domingo, 26 de junho de 2022

Matuto Feliz

 
 
Blog  Maçayó

Edição   nº  494

 Tema das Imagens: Festas Juninas
  
 

 Matuto Feliz

Manoel Firmino dos Santos
Em:23/06/2022.


Meu sotaque é arrastado
As palavras atrapalhada
A elite não entende
Quando falo de buchada
Que saber como faz
Pois é gostosa demais
É víscera de bode picada.

Venha com seu português,
Que vou com meu linguajar
Fale o seu coloquial
Que gosto de conversar
Minha língua meio solta
Molha dentro da boca
Quando começo a cantar.

Estou um pouco triste
Com que tá acontecendo
Tão matando o São João,
A cultura tá morrendo
Tão trocando o forró
Em música que dança só,
Isso não tô entendendo.

Nada contra os cantores
Que são de outro estilo
É que sou nordestino
Nossa cultura tem brilho
Sanfona, zabumba e repente,
Para alegrar nossa gente
E muita comida de milho.

Não me preocupo
Por te sido criticado
Meu oxente é lindo
Meu povo é arretado
Sou um matuto feliz
Dono do meu nariz,
E por Deus abençoando.

manoelfirmino08@gmail.com
(83)986784726.
 
 
LEITURA   DE   DOMINGO
 
 UM AMOR PARALELO

           Era inverno, o sol resolveu resplandecer tênue por entre as folhas verdes dos coqueiros. A praia estava quase deserta, mas algumas pessoas já caminhavam em passos lentos, sem muita pressa de chegar a lugar nenhum.
A doce Clara chegou esbanjando beleza e cabelos esvoaçantes; seu olhar viajou por toda  extensão da praia, como se estivesse à procura de alguém. Ela ficou, inerte,  olhando o vai e vem das ondas que quebravam à beira-mar e formavam um branco lençol espumante. De repente, alguém se aproximou, e disse-lhe:
           - Clara, estou muito atrasado?
          A garota se virou e respondeu-lhe:
         - Sim, não tem problema! O importante é a sua presença porque preciso falar com você.
        O rapaz olhou fixamente para a jovem, e continuou falando:        
        - Ainda bem que você entendeu! Não posso sair toda hora de casa. Mariana piorou muito nesses últimos dias!
           A garota parecia sensibilizada, uma lágrima molhava seu rosto cálido, e continuou falando:
         - Mário, precisamos conversar! Nosso amor aconteceu sem a gente esperar, não era para ser assim.
          - Clara, aconteceu sim, eu nunca escondi a doença de Mariana.  Eu não posso abandoná-la quase moribunda em cima de um leito. Respondeu-lhe.
          - Eu não quero que você abandone Mariana! Você está louco! Ao contrário vou dar um basta nisso tudo. Já fomos longe demais. Clara virou as costas e saiu chorando.
            Mário ficou olhando a jovem desaparecer... Ele tinha certeza que tudo estava terminado, porque ele sabia que não tinha sido leal com ninguém, era um leviano. Fazia Clara sofrer sem merecer. E escondia de Mariana algo tão sério.
           Clara voltou para casa, convicta que Mário iria procurá-la em breve. Ela ficou pensativa: “Eu sei que Mário irá me procurar, mas não quero sofrer e nem fazer ninguém sofrer. Por mim, tudo está terminando."
           Enquanto isso, no outro lado da cidade, Mário entrou no quarto de Mariana, sua esposa, que tinha uma doença em estágio terminal. Ele entrou de mansinho e ficou chorando baixinho para não incomodá-la. Logo depois, mandou uma mensagem para Clara, dizendo que queria falar com ela, urgentemente... Já era noite quando Mário chegou ao local do encontro, e ficou esperando por Clara. A garota chegou um pouco depois dele, e disse-lhe:
           - Mário, tomei uma decisão difícil para mim, porém resolvi pôr um fim nesse nosso amor impossível. Mariana precisa de você mais que eu; seja fiel à ela até seus últimos suspiros de vida.
           O jovem Mário olhou para ela, e perguntou-lhe:
          - Você quer dizer que vai me abandonar?
        Clara olhou fixamente para ele, e respondeu-lhe:
       - Sim, espero que você fique bem! Você não deveria ter alimentado algo tão cruel, estou sofrendo muito, mas escolho meu sofrimento, pois não quero ser responsável pelo sofrimento de ninguém. Mariana não merece sofrer e nem tão pouco ela é culpada pela nossa leviandade, pois ela confiou em você e nas suas atitudes.
         Mário, olhou nos olhos de Clara, e disse-lhe:         
         - Clara, muito lhe admiro! Você está certa. Vamos consertar nosso erro! E por fim à algo que nem deveria ter começado.
         O tempo passou... Após a morte de Mariana, Mário continuou na cidade, lutando contra sua perda. Enquanto Clara viajou para outro País na intenção de esquecer tudo. Eles nunca mais se viram! Porém Clara sentia-se feliz pela sua atitude tão nobre.
          São tantas histórias assim…

Elisabete Leite - 21/06/2022
 
 DESPEDIDA

Não penses que chorei na tua despedida
Tua ingratidão anulou todo aquele esplendor
Levaste contigo aquele meu sonho de menina
Deixando o meu coração, e minh'alma ferida...

Abandonando meu barco em águas proibidas
Foste inconsequente, desumano e sem pudor
Partindo sozinho para uma Ilha esquecida
Tiraste de mim o luar, o sol, a fonte de calor...

Não penses que vou sofrer uma paixão recolhida
Pouco restou desses momentos, só solidão e dor
Tu eras uma pessoa completamente reprimida
Fingias possuir um sentimento avassalador...

Deixando-me sem norte, completamente perdida
Fizeste de mim seu passatempo, de humor
Foram tantos erros e ações descabidas
Que agora resolvi: ponto final em nosso amor!

Elisabete Leite
 

  ENCONTRO   DE   POETAS
 
 COM MAIS HUMILDADE

Foi assim que nós chegamos ao fim
Por intolerância, que só nos coube viver
Amargura e solidão ou talvez mais
Muito mais do que possamos dizer.

A arrogância pra quem ama é tão danosa
Quanto um quarto escuro para uma criança
Nem o sol da manhã lhe traz esperança
Pra não sofrer outras noites dolorosas.

Como se a vida fosse eterna pros dois
Quanta coisa se perdeu nos corações
Que agora é tarde resgatar ou reviver
As nossas moribundas emoções!

Fingindo então que nada se perdeu
Que nos importa se tudo hoje é saudade?
Que nos sirva de lição essa dor de agora
E sigamos a vida com mais humildade!

Socorro Almeida
Recife, 30/01/2022
 
 COMO ÉS PARA MIM

Meu amor por ti, ainda que não pareça
É tudo que meu coração ao universo projetou
E Deus que é o responsável por tanta beleza
Ao criar os horizontes, as ondas crespas do mar
Os oceanos em toda a sua grandeza
Fazem de ti o encanto das manhãs de sol
Para pousar em tuas faces quentes e macias
Pra nada mais desejar desse universo que é teu!
Não é por isso apenas que te amo
É tua imagem refletida em meu coração
Que eleva minha alma até às mãos do Divino
Para declinar meus sonhos em total gratidão!

Socorro Almeida
Recife, 14/08/2021
 
 

Feridas
Por: Joseraldo Silva Ramos


Perdido na imensidão do teu olhar,
Me encontro no abraço dos teus braços,
É nele que descanso meu cansaço,
E após o ato volto a caminhar.

Nessa luta sem vencido ou vencedor,
Sobre ela o repouso do guerreiro
Eu me sinto saciado por inteiro
Onde horas és Senhora e eu Senhor.

Nesse cenário de palavras incontidas,
Onde se esquece das dores e das feridas,
Nos desencontros das nossas voltas e idas.

Assim somos nós nesse momento,
Em atos, gestos e pensamentos
E espero que sejamos pela vida.
 
 Quem me dera

Quem me dera
Ser uma criança
Que vive a brincar
A correr, a cantar
Saltitar.

Quem me dera
Ser como uma criança
Que chora e logo sorri
Que apanha e logo se esquece
E faz biquinho quando se entristece.

Quem me dera
Ter a sua imaginação
Pra virar a cadeira
E fazer dela um navio
Uma casa, um trem
A direcionar minha vida.

Quem me dera
Voltar a ser criança
E virar este mundo
Pelo avesso
Quem me dera.

              Diógenes de Brito
 
 Como Adão e Eva

Não fiz e foi grande o prazer
Tive pressa de violar o proibido
Música foi aquela voz a me dizer
“Não, isso não lhe é permitido.”

Satisfaz-me o poder de desfazer
De jurar pelo o que já foi perdido
De mentir, de atirar, de perverter
Num pálido sarcasmo enrijecido.

É assim, somos sempre opostos
Fastidiosos de tristes rostos
Traídos pelos amarelados risos.

Preferimos as trevas e não a luz
A maça, a serpente que seduz
Ainda que existissem mil paraísos.

                              Diógenes de Brito
 
 
 Coração em chamas
Carlos Isaac

Quando uma nova emoção de mim se apossa,
Sinto verter no meu peito a esperança
De transformar meus desejos de criança
Nas lembranças que em mim ainda é tão nossa.

Dependente de ti para que eu possa
Me sentir embalado em uma nova dança,
Dia a dia procuro essa esperança
Que me incita, me anima, me remoça.

Porque sonhos sem sonha-los não os temos,
É preciso persegui-los para vivermos,
O que um dia essa vida nos furtou.

Passaremos assim, num túnel sem fim,
E participaremos de todos os festins
Dos banquetes que a vida nos ofertou.
 
  Juntando pedaços
Por: Carlos Isaac


Se os meus poemas, eu sei que jamais leste
Então devolva o livro que um dia te dei,
Nele a ti confesso o quanto pequei,
Ao escrever poemas ardentes como aqueles.
 
Faço esse apelo, espero que aceites,
Sem a alma ferida, com que eu aceitei,
Mesmo que não leves o tempo que levei,
Pra desconstruir os versos que um dia fiz neles.

E ao devolvê-lo tragas a minha vida,
Que outrora levaste minha antes querida,
Nos versos dos poemas que um dia te fiz.

Entre ontem e  hoje, tempo não teremos,
Porque no agora é do que vivemos,
Na incessante busca do que sempre se quis.
 
 

 
 
 

 
 

domingo, 19 de junho de 2022

Cores da Natureza

 
 
 
 
Blog  Maçayó

Edição   nº  494

 Tema das Imagens: Cores da Natureza
 

  LEITURA   DE   DOMINGO
 
 UM TURBILHÃO DE EMOÇÕES

          Era um dia calmo e ensolarado, a brisa fresca da manhã balança os galhos das árvores, as folhas caíam até o chão e um lindo arco-íris tingia o céu com suas cores vibrantes. A doce Marina caminhava descalça pela estrada de barro, sem se preocupar com nada, ela gostava de sentir a natureza e suas diferentes sensações. Nos dias ensolarados sempre costumava cavalgar pelas campinas, mas naquele dia preferiu caminhar sozinha.
          Marina era uma garota sonhadora por natureza, tinha os cabelos longos e ruivos, pele rosada e corpo esbelto. Estava concluindo o Ensino Médio, e tinha sonhos a realizar, como qualquer outra jovem da faixa etária dela. Vivia no campo em companhia da sua mãe, mas pretendia morar na cidade e frequentar a faculdade de jornalismo. Amava escrever, colocar em seu caderno decorativo, um turbilhão de emoções que a vida campestre poderia proporcioná-la.
           De repente, algo chamou sua atenção, um pouco mais à frente, um jovem soltava balões coloridos montanha abaixo, ele se esforçava bastante para que os balões subissem o mais alto possível. Marina suspirou fundo, encheu os pulmões de ar, se aproximou do rapaz, e disse-lhe:
           - Olá, sou Marina! Estou curiosa para saber por qual motivo você está soltando tantos balões coloridos?
          O rapaz olhou diretamente nos olhos amendoados de Marina, abriu um largo sorriso, e respondeu-lhe:
           - Prazer senhorita, sou Heitor! Para mim, soltar balões é o mesmo que esvaziar minha alma de todas às preocupações que contaminam o meu dia a dia e que dificultam a minha maneira de viver.
           Marina olhou para Heitor, e continuou às indagações:
           - Heitor, você pode esclarecer melhor o que você sente?
          - Marina, quanto mais os balões sobem e estouram no ar, eu fico mais leve e consigo sentir um turbilhão de emoções que à vida me oferece diariamente. E assim, as cores se misturam dentro de mim. Respondeu-lhe Heitor.
          Heitor entregou seis balões a Marina e explicou para ela o significado das cores de cada um: vermelho é a cor do amor; laranja, da energia; amarelo, da alegria; verde, da esperança; azul, da tranquilidade e o branco da paz. Depois olhou mais uma vez nos olhos de Marina, e disse-lhe:
          - Solte-os e sinta um turbilhão de emoções!
          Marina jogou os balões colina abaixo, respirou fundo, e entregou-se às várias sensações. Ela desprendeu-se do chão, começou a flutuar, ficou bailando no ar tal qual os coloridos balões. A garota sentia-se tão leve que podia até mesmo voar. Subitamente, olhou de um lado e do outro, mas o jovem Heitor não estava mais lá. Voltou para casa tranquila, sem pressa de chegar, tocando às flores, sentindo as sinestésicas sensações trazidas pelo vento, aproveitando na íntegra, o seu caminhar. Chegando em casa foi registrar no caderno as diferentes emoções sentidas.
          Todos os dias, Marina caminhava pelo mesmo local que encontrou o jovem dos balões coloridos, na esperança de reencontra-lo, porém sem sucesso algum.
           O tempo passou... Marina concluiu o Ensino Médio e foi morar na cidade. Certo dia, estava sentada no pátio da faculdade quando avistou alguns balões coloridos voando em sua direção. Logo, sentiu-se leve, e justamente o balão branco estourou em sua mão. Marina suspirou e sorriu, conseguia sentir a presença de Heitor dentro do coração.

Elisabete Leite - 13/06/2022.
 
 
 TURBILHÃO DE SENTIMENTOS

Tenho um turbilhão de emoções
Sensações sinestésicas marcantes
Olores com essências de alecrim
O sentimentalismo à flor da pele,
Colibris que pairam dentro de mim...

Ah! Sou um sol que nunca se põe
Tenho momentos de puro êxtase
Marés vazantes, sonhos gigantes
E vivo dando asas à imaginação,
Sou Primavera de tons e nuances...

Sou a própria natureza das coisas
A partitura da mais intensa canção
Harmonia, magia e suave melodia
O início, complemento e desfecho,
Arte, prosa, poesia, verso e reverso...

Sou as diferentes cores da natureza
O brilho das estrelas e a luz do luar
Sou a razão, sentimentos e emoções
O nascimento, a vivência e a morte,
Metamorfoses que podem transformar.

Elisabete Leite
 
 Tons de azul

Qual é a cor
que te leva
para mais perto do céu?...
É a cor azul,
que te faz lembrar do mar,
da Senhora de Aparecida,
chamariz de rara
e tamanha delicadeza,
cuja preferência
é de sete em dez.
A mesma cor
de tons que seduzem,
que transmitem
serenidade,
tranquilidade,
paz,
harmonia,
segurança,
tornando a vida
mais colorida e bela!

                      (Diógenes de Brito)
 

  ENCONTRO   DE   POETAS
  Pra não dizer que não falei de mim
(Diógenes de Brito)


Esta é a minha história, também a de um herói
Que vive sempre da hora, essa quase felicidade
Que não sucumbiu no calabouço da saudade
Feito enredo de João e de Maria, que mais dói.

Sou da saga dos justiceiros, que o inimigo destrói
Paladinos, vingadores modernos da sociedade
Em batalhas estelares, defendendo a humanidade
De armaduras blindadas, que o ácido não corrói.

Desfruto de todas as coisas que me são mel
Suporto todas as dores, quando tudo se faz fel
Sem curvar-me às loucuras do maligno opressor.

Sou pedra de moinho esculpida em mármore, sabão
Poeira, veneno, antídoto, sabedoria, amplidão
Um mestre, amante, amado, profeta, professor.
 
 Males nossos de cada dia
(Diógenes de Brito)


Na correria desse tempo enlouquecido, abismal
De ritmo bem acelerado, de valores dispersos
Quase não encontro pausa, repouso físico e mental
Para gerenciar minha vida, compor os meus versos.

É tudo por demais da conta, alucinante, anormal
Escolhas, distrações, exigências, assuntos diversos
Abreviando as coisas, as idas e vindas, o final
De seres estressados, depressivos, submersos.

São os nossos próprios males de cada dia
Nas palavras do Mestre, soando como profecia
Gerando expectativas, acontecimentos medonhos.

Levando embora as tradições, os sentimentos
Essa tal felicidade, os amores, os queridos rebentos.
Mas, apesar de tudo, ainda vivo em paz, tenho sonhos.
 
 

 SEM MEDO

Nossos sonhos cheios de esperança
Noites solitárias, orações e devaneios
Surtos de paixão que amenizam os anseios
Nós dois, e essa vontade que não cansa...

Em teus braços, orações que alegre escuto
No tremor dos teus lábios, na paz do teu beijo
Acolhida no calor de tua boca em culto
Quando me rezas uma bela oração que desejo...

Precisamos apenas de breves sorrisos
Nascidos do encanto do nascer de uma flor
Da audácia de quem ama, mas ama sem medo
Pra vivermos a vida em função desse amor!

Socorro Almeida
Recife, 23/06/2021
 
  MINHA VIAGEM

E Ele caminhou pelo mundo afora
Tentando sempre nos convencer
"Ninguém vai ao Pai senão por mim"
E eu, tão pobre humana
Tão a fim de ser feliz
Até do pouco merecer...
Ignorei essa verdade!
Descrevi minha desilusão
Por amar sem ser amada
Chorei, tanto e tanto, por nada
E corrompi meu coração!...
Decidida a entender os Seus desígnios
Desprezei as moedas que guardei
E viajei... a tropeçar nas pedras
Encontrei nas flores o seu perfume
A sombra das árvores pra descansar
E das pedras a fonte d'água
Matei então a minha sede!
Os frutos que eu trouxe na mochila
Que vão matando a minha fome
Aquelas moedas não pagariam...
Foi nessa Viagem que eu descobri:
- Foi preciso fugir de Ti
  Pra Te achar dentro de mim!

Socorro Almeida
Recife, 14/01/2022
 

 Pacto de amor
Por: Joseraldo Silva Ramos


Que os teus desejos sempre sejam os meus,
E o que acendeu em nós, fique sempre aceso.
O meu corpo e alma serão sempre seus,
De tanto querer, me sinto indefeso.

Dona do meu eu, pensamento meu,
Que em mim habitou e fez morada,
Fez-me ressuscitar o que antes morreu,
Amiga, esposa, eterna namorada.

Deusa, diva, musa da minha existência,
Parte do alimento e do ar que respiro,
Tua falta em mim causa abstinência,
Do que já vivemos, eu nada retiro.
 
 Minha doce rotina
Por: Joseraldo Silva Ramos


Eu te vejo em todas as manhãs,
E em tudo que há de mais belo,
No que se quebrou ou se fez elo,
E até em todas as coisas vãs.

Eu te vivo por todos esses dias,
Imaginando tua magia ou algo assim,
E te penso no teu não e no teu sim,
De sonhos, devaneios e utopias.

E vivendo de manhãs e amanhãs,
Assim te busco todas as manhãs,
Você dentro de mim virou rotina.

O teu olhar em mim faz alegria,
Esse encanto em ti me contagia,
Que de tanto admirar me fez teu fã.
 

 
 Vale, vale o encanto
Quebrado pelo Blues
Frustrando a balada.
Eis a cidade, o vale
Um saindo do outro
A viver o que lhes seduz.

Adultos saem da infância
Não voltam, se distanciam
Deixam o vale encantado
Seus sonhos asfixiam
Saem não voltam jamais
E matam a luz do dia.

Vale, vale o encanto
Que a tristeza quebrou
A infância, conto de fadas
Que lá no vale habitou
Clama, clama ao adulto
Que o sonho não acabou.

Rio que passa
 
 Foi bom teu amor em mim sem se consumar
Vingança presa à chave dentro do coração
Um ato falho sonho que não vem a calhar
Mas que cutuca, devasta e escuta toda emoção
Como não foste sem tu chegares pra me ausentar
Apenas sinto que tua não partida não foi invasão.

Tudo que ouço, vejo, cheiro, toco e saboreio
Vem pelo ar como vento matutino a me invadir
Teu corpo pleno do belo e teu ser me atingem em cheio
Por isso não fujo, não resisto nem vou ruir
És a presença do que não está e me parte ao meio
Essa solidão nem água nem gelo sem me diluir.

Olho do alto dessa colina não quero descer
Daqui eu respiro tua solidão sem grau sem nexo
Que mexe comigo mexido forte em meu ser
Senão o que explica essa antítese alma e sexo?
Que nos distancia, aliena, afasta eu de você
Por isso o ar cá em cima do monte é bem mais complexo

Rio que passa
 
 
 CANTA CORAÇÃO CAIÇÃRENSE
Letra para quadrilha junina.

Estou subindo
Me desembestado na ladeira
E o coração na tremedeira
Não para de acelerar.

Acelerado, disparado na carreira
Numa contagem a cem por hora
Tonto de ansiedade pra dançar.

Vou no concurso
Pra glória da nossa história
Em busca de uma Vitória
E outro título conquistar.

Canta junina!
Concentrados em fileiras
Se amostrando a nossa maneira
Simplória de participar
Refrão...
Eu vou frear
No meio dessa ladeira
Me agarrar a nossa bandeira
E com ela me enrolar.

Vai pipocar, a giranda vai disparar
Vai rebentar, e o balão vai estourar
E pipocando, o meu amor vai aumentar
O pipocou da junina nordestina
Vai ser primeiro lugar.

              Baltazar Filho
        01 de janeiro de 1987
 
 NAÇÃO BRASILEIRA
(A emoção de cantar as riquezas do nosso Brasil e versar nas cores da nossa bandeira)

Canta o Brasil orgulhoso
Samba no poeirão glorioso
Com os filhos da mãe nação
Desfila na avenida as riquezas,
Valores de nossa corte brasileira
Com galhardia e amor no coração.

No samba enaltecendo a nobreza
As reais cores da nossa bandeira,
Seus autênticos valores e seu brasão.

O verde das florestas
O amarelo do ouro
O azul do céu
O branco da nossa paz
Brasil de grandes riquezas
És precioso coberto por minerais,
Terra à vista gritou D. Pedro!
Independência ou morte, com vida e sem medo.
Liberdade ainda que tardia
Às margens do Ipiranga se ouvia
O Brasil independência teria,
Se a nova moeda fosse a ideologia.
                 Refrão...
Meu Brasil é campeão
Ouro ouro, o pulmão da nação
Palco de grandes carnavais
Terra do petróleo, rica em minerais.

              Baltazar Filho
      06 de dezembro de 1987
 

 SEGUNDA LEITURA
 
 SIGNIFICADO DAS CORES

As cores podem ter influência psicológica sobre o ser humano: algumas estimulam, outras tranquilizam, pois são captadas pela visão e transmitidas para o cérebro e consequentemente refletem impulsos e reações para o corpo.
O preto permite a autoanálise, a introspecção, pode significar também dignidade, está associado ao mistério.
O branco remete a paz, sinceridade, pureza, verdade, inocência, calma.
O verde simboliza esperança, perseverança, calma, vigor e juventude.
O vermelho ativa e estimula, significa elegância, paixão, conquista, requinte e liderança.
A cor amarela desperta, traz leveza, descontração, otimismo. Simboliza criatividade, juventude e alegria.
A cor azul produz segurança, compreensão. Propicia saúde emocional e simboliza lealdade, confiança e tranquilidade.
O laranja, além de significar movimento, espontaneidade, tolerância, gentileza, é uma cor estimulante.
O cinza promove equilíbrio e estabilidade.
O rosa significa romance, sensualidade, beleza.
A cor violeta significa sinceridade, dignidade, prosperidade, respeito.
O marrom associa-se à estabilidade, constância, significa responsabilidade e maturidade.

Publicado por Patrícia Lopes Dantas
https://mundoeducacao.uol.com.br/artes/significado-das-cores.htm
 
 
 Os signos e as suas cores: descubra a sua!


As cores têm direta influência e estreita relação com as nossas emoções. Por esse motivo, a cromoterapia, que é um tratamento alternativo que se utiliza das cores para o restabelecimento do equilíbrio físico e emocional, é um recurso bastante procurado por quem está em busca de uma vida mais leve e saudável.

Para além da cromoterapia, na qual cada cor tem uma função terapêutica diferente, as cores têm seus próprios significados e simbolismos, estando associadas a diferentes tipos de emoção, mentalidade e temperamento. Na Astrologia, esse fato se adequa completamente aos signos, e as cores dos signos podem falar tanto sobre eles quanto os próprios elementos do mapa zodiacal e as casas astrais.

Áries - vermelho
Este signo não à toa tem a regência de Marte, o “Planeta Vermelho”, já que esta é, de fato, a sua cor. O vermelho é a cor da energia, da vitalidade e da adrenalina; características muito presentes na personalidade do ariano, que é impulsivo e proativo por natureza. As variantes dessa cor que mais se adequam ao signo de Áries são tons suaves, como goiaba e salmão.

Touro - verde e marrom
Sendo um signo do elemento Terra, Touro relaciona-se com tons terrosos, então suas cores são verde e marrom. Esses são pigmentos da Mãe Terra, que se apresentam no taurino na sua típica sensação de estabilidade e calma interior. O verde é a cor do equilíbrio, este que é inato na mentalidade do nativo de Touro; e o marrom, por sua vez, expressa-se quanto ao conforto e à simplicidade desses indivíduos.

Gêmeos - amarelo
A cor dos geminianos é o amarelo, a cor da alegria. Essa cor está associada ao intelecto, ao raciocínio e à expressão e articulação dos pensamentos, palavras-chave do signo de Gêmeos, que é famoso por suas habilidades comunicativas. Sociabilidade, curiosidade e adaptabilidade também são pontos de fusão entre a cor amarela e a singularidade dos nativos geminianos.

Câncer - branco
Os cancerianos, que são regidos pela Lua, identificam-se com a cor branca. Representativa da pureza, o branco é a cor mais protetora e se relaciona com os estreitos laços familiares e emocionais que são muito presentes na personalidade da pessoa de Câncer. Acolhimento, emoção e memória são palavras-chave que conectam o signo de Câncer com a tonalidade branca.

Leão - laranja
Regidos pelo Sol, os leoninos são pura iluminação, por isso estão relacionados a cores quentes, como laranja, amarelo e dourado. Essas cores alegres são libertas de insegurança e também são incompatíveis com emoções negativas tanto quanto o signo de Leão o é por natureza. O dourado, assim como o amarelo, está associado à abundância e ao poder, explicativos da personalidade muitas vezes gananciosa e egocêntrica dos nativos de Leão.

Virgem – azul
A cor deste signo é o azul. Associado ao conhecimento, à integridade e à seriedade, o azul se relaciona estreitamente com o aspecto introspectivo dos virginianos. Essa cor é também a cor da calma e da tranquilidade tanto quanto o signo de Virgem o é, além de remeter ao silêncio e à espiritualidade. Para além dos tons azulados, o virginiano também pode se identificar com outros tons terrosos, já que se trata de um signo do elemento Terra, ligado a Gaia (a Mãe Terra).

Libra – rosa e azul
Os librianos estão conectados com duas cores: rosa e azul. O fato de estarem relacionados a duas cores praticamente opostas, por si só, já fala sobre a dubiedade do signo de Libra e seu espírito de indecisão. Enquanto o rosa influi em sentimentos amáveis, suaves e profundos, aguçando aspectos sensíveis, o azul se volta ao intelecto e ao íntimo, aspectos racionais, que se refletem em introspecção. Essa dupla combinação que se identifica com o signo de Libra se soma e resulta em diplomacia, palavra-chave da personalidade dos nativos de Libra.

Escorpião - vermelho
Tão profunda e intensa quanto os escorpianos é a cor vermelha, que está relacionada a este signo. Diferentemente do signo de Áries, porém, os tons que se identificam com o signo de Escorpião são mais sóbrios, como vermelhos mais escuros e vinho. Essa cor é própria da atração, do amor, da paixão e do desejo, características que são marcantes dos nativos de Escorpião. Poder e confiança são palavras-chave que conectam esse pigmento ao espírito e à mentalidade dos escorpianos.

Sagitário - Roxo
Ligados à liberdade, à espiritualidade e à descontração, Sagitário e roxo são a combinação perfeita, bem como seus tons adjacentes, como violeta e magenta. O roxo estimula e representa a generosidade, a criatividade e a independência, fatores que são intrínsecos ao sagitariano. Expansão e entusiasmo são palavras-chave que conectam o espírito e a mentalidade de Sagitário a essa cor, que também é símbolo de transmutação.

Capricórnio - preto
O signo de Capricórnio se relaciona com a sobriedade da cor preta. Tanto quanto a mentalidade do capricorniano, o preto inspira austeridade e ordem. Ambos são, ao mesmo tempo, de naturezas próprias de proteção e mistério. O preto está relacionado ao silêncio, e, por isso, conecta-se com o espírito introspectivo de Capricórnio. Maturidade e perseverança são palavras-chave que conectam esse escuro tom com a personalidade desse signo de Terra.

Aquário - turquesa
Ao signo de Aquário está associada a cor azul turquesa. Essa variante azulada inspira renovação e novas ideias, aspectos que são naturais dos aquarianos. Os nativos desse signo, muito ligados ao intelecto e à comunicação, identificam-se com a tranquilidade e a mentalidade envolvente do azul em tom turquesa. Ousadia e independência são palavras-chave que interseccionam o signo de Aquário com esse suave tom.

Peixes - verde-água
Como é um signo do elemento Água, Peixes está intimamente relacionado a tons que estão presentes no mar, como verde-água e índigo (que é uma variante escura do azul). Essas cores inspiram tranquilidade e profundidade, fatores inatos do espírito do pisciano, que é um indivíduo completamente ligado ao lado emocional. Inspiração e sensibilidade são palavras-chave que conectam o signo de Peixes a essas marejadas cores.

Agora que você já sabe que cada signo do zodíaco se relaciona com uma cor diferente e entende o porquê de o seu signo se associar a um tom específico, pode utilizar essa informação para se conectar ainda mais com o seu eu interior. Você pode desde meditar sob uma luz com tal tonalidade até vestir roupas e acessórios da cor do seu signo. Divirta-se!

 Thátyla Carvalho

 https://www.horoscopovirtual.com.br/artigos/os-signos-e-as-suas-cores-descubra-sua


 
 
 
Escolha do Editor
 

domingo, 12 de junho de 2022

São João está no Ar

 

  Blog  Maçayó

Edição   nº  493

 Tema das Imagens: Festas Juninas 
 LEITURA   DE   DOMINGO
 
 UM FORRÓ NO ALTO DO MOURA

          Era outono, estação do ano que se situa entre o verão e o inverno, o cenário parecia novelesco, o vento soprando suave e carregando as folhas pelo chão. Para quem mora no campo também é conhecido como a época da colheita. Maria Elisa vivia sonhando acordada, suspirando pelos quatro cantos da casa, ela amava as festas juninas. Jovem senhora que acordava ao alvorecer do dia e ficava admirando a natureza sorrindo para ela. Naquele dia esplendoroso de junho, o sol mostrava seus raios brilhantes, anunciando assim, que o dia seria propício para ser feliz. Elisa despertou de seus devaneios com o toque contínuo do telefone. A jovem sonhadora correu até o criado-mudo e atendeu a chamada, ficou por horas papeando com sua irmã. Logo depois, desceu as escadas correndo e cruzou com sua filha no corredor, e a cumprimentou:
       
   - Bom Dia, Isa! Veja como o sol está lindo!
           A filha olhou com carinho para sua mãe, e disse-lhe:
          - Mamãe, a senhora viu passarinho verde? Como a senhora está bonita e radiante esta manhã.
          Elisa olhou para sua filha, e respondeu-lhe:
           Oh querida! Quisera eu ter visto um passarinho verde. Bonita é você com esta jovialidade toda. Sua tia Lúcia me convidou para um forró Pé de Serra lá no Alto do Moura (
O Alto do Moura é um bairro do município de Caruaru, principal cidade do agreste pernambucano, localizado a cerca de 135 km do Recife. Wikipédia). Então iremos forrozar! Vamos! Vá acordar Mila!
          Bete, como gostava de ser chamada, era uma Senhora determinada e de bem com a vida, estava divorciada a pouco tempo, se sentia livre como uma borboleta a esvoaçar pelo jardim. Ela queria aproveitar os folguedos juninos em família...
          E assim aconteceu! Já em Caruaru tudo parecia festa, clima junino, bandeirolas coloridas por todo lado, cheiro de milho verde, diferentes músicas sertanejas e muitos matutos vestidos a caráter e matutas estilosas. Primeiro aconteceu um passeio turístico pelo Alto do Moura, local onde a arte predominava. Sabe-se que (Para 700 pessoas do Alto do Moura, bairro da cidade de Caruaru, interior de Pernambuco, o barro é fonte de sobrevivência e sustento, tão valioso quanto ouro. É a matéria-prima de peças de artesanato que fizeram do Alto do Moura um centro de arte figurativa reconhecido em todo o mundo. Hoje, esse legado está ameaçado.28 de dez. de 2021). Para mim, eu narrador, será outra história!
           Bete estava radiante, usava um vestido floral, com babados em xadrez, tinha um chapéu junino de palha prendendo os cabelos dourados que esvoaçavam pelo ar. Ela não pretendia conhecer ninguém, apenas queria dançar sem pensar no tempo. Logo, chegaram ao local do evento e lá já tinha bastante gente, belas músicas e muito forró pé de Serra. A jovem sonhadora tirou seu cunhado Milton para dançar, já que sua irmã Lucinha se sentia cansada da viagem. Eles pareciam estar flutuando e foram a atração do momento. A sonhadora Elisa dançava sem parar, com as filhas e com as sobrinhas, elas improvisaram até uma quadrilha animada que contagiou a todos e não deixou ninguém sentado. Já era noite fechada quando o forró acabou e chegou o momento de escolher a rainha do milho; para surpresa de todos Maria Elisa foi coroada a forrozeira alto-astral.
          Depois de um dia inteiro de muita festividade, chegou a hora do descanso merecido. Bete adormeceu no banco traseiro do carro e quando acordou já estava em Recife. De repente, desceu sorrindo do carro, olhou para o alto e começou a cantar:

            "Olha pro céu, meu amor
             Vê como ele está lindo
             Olha pra aquele balão multicor
             Como no céu vai sumindo..."

Elisabete Leite - 05/06/2022.

*Ver passarinho verde. É uma expressão usada quando alguém fica muito feliz sem motivo aparente. A origem da expressão supostamente está nos casais de namorados que antigamente trocavam mensagens usando um periquito como mensageiro.
 
  ARRAIAL DO BLOG MAÇAYÓ

A palhoça já está toda ornamentada
Bandeirolas coloridas na decoração,
A noite resplandece bastante estrelada
E o luar abre um sorriso de emoção...

Baltazar marca a quadrilha improvisada
Chama os casais para dentro do salão:
Pessoal, a paisagem já está enluarada!
Os pares devem ter disciplina e animação...

A quadrilha vai iniciar exatamente agora
A fogueira aquece a festa, altas chamas!
Canjica e milho verde são servidos lá fora
E a chuva intensa deixa o piso pura lama...

É o arraial dos poetas no Blog Maçayó,
É essencial que todos mostrem emoção
As pessoas juntinhas dançando o forró
Com cuidado, para não haver confusão...

Na quadrilha tem repentistas animados,
O público assiste com amor no coração
Em homenagem ao dia dos namorados
Até mesmo Santo Antônio toma quentão.

Elisabete Leite
 
 

 ENCONTRO   DE   POETAS
 
 Envelhecer
(Diógenes de Brito)

Um homem maduro se afastou dos inimigos
Expulsou os demônios da paixão mais doentia
Conheceu limites, se esquivou dos perigos
Bateu em retirada, sem solidão na noite fria.

Viu quão raros são os verdadeiros amigos
Não morreu de amor por quem não merecia
Quando pecou, suportou todos os castigos
Conquistou sonhos debruçado em poesia.

Para ele, envelhecer são prazeres inesperados
Sensação de liberdade em gestos ponderados
É estar na vanguarda, método rejuvenescedor.

Ter a energia dos velhos jovens, afetividade
Sem perdas que geram danos e fragilidade
Ser um aliado do tempo, o grande vencedor.
 
 Soneto da superação
(Diógenes de Brito)
          
O meu aprendizado de cada momento
Revelou o propósito do que foi construído
Escreveu um capítulo novo, cheio de alento
Tudo sob o comando do meu sexto sentido.

Não há ponto final no meu sentimento
Nem ciclo que se encerra sem ter existido
Embora não se negue o chorar, o sofrimento
Fraquezas inevitáveis de um coração partido.

Minha raiva, tristeza, angústia, ansiedade
Revelam um ser humano cheio de saudade
Preso no infinito labirinto das lamentações.

Mas sempre agarrado ao novo e bom recomeço
Superando obstáculos, toda queda, cada tropeço
Um eterno aliado da liberdade e das emoções.
 
 Proibidas tradições
 
Cores alegres
Que se agitam
Que tremulam
Prenúncio de festa
Comemoração
Alegria.

São pequenos pedaços
Que ao sabor do vento
Do tempo
Agigantam-se
Encolhem-se
Bandeirolas
Brancas, azuis
Verdes, vermelhas, amarelas
Doces recordações
Símbolos dos tons da minha vida.

De quando festas juninas
Eram tradições
Sem proibições
De fogueiras queimando
Brincadeiras
Fogos de artifícios
Comidas típicas
Sanfona choramingando
Céu enfeitado de balões.
                                (Diógenes de Brito)
 
 
 FORRÓ DO BOLE BOLE
Por: Baltazar Filho


Que forrozinho
Gostosinho de dançar
É pra lá e pra cá
Dois pra lá e dois pra cá
Olhe Zé na sanfona
Fazendo a introdução
O zabumba na palma da mão
A ponta do pé
Arrastando no chão
Os quadrilheiros
Gritam todos sem parar
O túnel vamos formar
O caminho da roça
Vai começar
 
 FUMACÊ
Por: Baltazar Filho

O pavio da lamparina aceso
Alumiando o sítio São João
O matuto dançando sem jeito
Um forró danado, xote e baião.

Dançando agarrado, coladinho
Arrastando o solado da chinela
Cheirando o cangote matutinho
Num arretado forró pé de serra.

Agarrado no ombro da fofa
O suor grudando no chão
Um fungado, arrepiado da gota
Levantando a poeira do salão

Bandeirolas bailando no pavilhão
O sanfoneiro no dengo do fole
Os fogos fazendo um clarão
O negão se mexendo num bole bole.

           Em, 03 de junho de 2022
 
 FESTA NO ARRAIAL

Noite iluminada, decorada com balões e bandeirolas.
Abrilhantada pelos, bois de reis, grupos folclóricos e os trios pés de serra.
Apresentações de quadrilhas, bumba meu boi e o xamego ao som de tareco e mariola.
No céu, foguetes subindo, no arraial os matutinhos na paquera.

Os casais dançando coladinhos com sensual molejo.
E a euforia dos caboclinhos subindo no escorregadio pau-de-cebo.
Fim de festa todos descabelados, tombando pelas calçadas, sem o solado do sapato.
Na cabeça um chapéu de palha furado, a cara toda borrada e o bolso sem um centavo.

O show não acaba assim! Ainda falta falar no bate coxas e da cachaça matuta.
Das caipiroskas e das comidas típicas preparadas com grande fartura.
Milho assado, pamonha, canjica, cocada de amendoim, arroz doce e o pão de açúcar com mel de rapadura.

                Baltazar Filho
         24 de junho de 2021
 

  E O AMOR SE FEZ...

Quando me disseste que sou uma louca desvairada por parar em plena madrugada, só para ouvir a sinfonia daqueles pássaros em total harmonia com a negritude da noite, senti uma sensação de vertigem. Parecíamos mais dois acordes fora de tom, na tentativa de nos adequarmos ao andamento daquela maravilhosa partitura! Dois ignorantes querendo ter nos gestos de nossas mãos, a capacidade dos maestros da divina Natureza! E tu, que também estavas lá, bem ao meu lado, tentava disfarçar a emoção que aquela música te causava. O vento sibilava em nossos ouvidos, o ruído da cascata se harmonizava àquela sinfonia majestosa, e o perfume dos sândalos se impregnava em nossos pulmões. Aprisionados a uma emoção assim, se entregar a esse encantamento seria a única solução para alcançar os céus, no aconchegante abraço do eterno amante. E ali o amor se fez, exatamente como Deus quis, em plena harmonia com a natureza, paraíso que herdamos do Onipotente!

Socorro Almeida
Extraído do livro Súplicas
2021 - EHS Edições
 
 SEM DÚVIDAS

É bom vê-lo aqui, submisso e carinhoso
Sem argumento, sem freios e sem queixas
E eu, ao seu domínio e sem mágoas
Onde quer que eu fique ou me deixas...

Uma incerteza vagueia em nosso leito
Aquela que teima à sombra de uma dúvida
A nos fazer desistir dos nossos sonhos
Mas nunca pela paixão de nosso peito!

Pelas horas, dias, ou meses após
Pelos anos que espero pacientemente
Se o tempo implacável não nos favorecer
Vou degustando a saudade de nós dois...

Socorro Almeida
Recife, 25/02/2022
 
 
 
FESTA JUNINA

Vejo estrelas bailando
Num dueto de amor,
luar dos apaixonados
Aquecidos no calor,
No acender da fogueira
Das festa de interior.

Lembranças das festas juninas do tempo das noites frias, dos amigos reunidos
Para mais uma quadrilha, quanta alegria havia o cheirinho da comida que das barracas subia e o brincar quem diria pescaria, tiro ao alvo era uma correria, para a barraca do beijo no final pra lá se ia.

E hoje, quem diria
Vivendo em contramão
A alma fica isolada
Disfarça o coração
nas livres raízes juninas
O São João da televisão.

Rizonete Alves de Souza
      23/06/2021
 
 SÃO JOÃO NA ROÇA:
 
Se aproxima o São João
O roceiro arma a palhoça
Pra o casamento na roça
Festa, e muita diversão.
Pro arrasta-pé no salão?
Um trio, com sanfoneiro,
Trianguista e zabumbeiro
Cantando e fazendo graça
E um papudinho de cachaça
De penetra com um pandeiro.

Do arraial, no terreiro...
Por bandeirolas enfeitado
Forte odor de gás queimado
Dos pavios dos candeeiros.
Sufocante fumaceiro...
Das labaredas primeiras.
Ao acender a fogueira
Até o fogo abrasar
Para o churrasco assar
E ferver o chá da chaleira.

Entre Iguarias Caseiras
O bolo de Milho Verde
Pinga pra matar a sede
Daquele tipo brejeira!
Inocentes brincadeiras:
De estou no poço, de anel
Contar estrelas no céu...
De esconder e pular corda
Além do Coco de Roda
Em volta do fogaréu.
 
O noivo, por ser fiel...
O casamento acontece!
Assim que a noiva aparece
Debaixo de um lindo véu.
Vão para a Lua de mel
Dando a quadrilha encerrada.
Lá na alta madrugada
Canta o galo no poleiro
Dizendo para os festeiros
Já vem vindo a alvorada.

Valdemar Guedes
Poeta Cordelista

 

 
São João está no AR...

São João está no A de Amor,
Também no B da Beleza, Bondade, Biju,
No C da Cocada, Carinho, Cuscuz,
São João está no D, de Dúvidas, Dívidas, Diversão,
Está no E de Encanto, Esperança, Evasão,
São João está no Ar.

São João está no F, Festa, Fartura, Feijão,
Também no G da Grandeza, Geleia, Geral;
No H da História, Herói, Herança,
São João está no I de Ilusão, Irmandade, Irmão,
Está no J de Joia, Justiça, Jiló,
São João está no Ar.

São João está no L de Lembrança, Liberdade, Limão,
Também na M de Mãos, Melaço, Mamão,
No N de Natural, Natureza, Natal,
São João está O de Opinião, Opção, Oprimido,
Está no P de Paz, Paisagem, Perdão,
São João está no Ar.

São João está no Q da Quadrilha, Quadrado, Quentão,
Também no R do Resultado, Reta, Reunião,
No S de Santidade, Salmonela, Salão,
São João está no T de Torturas, Tesouros, Tesão,
Está no U de Urdido, Urgente, União.
São João está no Ar.

São João está no V de Vitória, Velocidade, Violão,
Também no X de Xaxado, Xangô, Xadrez,
No Z de Zangado, Zumbido, Zangão.
São João não está no K, nem no Y e tão pouco no W.
Está na Água, No Fogo e na Terra,
São João está no AR.

Jorge Leite, Madalena 12/06/2022.