/07/2021
 

Para minha Amada
Oh! minha amada!
Hoje meus pensamentos são seus.
Penso em seus beijos, seus lábios carnudos e famintos, sedentos de uma amor forte e quente.
Penso em você de todas as formas, me vejo totalmente alheio a realidade, me perco
em pensamentos
mais profundo.
Sentindo o pulso acelerar e um calor sem normalidade, aguça
minha mente ao imaginar seus beijos molhados e urgentes.
Ah! O seu perfume  entranhado em meus pensamentos gerando uma explosão de bem querer.
Sou tão apaixonado por ti, que vejo seus rosto e sinto tua presença em todo o tempo e lugar.
Você mexe com meu ser, com tamanha expressão que nem sempre sei discernir o  real  do inexistente.
Somente sei ser totalmente seu.
Amada minha.

Sol&Lua
Pirpirituba      
03/06/21
 
RECORDANDO 
 
 
  Freud  Explica
Enquanto Freud explica.

Enquanto Freud explica
Eu me estico na preguiça,
Com meus medos, meus temores,
Com meus erros e meus amores.
Eu só quero é viver,
Tomar minha cerveja,
Ficar maluco-beleza,
Beber do teu amor,
E nele sobreviver.

Enquanto Freud explica
Raul Seixas me indica
O caminho a percorrer.
É pegar O Trem das Sete,
É Tentar outra Vez,
Feito Metamorfose Ambulante,
É correr a todo instante,
É viver cada momento,
Num Sapato 36.

Enquanto Freud explica
A Mosca Cai na Minha Sopa,
Eu não tenho o que comer.
De repente eu me lembro
Do Cazuza e do Caetano,
“London, London” quanto engano,
Não quero entrar pelo cano,
Lanço-me ao abandono
Do teu corpo no meu sono.

Enquanto Freud explica
Eu me estico na preguiça.
E meu gibi eu vou lê.

Jorge S. Leite

Recife, 19-04-91
Ao som das músicas de Raul Seixas
E muitas e muitas Cervejas.

 Anos 90

Anos difíceis, ainda em São Paulo, com um pé em Pernambuco. Decisões, indecisões, tinha que assentar os pés em algum lugar que não fosse a alma, pois esta estava em frangalhos. Alguns meses antes tinha me separado de minha companheira mãe de minhas filhas, tinha separado minhas filhas. Família não é para se separar, e para estar junto, sempre. A vida nos apronta peças diariamente, algumas nem percebemos, outras nos transformam por inteiro. Transformar algo é mudar, é modelar, e nessas mudanças tantas coisas ocorrem, tantas coisas correm.

Anos antes surge uma Deusa, surge uma Musa de olhos de cor de esmeraldas. Um amor impossível, pois não era fadado para estarmos juntos, nesse momento. Possivelmente uma dobra do tempo nos colocou em um momento que não era esperado, eu tinha meu caminho a seguir, ela tinha seu caminho a seguir. Segui meu caminho, seguiu seu caminho. Destino.

Noite antes de voltar para Recife, pelo telefone, minha filha chorava e implorava “não vá pai, fique com a gente”. Mas outra filha já estava no Recife, “Pai, quando você vem, não tá bom aqui sem você.” Partido parti, pedaços de minha alma ficaram, outros tantos se foram, e inteiro jamais fiquei.

Três filhas, duas ficaram em São Paulo, hoje já donas de suas vidas. Outra filha veio para Recife. Ficou pouco tempo, retornou para São Paulo – Florianópolis e o Mundo. Hoje na Indonésia. Continuei no Recife, tinha um caminho a seguir, nem sei mais qual. A vida nos prega peças sempre.

E foi nessa época movimentadíssima que fiz a poesia acima. Se cada poesia nossa, se cada conto nosso tem uma história; essa é a história de “Freud Explica”.

Jorge Leite
Recife, 16/06/2018.
 
 Serigrafia de Fábio Marinho
 Estação de Trem

Estação de trem,
Uns partem, outros vêm.
Quem?

Corpos esquartejados,
Suados, malcheirosos,
Um pouco de perfume francês
Comprado nas calçadas e
Galerias da Prestes Maia.
Alguns olham para o céu,
Outros olham para o chão.
As pálpebras cansadas tentam fechar.
Os olhos embaçados querem chorar.
Lágrimas não têm;
Na estação de trem,
Uns partem outros vêm.

Corpos feios, moídos, perdidos.
Sonham com um colchão,
Um caixote, um caixão.
Sonham com um amor que não vem.
Sonham com a alegria,
E só tristeza eles tem.

A moça bonita, tão feia!
Seus cabelos grudados
Não valem um vintém.
Seu corpo suado só feridas contem.
Feridas que sangram,
Que queimam, que marcam,
Que lembram que um dia
Pensou que seria
Uma esposa somente,
Contente em seu lar.
E um amante impotente,
Nem isso terá.

O menino pivete
Esperando dar o bote,
Que sorte, ninguém percebeu.
Seus olhos brilharam,
Seu corpo dançou,
Quando a mão traiçoeira
Uma corrente levou.

A menina criança,
Com seu dente de leite,
Entrega seu corpo,
Sua alma, sua fé,
Ao deleite de homens,
Em troca do nada,
Do pão que o diabo,
Um dia amassou.

O velho encurvado,
Sentado, coitado,
Espera também.
Sua boca sem dente,
Espera contente,
Espera à sorte,
No vagão de trem.

E lá na estação,
Na estação de trem,
É a vida que parte,
É a morte que vem.  

Jorge Leite, São Paulo - Recife, anos 90.
 
 

Imagens das seções Leitura de Domingo e Encontro de PoetasMargaridas

Imagens da seção Recordando: Blog Maçayó de 16/06/2018

 

28 comentários:

  1. Um espetáculo de Almanaque de domingo, em nosso Blog Maçayó, com grandes recordações, uma fabulosa estréia e um desfile poético de soltar suspiros de emoções, com maravilhosos poetas que vivem encantando por aqui. Sou muito fã das temáticas de suspense, mistério e policial. Visto-me pelo avesso, libero meu "Eu adulto", na hora de compor os temas universais, os meus dois lados ficam o tempo todo brigando e minha inspiração viaja ao longo da minha vivência. Não foi díficil compor "Antes do Funeral". Porque é gratificante uma narrativa que deixa o leitor voar de maneira lúdica pela sua imaginação. Sendo assim, deixarei a intepretação do leitor voar, para não perder o clímax do Conto, porém posso lhes assegurar que adorei a republicação deste adorável Conto, bem ao estilo policial com um toque de suspense e mistério. O blog hoje passou por algumas transformações sem perder o nosso foco que é a arte genuína, estamos sempre procurando inovar para contemplar os nossos leitores o melhor da arte poética e literária.
    Hoje temos a honra de receber o grande mestre Rubens Barros de Azevedo trazendo para o nosso deleite O poetrix, em foco, que é a forma brasileira de compor tercetos".
    Parabéns poeta Rubens pela sua maravilhosa arte e seja muito bem-vindo ao nosso Cantinho do Saber! Estamos honrados pela sua contribuição.
    Amei todos os poemas compartilhados na seção Encontro de Poetas quero parabenizar a cada um que hoje desfila, com as suas belíssimas artes poéticas. Aqui poesia flui d'alma e toca direto no âmago do coração. Parabéns pela participação de cada um... Lindo momento poetas Tásia, Marizete, Baltazar e Sol&Lua, show de encontro poético!
    Já na nossa nova seção intitulada "Recordando" temos o prazer de mostrar o grande poeta e escritor meu irmão, Jorge Leite, com sua esplêndida arte, belíssimos e bem inspirados poemas é um texto emocionante. Grandes recordações e fortes emoções. Parabéns Jorge!!!
    Como sempre, adoráveis ilustrações que mostram um visual novo ao tema abordado uma excelente criatividade na arte final de Jorge Leite. Tudo muito perfeito! Parabéns, mais uma vez, aos poetas e abraços a todos.
    Quero aproveitar e desejar a vocês um suave e abençoado dia.
    Um ótimo domingo, gente linda com muita Serenidade e Paz!
    Um abraço acolhedor no coração de cada um 🤗❤️💙.
    Até a próxima Edição, com novas mudanças e muitas surpresas!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito prezada e grande Poetisa Elisabete: Tenha sempre bons dias, com bastante saúde, evolução em todos os sentidos e as bênçãos do nosso amado Pai Celestial! Inicialmente, parabenizo-a efusivamente pela iniciativa da criação e ótima condução do seu muito atrativo blogue (estou aportuguesando as palavras alienígenas, em respeito à nossa muito amada e rica Língua Portuguesa – Lusofonia). Fiquei muito feliz e emocionado com a publicação da minha modesta coleção de Poetrix, na verdade, a única forma com que sei me expressar poeticamente. Conforme já foi conversado com nosso amigo comum, o grande Poeta Luiz Manuel de Freitas – este sim, um grande Vate – planejo ter a honra de convidá-la para participar do Programa Vital..idade e Cultura, que apresento semanalmente pela página do Youtube que tem o mesmo nome do Programa. Que Deus a ilumine e guarde sempre, dando-lhe ótimas intuições para que continue nos brindando com a excelência do seu belo trabalho! Que assim seja!

      Excluir
    2. Boa tarde, grande Mestre, Rubens Barros de Azevedo! Lisonjeada e muito feliz pela sua ilustre visita e precioso comentário. Quero agradecer-lhe pela adorável contribuição ao Blog com seus maravilhosos Poetrix. Já tive o prazer de assistir seu notável programa. Fiquei sensibilizada pela iniciativa. Gratidão e parabéns pela sua arte poética e literária. Seja bem-vindo! Bom domingo e Forte abraço!

      Excluir
  2. Bom dia para todos os amigos!
    Venho interagir sobre o Blog de hoje.
    Poetisa Elisabete Leite que Conto mais surpreendente, grande mistério transcorrido até antes do funeral. Pois é meus amigos, eu também denominaria a viúva de negra e o final deu um toque especial de mestre ao enredo do Conto, uma narrativa maravilhosa, pois é de tirar o fôlego mesmo. Tudo perfeito na página de domingo! Belíssimos poemas, como também excelentes ilustrações completam o tema poesia, os poemas e o texto. Uma página poéticas da nossa amiga Bete são importantes para os poetas e leitores do Cantinho do Saber. Gostei de conhecer mais sobre o o poeta Jorge Leite, que por sinal mostra tudo belo na arte dele. Então, vamos aplaudir os poetas e o sucesso do Blog. Parabéns e abraços para todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão pela ilustre visita e gentil comentário, eu agradeço em nome do Blog Maçayó pela sua atenção e presença. A poesia acalenta a alma e deixa um toque de magia ao longo do dia.
      Forte abraço!🤗

      Excluir
  3. Ao Blog é a Caríssima Elizabete Leite.

    O Blog de hoje, está de parabéns. Agradeço de coração a você, pelo incentivo que tem oferecido aos poetas que tiveram o prazer e a honra de participar.
    Em mim está guardado um carinho muito especial à esta Edição de 452. Confesso sem hipérbole, que uma gama de novos autores tiveram a satisfação de verem seus trabalhos publicados.
    Cordialmente.

    Marizete Santos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida poeta Marizete Santos, pela sua preciosa contribuição ao Blog, seus poemas são lindos e mágicos e embelezam ainda mais o cenário poético. Gratidão pela sua amizade é reconhecimento.
      Abraços poéticos e até à próxima edição.
      A sincera amizade é um valioso tesouro.
      Saudações!!!

      Excluir
  4. Bom Domingo para todos!
    Muito linda essa página de Almanaque, que hoje publica um belíssimo Conto bem estruturado e ao estilo policial e de suspense da nossa amiga poetisa Elisabete Leite. Muito legal essa narrativa que deixa o leitor voar da sua imaginação, pois a contista é precisa nessas situações de desfecho surpreendente. Amei todos os poemas compartilhados e a adorável estréia poéticas de hoje. Parabéns para todos os poetas e seja bem-vindo o estreante.
    Amei as recordações do querido amigo Jorge Leite, já estávamos sentindo sua falta.
    Como sempre, adoráveis ilustrações que completam e embelezam as temáticas abordadas. Parabéns pela excelente criatividade amigo Jorge Leite. Tudo muito perfeito! Parabéns mais uma vez aos poetas e aplausos ao Blog pelo sucesso de visitações. Forte abraços a vocês que enriquecem nosso domingo com belas poesias.
    Complemento dizendo que as imagens poéticas amenizaram à temática forte da narrativa. Show!
    Beijos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida amiga Betânia, estamos sempre procurando inovar para que o leitor seja contemplando com uma genuína arte.
      Fico feliz que tenha gostado porque o seu comentário é preciso para nós que fazemos o Blog.
      Gratidão pela sua amizade!
      Beijos em seu coração ❤️

      Excluir
  5. Boa tarde para todos!
    Como sempre, mais um magnífico momento de arte.
    Parabéns aos poetas.
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão querido amigo Ricardo, grande mestre da arte em fotografia,é um prazer imenso sua ilustre visita e notável comentário. Um domingo iluminado para você e família.
      Forte abraço!

      Excluir
  6. Boa tarde de domingo!
    Como sempre um show de arte, obrigada por nós presentear com tanta beleza!

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde! Poemas muito lindos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Rita de Cassia Soares18 de julho de 2021 16:09

    O blog Macayo sempre surpreende com a diversidade poétic literária as ilustrações, os contos, comentários, tudo muito perfeito para os amantes da bela poesia.
    Parabéns aos poetas contintas, professores, estreantes, quero dizer que aqui é o encontro do sol, da lua, de uma constelação, porque somos poetas que apesar de tudo somos capazes de deixar o brilhar do nosso sentimento empregnado no coração daqueles que sabem com amanho devorar nossas poesias.
    Um domingo de muita Luz para todos nós.

    ResponderExcluir
  9. Rita de Cassia Soares18 de julho de 2021 16:11

    Corrigir:poetas, contistas.

    ResponderExcluir
  10. A leitura obrigatória do domingo: O blog Maçayó

    Delicia de leitura. Elisabete Leite sempre nos presenteando com belos textos. Hoje destaco pela beleza poética o poema: Sorriso Sem Risos, não que o conto Antes do Funeral, não tenha surpreendido, aliás não é mais surpresa, pois ela se supera a cada domingo. Os Colaboradores Culturais do Projeto Reviver, Rubens Azevedo, o presidente da Sociedade Brasileira dos Dentistas Escritores – SBDE, que foi apresentado hoje pelo blog, juntou-se a Marizete Santos e Tásia Maria, enriquecendo cada vez mais, o que já é rico há muito, com os trabalhos do grande poeta guarabirense Baltazar, também participante do Projeto Reviver e os de Jorge Leite. Destaque também merece o poeta, ou a poeta, que usa o pseudônimo SoL&Lua. Tudo o mais que venha a ser mencionando é repetitivo, vez que semanalmente temos este prazer e somos gratos pela produção e divulgação de tão bons trabalhos literários. Em nosso nome, pelo prazer de ler, e do Projeto Reviver por prestigiar os poetas de nosso quadro de colaboradores. Gratidão a Elisabete e todos que fazem parte do blog.
    Luiz Manoel de Freitas – Superintendente Técnico da Organização Projeto Reviver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, grande poeta Luiz Manoel de Freitas! Estou lisonjeada, agradecida e muito feliz pela atenção, gentil comentário e maravilhosa contribuição valiosa ao Blog. Afirmo-lhe que Contribuir com o Projeto Reviver será sempre um prazer imenso.
      Parabéns pela sua maravilhosa arte e gratidão sempre.
      Saudações poéticas e boa tarde!

      Excluir
  11. Gratidão

    Agradeço de coração, e confesso estar sensibilizada com a divulgação dos meus trabalhos, além de me sentir presenteada com tão boa leitura aos domingos. Gratidão.
    Tásia Maria – Colaboradora do Projeto Reviver

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida poeta e amiga Tásia quero agradecer-lhe pela preciosa contribuição e carinho de sempre.
      Parabéns pela sua linda arte!
      Beijinhos ❤️

      Excluir
  12. Boa noite galera, hoje o blog está uma maravilha! Já inicia com nossa mestra Elisabete, traduzindo os mais nobres sentimentos através de seus contos e poemas. Tenho a honra de ser seu amigo e de poder dizer com franqueza que és para nossa literatura um mito, poeta com um talento ímpar. O conto com esse enredo tenebroso de uma intelectualidade fora do normal. É uma fonte de inspiração infinita. Aplaudo você de pé. E bem do seu ladinho podemos regozijar deste nobre poeta filosófico Jorge Leite, com sua literatura monstruosa e intelectual. Realmente os quatro formam um trio de Cultura e talento fora do normal. São feras: Freud, Raul Seixas, Elisabete Leite e Jorge Leite. Aplaudo de pé. Enquanto Freud explica, Raul Seixas me indica o caminho a percorrer.
    Foram tantos outonos matinais, ah, tantas tardes sem o sol se pôr! Muitos fevereiros sem carnavais, doces primaveras, sonhos de amor...
    Nossas boas vindas ao poeta Rubens Barros que chega com mais estilo fenomenal, POETRIX É isso estamos sempre nos supreendendo com grandes talentos.
    FAMÍLIA
    Ancestrais ligações,
    reencontros necessários,
    resgates obrigatórios.
    Um grande abraço boa fantásticos poetas Gabriela, Tais, Marizete, sol&Lua, que sempre enriquece o Macayo com seus versos sábios. E suas ilustrações Jorge é mesmo um colírio de painéis falados para aguçar a nossa curiosidade artistica.
    Um grande beijo em todos. Nosso carinho em especial aos comentaristas, que nos envaidecem com tantos elogios belíssimos.
    Feliz por mais um trabalho fantástico alcançado, "Construindo Rimas".

    Beijão em todos, Baltazar Filho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu irmão, Baltazar Filho, muito emocionada com o seu grandioso comentário que é uma preciosidade para nosso Blog Maçayó, sem falar da sua arte poética que de maestria única. Seu poema CONSTRUINDO RIMAS é belíssimo, mais uma obra-prima um achado para nosso Cantinho do Saber. Gratidão pelo seu carinho e genuína amizade.
      Parabéns e forte abraço!
      Feliz semana!

      Excluir
  13. Obrigado grande e nobre poeta Luiz Manoel pelo comentário carinhoso.
    Um grande abraço.
    Baltazar

    ResponderExcluir
  14. O blog está coroado de gente nova. Isso é bom. Mostra que o blog é sempre um sucesso.
    Gostei de tudo. Parabéns, de todo coração, a todos os poetas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho amiga poeta Socorro Almeida e um feliz retorno! Seja muito bem-vinda!
      Aqui é o prolongamento da casa de cada poeta e dos admiradores da arte.
      Forte abraço!

      Excluir
  15. A Página: “Almanaque de Domingo” veio surpreendente! Além do brilhante conto da Poetisa Elizabete leite em seu estilo diferenciado, magníficos poemas exibidos pelos poetas e poetisas que desfilaram no blog nesse domingo. Parabéns a todos! Aplausos ao Trabalho ilustrativo do poeta Jorge Leite! Boa tarde a todos e até o próximo domingo! Deus os ilumine sempre!

    HOMENÁGENS:
    Chá e chuva, vendaval
    Crime com tiro fatal...
    Que “Antes do Funeral”
    Foi possível elucidar.
    .....
    “Sorrisos sem Risos” são:
    Sonhos de amor, solidão
    Flor, que na própria estação
    Morre sem desabrochar.
    .....
    Com “POETRIX” estreando
    Tem alguém se consolando
    Famílias reencontrando
    Seus rumos para rezar.
    .....
    “Eu sou Assim”: sorridente
    Alegre, feliz, contente...
    No amor, sobrevivente...
    Compondo pra me acalmar.
    .....
    Reencontrei meus anseios
    Na paz que das ondas veio
    Voltei aos meus “Devaneios
    Na praia”, triste, a chorar.
    .....
    Brinquei “Construindo Rimas”
    E dei a volta por cima
    Deu quase uma Obra Prima
    Se divertiu Baltazar.
    .....
    Distância, aproximação
    Amor? faz conexão...
    Quem “Ver com o coração”
    Distante, pode enxergar.
    .....
    Vivo apaixonadamente
    Me sinto seu totalmente
    Com meu amor forte e quente
    “Para minha amada”, amar.
    .....
    Enquanto “Freud Explica”
    Numa ilusão de viver
    Vivo meu jeito de ser
    Esticado na preguiça
    Alguma sequela indica
    Erros dos “Anos Noventa”
    Triste dor se movimenta
    Lá na “Estação de Trem”
    Onde uns vão e outros vêm
    E a vida é uma tormenta.

    Valdemar Guedes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valdemar, poeta maior, fico sempre lisonjeada ao ler-te, pricipalmente pela sua fabulosa arte em forma de cordel encantado, como também sua sincera amizade.
      Um comentário tecido com muita maestria, pois quem sabe faz assim: ao vivo!
      Gratidão pela brilhante contribuição; você sempre atencioso com todos e preciso nas colocações. Parabéns pela sua deslumbrante arte, saiba que sou sua fã de carteirinha. O Blog agradece pela sua honrosa participação de sempre.
      Abraços poéticos!!!

      Excluir
  16. Uma semana recheada de arte para nós! Um espectáculo de palavras, poetas grandiosos a cada domingo, tudo perfeito e digno do que é chamado poesia, parabéns a todos!💗💗 - Gabriela Mota

    ResponderExcluir