domingo, 16 de outubro de 2022

Lendas Urbanas


Blog  Maçayó

Edição   nº 511

 Tema das Imagens: Lendas Urbanas


LEITURA   DE   DOMINGO

LENDAS URBANAS: HISTÓRIAS QUE MAMÃE CONTAVA
   A LOIRA DO CEMITÉRIO

          Era uma noite fria de inverno, os raios iluminavam os caminhos, já que a lua e as estrelas resolveram não aparecer, pois o clima era de chuva e o tempo pardacento deixava o cenário sombrio...
          Miguel, precisava ir à escola de qualquer jeito, ele teria prova de Estatística naquela noite e, seu professor não perdoava quem não aparecesse na primeira chamada. Ele era um garoto muito tranquilo, morava bem próximo à Instituição de Ensino e obrigatoriamente tinha que passar pelo único cemitério do bairro, porém Miguel já estava acostumado com aquela rotina. Mas, naquela noite obscura tudo parecia diferente, ele pressentiu um ambiente pesado, um presságio que tomou conta dele, como se alguma coisa fosse acontecer, ele só não sabia o que era. Como estava muito atrasado, terminou se esquecendo do casaco para se proteger do frio, abriu o guarda-chuva e saiu quase correndo pela calçada, ele estava com medo de cair, pois a neblina era tanta que dificultava sua locomoção, não conseguia
enxergar nada à frente. De repente, um frêmito percorreu todo seu corpo e uma jovem loira, que por sinal, muito bonita, com os longos cabelos esvoaçando ao vento, passou por ele e chamou sua atenção, pois como estava chovendo muito, Miguel percebeu que a belíssima garota não estava usando sombrinha e nem agasalho, porém o mais assustador de tudo, era que ela não parecia molhada. Ele olhou para trás e não havia nem uma viva alma, seguiu seu caminho, já próximo ao cemitério seus batimentos cardíacos ficam acelerados e ele começou a sentir muito medo, observou que junto ao portão de ferro, bem na entrada do cemitério, lá estava a jovem loira, que segundos antes havia passado por ele, o cenário era assustador; impulsivamente ele abaixou a cabeça e acelerou os passos, não teve nem coragem de olhar para trás. Miguel, chegou à escola muito ofegante e foi direto para sala de aula fazer sua prova, ao término da mesma era hora de voltar para casa. Ele tremia de medo e de frio, por sorte encontrou Gustavo, seu vizinho e, foi logo puxando conversa:
           - Gustavo, você fez uma boa prova? Eu acho que não fiz.
           - É Miguel! Acho que também não fiz boa prova. Respondeu-lhe
          - Miguel, você vai sábado ao Baile de Inverno? Eu irei.
          - Vou sim, quero me divertir! Responde-lhe Miguel.          Os dois voltaram para casa pelo mesmo caminho, porém tudo transcorreu naturalmente, pois a chuva havia diminuído de intensidade e nada acontecera no percurso. Miguel chegou exausto, pela tensão emocional que passou, não deixava de pensar naquela loira, se deitou e adormeceu...
           Era sábado, o dia do Baile de Inverno na escola. Miguel nem se lembrava mais da noite sinistra, o que ele mais queria era se divertir com as garotas na festa. O salão estava lotado, ele foi procurar Gustavo, porém não o encontrou. Do nada, uma bela loira se aproximou dele, na mesma hora ele a reconheceu, era a tal loira do cemitério, que foi logo puxando conversa:
          - Sou Estela, posso sentar?
          Miguel olhou diretamente nos olhos amendoados da jovem, e respondeu-lhe:
          - Claro que sim, sou Miguel!
          Eles dançaram a noite quase toda. Miguel estava tão envolvido por Estela que nem tocou no assunto da noite chuvosa. A loira cheirava a jasmim, um perfume forte que inebriava seus sentidos. De repente, eles se beijaram e, logo depois a moça falou que precisava ir embora, pois já era meia-noite, Miguel se ofereceu para acompanhá-la e ela aceitou. Os dois fizeram o mesmo trajeto que Miguel costumava fazer quando voltava para casa. Bem próximo ao cemitério a jovem loira parou e, as luzes se apagaram, em poucos segundos se acenderam e ele ficou muito assustado, suas pernas começaram a tremer, ele olhou para um lado e para o outro, mas Estela havia desaparecido. Miguel ficou sem saber o que fazer, olhou para a lua, porém ela se escondeu, ele passou pelo cemitério e nem olhou para dentro, o medo era tanto que correu para casa, pensativo: “Meu Deus, quem será aquela loira que apareceu e desapareceu do nada?!"
          Já era quase manhã, quando Miguel despertou sufocado pelo aroma forte de jasmim, pulou da cama e foi caminhar, esquecer a noite anterior, foi aproveitar o nascer do sol. Ele procurava lembrar do rosto da tal loira, mas não conseguia, só sentia um cheiro envolvente de jasmim.
          Os tempos voaram... Miguel se esqueceu da loira, mas do cheiro de jasmim, ele ainda continuava sentindo.

Elisabete Leite
(Inspirada na Contação de História que mamãe narrava: “A Loira do Cemitério")


CANTINHO DA TIA BETA
 
Lendas Urbanas
Por Felipe Araújo
Categorias: Folclore, Mitologia

"Há mais mistérios entre o céu e a terra, do que toda a nossa vã filosofia".
William Shakespeare

Alguns mitos ficam gravados para sempre no imaginário popular. Quem nunca teve medo de bebericar um drink desconhecido e acabar sem um dos rins numa banheira com gelo? Quando pequenos, apertávamos a descarga do banheiro diversas vezes gritando palavrões, simplesmente para poder conhecer nossa musa: a loira do banheiro com seu algodão no nariz. Ainda existem lendas urbanas midiáticas, estas ficam no limite entre a verdade e a mentira, criando cultos e seguidores. E.T. de Varginha, Chupa-Cabras e aparições de Nossa Senhora são algumas delas.
Na verdade, estas lendas urbanas, mitos e histórias fantásticas ganham fama por serem divulgadas no boca-a-boca, e, após a revolução digital, por e-mails, sites, entre outros. Frequentemente são contadas com a premissa de terem acontecido com “um amigo da gente” e são enviadas com uma série de alardes do tipo “cuidado, isso pode acontecer com você”.
Elas ultrapassam décadas sendo espalhadas com pequenas alterações, como diz a sabedoria popular: “quem conta um conto aumenta um ponto”. Algumas foram traduzidas e fazem parte da cultura de vários países, como no caso da loira do banheiro, lenda que causa arrepios em pessoas de todas as idades até hoje. A história é sobre uma doce garota que teria se suicidado ou sido assassinada dentro de um banheiro, então, com sua alma presa ao sanitário, às vezes resolve aparecer e assustar quem está fazendo suas necessidades.
A maioria destas lendas urbanas são baseadas em fatos reais, mas acabam sendo distorcidas ao longo do tempo. As características principais deste tipo de literatura são:
*História sempre pequena, buscando o máximo de leitores com uma estrutura de fácil entendimento.
*Busca autenticidade por meio de fatos, locais reais, personagens conhecidos e provas.
*Todos que as contam geralmente dizem ter ouvido de alguém conhecido e procuram dar veracidade ao fato como se tivesse realmente vivido.

Entre as lendas urbanas famosas no Brasil destacam-se:

A loira do banheiro
A loira da estrada
Passageira fantasma
O roubo do rim
Bonecos assassinos
Os babás

Fontes:
https://www.infoescola.com/folclore/lendas-urbanas/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Lenda_urbana
http://vultosnanoite.vilabol.uol.com.br/lendas.htm
https://web.archive.org/web/20170214185043/http://www.sobrenatural.org:80/lenda_urbana/
https://web.archive.org/web/20210715031720/https://listen.grooveshark.com/
http://www.pensador.info/frase/NjYyMzky/



ENCONTRO   DE   POETAS

 SAUDADE É ISSO

Quando me disseram que você estava ali
Procurando meu endereço, tão desorientado
Num ímpeto de compaixão, fui ao seu encalço
Ao me ver, soltou um grito, e num sobressalto
Me agarrou, com maravilhoso e doce abraço.

Eu não sabia que o mundo o deixara assim
Quando nos falamos antes, pela última vez
Por sua decisão, que eu tristemente, aceitei
O deixei partir, à minha revelia, agora eu sei
Que fomos tolos, por tanta insensatez!

E nos abraçamos ali pra todo mundo ver
Que a verdade só nos mostra, que maravilhosas
São as carícias de nossas almas impetuosas
Quando atingem o coração, nos ensinando a viver!

Socorro Almeida
Recife, 08/07/2022
 
 O BEIJA-FLOR E O POETA

O poeta divaga como um beija-flor
Voa sem direção e cheio de amor
Mesmo angustiado, ou ainda infeliz
Só sossega quando canta à sua dor!

O seu canto é ouvido pelos quatro cantos
Não sabemos, como ele, esconder o pranto
Se ele pousou no teu jardim ou no meu
Só sentimos quando deixa seus encantos.

E os encantos são as poesias do poeta
Se de suas mãos nascem as maravilhas
De sua voz faz o recital ante a plateia...
E eis que nos aplausos a sua alma brilha!

Socorro Almeida
Recife, 20/08/2022
 

Ser Professor!
(Carlos Isaac)

Ser Professor é antes de tudo,
como diria "Euclides", ser um ser forte!
Ser a rocha que resiste à tempestade.
O carvalho que não sucumbe nem diante da erosão.
O médico cuja especialização é entender o coração
que desesperadamente pulsa por carinho!

Ser professor é ser palhaço fora de hora!
Que ri enquanto muitas vezes sangra,
e que chora com a alegria das conquistas
do maravilhoso palco de sua vida: O seu dia a dia.

Ser professor é acreditar que dias melhores virão.
É acreditar que é possível viver a utopia do amanhã
acreditando no hoje, que com sonhos, ajuda a construir.

Ser Professor é ser Poeta!!!!!
Poeta que com tudo sonha,
Poeta que em tudo acredita,
Poeta que não se entrega.
Poeta que mesmo sofrendo,
acaba por morrer feliz!
 
O HOMEM E O ACASO

E de onde vimos?
Para onde vamos?
Termina na morte?
Resumo da vida.
    II
Tem sentido viver?
Acredito que sim
Na razão do viver
Do que se busca, sim
    III
A vida é dual
Absurdidade!
Tanta essência
Termina na morte.

Manoel Antonio dos Santos
GBA - PB.,12.102022 
 

 A MOÇA DA VARANDA (3)

O ontem se fez presente
E a moça se fez mulher
Na varanda como quer
Na presença se consente.
    II
Não mais dos sertões veredas,
Só lembranças no presente
De um passado que se faz ausente.
    III
Nos caminhos apaixonantes
De um amor borbulhante
Que o tempo nunca desfez.
    IV
Oh Deus! Saúde e paz constantes.
Aguardamos, inebriante,
Vida longa, com certeza.

Manoel Antonio dos Santos
GBA - PB., 13/10/2022
 
O QUE SOMOS?

Qual o sentido da vida?
Falo de filosofia,
No pensamento confia
De essência vivida.
    II
Buscando razão para tal
Resolver tal enigma,
Pensar em paradigma
Envolvendo o sentimental.
    III
Qual caminho achar sentido
Em base filosófica?
Eis o mistério da vida
    IV
Que se busca compreender
Com razão, persistência.
Oh Deus! O que sou na vida?

Manoel Antonio dos Santos
GBA - PB.,13.10.2022
 

VIDA

Ninguém conhece a real
faces das pessoas,
Somos incógnitas
ambulantes.
Em um mundo frio e calculista...
No auge da loucura itinerante,
atuamos de formas diversas.
Nossas habilidades,
desconhecemos muitas vezes.
Nesse movimento transitório, 
descobrimos uma invasão 
de conhecimentos inesperados.
Nessa imensidão que é a vida.

Sol&Lua 


CONSELHO

Sabe mulher
Você é cheia de predicados.
Inteligente
Capaz
Virtuosa
Tudo que faz
Tem valor inestimável
Inspira
E se inspira.
E essa inspiração
Vinda de dentro
sem filtro, sem demagogia,
sem falsidade e sem desdém.
Assim acontece quando se entrega
ao sentimento de amor 
à vida e ao próximo.

Sol&Lua


Cantinho do Editor

Uma Prisão Chamada Sistema (Família)

 Há tempos que algo vem me incomodando, não sei se é porque tenho mais tempo para pensar (pensar é perigoso) ou se passo mais tempo comigo. Parece que me falta algo. Chico Xavier disse uma vez que precisamos ter um objetivo para ficarmos preso à Terra. Dinheiro ele tinha o suficiente para viver, casa já tinha uma, não saberia o que fazer com outra; precisava de seus gatos e seus gatos precisavam de seus cuidados, e se não tivesse seus gatos não teria motivo algum para continuar vivendo.

Mas não quero motivos para viver. Quero voar como os pássaros voam nos contos da Elisabete, voar alto, livre, sem amarras. Voar em um crescimento contínuo, célere, sem máscaras. Será possível? Ou é mais uma ilusão.

Parece que faltam motivos para as pessoas continuarem vivendo. Muitas pessoas conseguem alcançar um crescimento ímpar. Estudam, vão para uma faculdade, escolhem uma profissão, serão médicos, engenheiros, professores, dentistas, advogados etc. Casam-se, tem filhos, netos. Compram uma casa na praia, tem dois carros, moto. Iphone; escolhem ser da direita ou da esquerda, comunista, socialista, adventista, católicos e até espíritas. Porém são mais um na manada. Seguem o que escolheram para eles, criam uma ilusão que foram eles que escolheram, acham que vivem felizes.

As pessoas felizes vivem de acordo com o sistema e se você não discordar do sistema o sistema não lhe incomoda, cria uma ilusão de livre arbítrio. Tudo o que você faz é sua escolha. Pura ilusão. Tudo o que você faz é o que o sistema permite. E o sistema permite que você tenha uma família. Seu objetivo de vida é formar uma família. Nascemos em uma família, crescemos em uma família e formamos outra família dentro dessa família. Aí pensamos que nos libertamos; puro engano, apenas aumentamos a manada.

Namoramos, noivamos, casamo-nos, temos filhos. Passamos a realizar os sonhos da família, os sonhos dos filhos, o sonho de nossos pais, o sonho da esposa. Meus pais querem que eu seja médico. Serei médico. Meu filho quer uma moto, vou trabalhar mais para lhe dar uma moto. Minha filha quer conhecer a Europa, mais trabalho. Minha esposa quer uma casa de praia, mais trabalho. E meus sonhos quem os realizará senão eu. Um dos meus sonhos é cuidar das minhas plantas, não preciso trabalhar tanto para cuidar de minhas plantas. Diminuo o trabalho e a renda familiar cai. E plano de Saúde? E o seguro de vida? E o seguro do automóvel? Ou realizo meus sonhos ou volto a trabalhar mais, e mais, e mais. Você tem que seguir a manada, não pode parar, pensar muito menos. A manada é cruel ou você a segue ou é atropelado por ela.

Mas por que eu estou a reclamar? Pertenço a manada. Tenho uma família, uma casa, carros, moto, casa de praia. O que desejaria mais? Pois é; é perigoso pensar. Cresci de tamanho, cresci financeiramente, meus bens cresceram, minha família cresceu, até minha próstata cresceu. Tudo permitido (conquistado com meu esforço). Mas eu continuo me sentindo pequeno, preso, cheios de amarras. Sinto falta de algo, sinto um vazio que esses crescimentos não preencheram, muito pelo contrário, me tornaram mais vazio.

Chego a uma conclusão: estou me tornando um ser sem alma. Ter alma é querer ascender, voar, crescer (não esse crescimento permitido), cortar as amarras, se desprender.se desapegar. Simplesmente Ser. Já fomos seres altruístas, hoje somos seres egoístas, só pensamos em nós mesmos (família, País, partido político, clube de futebol. Igreja etc.). Será que ainda terei tempo? Será que conseguirei superar as dificuldades que passarei a enfrentar por tentar deixar a manada? Será que tudo isso é um sonho que o sistema me permite ter? Vou pensar e pensar é perigoso. Ou será que simplesmente estou fichando velho.

Jorge leite, 06/04/2019

Sem Poesia

Nada será como antes
A vida não tem solução
Por mais que eu tente
Não entendi nada.
O que tentei reter
Fugiu entre suspiros
Fugiu na contramão
Simplesmente se foi
Morreu de antemão.

Pensava ser feliz, quisera.
Tinha um sorriso no rosto
O suor escorria entre nós
Nada enxergava, estava feliz.
Nossos corpos bailavam
Em ritmos quentes
Afagos e beijos sem tédio
Sem pausa nos amávamos
Tudo pura ilusão.

Sussurravas meu nome
Acompanhados de ais,
Abraços quentes demais
Pensei ouvir mais uma vez
Prestei atenção
Trocaste meu nome
Numa explosão sensual
Tenso fiquei, esperei
Erraste mais uma vez.


Jorge Leite, Madalena 14 de novembro de 2020

Imagens: Lendas Urbanas

                        Escolha do Editor


18 comentários:

  1. A Edição do nosso Cantinho do Saber está primorosa. Uma sensacional página, bem educativa, informativa e cultural com um Conto surpreendente e inspirado na Lenda Urbana "A Loira do Cemitério", uma narrativa que foi passada de geração a geração, uma das histórias que Mamãe Contava. Meu Conto de hoje foi solicitado pela minha amiga diretora de escola, Sônia Matos, que irá trabalhar a temática Lendas Urbanas em um evento na sua Instituição escolar.
    Como também, trago como suporte mais um pesquisa sobre Lendas Urbanas uma complementação ao tema da Edição.
    No Encontro de Poetas temos um maravilhoso desfile com belíssimos e bem inspirados poemas para o deleite de todos. Parabéns aos poetas desfilantes de hoje. Eles que são merecedores de todos os aplausos.
    No Cantinho do Editor uma crônica linda e reflexiva, como também um poema recheado de muitas reflexões. Parabéns querido irmão, Jorge Leite, pelas suas adoráveis partilhas.
    As ilustrações estão impecáveis e pertinentes com a temática abordada no Conto. Realmente, um show de Domingo!
    Gratidão sempre pelo carinho de vocês, como também dos visitantes e leitores.
    Um ótimo domingo pessoal, com muita Paz em nosso coração!
    Até a próxima Edição!

    ResponderExcluir
  2. Diversidade de temas. Isso é bom.
    A lenda sobre o Mistério da Loira de Cemitério é muito interessante;
    A crônica de Jorge Leite faz a gente refletir sobre nossas vidas;
    As poesias de Manoel Antônio, Sol&Lua; Carlos Isaac e Socorro Almeida, complementam o Blog.
    Parabéns a todos os poetas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga poeta, Socorro Almeida, pelas suas belíssimas contribuições poéticas e preciosos comentários. Nós ficamos lisonjeados pela sua atenção e amizade de sempre.
      Abraços em seu coração ❤️.

      Excluir
  3. Quero agradecer ao Blog Maçayó
    Pela oportunidade que tenho de ver minhas poesias e/ou trabalhos publicados em tão importante meio social. Obviamente pelas mãos da grande poetisa, contista e, aciona de tudo, escritora, Bety.
    Sou grato por tudo, Elisabete Leite.
    Pensando estou em pautar, doravante, meus trabalhos com viés filosóficos, aliás já os faço.
    Talvez as narrativas se coadunam com o meu pensar atual, num pensar de si mesmo, pelo sentido da vida, consciente de que vale a pena viver quando se tem um objetivo: O legado existencial.
    O ser-aí enquanto o não -ser, ante as enigmáticas indagações:
    - Qual é o sentido de nossa vida?

    - Uma vida que necessariamente acaba com a morte pode ter sentido?
    - Como podemos ser felizes, sabendo que devemos morrer?
    Para reflexão!
    Um forte abraço a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ilustre Poeta, Manoel Antônio Dos Santos, pelas maravilhosas contribuições e gentis comentários. O Blog agradece pela sua atenção de sempre.
      Abraços Literários!

      Excluir
    2. Um bom dia, poeta Manoel Antônio dos Santos.
      Fico feliz com sua proposta de publicarmos temas filosóficos. Farei parte de seus debates criados desde já. Porém, acho, que a poesia em si já é algo filosófico, é filosofia em versos, é descrição da vida espiritual de cada poeta.
      Agradeço sua colaboração e participação no Blog Maçayó. Tenha um excelente domingo.

      Excluir
  4. Bom dia, Pessoal!
    Bom dia, Betinha! Sempre nos trazendo contos maravilhosos. Fazendo diferença ao publicar um tema popular como as “Lendas Urbanas”. Tenho acompanhado seu crescimento como poeta e contista, desde o início quando me mostrou um poema sobre “Itamaracá”. Seu crescimento é ímpar. Fico contente em ter colaborado com essa explosão de criatividade. Parabéns, poeta e contista Elisabete Leite.
    Outra figura importante, na literatura nordestina, é a poeta e cronista Socorro Almeida. Como Betinha, vi seu crescimento nas páginas do Blog Maçayó. Está conosco desde os primeiros números, desde as primeiras edições. Uma presença constante que enobrece cada exemplar do Blog. Meus agradecimentos a Socorro Almeida, essa fera que lida magicamente com os temas “Amor” e “Mulher”. Parabéns, Socorro Almeida.
    Enfim, parabenizar a todos que encontram no Blog Maçayó, espaço para publicar seus trabalhos sem interferência dos editores. Uma tribuna livre para todos.
    Um excelente domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada meu querido irmão, Jorge Leite, com um mestre como você não poderia deixar de crescer. Sou seu espelho, tu és meu mestre com carinho. A temática Lendas Urbanas é o nosso legado vivo, nossa mãe contava e recontava histórias que permanecem vivas dentro de mim.
      Obrigada por existir e fazer parte da minha existência.
      Eu te amo! Tenho orgulho de ser sua irmã.
      Beijo na sua alma!

      Excluir
  5. Numa semana onde se comemora o dia da criança e o dia do professor, o blog não poderia deixar de nós saudar com tantas diversidades de poesias. Deus abençoe plenamente a sensibilidade da grande Poeta Elisabete Leite, como também do seu irmão e eterno parceiro, Jorge Leite. Deus os abençoe plenamente, que vocês tenham cada vez mais a capacidade de fazer suscitar a criança e o professor que existe em cada um de nós, poetas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada meu grande amigo, Carlos Isaac, suas palavras são centelhas que iluminam nossa inspiração literária.
      Gratidão sempre pelas suas lindíssimas Contribuições Poéticas e gentis comentários.
      Forte abraço!

      Excluir
  6. Sensacional ficou a atual página do blog, tanto em conteúdo quanto em imagens ilustrativas. No conto sobre LENDAS URBANAS os personagens ganham vida com as fotos e o suporte da pesquisa que explica com clareza o significado de algumas palavras chaves, contidas no enredo do conto, para um melhor entendimento da temática, proporcionando, assim, ao leitor clareza nos fatos abordados.
    No Encontro de Poetas tudo brilhante tal qual os belíssimos poemas compartilhados. Parabéns, Poetas!
    É notável a iniciativa do poeta Jorge Leite trazendo uma crônica tão rica em reflexão. Muito emocionada, feliz e agradecida. Obrigada Elisabete Leite e Jorge Leite por todo empenho.
    Show!
    Abraços calorosos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida amiga, Sônia Matos, por reconhecer a importância do Blog Maçayó no cotidiano da escola, como também sua relevância para à literatura de modo geral.
      Agradecemos todo seu carinho e atenção.
      Abraços poéticos!

      Excluir
  7. Voltando para agradecer as palavras carinhosas do nosso amigo e editor Jorge Leite. Quero que saiba que sempre me emociono a cada edição, por saber que este Blog é um cantinho para os amigos, para os poetas de grande valor. Sua amizade é o motivo de estarmos sempre juntos, compartilhando nossos sentimentos através de nossos poemas. Sou tua fã, meu amigo, admiro seus poemas, assim como sua alma poética, seu coração maravilhoso. Obrigada a você e a sua irmã, pessoa da qual também me orgulho.
    Um grande abraço. Estaremos sempre juntos. Até a próxima edição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida amiga poeta, Socorro Almeida, a recíproca é verdadeira.
      Um grande abraço!

      Excluir
  8. Nossa, essa edição foi no mínimo inquietante, parabéns a todos envolvidos. Uma tarde de domingo iluminada 🌹❤🌻🍃🌿🌼🌸👏👏👏👏💫

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida amiga, Marineide Firmino, pela sua atenção e gentil comentário.
      Beijo em seu coração ❤️

      Excluir

  9. Era uma noite fria de inverno, os raios iluminavam os caminhos, já que a lua e as estrelas resolveram não aparecer, pois o clima era de chuva e o tempo pardacento deixava o cenário sombrio. Me ponho a imaginar de onde aflora tanto conteúdo deslumbrante! Quanta sabedoria Elisabete, a cada edição um conto surpreendente.

    Alguns mitos ficam gravados para sempre no imaginário popular. Quem nunca teve medo de bebericar um drink desconhecido e acabar sem um dos rins numa banheira com gelo? Parabens Felipe o cantinho da leitura recebeu um grande contista.
    Um forte abraço aos demais, tenho orgulho em fazer parte dessa família macayoense.

    Nada será como antes
    A vida não tem solução
    Por mais que eu tente
    Não entendi nada.
    O que tentei reter
    Fugiu entre suspiros
    Fugiu na contramão
    Simplesmente se foi
    Morreu de antemão.
    Esse é o meu querido poeta Jorge Leite, artista por quem eu tenho uma grande admiração.
    Parece que faltam motivos para as pessoas continuarem vivendo. Muitas pessoas conseguem alcançar um crescimento ímpar. Estudam, vão para uma faculdade, escolhem uma profissão, serão médicos, engenheiros, professores, dentistas, advogados etc. Casam-se, tem filhos, netos. Compram uma casa na praia, tem dois carros, moto. Iphone; escolhem ser da direita ou da esquerda, comunista, socialista, adventista, católicos e até espíritas. Porém são mais um na manada. Seguem o que escolheram para eles, criam uma ilusão que foram eles que escolheram, acham que vivem felizes. Olha mesmo o cantinho do editor causando. Isso é impactante e surpreendente. Beijão minha caríssima Socorro Almeida.
    Quando me disseram que você estava ali
    Procurando meu endereço, tão desorientado
    Num ímpeto de compaixão, fui ao seu encalço
    Ao me ver, soltou um grito, e num sobressalto
    Me agarrou, com maravilhoso e doce abraço.

    O seu canto é ouvido pelos quatro cantos
    Não sabemos, como ele, esconder o pranto
    Se ele pousou no teu jardim ou no meu
    Só sentimos quando deixa seus encantos.

    Ser Professor é ser Poeta!!!!!
    Poeta que com tudo sonha,
    Poeta que em tudo acredita,
    Poeta que não se entrega.
    Poeta que mesmo sofrendo,
    acaba por morrer feliz!

    Qual o sentido da vida?
    Falo de filosofia,
    No pensamento confia
    De essência vivida.
    Ninguém conhece a real
    faces das pessoas,
    Somos incógnitas
    ambulantes.
    Em um mundo frio e calculista...
    No auge da loucura itinerante,
    atuamos de formas diversas.

    Nada será como antes
    A vida não tem solução
    Por mais que eu tente
    Não entendi nada.
    O que tentei reter
    Fugiu entre suspiros
    Fugiu na contramão
    Simplesmente se foi
    Morreu de antemão.
    Parabéns a todos, um forte abraço aos comentaristas. Honrado com tanto talento .
    Baltazar Filho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amigo e irmão, Baltazar Filho,
      Pelas sua maravilhosas contribuições poéticas e brilhantes comentários. Nós agradecemos por toda sua atenção. Estamos lisonjeados pelas suas palavras.
      Abraços poéticos.

      Excluir