domingo, 24 de abril de 2022

Retirantes - Triste partida

 
 
 
 Blog  Maçayó

Edição   Nº   486

  
Cãndido Portinari

 LEITURA   DE   DOMINGO
 
 OS RETIRANTES

          A seca castigava aquele pequeno vilarejo, localizado em uma cidadezinha no sertão de Pernambuco. Lá a cultura do milho tinha grande importância para os moradores, pois era o único meio de sobrevivência para eles.
          Os habitantes daquele lugar já não sabiam como minimizar os prejuízos provocados pela seca. Com a falta de chuva, as plantações de milho precisavam de irrigação para crescer e, o investimento era muito alto... O Senhor Joaquim dono de um pequeno sítio denominado, Porteira Quebrada, estava desesperado, pois tinha perdido toda safra de milho, do ano anterior. Naquela época do ano, os milharais deveriam estar ocupando o terreno da propriedade, mas a palma e o mato tomavam conta do sítio do agricultor, já que ele não havia plantado por causa da falta d'água e de investidores. A ação do agricultor era pertinente, tendo em vista que, já aproximadamente três meses não chovia no sertão, um pingo d’água sequer. O pequeno lago artificial próximo ao sítio já estava totalmente vazio. Era mais uma preocupação para ele; como mataria a sede dos poucos animais que sobreviveram à estiagem do ano passado. No pequeno sítio tinha uma vaca magra e sofrida, mas muito boa leiteira, e duas galinhas com alguns pintinhos. Temporariamente, era com a venda do leite que o Senhor Joaquim alimentava toda sua família.
          O sol, ainda, não havia resplandecido no horizonte, mas o Senhor Joaquim já estava sentado em frente ao terraço, meditando e buscando soluções para o problema da seca. Sua esposa, Dona Olívia, aproximou-se devagar, e disse-lhe:
          - Marido, você não vai tomar seu café?
          - Mulher, estou preocupado demais, com essa estiagem, a água está escassa para os animais beberem. Assim, nossa vaquinha não dará leite suficiente para a comercialização. Como vamos sobreviver?! Questionou Senhor Joaquim.
          E quase chorando, ele continuou falando:
          - Você sabe que arrendei nosso sítio, quando foi preciso construir esse lago artificial, que hoje está quase vazio e somente trouxe prejuízos para nós.
         A mulher não conteve o choro, tinha um olhar de tristeza, e seus olhos estavam emaranhados pelas lágrimas que escorriam sem controle.
           Ela olhou fixamente para o marido, e disse-lhe:
          - Meu velho, vamos tomar nosso café?! Tem um pouco de leite e cuscuz na cozinha.
         O casal tinha um único filho, com dois aninhos de idade, o pequeno Gabriel, que até parecia um anjinho e precisava muito de uma saudável alimentação... Já ao redor da mesa, Dona Olívia falou:
          - Vamos embora para São Paulo, marido, em busca de um sonho promissor?
          - Mulher, deixe de besteira! Aqui temos um pedacinho de chão e o nosso casebre. Respondeu-lhe o marido.
          E Dona Olívia olhou serenamente para ele, e disse-lhe com precisão:
          - Para que serve, um sítio arrendado, uma plantação de milho perdida e meia dúzia de animais quase mortos, por causa da seca.
          O homem saiu correndo, em disparada por entre as palmas, sem rumo certo. Só se ouvia o choro penoso de fome, do pequeno Gabriel. Depois de muito correr, ele parou e fixou seu olhar no vazio do pasto. E passou pela porteira escancarada e quebrada desde o tempo do seu avô Tião.  Já cansado da correria, ele avistou de longe a vaquinha caída e percebeu que o animal estava morto. O mundo desabou para ele que procurou chão e não encontrou, e pensou: “Como vou alimentar minha família? Não posso continuar assim; tenho uma família para sustentar!" Saiu cabisbaixo à procura de um local para enterrar o pobre animal que jazia no terreno seco. Sobraram apenas duas galinhas, quatro pintinhos e um sítio arrendado. Com muita tristeza o homem enterrou a vaquinha e dirigiu-se ao casebre. Viu sua esposa chorando junto ao fogão, e foi logo dizendo:
          - Mulher, tomei uma decisão, vou entregar o sítio ao banco, vender os animais e viajaremos, em retirada, para São Paulo. E assim, aconteceu!
          Certa manhã, eles viajaram na carroceria de um caminhão em busca de um sonho promissor. Deixaram para trás uma vida inteira de muito trabalho.
         O tempo passou... Em São Paulo, o Senhor Joaquim conseguiu um destinto emprego, dona Olívia passou a trabalhar de costureira e Gabriel deu continuidade aos seus estudos até se formar. Eles moravam em uma casa modesta, bem colorida e acolhedora. Nunca mais voltaram ao Sertão, o sítio fazia parte de um passado, mas às recordações permaneceram por muitas gerações. História que foi passada de pai para filho.

Elisabete Leite
Roberval Sales

A Seca no Nordeste

Dentre os muitos aspectos apresentados pela Região Nordeste o que mais se destaca é a seca, causada pela escassez de chuvas, proporcionando pobreza e fome.
A partir dessa temática é importante entender quais são os fatores que determinam o clima da região, especialmente na sub-região do sertão, região que mais sofre com a seca.
Sertão nordestino apresenta as menores incidências de chuvas, isso em âmbito nacional. A restrita presença de chuva nessa área é causada basicamente pelo tipo de massa de ar aliado ao relevo, esse muitas vezes impede que massas de ar quentes e úmidas ajam sobre o local causando chuvas.
No sul do Sertão ocorrem, raramente, chuvas entre outubro e março, essas são provenientes da ação de frentes frias com característica polar que se apresentam e agem no sudeste. As outras áreas do Sertão têm suas chuvas provocadas pelos ventos alísios vindos do hemisfério norte.
No Sertão, as chuvas se apresentam entre dezembro e abril, no entanto, em determinados anos isso não acontece, ocasionando um longo período sem chuvas, originando assim, a seca.
As secas prolongadas no Sertão Nordestino são oriundas, muitas vezes, da elevação da temperatura das águas do Oceano Pacífico, esse aquecimento é denominado pela classe científica de El Niño, nos anos em que esse fenômeno ocorre o Sertão sofre com a intensa seca.
A longa estiagem provoca uma série de prejuízos aos agricultores, como perda de plantações e animais, a falta de produtividade causada pela seca provoca a fome.

Vegetação

No Sertão e no Agreste o tipo de vegetação que se apresenta é a caatinga, o clima predominante é o semiárido, esse tipo de vegetação é adaptado à escassez de água.
Algumas espécies de plantas da caatinga têm a capacidade de armazenar água no caule ou nas raízes, outras perdem as folhas para não diminuir a umidade, todas com o mesmo fim, poupar água para os momentos de seca.

Rios temporários ou sazonais

Os rios que estão situados nas áreas do Sertão são influenciados pelo clima semi-árido, dessa forma não há grande incidência de chuvas.
A maioria dos rios do Sertão e Agreste é caracterizada pelo regime pluvial temporário, isso significa que nos períodos sem chuva eles secam, no entanto, logo que chove se enchem novamente.
Nas regiões citadas é comum a construção de barragens e açudes como meio de armazenar água para suportar períodos de seca.

Por: Eduardo de Freitas
Graduado em Geografia
https://brasilescola.uol.com.br/amp/brasil/a-seca-no-nordeste.htm

RETIRANTE

Retirante é o termo que se refere à pessoa ou grupo que abandona a sua terra por causa da seca e da miséria em busca de uma localidade que lhe dê melhores condições de vida. Foi amplamente usado no Brasil para se referir a nordestinos que migravam para as grandes cidades do Sul–Sudeste brasileiro, fugindo das secas. Wikipédia

J. Borges - Xilografia

 ENCONTRO DE POETAS

Andanças!!! 
Joseraldo Ramos e Carlos Isaac

Quando por fim cai o véu da ilusão,
Nos picadeiros ou nos palcos dessa vida,
E nos remete uma história não vivida,
Os castelos de areia vão-se ao chão.

Quando enfim, a história fica sem ação,
Chega e se entrega, por fim será vencida.
Nos desencontros de cada avenida
Que em passados jamais se remeterão.

Sendo assim, um acaso em cada fim,
Reavivará  um outro não, sem outro sim,
Promovendo nessa história outro ideal.

E ainda que aceitemos que pecamos,
Pagaremos pelos erros o que passamos,
Pra que a vida nos oferte outro final.

Invertidas do amor

Será assim: Se queres ir, te deixo ir.
Não existe mais um horizonte à nossa frente.
Se o desamor nos tornou indiferentes,
E já paramos de pensarmos no porvir.

Quando a desunião acabou, sem se  unir
E o tempo o torna inacabado, indiferente,
Não haverá mais o lado a lado que se sente.
Se o tudo que nos resta é desistir.

E esse amor que um dia nos uniu,
Criou asas, decolou, mas sucumbiu,
Nos fez Ícaro buscando outro final.

Hoje sabemos,  valeu o que vivemos,
Onde um com o outro erramos e aprendemos
A diferença entre o eterno bem e o mal.
 
Joseraldo Ramos e Carlos Isaac.
 
Sintonia

Mãos e pés atados
Peito magoado
Estradas e caminhos tortos
Bocas em silêncio
Braços poderosos
As luzes da cidade
Impedem o brilho das estrelas.
Quer comer, não come
Quer sentir, não sente
Quer dormir, não dorme
Mas, ninguém socorre.

Elias dos Santos.

Anamorfose


Distorcidas imagens que o poder desfoca
Na ideologia de um país moderno
Escondem apenas dentro do seu terno
A podridão que tanto nos sufoca.

São fantasmas passeando ao meio-dia
lepidópteros ao redor de uma vela
Cada um tramando sua rebeldia
Como um pintor que abandona sua tela.

Com sorrisos e com ar de lealdade
Como um espelho que a imagem recompõe
Prometem coisas, permitem que o povo sonhe
Mas, no entanto, só distorcem a verdade.

Reconstruir a figura do país
Só com as lentes que se possa captar
A imagem que o povo sempre quis
Ver, sentir e viver para acreditar.

Falam das matas, rios e ecologia
Reúnem o mundo para que todos possam ver
Põem no papel essa falsa ideologia
Prometem mágicas que eles não sabem fazer.

Reeduquem-se o princípio e a moral
Elaborando um artigo no congresso
fazendo jus ao título "ordem e progresso"
Que está escrito na bandeira nacional.

Elias dos Santos.
 
J. Borges - Xilografia

TAPETE DE LUXO

Assim como eu sou teu tapete de luxo
Sou a cama macia dos teus dissabores
Sou a tristeza de um abraço que amacia
Sou o martírio dos teus sombrios amores.

Nada mais tens que um sorriso amargado
De um alguém que todos os anseios perdeu
Em troca de um amor daquele passado
Que vive no coração que nunca foi teu.

Este coração, que tanta angústia suporta
Em troca da voz que muito me encanta
Do tapete de luxo que meu amor esqueceu
Tão pisado e abatido nos cantos da porta!

Socorro Almeida
Recife, 23/12/2021

 SE VALER A PENA

São as amarguras que o abalam
Ou seu espírito pequeno e sem fé...
Estão na alma os seus desencantos
Ou a incompetência em se manter de pé?

Se está no passado um bom recomeço
Retorne agora a tudo que deixou
Ali onde você errou, pague então o preço
Pra merecer o amor que você negou.

Não se aflija, tudo tem começo e fim
É o ciclo da vida, no vai e vem sem parar
E tudo aquilo que você teve de mim
Terá de outro alguém, você verá!

Quanto a mim... me cabe apenas resolver
O que meu coração não pôde perceber
Se o que sinto vale a pena preservar
Ou se resguardo esta saudade de você!

Socorro Almeida
Recife, 12/01/2022

SOL
Por: Baltazar Filho

Ao distribuir raios luminosos
Irradiando o altar celestial
Espalha seus fios ionizantes
No campo magnético espacial

Um desfile cósmico estrelar
Pelas cadeias do hemisfério
Produzindo a energia solar
Em gigantescas placas de ferro

Majestosa galáxia dourada
Astro luz, rei dos planetas
Desfila seu brilho na estrada
Na eletricidade da natureza.

        Em, 02/04/2022

LUA
Por: Baltazar Filho

Circunferência de infinita grandeza
Estrela da noite de brilho maior
Lua, cristal de reluzente beleza
Inebriante igual ao brilho do sol.

Resplandecente e deslumbrante
Sua luminosidade contorna o horizonte
És um planeta de raios eletrizantes
Tens a forma de São Jorge no seu semblante.

Teus raios desfilam no contingente
Num tapete de nuvens magnéticas
A tua silhueta reluz todos os continentes
Estrela plangente de poderosa esfera.
 
              Em, 19/08/2022
 
A. Almeida
 PONTO DE VISTA
 
 UM PONTO DE VISTA - Uma mensagem para Garcia
Autor: Manoel Antônio dos Santos
Presidente da ACEG  
 
Lembro-me ter recebido um impresso, cujo título reproduzo acima, quando de meus idos tempos do BNB. O início de minha vida bancária se deu na cidade de Iguatu - CE, em 1967. Acredito ter sido ali que tive a oportunidade de ler a presente mensagem.
Qual a importância dessa mensagem?
Trata-se de uma fábula clássica de uma atualidade impressionante. O texto foi escrito no século XIX pelo jornalista norte-americano Elbert Hubbard  se emprega nos ambientes corporativos, onde se espera que cada um cumpra suas obrigações, dando conta do recado. Fazendo as coisas acontecerem dentro dos princípios da moral e da  ética.
Diz o autor que a ideia original veio de um argumento de seu filho, sustentando ser Rowan o verdadeiro herói da Guerra de Cuba. Rowan deu conta do recado e entregou a mensagem a Garcia. Partindo da ideia original, o autor, a princípio, não se deu conta da importância do texto até  quando começou a receber pedidos de reprodução do mesmo e foi traduzido para várias línguas.
Transcrevo parte da mensagem para melhor compreensão:
“Em todo este caso cubano um homem se destaca no horizonte de minha memória.
Quando irrompeu a guerra entre a Espanha e os Estados Unidos, o que importava a estes era comunicar-se com Chefe dos insurretos, Garcia, que sabiam encontrar-se em alguma fortaleza no interior cubano, mas sem que se pudesse dizer exatamente onde. Era impossível um entendimento com ele pelo correio ou pelo telégrafo. No entanto, o Presidente precisava de sua colaboração o mais rapidamente possível.
O que fazer?
Alguém lembrou: “Há um homem chamado Rowan, e se alguma pessoa é capaz de encontrar Garcia, há de ser Rowan”. Então, o Rowan foi apresentado ao Presidente que lhe confiou a carta para ser entregue ao General Garcia. Tomando a carta,  envolveu-a com material impermeável, “e nem sequer perguntou: Onde ele está?” E começou a  embrenhar-se  no sertão cubano para depois de três semanas , após o enfrentamento de  todas as adversidades, entregá-la ao destinatário
“Salve! Viva!  Eis aí um homem cujo busto merecia ser fundido em bronze e sua estátua colocada em cada escola. Não é somente de sabedoria livresca que a juventude precisa, nem somente de instrução sobre isto e aquilo. Precisa sim de um endurecimento das vértebras, para poder mostrar-se altiva no exercício de um cargo; para atuar com diligência, para dar conta do recado; para, em suma, levar uma “Mensagem a Garcia”.
Será que hoje estamos precisando de gente como Rowan em todas as atividades, sejam elas públicas ou privadas?
É de suma importância que cada um de nós faça uma reflexão a respeito do assunto, conscientizando-nos de nossa responsabilidade de não fazer apenas o que lhe pede: Faça o que tem de ser feito e vá além. Precisamos de pessoas com iniciativas e proativas.
Precisamos de pessoas capazes de levar uma mensagem para Garcia.

Guarabira-PB, 12/abril/2014.

*Mensagem a Garcia é um ensaio escrito por Elbert Hubbard e que se transformou em dois filmes. Foi inicialmente publicado como um enxerto sem título para a edição da revista Philistine de março de 1899, que ele editava, mas logo foi reeditada como um panfleto e um livro. Wikipédia
 
 A Moça da Varanda (1)
                      
Buscando a varanda. Então,
Há razões para tal fato?
Sim! Com certeza para o ato,
Vontade de ver alguém de montão.
                II
De um amor apaixonante
Que nem o tempo nunca desfez
Perseverança e amor. Talvez
No compromisso confiante.
                 III
Eis a razão de tal varanda
Só o amor justifica e tal
Atitude não costumeira.
                  IV
E a verdade assim desanda
De um amor tão sentimental,
Além de tudo companheira!

Manoel Antônio Dos Santos
Guarabira-PB, 17 de Janeiro de 2022.
 
 A Moça da Varanda (2)

        Cadê a moça da varanda,
        Viajando sim com certeza,
        Para o sertão, que beleza
        Cidade linda e veneranda.
                II
        Cajazeiras do Pe. Rolim
        Da Paraíba és a mestra
        Cultura das letras na palestra,
        Rogo-lhe a proteção, enfim!
                III
        No buscar dos sertões veredas,
        Fazendo uma boa viagem,
        Prazer de todo viajante.
                IV
        Pensando bem, as labaredas
        Do amor ardente e coragem,
        Do esplendor tão borbulhante.
        
Guarabira-PB, 19/janeiro/2022 -
Manoel Antonio.
 
 
Cãndido Portinari


Vidas Secas



domingo, 17 de abril de 2022

Paixão e Páscoa

 Blog  Maçayó

Edição   Nº   485

 
 LEITURA   DE   DOMINGO
 
  O FLORESCER ENTRE ESPINHOS

           Era período de escassez, tempo de vacas magras no Sítio Oiteiro, um pedacinho de chão, no sertão de Pernambuco, lá onde o vento fazia a curva. O verde da vegetação havia desaparecido, a chuva não molhava o terreno ocre dos arredores fazia muito tempo, e assim nada conseguia florir naquele lugar. Joãozinho um garoto de natureza boa, vivia esperando por um milagre, ele amava cuidar dos seus cactos e suculentas, e afirmava que os cactos conseguiam sobreviver em todas as estações, se fossem muito bem cultivados. A mãe do garoto, Dona Maria, ficava pedindo para o filho jogar os cactos no lixo, e falava para ele:
           - Joãozinho, meu garoto, você precisa jogar no lixo essas plantas, que jamais elas irão florir.
           O garoto olhava todo triste para sua mãe, e dizia-lhe:
           - Mamãe Maria, que mal essas plantinhas fizeram para a senhora! Eu só enxergo vida nelas. São seres vivos como qualquer outro!
          - Cale sua boca, Joãozinho! Elas jogam espinhos na gente. Deixe-as por aí e venha debulhar o milho da canjica, pois estamos atrasados. Vamos vender canjiquinhas na feira da comunidade, estamos sem dinheiro para nos alimentar e alimentar os nossos animais.
           Joãozinho deixou os cactos e suculentas no pequeno celeiro e foi debulhar o milho da canjica. Logo terminou seu ofício e foi executar tantos outros afazeres diários.
           O bom menino sempre acordava ao alvorecer do dia, quando o sol ainda brincava com a aurora, atrás do mato, e começava, assim como todo menino disciplinado e criado na zona rural as suas obrigações: levava milho e lavagem aos poucos porcos; jogava milho e canjiquinha para as três galinhas, um galo e pintinhos; varria os terreiros; buscava água para o pote e filtro de barro, e tantos outros afazeres.
           Dona Maria já não sabia o que fazer para alimentar os animais da propriedade, mas não pretendia vender aquele pedacinho de chão, pois era uma herança dos seus avós. Era, na verdade, o que pretendia deixar para Joãozinho. A senhora também vivia esperando por um milagre que estava demorando a chegar.
          Certo dia, Joãozinho foi regar seus cactos e suculentas, e teve uma adorável surpresa. O garoto observou que por entre os espinhos de um cacto mais jovem, estava brotando uma pequena flor vermelha, apenas o primeiro sinal de vida, mas era uma esperança que surgia. Logo, o garoto, com lágrimas nos olhos, colocou seu cacto que estava florindo para tomar um banho de sol, sua emoção foi tanta, que alguns pingos de lágrimas regaram àquela pequena florzinha, tão frágil ainda. O garoto despertou daquele momento de êxtase com os gritos da sua mãe:
           - Joãozinho, venha até aqui! Estou dizendo, agora mesmo.
          O menino parou o que estava fazendo, chegou bem perto da mãe, e disse-lhe:
           - Mamãe, nasceu uma florzinha no meu pequeno cacto! A senhora me chamou?
          Dona Maria observou que o filho tinha lágrimas nos olhos, e logo falou:
           - Meu garoto, deixe de sonhar e vá cuidar dos porcos que um senhor da cidade vem comprar o mais gordo para o casamento da filha dele.
          Joãozinho saiu sem nem olhar para trás e foi limpar a pocilga dos porcos. O  menino também arrumou todos os cactos e suculentas do sítio, no puleiro das galinhas, na esperança que alguém se interessasse por aquelas plantinhas. E permaneceu junto delas. Era quase final da tarde quando um senhor bem distinto estacionou seu carro no terreiro da pequena casa. Desceram do automóvel, um homem bem vestido, sua esposa e filha. Logo, Dona Maria se aproximou da família para tratar do assunto sobre a venda do animal e chamou Joãozinho para recepcioná-los. Joãozinho foi buscar o porco mais gordo e trouxe para os visitantes/compradores. O senhor gostou e comprou o porco, mas como o casamento só seria no final de dezembro e ainda era outubro, o senhor pediu que o porco ficasse para ser cuidado no sítio e ele pagaria todas as despesas. O homem já ia se dirigindo para o carro quando ouviu sua filha falando:
          - Pai, venha olhar uma coisa! Eu quero muito isso nas mesas dos convidados.
          A família se aproximou do poleiro das galinhas e Joãozinho quase desmaiou quando viu que todos os cactos estavam floridos, por entre espinhos brotavam lindas flores de diferentes cores e texturas. A jovem, filha do casal, falou:
          - Mamãe e papai, vamos colocar pezinhos de cactos floridos na mesa de cada convidado. Vamos comprar os cactos? Papai, por favor!
          O pai da jovem olhou para Joãozinho que estava chorando de felicidade, e disse-lhe:
          - Garoto, você pode cultivar vários cactos até o final de dezembro?
          -Sim senhor, será um prazer! Respondeu-lhe Joãozinho, com um largo sorriso estampado no rosto.
          O senhor deu um bom adiantamento em dinheiro, à mãe e ao filho, para que o porco fosse engordado e os cactos fossem cultivados até o dia do casamento da filha dele.
          O tempo passou... Chegou o grande dia, final de dezembro, o casamento foi um sucesso e Joãozinho e sua mãe conseguiram melhorar financeiramente, e o tempo passou a ser de vacas gordas. Chegou Janeiro, a chuva resolveu aparecer por lá e Joãozinho jamais deixou de cultivar e comercializar seus cactos e suculentas naquela propriedade.

Elisabete Leite
 
  FLOR DE CACTO

Oh! Como és adorável flor de cacto
Teu significado simboliza adaptação
Sobrevives entre espinhos e matos,
Trazendo esperança de exótica floração...

Tua persistência tem cores variadas
Tua força causa ao poeta inspiração
Ah, tu és de beleza rara e encantada!
Fazendo brotar poesia em nosso coração...

Tu provas que pode ser possível florir
E até se adaptar em contextos difíceis
Tens semblante cálido que parece sorrir
Deixas todas as dificuldades invisíveis...

Tua resistência é de valor existencial
Tu adornas qualquer local e ambiente
E com bastante sensibilidade natural,
Transformas teu cenário bem atraente.

Elisabete Leite
 
 ENCONTRO DE POETAS
 
  UM AMOR COMO O NOSSO

Eu repouso o meu canto em tua voz cansada
De tanto que me falas do teu amor por mim
Tão cansados estamos  dessa distância
Pela danada da saudade nunca ter um fim.

Olho pro céu, te procuro, e tua voz escuto
Minhas lágrimas, num só soluço, desencantam
Apesar de tua ausência, ainda ouço o canto
E adormeço, ao som de tua voz, num minuto.

És tudo aquilo que eu sonhei, meu amor
Todo amor que existe em nós não tem limite
Só lamento que na humanidade não existe
Um amor como o nosso pra aliviar a dor!

Socorro Almeida
Recife, 12/03/2022
 
 ILUSÃO DE UMA MULHER

Por um corpo sarado, olhar repousante
Daquele que uma mulher delira na cama
Se dobra aos seus pés, em surtos de amante
Faz tudo o que pode, pelo homem que ama.

Tem como guia o seu carente coração
Não percebe inexpressivas frases de amor
E se deixa levar por essa aura de ilusão
Sem sentir, ascendeu a um mundo de dor.

Se ela soubesse da amargura que sinto
Por vê-la sofrer nessa ida sem volta
Minh'alma daria, pra que nunca sofresse...

E, do céu, eu abriria todas as portas
Cantaria em coro, com os anjos, sorrindo
E lhe daria muito mais do que merecesse!

Socorro Almeida
Recife, 05/04/2022
 

 TREM DO BREJO
Por: Baltazar Filho

Recordo quando criança
De inesquecíveis emoções
A Maria Farinha na estância
O balanço louco dos vagões.

Tenho lembrança da paisagem
Do apito do trem, alarmante
A movimentação na engrenagem
E o barulho do alto falante.

A geringonça correndo nos trilhos
Na singela capelinha, ouvia uma oração
Nos roçados, a beleza dos milhos
O trem apitava, palpitava o coração.

Pra chegar no rancho, era uma manobra
A caminhada longa, passavam-se as horas
Vô num calava a boca, contando anedota
As cigarras cantando e a avó contando lorotas.

          Em, 02/03/2022
 
  ESTRELA DA NOITE

Estrela de tamanha grandeza
Lua, cristal que ilumina a noite
Planeta lunar de brilho maior
Clareia o caminho escuro
Abrindo flechas ofuscantes
Ofuscadas pela luz do sol.

Resplandece o teu brilho
A tua luz é resplandescente
A tua luminosidade abraça a terra
Lua, estrela viva desfila no contingente
Teu bailado instiga a atmosfera
E abre o teu espaço no céu plenamente.

A tua energia é eletrizante
A tua energia é magnética
Infinita e poderosa é a tua esfera
A nos hipnotizar a todo instante
Com a silueta de São Jorge
No seu imaginário semblante!

                 Baltazar Filho
         19 de agosto de 2021
 
 
   Saudade
Joseraldo Silva Ramos

Saudade é a ausência daquilo que nos completa.
É falta do que se teve e não mais se tem,
É tudo aquilo que não faz mal, só nos faz bem
Quando por fim ela é o tudo que nos resta.

Saudade é chorar baixinho pra ninguém ver...
É essa falta absurda. É o que eu sinto,
É  a imensa necessidade tua, não minto.
É sempre te sonhar a cada adormecer.

Saudade é o que me  resta a cada momento.
É poder sentir teu cheiro em todo vento.
É contentar-se com tudo o que se ver.

Saudade é chorar sempre o pranto adormecido.
É acordar sem o sentir de ter dormido.
É estar entre a multidão e só ver você.
 
  Anseio
Joseraldo Silva Ramos

Se fez florir a semente germinada,
Ao percorrer o labirinto umedecido,
Percorreu um curto espaço no tecido
Dos caminhos escuros dessa estrada.

Esse símbolo de renovação do amor,
De almas e de outras vidas passadas,
Que as lágrimas se fez recompensada,
Que se fez risos, se antepondo a dor.

Envolto em pensamentos obscuros,
te faço votos de uma vida feliz
Te vejo já pronto e maduro.

Ansioso pelo seu coroamento
Quando já de partida desse ventre
Terás na gente, sempre teu porto seguro.
 
 
Nascido no dia 04(quatro) de Junho (06) do ano de 1964(mil novecentos e sessenta e quatro), Joseraldo Silva Ramos é filho primogênito do casal João Ramos de Oliveira(im memoriam) e Josefa Nazário da Silva Ramos. Fruto de uma família humilde, de Pai agricultor e mãe Professora, Joseraldo, é filho natural da Cidade de Lagoa de Dentro - PB, porém, costuma se autoproclamar, filho da "Cidade do Arisco", pequeno sítio localizado na periferia da cidade, de onde ainda revive na memória, com os irmãos Joseilda, Maria José (Linda), Cristina e Josinaldo, as mais belas recordações de sua infância.
Joseraldo é pai de 4(quatro) filhos, Anderson, Kícia, Karine e Neto e avô de uma Neta maravilhosa! Natália que são os motivos mais contundentes para que o mesmo desde cedo despontasse no campo da literatura, uma vez que casando logo cedo, e romântico inveterado, como sempre foi, entre um verso e outro, sempre ofertava-os aos seus verdadeiros amores, como também aos amores que sempre acreditou ser verdadeiros.
 
  Mordida no Isopor
Carlos Isaac

Nas calçadas da vida me fiz um louco,
A procura de um amor que não devia,
E esse amor que em meu peito não cabia,
Transformou meu horizonte em tão pouco.

Dias a fio meu semblante meio tosco
Inibia o gritar da voz como eu queria
E em meu peito, eu por certo já previa
Os temporais que me deixariam rouco.

E o vazio que cá dentro, aqui ficou,
De sequelas o presente me deixou,
Masoquismo, aceitação e nostalgia.

Quisera eu poder de novo  te propor,
Voltar a dar uma mordida no isopor
Que arrepiou a nossa pele um certo dia.
 
 Poetando Lembranças!
Carlos Isaac

Ainda hoje nos lábios eu carrego
O gosto de um beijo que nunca foi dado.
O sabor desse beijo que me foi negado,
Carrego comigo, e assim me entrego.

Vivo de lembranças, e a elas, não nego
Torturas e anseios que tenho passado,
De que adiantara se houvesse negado
Esse sentimento que nunca renego?

A vida é um sopro, uma ilusão,
Por vezes vestida de desilusão,
Em protagonismo ou em controversos

E devido aos beijos que nunca te dei,
Segui minha vida, mas nunca parei
Com a louca mania de te repetir versos!
 
Carlos Isaac Moreira, nasceu no dia 14 de Outubro de 1966, filho de Manoel José Moreira e Ivanilde Carlos Moreira. Vindo de uma família de 6 irmãos, ele é casado e tem 4 filhos. 
Formado em Letras pela UEPB, Especialista em Psicopedagogia pela FIP e Mestre em Práticas da Educação pelo Colégio D. Pedro II. Começou a escrever poesias com 13 anos de idade, ao longo desse tempo, conquistou alguns prêmios em concurso de poesias, o que lhe rendeu a publicação de um livro (com recursos próprio), intitulado "Com a Poesia na Alma". Tem se dedicado ultimamente ao projeto de lançamento do seu próximo livro, "Laços de Amor",  que já se encontra praticamente pronto.
 
 
 PONTO DE VISTA
 
 UM PONTO DE VISTA - CONCEITO DE VALOR

"A percepção de valor sempre estará associada à expectativa de atendimento de uma necessidade, ainda que essa expectativa seja inconsciente."
Isto posto, o que é, realmente, valor? Será que podemos bater no peito e dizer: somos pessoas de valores? Não.
Para que venhamos a adquirir valoração, várias pessoas contribuíram para nossa movimentação rumo ao topo.
Precisamos identificar, no outro, o que consideramos valor, associando à nossa imagem a isto.
Às vezes temos a sensação de que só basta querer e se valorizar para que as coisas aconteçam pela convergência de uma força cósmica.
Eis mais um ponto de vista.

Manoel Antônio Dos Santos
 
 

Páscoa
 
Páscoa é o momento certo
Pra gente recomeçar
em uma direção certa
que possa nos ajudar
no que nós temos buscado
e quem tem nos magoado
que perdoemos também
porque ninguém é perfeito
e se você ver direito
também já errou com alguém.

Se ame, entenda quem és
queira se dar mais valor
talvez esteja faltando
um pouco mais de amor
reedite sua história
que está em sua memória
das vezes que caiu
não desista de você
e quer saber o porquê
de ti, nem Deus desistiu.

Lucas Lima
 
  
A Páscoa é uma festividade muito antiga, que remonta aos tempos antes de Cristo. A palavra “páscoa”, do hebraico pessach, significa “passar por cima" ou "passar por alto” e celebra a libertação dos hebreus da escravidão no Egito, liderada por Moisés, marcada a partir da travessia no Mar Vermelho (Êxodo, 12, 13 e 14). Até hoje, os judeus celebram este acontecimento durante 7 dias, desde aproximadamente 1440 a.C.

Quando da passagem de Jesus pela Terra, a Páscoa ganhou um novo significado. Foi por ocasião da Páscoa judaica que o Cristo foi até Jerusalém – onde foi recebido por grande número de seguidores com ramos de plantas – e dividiu com seus discípulos a última ceia. Ali, Jesus compartilhou com os apóstolos os derradeiros dias que lhe aconteceriam e então, seguiu-se o plano divino. Jesus foi morto por crucificação na sexta-feira daquela mesma semana e, segundo a liturgia católica, que baseou as seguintes, ressuscitou ao domingo. A data, assim, comemora a “ressureição” de Cristo. A Páscoa católica é comemorada pelas igrejas ortodoxas e romana e possui uma data móvel, cujo cronograma foi estabelecido no concílio de Nicéia.

Ao longo dos milênios as festividades de Páscoa incorporaram símbolos de culturas pagãs, para facilitar a assimilação cultural da Igreja Católica por diversos povos. Como exemplos temos a simbologia do ovo, que na Europa antiga já era colorido por ocasião da celebração da chegada da primavera e significa renascimento e vida. Já o coelho, tem origem na deusa nórdica da fertilidade Gefjun, e para a Igreja simbolizaria a multiplicação da fé na instituição e no Cristo, por onde quer que estivesse presente.

Assumida pelos cristãos (católicos), a Páscoa Cristã é para eles, a lembrança de que Deus liberta seu povo dos “pecados” (erros), através de Jesus Cristo, novo cordeiro pascal. A comemoração acontece na época em que se lembra a crucificação de Jesus. Começa, infelizmente, após o término do carnaval, onde muitos já transgrediram Seus ensinamentos e termina no domingo onde Ele ressurgiu dos “mortos” para mostrar que Ele continua vivo e aguardando que O sigamos.

“Cristo é a nossa Páscoa (libertação), pois Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” – (João, 1:29). João usou o termo Cordeiro, porque usava-se na época de Moisés, sacrificar um cordeiro para agradar á Deus. Portanto, dá-se a ideia de que, Deus sacrificou Jesus para nos libertar dos pecados. Mas para nos libertarmos dos “pecados”, ou seja, dos nossos erros, das nossas falhas morais, devemos estar dispostos a contribuir, utilizando os ensinamentos do Cristo como nosso guia. Porque Jesus não morreu para nos salvar; Jesus viveu para nos mostrar o caminho da salvação. Esta palavra “salvação”, segundo Emmanuel, vale por “reparação”, “restauração”, “refazimento”. Portanto, “salvação” não é ganhar o reino dos céus; não é o encontro com o paraíso após a morte; salvação é “libertação” de compromisso; é regularização de débitos.

 
 Studio Maçayó
 
 Elias dos Santos In Concert

  

 IMAGENS; Paixão e Páscoa - Pixabay
 
 

 
 

domingo, 10 de abril de 2022

Anos 60

 Blog  Maçayó

Edição   Nº   484

 

 LEITURA   DE   DOMINGO
 
O EXPRESSO DA AGONIA

           Era início de outono no ano de mil novecentos e sessenta e dois, clima frio e folhas secas formavam um tapete avermelhado pelo chão. Osvaldo estava atrasado, devido o frio acordou um pouco mais tarde, ele precisava correr contra o tempo para um destino desconhecido no Expresso 252 que sairia logo mais ao meio-dia.
           Osvaldo Alencar era um rapaz oriundo de uma família de classe média, solteiro, temperamental e muito misterioso em suas ações; ele dificilmente se preocupava com o que acontecia pelo mundo. Mas entendia que os Beatles e os The Rolling Stones eram os ícones da música no momento, enquanto Bob Dylan representava uma música de protesto, o rapaz procurava respeitar os diferentes olhares e gostos daquele momento.
           Osvaldo vestiu uma roupa confortável, pegou seu agasalho, sua velha maleta, uma assídua companheira de viagem, e saiu quase correndo para a estação de embarque do expresso. Instalou-se no primeiro vagão, que por sinal estava completamente lotado, e permaneceu cochilando em pé. Um rapaz muito jovem pediu a Osvaldo para conferir o seu bilhete da viagem, e disse-lhe:
          - Moço, bom dia! O senhor pode me mostrar seu bilhete de viagem.
           Osvaldo olhou diretamente para o jovem, e respondeu-lhe:
           - Claro que sim! Bom Dia! E entregou-lhe a passagem para ser conferida.
          De repente, um tumulto no vagão, uma jovem gritava que alguém havia roubado a sua carteira de dentro da bolsa dela, e assim a confusão tomou conta do cenário. Muitas pessoas começaram gritando em defesa da jovem, o movimento feminista já era notório, e a partir dali muita coisa poderia acontecer. Osvaldo continuou cochilando alheio a toda aquela situação. O expresso passou por um longo túnel e todo vagão ficou às escuras, pouco tempo depois um grito solto no ar, quando o ambiente clareou novamente, o cenário era de um filme de terror. A jovem que havia reclamado do roubo da carteira, estava caída ao chão e banhada de sangue dos pés à cabeça; ela tinha sido esfaqueada várias vezes um pouco acima da barriga, não houve confirmação de morte imediata. O botão de emergência do expresso foi acionado, logo depois a moça foi levada ao hospital, mas ninguém poderia deixar o vagão sem autorização da polícia local. O tumulto recomeçou quando uma outra mulher olhou para Osvaldo, e falou:
          - Senhor guarda, por favor! Eu vi quando este senhor esfaqueou a jovem.
           O policial se aproximou mais da mulher, e disse-lhe:
          - A senhora está fazendo uma acusação muito gravíssima. Acho que deveria repensar o que disse.
          - Acusação grave, por quê? O senhor pode abrir a maleta dele que encontrará dentro à arma do crime. Respondeu-lhe.
          Osvaldo se aproximou do policial e da mulher que o acusava, e falou:
           - Policial, sei que o senhor é autoridade máxima aqui, mas vossa excelência tem um mandado de busca para abrir a minha maleta? Se tem pode abrir, se não tem providencie um, por favor!
           E o tumulto foi geral! O policial dispensou todos os ocupantes do vagão, com exceção de Osvaldo e a mulher que o acusou, e ambos foram direto para a delegacia.
          Já na delegacia foi aberto um inquérito onde Osvaldo era o principal suspeito da tentativa de assassinato a jovem esfaqueada e possível roubo da carteira da mesma. O delegado já com um mandado de busca autorizado providenciou os fatos. A maleta de Osvaldo foi aberta e dentro tinha aproximadamente mais de uma dúzia de diferentes facas, e assim todas foram enviadas para análise, como também estava a carteira roubada. O resultado saiu positivo, o sangue que constava em uma das facas era mesmo da vítima do Expresso 252. Para surpresa de todos, nas outras facas apareciam evidências de sangue de outras vítimas. E Osvaldo  foi imediatamente preso e acusado por assassinato em série.
          O tempo passou... a jovem esfaqueada no expresso da agonia se recuperou totalmente. Osvaldo permaneceu preso pelo assassinato de tantas outras vidas ceifadas, a mulher que o acusou saiu vitoriosa, e finalmente justiça foi feita!

Elisabete Leite
 
 

SEGUNDA LEITURA
 
 HISTÓRIA DOS ANOS 60

Os anos de 1960 ficaram conhecidos pelos excessos, pela estuação de liberdade dos jovens e pela certeza de que era possível mudar o mundo. O Brasil é marcado pelo final do governo de Juscelino Kubistchek e a inauguração de Brasília como a nova Capital Federal do país. O Brasil vivia a sua fase mais jovem, visto que a maioria da população tinha aproximadamente 20 anos.
O mundo se apresentava de forma revolucionária e inconformada, onde eram vistas manifestações a favor de mudanças e de mais solidariedade. Países coloniais foram sacudidos por guerras de libertação, entre elas o Movimento pelos Direitos Civis pedia pela dignidade dos negros norte-americanos. Por outro lado ocorria a Guerra Fria, sendo este um período de disputas entre os Estados Unidos e a já extinta União Soviética (URSS). O soviético Yúri Gagárin entrou para a história, em 1961, por ser o primeiro homem a ir para o espaço, marcando narrativa da civilização também por romper até mesmo o espaço e mostrando o anseio da sociedade em ir mais além. E não levou muito tempo, em 1969 os nortes americanos conseguem enviar o primeiro homem a lua, sendo este o cosmonauta norte americano Neil Armstrong junto com a missão Apollo 11. Sendo este um marco pela disputa espacial entre EUA e URSS.
Experiências com drogas são dissimuladas nesta década, além de uma revolução sexual e a presença de protestos pelos jovens contra o endurecimento dos governos. Neste mesmo período entra o surgimento do feminismo e de movimentos civis a favor dos homossexuais e negros. Os hippies é um dos movimentos comportamentais mais intensos e que marcaram história com protestos contra a Guerra do Vietnã e a Guerra Fria.

Confira abaixo alguns eventos históricos ocorridos na década de 60:

- É lançado em abril de 1960 o primeiro satélite meteorológico;

- Em 21 de abril de 1960, a capital do Brasil é transferida do Rio de Janeiro para Brasília;

- Yúri Gagarin torna-se o primeiro homem a viajar pelo espaço em 1961;

- Em 25 de agosto de 1961 o então presidente Jânio Quadros renuncia a presidência da república;

- O Muro de Berlim é construído em 1961;

- O Brasil se torna bicampeão mundial em 1962 na Copa do Mundo de Futebol realizada no Chile;

- A partir do início de 1962 a banda britânica Beatles ganha destaque mundial;
- O Rock’n Roll ganha destaque pelo mundo, sendo ligado à rebeldia política presente na década;

- Em 1963 ocorre no Brasil a primeira transmissão em cores do país pela TV Tupi;

- Em 22 de novembro de 1963 John F. Kennedy, então presidente dos E.U.A, é assassinado;

- A Televisão passa a ser considerada um meio de comunicação em massa;

- Ocorre um golpe militar em 1964 que tira da presidência o então presidente João Goulart;

- No Brasil ocorre o I Festival de Música Popular Brasileira, em 1965, com a participação de Vinícius de Morais, Edu Lobo e Elis Regina;

- Os jovens ganham espaço na TV pela primeira vez com o programa Jovem Guarda em 1965, sendo apresentado por Roberto Carlos, Wanderléa e Erasmo Carlos, permitindo explorar uma identidade própria, sendo este um grande marco musical e cultural para os jovens brasileiros;

- Tem início, em 1966, a Revolução Cultural na China;

- O ativista pelos direitos civis Martin Luther King é assassinado em 4 de abril de 1968;

- É criado o ArpaNet em 1969, sistema este que viria a ser uma espécie de protótipo para o que depois viria a ser a Internet, que conhecemos e utilizamos hoje;

- Em 1969 dá-se início ao Tropicalismo, sendo este um grande movimento cultural brasileiro;

- No mesmo ano acontece o histórico Festival de Woodstock nos Estados Unidos, com apresentações de grandes nomes do Rock;

- Neil Alden Armstrong entra para a história por ser o primeiro homem a pisar na lua em 1969 com a missão Apollo 11.

A década de 60 fica marcada por uma característica comum de todo o mundo, a esperança de dias melhores. Ocorrem então vínculos afetivos e familiares, a exploração e a redescoberta do corpo através do sexo como um importante propagador do prazer, levantando uma das frases que mais marcaram esta época: “Sexo, Drogas e Rock’n Roll”, tudo isso aliado a grandes manifestações públicas, movimentos culturais de música, artes plásticas e filosóficas, marcam esta década para toda a história da humanidade.
Pesquisa: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/psicologia/historia-dos-anos-60/53650
 
 

 
 ENCONTRO DE POETAS
 
 RIQUEZA DE UM POETA

Minha única riqueza são os meus versos
A riqueza da alma é o mais importante
De família humilde, de poucos recursos
Me foi ensinado que a vida é um instante.

O beijo é fugaz, é um vago delírio
Abraço que aquece um minuto é tormento
O olhar de paixão se perde na íris
Palavras ouvidas, se calam ao vento.

Promessas de amor, mentiras, enganos
Que a vida jogou no vale das penas
E o aperto de mão, um toque apenas
Do amigo que partiu pelo peso dos anos.

Tudo é passageiro, ilusão de um poeta
Sua única mentira é fingir ser verdade
Onde tudo que é certo, e nada se acerta
Prefiro meus versos, onde sou liberdade!

Socorro Almeida
Recife, 08/12/2021
 
INTENÇÃO DE UM POETA

Importe-me até você, que eu vou
Submersa em prantos de medo, mas vou
Viajando na saudade doída de dor
Bendita saudade que você me emprestou.

Estou decidida em poder devolvê-la
Já fiz uso dela muito mais que você
Enquanto chorava, agora faça valer
Que a saudade tenha, enquanto vivê-la.

Talvez me demore, mas não seja covarde
Não fuja, portanto, da responsabilidade
Em ter no peito aquela mesma saudade
Que comigo deixou, só por maldade.

Minha intenção, meu amor, é vê-lo feliz
Assim como fazem na flor os colibris
Assim como o poeta que ama infeliz
Morre de amor, de saudade e não diz!

Socorro Almeida
Recife, 25/12/2021
 
 Infância

Como é belo ser criança
Primavera da inocência
Flor que se abre para o mundo
Bela flor da adolescência
Criança não é adulto
Nada tem de experiência

Criança é passarinho
Que ainda não sabe voar
Precisa bater as asas
Primeiro aprender brincar
Ser cuidado pelos pais
Para aprender a sonhar.

Criança é liberdade
Fruto bom da natureza
Estrela do universo
Luz da vida,sutileza
Inocente,sem maldade
Pois é rei sem realeza.

Faça o melhor que puder
Ame sem medir distância
Criança tem o seu tempo
Reveja a circunstância
Criança não é gente grande
Ser criança é ter infância.

Elias dos Santos.
 

Hoje só Resta Saudade
Por:Manoel Firmino
Em:03/03/2022

A solidão não me assusta
Ela me traz tranquilidade,
Consigo repensar meus erros
E melhorar minhas habilidades,
Consigo ver minhas virtudes
O que fiz na juventude
Hoje só resta saudade.

De um tempo que se foi
Que não desfrutei na mocidade
Os anos passam de repente
Consumindo a minha idade
Lembranças estão na mente
O passado maior que o presente
E hoje só resta saudade.

manoelfirmino08@gmail.com
(83)986784726
 
 CAMINHADA
 
Tão longe e tão próximos
Sentimentos expostos
Terras longínquas
O que deveria afastá-los, os une.
Amigos, amantes ou almas gêmeas?
Que ignoram tempo e distância.
Uma dupla que trilha caminhos
Há milhares de anos.
Caminhos desconhecidos
A serem desbravados.
Nesse ritmo estarão a desfrutar
Das maravilhas prometidas por Deus
Transbordando em seus corações
A mais infinita tranquilidade
E inquietação jamais sentida
Na interminável antítese das suas vidas!
 
Sol&Lua
 
 SEUS OLHOS

Esses seus olhos
Brilham como
Como dois cristais
Ou mesmo como
Farol que me guia
Em noite escura
Perdido em mar bravio
São oceanos profundos
Com águas límpidas
Que chega parecer
Espelho onde a deusa da beleza
Vem se olhar.
Nesse mar castanho claro
Gostaria de mergulhar
Quem sabe até me afogar
Para poder viver eternamente
Nesse castelo de sonhos
Que se tornou seu olhar.
 
Sol&Lua
 
 

 A VOLTA DO CORDELISTA
 
 O DECÁLOGO:

Deus pede pra ser amado
De coração, alma e Espírito
Toda força e entendimento
Por ser o Deus do infinito
Esse é o ensinamento
Do primeiro mandamento
Pra seguir a Jesus Cristo.

Não profanar o Santíssimo
Deus, que se fez comunhão
Blasfemar contra a igreja
Crer na reencarnação...
Detratar, desrespeitar,
Jurar, nem pronunciar
O seu Santo Nome em vão.

Lei é determinação
Cumpri-la é se adequar
Nossa igreja recomenda
Para os domingos guardar
Os Dias Santos de Guarda
Não desperdiçar por nada
Mas, em família, rezar.

Ao pai e à mãe honrar
Prestar-lhes obediência
Ter respeito e gratidão
Aceitar advertências...
Cuidar deles na velhice
Com zelo, carinho, meiguice,
Afago, amor e paciência.

Não praticar violência,
Se embriagar, se drogar,
Conservar inimizades,
Aos outros injuriar;
Está bem claro na Lei:
Ao próximo, não desejeis
A morte, nem o matarás.

Ser casto e não praticar
Atos de leviandade...
O sexo sem matrimônio
Pra Deus, é infidelidade
Quem faz a masturbação
Mancha alma e coração
Peca contra a castidade.

Temor a Deus, lealdade           
Na Lei Moisés prescreveu
Quem rouba ou planeja furtos
Já no pecado incorreu...
Quem aceita ou tem guardados
Os objetos furtados
Não terá parte com Deus.

Que batizado sou eu?
Se minto habitualmente
Semeio calúnia, discórdia
Difamo frequentemente!
Manda a Lei se resguardar
De nunca testemunhar
Contra o irmão falsamente.

Ter, maliciosamente
Desejos fúteis, carnais;
Sentir, pelo mesmo sexo
Encantações Sexuais...
Tá na Lei com perfeição
À mulher do teu irmão
Tu jamais desejarás.

Os compromissos honrar
Não ter o outro enganado
Restituir ao seu dono
Algo achado ou emprestado
Quem cobiça coisa alheia
Além de ser coisa feia
Pela Lei é condenado.

                       Valdemar Guedes
                        Poeta Cordelista.
 
 

PONTO DE VISTA
 
 Um ponto de vista - O propósito da vida

Começo citando Viktor Frank - "Aos homens não basta saber que existem, mas para quê existem". Eis que devemos nos perguntar: qual o propósito de nossa vida? Ele precisa ser de grandeza? Não, mas precisa ser genuíno, autêntico. Nascer é uma oportunidade de evoluir como ser humano e, pelo que devemos ser gratos, aí passando tudo a nossa volta a fazer sentido, fazendo parte de nossa missão, colhendo o que plantamos.
Afinal, quem somos nós? Cada um com o seu eu natural ou o seu eu aprendido? Você gostaria de ser mais autêntico do que é? É evidente que há dissonância entre o que os outros dizem e o que acreditamos que somos. Mas, se não ouvirmos a nossa voz interior, não nos sentiremos nós mesmos. Só podemos ser felizes, se é que a felicidade existe, se estivermos no comando de si mesmo.
A nossa essência contém a nossa divindade e, às vezes, nunca se desperta.
Quando a essência não se manifesta, a pessoa não consegue ser genuína.
Espero que este pequeno texto possa ter contribuído para que você se mantenha mais conectado consigo mesmo, ciente do seu propósito de vida, refletindo acerca das perguntas abaixo:
1- Como eu quero ser lembrado?
2- O que eu quero deixar como legado?
3- O que me torna uma pessoa única e especial?
4- O que eu posso fazer para me aproximar do melhor de mim todos os dias?

Autor: Manoel Antônio Dos Santos