domingo, 12 de setembro de 2021

Esperando a Primavera

 EDIÇÃO N º   460 

 Tema  das  Imagens:  PRIMAVERA -  IPÊ
 

  ENCONTRO  DE  POETAS
 
 

Sueli Ordonhes nasceu em São Paulo capital, mas trocou a vida corporativa da cidade grande, pela tranquilidade do interior, tornando-se professora de crianças. Sempre amou escrever, e com a pandemia, passou a publicar seus textos e áudios como uma forma de escrita curativa.
 
 
 
 QUERERES

Quero viver a vida
quero frio na barriga
quero poesia no pé do ouvido
ouvir minhas músicas preferidas
Assistir o nascer do sol
diante do mar
e ver da montanha uma
noite linda de luar
Quero alegria simples
descomplicada, sem contramão
pés na areia, sem chinelos
ou lareira acesa, vinho e violão
Quero fogueira com sarau
pode ser com chocolate quente
quero risadas, gargalhadas
quero gente!
Quero assim mesmo
tudo junto e misturado
quero vento no rosto
cabelos despenteados
Quero comida caseira,
leveza, balançar
na rede, calmaria
quero é vida com poesia.

Sueli Ordonhes
 
 MEUS VERBOS

A manhã fria
gelou sua pele
revestindo-a
de recomeços
despertos...
Na janela
pela fresta
tímida-solar
certezas
azuis iam
lhe cobrindo
o colo
os ombros
e os olhos...
Verdades-nuas
claridade-luz
pura e crua...
Trazia o centro
equilíbrio-vento
cada coisa
em seu lugar...
Respostas-calor
conjugavam
seus verbos
seu corpo
seu “Ser e Estar”.

Sueli Ordonhes
 

 ESPAÇOS VAZIOS

Enquanto caminhava pelas ruas, entristecida
Pessoas tentavam ocupar seus corações
Entre aquelas que apenas sorriam para a vida
Em meio aos abraços e beijos de ilusões.

Lembro dos momentos mágicos que passei
Ao lado de quem me deu tantas alegrias
Volto aos mesmos lugares, não vejo ninguém
E não sei se vale a pena reviver aqueles dias.

Sentimentos confinados em espaços vazios
E o chão marcado à sua escolha, à sua sorte
Por símbolos em cruzes onde agora pisam
Se quiserem sobreviver aos riscos da morte.

Lembro da mão que me afagava docemente
Dos abraços, dos beijos, da felicidade
E desse maldito que me deixou sem piedade
A mercê do vazio e das dores da saudade!

Socorro Almeida
Recife, 05/09/2021

O AMOR E O TEMPO

Pagamos um preço alto pelo amor de alguém
Achando que o tempo cura a ferida que deixou
Pensamos que ele é nosso amigo, mas não é
Passa veloz, rindo muito da nossa dor!...
Enquanto somos jovens nem o percebemos
Às escondidas, à espreita, ele nem se importa
Com as rugas que lança ao nosso rosto
E se diverte... ante a juventude morta!

O tempo, pois, não expira e só magoa
À medida que as nossas vidas passam
Mas é tão sábio quanto as intenções de Deus
Que o fez na medida certa e com sabedoria...
As dores do amor se apagam com o tempo
O verdadeiro amor nem o tempo se atreveria!...

Socorro Almeida
Recife, 30/08/2021
 
  Coragem, Brasil!

Quando me lembro, ainda criança,
Do grande orgulho de ser brasileira,
Minh'alma vibra e recorda com graça
Momentos lindos, no hastear da bandeira...

Ficava olhando,hipnotizada,
Ela subindo, linda, imponente...
Verde, amarelo, azul, branco e escrito:
Ordem e Progresso no coração da gente...

Hoje, porém,  me sinto assustada
Com o que fizeram do meu Brasil querido...
Mancharam a honra de nossa terra amada,
Mataram o orgulho do povo sofrido...

Só cabe à nós, uma reação tomada...
Para tirar da lama da corrupção,
O Brasil querido, nossa terra amada,
E guarda-lo dentro do nosso coração!

               ❤️Tásia Maria
 
  O GLOBO GIRANDO

Passeando pelas vertentes do inconsciente
Vou monitorando os degredados das gerações
Numa inconstante batalha no subconsciente
Por um poder catastrófico e de corrupções.

Caóticas assembleias de políticos loucos
Governantes parasitas com atitudes imorais
Líderes farsistas de um comando tortuoso
Regências em ruínas, lideradas por desleais.

Religiões confundindo os fiéis combatentes
Feitores tiranos em manchetes ideológicas
Tiranos, poderosos, sarcásticos, descrentes
Ogros facínoras de uma sociedade morta.

Manipuladores, contagiosos, sucumbidos.
Imortais invisivelmente não reconhecidos
Mortais a mercê da sorte, maltrapilhos.
Organizações constituídas por subversivos.

                  Baltazar Filho
         30 de dezembro de 1980
 
 

 Fitar

Atiraste em mim sem piedade
O teu tiro me estremeceu
O meu corpo ficou sem dono
 Laçado por um amor somente teu

O teu fito com o meu fito
Se comprometeram aquela manhã
Numa cena de Hollywood
Entre a mocinha Jane e o herói Tarzan

Aquele fito retrocede a décadas
Pareceu coisa de criança
O arco- íris foi testemunha à época

O fito trouxe a tona uma lembrança
De um amor guardado no peito
A partir daquele fito formou-se uma aliança.

Emiliano de Melo
Guarabira 09/12/2020

Beijos

Senti seu beijo no corpo meu
Aquele abraço cheio de ternura
Confesso meu coração estremeceu
E logo pensamos fazer loucura

Aquela loucura só você e eu
Deitei na cama com formosura
Vibramos de paixão e tudo aconteceu
Voltamos a adolescência pura!


Nosso corpo  todo entrelaçado
Um amor quase escancarado
Cheio de gozos e muitos desejos

Ah! Como essa tarde foi vibrante
Você mergulhou no corpo fascinante
E eu mais uma vez degustei seus beijos!

Rita de Cassia Soares
Pirpirituba 27/07/2021
 
LEITURA   DE   DOMINGO
 
 
 ANÁLISE POÉTICA

Análise do conto "A cartomante" de Machado de Assis

        A obra A cartomante apresenta elementos de superstição, apresenta questões de metafísica, aqui colocada em dúvida quanto a crença nela empregada; apresenta o tema do adultério e recorre a obras de Shakespeare uma prática frequente nos contos e romances do autor fluminense.
        O conto inicia com uma citação da obra Hamlet que aborda a questão dos mistérios metafísicos que fogem à nossa compreensão. Essa introdução é inserida para reafirmar a crença de Rita em cartomantes porque o Camilo, cético que era, ria dela que acreditava em adivinhos. Esse tema metafísico é visto em Hamlet quando por ocasião da visão do fantasma do pai do príncipe pelos guardas que são desacreditados por Horácio. Também vemos em Macbeth aves que são tidas como agourentas e que dão à obra um caráter místico.
        Há no conto a polarização homem/mulher que enfatiza as diferenças entre esses seres tão complexos e ao mesmo tempo belos. A Rita afirma que os homens não acreditam em nada e assegura que os presságios da cartomante são críveis. Entre eles há juras de amor que retomam característica do Romantismo e aqui vai cair em descrédito por conta da influência realista. O narrador afirma que Rita citava Hamlet sem saber o que mostra aqui que a personagem era dada a pouca leitura ou pelo menos lia apenas romances açucarados.
        O ceticismo de Camilo se apresenta quando ele ia argumentar contra mas se calou porque não queria lhe arrancar as ilusões e relata que ele era supersticioso também na infância mas que aos vinte anos perde essa característica. Essa ideia, amiúde, é vista nas obras Machadianas e pode-se citar o próprio Bentinho que a exemplo de Camilo foge da religiosidade. A questão paternal também é destacada no conto ao valorizar algumas profissões em detrimento de outras mais simples. Camilo acabou sendo funcionário mas contra a vontade de seu pai que o queria médico e também parecia ser um bom vivant pois ele "preferiu não ser nada, até que a mãe lhe arranjou um emprego público."
 
AS PERSONAGENS
 
        Ao analisar as personagens, percebe-se uma relação direta entre seus nomes e seu comportamento psicológico no decorrer do conto. Tecerei algumas considerações a esse respeito, começando por Rita. Esse nome significa "pérola", "criatura de luz", "iluminada". É um diminutivo de Margherita, nome italiano do qual surgiu Margarida que veio do grego margarites que por sua vez originou-se do latim Margarita. Uma descrição belíssima da personagem confirma essa ideia quando afirma: " ... Era graciosa e viva nos gestos, olhos cálidos, boca fina e interrogativa." há algo mais candente do que o olhar de uma mulher? Essa mesma característica remete a Capitu da qual se diz ter os olhos de ressaca. Ou seja, as mulheres machadianas são de temperamento forte e decisivo.
        Agora será a vez de Camilo. Esse nome significa " filho do primogênito", "mensageiro", e "menino de coro". No conto o temperamento de Camilo também desemboca nesse significado pois registra que ele é mais novo do que todos, registra que é "ingênuo na vida moral e prática. Faltava-lhe a ação do tempo, como os óculos de cristal, que a natureza põe no berço de alguns para adiantar os anos". Pode-se notar uma semelhança entre Camilo e Bentinho quanto a essa candidez que há em Camilo. Bentinho também depende da mãe que toma decisões por ele e salvo engano ele também é mais novo do que Capitu.
        Vilela vem do latim vulgar Villella que significa 'pequena quinta.' o narrador afirma: "No princípio de 1869, voltou Vilela da província..." Provavelmente ele não era urbano e desejava ascender socialmente através de seu ofício de magistrado. Essa relação urbano e rural é uma marca nas obras literárias que refletem a questão da notoriedade nas personagens. Vilela era uma pessoa extravagante e sempre se mostrava solícito em atender às demandas da vida social que ele levava.
        Outra questão suscitada no conto é o tema da Barcarola. Ela é um tipo de cantiga de amigo da lírica galego-portuguesa que acolhe temas ligados ao mar ou ao rio cujo sujeito se acha diante do mar e a ele confia suas mais íntimas inquietações. E coloca seu olhar perdido perante a imensidão das águas. Quando Camilo consulta a vidente, ela o coloca de frente à janela sobre o qual uma réstia de luz bate em seu rosto como uma forma de torná-lo cego frente à cartomante que está contra a luz e é capaz de enxergar o rapaz. Passada toda a análise sobre a questão da consulta, ao término dela a consultante entoa uma barcarola e logo depois que Camilo sai dali em direção à casa de Vilela, Camilo olha para o mar e percebe o abraço entre a água e o céu como uma sensação de que seu anseio fosse confirmado pela previsão da cartomante.
        Outros elementos são vistos no conto como os da mitologia grega como o carro de Apolo. Sua tarefa era guiar seu carro com quatro cavalos a fim de mover o sol através do céu mas não avançarei nesse quesito e porei fim a esse breve comentário.

Enoque Barbosa da Silva.
 
 

CONTO
 
 UMA HISTÓRIA DE AMOR E DOR

          Era final de inverno, cenário pardacento e frio, onde a chuva insistia em cair sem perdão e nem razão, deixando a terra encharcada e o céu iluminado pelos trovões. Alice era uma jovem sonhadora que vivia suspirando pelos quatro cantos da casa, e que alimentava um amor jovial pelo primo Honório, um jovem ambicioso que só pensava em fama, dinheiro, carros, bebidas e baladas. Ele fazia questão de não notar a presença de Alice, e nem tão pouco, queria reconhecer o sentimento dela por ele. A jovem garota vivia com seus tios, os pais de Honório, por questões de estudo, pois que os seus pais moravam em um vilarejo muito distante, e ela precisava concluir o Ensino Médio e ingressar na Universidade...
           Era um domingo, Alice fechou o livro que estivera lendo e foi à cozinha conversar um pouco com sua tia que preparava um reforçado desjejum matinal, ela se aproximou devagar, e quebrou o silêncio:
           - Bom dia, tia Estela! Está frio e chove bastante!
           Dona Estela olhou para a sobrinha que acabara de entrar, e respondeu-lhe:
           - Bom dia, querida Alice! Venha degustar um bom pedaço de bolo de cenoura. Sabe querida, estou apreensiva! Honório vai fazer canoagem com alguns amigos, e o clima não está propício.
           - Titia, Honório não tem noção de perigo, não se interessa por nada, e nem ataca conselhos de ninguém! Fique calma, por favor!Disse-lhe Alice, carinhosamente.
           De repente, Honório entrou no recinto, sem cumprimentar ninguém, tomou um copo de suco e saiu em seguida. Dona Estela o chamou, mas ele simplesmente ignorou, fez que não ouviu, e sumiu sem nem olhar para trás...
            Era quase final de tarde, o clima continuava tempestuoso, quando um amigo da família telefonou para Dona Estela comunicando que Honório havia sofrido um terrível acidente, na competição de canoagem, e estava hospitalizado. Alice e Dona Estela foram até o hospital na esperança de saber notícias do rapaz, já que o pai de Honório estava viajando a negócios. Lá no hospital, o médico plantonista informou que Honório havia sofrido um traumatismo craniano e teria que ficar em coma induzido por questões de segurança do mesmo. Logo depois, Dona Estela passou mal e Alice precisava ser muito forte naquele momento em que o destino resolveu mostrar a outra face da moeda. Poucas horas depois, o médico informou aos familiares e amigos que Honório dificilmente iria sobreviver, pois não apresentava sinais de melhora, e se sobrevivesse ficaria com graves sequelas...
          Todos os dias, a rotina de Dona Estela e Alice era a mesma, do hospital para casa e da casa para o hospital. Certo dia, elas foram informadas, pelo neurologista, que Honório ficaria paralizado por um tempo, mas que poderia voltar a andar, por meio de exercícios, força de vontade, perseverança e muita disciplina, e que em muito pouco tempo receberia alta hospitalar. A luta das duas só estava começando. Finalmente, Honório recebeu alta, e precisaria recomeçar uma nova vida, mesmo diante de tantas dificuldades.
           Já em casa, Alice e Dona Estela se revezavam dando suporte ao jovem Honório, que precisava de muito amor, compreensão e ajuda. A garota Alice não foi só uma prima para Honório, foi também uma grande amiga de todas as horas; sempre presente, passando conforto, carinho e acolhimento. O tempo seguia o seu trajeto normal e Honório foi descobrindo, aos poucos, tantas virtudes em Alice, que logo acabou enxergando amor nos olhos dela e em seu coração...
           Alice formou-se em Fisioterapia e passou a se dedicar exclusivamente a Honório; ela não media esforços, tudo em prol do bem-estar e recuperação do homem que amava.
           O tempo passou rápido, Honório conseguiu se recuperar, mudou completamente as suas atitudes, se casou com Alice e eles foram muito felizes, foi na hora da dor que ele descobriu a força do amor.

Elisabete Leite
 
 DORES DO AMOR

Folhas mortas voando pelo chão
É o vento que traz total desamor
O coração partido de desilusão,
O tempo carrega seu esplendor...

Sentimento que deixa decepção,
E esconde o desabrochar da flor
Até o nascer do broto na estação
Só resta uma vida inteira de dor...

Tristezas comprimem o coração
A incerteza retira da vida, o sabor
Deixando sem briós, só comoção...

Tudo fica sem brilho, sem o calor
A alma, vazia, perde a sensação,
São dores da vida, dores do amor.

Elisabete Leite
 
 
 Ipê
 A típica árvore de Ipê é a denominação de uma grande variedade de espécies do gênero Tabebuia e Handroanthus, sinônimos e ambos da família Bignoniaceae. É muito conhecido por sua beleza, exuberância das flores e ampla distribuição em todas as regiões do Brasil. Os ipês são caducifólias, ou seja, perdem todas as folhas que são substituídas por cachos de flores de cores intensas. São árvores de grande porte que gostam de calor e sol pleno.

Atualmente, o pau-Brasil é a árvore nacional e o Ipê é considerado a flor nacional. Suas flores possuem forma de funil, como se fossem uma cornetinha, podem ser elas amarelas, roxas, rosas, brancas e até verdes. Floresce entre junho e novembro, começando pela cor roxa e rosa, depois o amarelo e por último o branco. Elas caem no decorrer de uma semana, cobrindo o chão com a sua cor.

O nome ipê origina-se da língua indígena tupi e significa casca dura. O mesmo também é conhecido como pau d’arco, porque antigamente os índios utilizavam a madeira dessas árvores para fazerem os seus arcos de caça e defesa. Ou seja, há muito tempo o ipê é utilizado como matéria-prima em razão da boa qualidade da madeira, tendo como características principais:

  • Muito densa e forte;
  • Pesada e dura, difícil de serrar;
  • Grande durabilidade mesmo quando em condições favoráveis ao apodrecimento;
  • Alta resistência aos parasitas e à umidade;

Considerado uma madeira nobre, o Ipê possui um material excelente para estrutura de obras, em ambientes externos e até mesmo em detalhes decorativos. Pode ser usado também em construções de pontes, vigas, esquadrias, pisos, escadas, móveis, peças, na fabricação de instrumentos musicais, de portas e janelas, dentre muitas outras finalidades.

 https://www.ibflorestas.org.br/
 
Imagens: Google - Ipê
 

 

25 comentários:

  1. Hoje o Blog Maçayó é pura leveza, suavidade, elegância, sensibilidade, e porque não dizer liberdade. O Cantinho do Saber compartilha uma Edição repleta de emoções com a arte genuína em diferentes olhares. A página de domingo mostra uma poeta estreante brilhante, Sueli Ordonhes, com seu toque de magia e brilhantismo, ela traz para o nosso deleite dois poemas magníficos, com versos suaves e livres que até parecem que estão flutuando ao longo de toda página.
    Parabéns, querida Sue! Seja muito bem-vinda!
    No Encontro de Poetas temos um espetáculo de desfile poético com incríveis e seletos poetas que reluzem como estrelas cadentes; todos os poemas, sem exceção de nenhum são belíssimos e encantam este recanto de aprendizagem com poesia da mais alta qualidade. Parabéns, poetas queridos Socorro Almeida, Baltazar Filho, Tásia Maria, Emiliano de Melo, Rita de Cássia... um show de de espetáculo poético!
    Na Leitura de Domingo temos uma fabulosa análise do Conto A CARTOMANTE do Machado de Assis, irei abrir um parêntese para falar um pouco do Conto (A cartomante é a história de um triângulo amoroso. Depois de anos de distância, Vilela reencontra o amigo Camilo e apresenta-lhe sua esposa, Rita. Paixão, traição e adultério fazem parte desta trama, que tem uma cartomante como personagem chave, selando o destino dos três...). Parabéns Poeta Enoque pela fantástica análise!
    Continuando na Leitura de Domingo compartilho uma história de Amor e Dor, onde por meio da dor acontece a descoberta do amor, e assim ele se faz presente. E também compartilho um poema que retrata a dor do amor.
    Belíssimas imagens de Ipês que enchem de fascinação o nosso Recanto de Amigos para Amigos. Parabéns querido irmão Jorge Leite pela sua maravilhosa arte final.
    Fechando a edição de hoje uma explicação sobre a belíssima árvore de Ipê. Parabéns!!!
    Quero agradecer aos poetas, colaboradores, leitores e visitantes pelo carinho de sempre. Beijos poéticos no coração de cada um ❤️💙.
    Até a próxima Edição!


    ResponderExcluir
  2. Saúdo aos ilustres poetas pelo lindo espetáculo de poesia,a cara estreante sueli receba nosso carinho de boas vindas e parabéns pelos poemas 👏👏
    E minha caríssima Elizabete como sempre deixando esse gostinho de Bis com seus magníficos poemas😍❤👏👏. Tudo lindo Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Enquanto uns demonstram suas angústias ante o caos que se encontra o nosso país, outros poetas de igual magnitude nos aliviam com um amor entre si, cheios de alegria e esperança. As ilustrações também nos mostram essa sublimidade. Crônica e conto maravilhosos dos amigos são bálsamos pros nossos corações.
    Parabéns aos poetas, parabéns ao blog!
    Boas-vindas a nova poetisa Sueli Ordonhes!

    ResponderExcluir
  4. Bom domingo, amigos das artes!
    Passando para registrar meu comentário no Blog Maçayó. Quero salientar que tudo hoje está muito bonito, tanta beleza que enche nossa alma de emoção. Parabéns a estreante pela delicadeza e brilhantismo dos seus poemas. Seja bem-vinda!
    Todos os poemas são formidáveis e os poetas estão de parabéns pelas artes compartilhadas hoje é sempre.
    Excelente análise do Conto A CARTOMANTE de Machado de Assis o poeta Enoque foi preciso.
    Amei o magnífica História de amor e dor da nossa grande escritora Elisabete Leite. Lindas e sensíveis imagens. Parabéns a todos pelo conjunto!
    Abraços do amigo.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, para todos! Poetisa, parabéns pelo belo trabalho, o blog está cem 100.
    Aplaudindo em pé!!
    Abraços para vocês.

    ResponderExcluir
  6. É sempre muito gratificante interagir e visitar aos domingos este maravilhoso Blog Maçayó, tantas diversificadas artes poéticas e literárias. Belíssimos poemas compartilhados no Encontro de Poetas, quero parabenizar a todos vocês pelas grandiosas artes. Bem-vinda a estreante de hoje com seus lindos poemas! Amei a análise do Conto A CARTOMANTE de Machado de Assis pelo olhar do professor e poeta Enoque. Gostaria de fazer-lhe uma pergunta: professor como foi aceita sua educativa análise no meio estudantil? Parabéns!!!
    Fiquei emocionada com o brilhante conto de amor e dor da nossa querida Elisabete Leite, amei o desfecho, uma lição. Parabéns pela arte final do poeta Jorge Leite!
    Abraços
    Saudades...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida colega Betânia,
      Essa análise se registra aqui em primeira mão pois foi fruto de um debate sobre o referido conto realizado por uma garota através do instagram. Como eu leciono apenas a Língua Inglesa, confesso que não posso responder efetivamente a sua pergunta porque não se estendeu à sala de aula. Espero ter atendido a sua expectativa. Grato pelo questionamento.

      Excluir
  7. Bom a todos do Maçayó! Hoje vejo que o nosso trabalho de extravasar as emoções românticas ou versar sério com os nossos sentimentos patriotas, traz um sabor bem próprio de cada um. Sentimentos românticos, e os propósitos com o espelho do nosso país, resulta na mesma emoção verdadeira de passar para o papel o que estamos sentindo. Cada um dos poetas com suas particularidades sentimentais. Isto é que faz o blog brilhar intensamente. Em fim o sol nasceu para todos e brilha de igual, pois é da natureza de Deus!Tudo que Deus fez , foi para a humanidade em geral sem distinção. Parabéns a todos, pelos trabalhos encantadores, o poema ele é sábio, seja qual for a categoria. Os contos da nossa mestra Elisabete Leite sempre de uma sapiência incomparável! Seus poemas são uma verdadeira vitrine literária. Parabéns sempre ao nobre poeta Jorge Leite com suas ilustrações fantásticas. Sou muito grato a todos os participantes que nos fortalecem com seus comentários.Seja bem vinda Sueli, seus quereres e seus verbos, são poemas lindos de uma profundidade literária marcante. O Maçayó felicita-se com o seu talento.
    Um grande abraço em todos, cheio de benéficas energias.
    Baltazar Filho

    ResponderExcluir
  8. Coração pulando de alegria com esse acolhimento tão lindo aqui no blog. Extremamente honrada em fazer parte desse grupo literário maravilhoso. Gratidão.

    Sueli Ordonhes

    ResponderExcluir
  9. Bom diaaaaaa meu povo lindo!

    Gente que coisa mais linda esse blog, essas ilustrações com ipês, que eu amo tanto. E o desfile poético, me digam o que foi esse, domingo?! A poesia é terapêutica...
    Parabéns a todos envolvidos 👏👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  10. Lindos poemas. Parabéns a todos poetas por seus poemas, estão lindos. Boa tarde!

    Josenilson Rodrigues

    Pirpirituba Paraíba

    ResponderExcluir
  11. Gente linda! Gente inteligente! De sentimentos profundos, que nos encantam todos os domingos! Mais uma figura poética pra nos alegrar mais ainda!
    Parabéns, nobres poetas.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns a todos os membros desse Blog pelo belíssimo trabalho. Estendo aos poetas as congratulações pelos excelentes poemas aqui publicados. Recebo com carinho a aparição de Sue com suas poesias e a parabenizo por elas. Gratidão mais uma vez a Bete e a Jorge por esse rico espaço literário.

    ResponderExcluir
  13. Que fofo esse poema QUERERES, da novata Sueli. Bem-vinda!
    Este blog nos emociona todos os domingos.
    Parabéns a todos! E os comentários são bem merecidos.
    Até a próxima edição.

    ResponderExcluir
  14. A primavera veio recheada de belas poesias e conto. O blog Maçayó mostra com requinte os poemas de poetas já renomados, considerados baluartes da nossa literatura. Parabéns, que nossa inspiração, com toda diversidade,possa alimentar corações que sonham com o amor, carinho, respeito, dignidade, liberdade e acima de tudo a fé que faz mover as montanhas. Bem vinda poeta Sueli. Minha eterna gratidão aos poetas amigos e visitantes que com seus comentários enaltecem nosso coração.
    Bete seu conto maravilhoso! A análise poética de A Cartomante de Machado de Assis escrita pelo então poeta Enoque ficou magnífica, parabéns.
    Posso dizer,que sou muito feliz em poder participar deste blog interagindo, colaborando com meis poemas tornando-o notório para o universo literário, somos poetas, somos amigos,somos eternos.
    Que o nosso domingo seja repleto de paz.

    ResponderExcluir
  15. Com a beleza dos Ipês, aplaudindo a Primavera, o Blog Maçayó de hoje através de suas poesias, conto: Uma história de Amor e dor, de Elizabete e análise do conto A Cartomante de Machado de Assis, por Enoque, brinda o nosso espírito com uma sensação de paz e alegria, indescritíveis!
    Parabéns à todos e boas vindas a estreante Sueli com seus lindos poemas!
    Tásia Maria

    ResponderExcluir
  16. Retornando ao blog para agradecer a todos, pelas ilustres visitas e gentis comentários, sem o comentário de cada um de vocês, o blog não teria o brilho incandescente que tem, porque vocês são estrelas que reluzem nas páginas desse recanto poético. Aqui os comentários são tão relevantes quanto as artes compartilhadas. Eu quero agradecer em nome do Blog, pelo carinho de sempre.
    Um agradecimento especial a poeta estreante Sueli Ordonhes e a
    cada visitante porque aqui tudo é arte. Obrigada também a todos os poetas participantes desse desfile poético.
    Aqui as portas estão sempre abertas para divulgação de novos e antigos talentos, a arte de modo geral será o fator primordial.
    Um abraço acolhedor no coração de cada um ❤️💙.
    Feliz anoitecer a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão querida amiga poetisa Elisabete Leite.

      Excluir
  17. Olá, boa noite! Esperando a Primavera! Uma página fascinante com essas Imagens Ilustrativas de IPÊS, dando esse colorido embelezador maravilhoso ao blog e aos poetas e poetisas com suas respectivas poesias. Mais um belo trabalho do poeta Jorge Leite. Parabéns! Aplausos à estreante poetisa Sueli Ordonhes por seus “QUERERES” e “Meus Verbos”, nos levando a sentir já aquele friozinho na barriga da manhã fria e congelante! Benvinda poetisa! Parabéns! Enaltecer a poetisa Socorro Almeida com seus “Espaços vazios” e “O Amor e o Tempo”, nos fazendo caminhar tristes à mercê das Dores da Saudade e a pagar o preço do amor, do qual, nem mesmo o tempo apaga as dores. Me congratular com “Coragem Brasil” da poetisa Tásia maria, fazendo ver que a realidade do nosso Basil não é aquela de quando éramos criança. Elogiar o belo poema:”O Globo Girando” do poeta Baltazar Filho, onde vemos que não só o brasil, mas a Raça Humana está contaminada e doente (moribunda). Bom trabalho poeta! Me alegrar com o Poeta Emiliano de melo e seu poema “FITAR “, para assim retroceder no tempo em busca de boas lembranças. Aplausos poeta! Felicitar a poetisa Rita de Cássia com “BEIJOS”, em nome da ternura, formosura e adolescência pura. Parabéns poetisa! Aplaudir de pé o poeta Enoque, pela Análise Poética do conto: “A Cartomante”, de Machado de Assis. Excelente trabalho! Parabéns! Felicitar a poetisa e contista Elizabete leite pelo lindo e emocionante conto: “Uma História de Amor e Dor” e o poema “Dores do Amor”, nos mostrando uma história de desfecho final feliz, onde dando se recebe. “História de Amor e Dor” / Onde o amor se encontrou / Difere do dissabor / Contido em “Dores do Amor”. Aplausos nobre poetisa! No mais, parabenizar a riquíssima explicação sobre a robusta e bela árvore “Ipê”! Belo trabalho! Um abraço a todos! Fiquem com Deus! Parabéns Blog Maçayó! Até o próximo domingo!

    Valdemar Guedes

    ResponderExcluir
  18. Baltazar Filho e a veia poética. O cenário conturbado gera vontade de protestar, de fazer refletir e o seu poema tem esse poder. Vamos criticar fazendo poesia. Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão pela ilustre visita ao nosso Recanto do saber, ficamos honrados pelo seu gentil comentário. Seja bem-vinda!
      Boa noite, com poesia! Volte sempre!

      Excluir
  19. Obrigado professora,Magnífica Vice Reitora da EUPB. A sua visita ao blog e o seu comentário dos deixa honrados e linsonjesdos. Em nome de todos que fazem o Maçayó nossa gratidão. Essas suas palavras me fortalece a veia poética e a vontade de escrever mais. Um beijão, obrigado!

    Baltazar Filho

    ResponderExcluir